Símbolos patri italianos

Da Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para a navegação Ir para a pesquisa
Gravura alegórica de 1895 comemorando o 25º aniversário da ruptura da Porta Pia . A figura contém vários símbolos patrióticos italianos associados a alegorias da história romana . [N 1]

Os símbolos patrióticos italianos são os símbolos que identificam a Itália de maneira única , refletindo sua história e cultura. Eles são usados ​​para representar a Nação através de emblemas , metáforas , personificações , alegorias , que são compartilhados por todo o povo italiano .

Alguns deles são oficiais, ou seja, são reconhecidos pelas autoridades do Estado italiano, enquanto outros fazem parte da identidade do país sem serem definidos por lei. Outros ainda não são mais usados ​​porque foram substituídos.

Descrição

Primeira página do original da Constituição da República Italiana mantida no arquivo histórico da Presidência da República. O único símbolo nacional oficialmente reconhecido na carta constitucional italiana é a bandeira

Os três principais símbolos oficiais [1] , cuja tipologia está presente no simbolismo de todas as nações, são:

Destes, apenas a bandeira é explicitamente mencionada na Constituição italiana; essa inserção normativa coloca a bandeira sob a proteção da lei, possibilitando sanções penais por insultá-la [2] .

Outros símbolos oficiais, conforme relatado pela Presidência da República Italiana [1] , são:

O ensino do hino de Mameli nas escolas, a reflexão sobre os acontecimentos do Risorgimento e a adoção da bandeira tricolor estão previstos na lei n. 222 de 23 de novembro de 2012 [3] [4] .

Depois, há outros símbolos ou emblemas da Itália que, embora não legalmente definidos, fazem parte da identidade italiana:

Outros símbolos não são mais usados, pois os substituídos são:

  • a lira italiana , moeda nacional com curso legal na Itália até 28 de fevereiro de 2002, quando foi substituída pelo euro ;
  • o brasão do Reino da Itália , que foi o brasão oficial do Reino de 1861 a 1946, quando foi substituído pelo emblema da República Italiana.

Símbolos oficiais

Bandeira da Itália

Ícone da lupa mgx2.svg O mesmo tópico em detalhes: Bandeira da Itália , História da bandeira da Itália , Festa del Tricolore e Sala del Tricolore .
Bandeira da República Italiana
O então Presidente da República, Carlo Azeglio Ciampi, homenageia a primeira bandeira italiana durante a Festa del Tricolore em 7 de janeiro de 2004 em Reggio nell'Emilia.

A bandeira da Itália , também conhecida em italiano como tricolor , é uma bandeira tricolor composta de verde , branco e vermelho a partir do mastro, com três faixas verticais de igual tamanho, conforme definido no artigo 12 da Constituição da República Italiana [N 3] , publicado no Diário Oficial da União nº. 298, edição extraordinária, de 27 de dezembro de 1947 [N 2] [7] . A lei regula seu uso e exibição, protege sua defesa ao prever o crime de insultá-lo e prescreve seu ensino nas escolas juntamente com os demais símbolos patrióticos italianos [8] [9] .

A Festa del Tricolore , instituída pela lei n. 671, de 31 de dezembro de 1996, realizada anualmente em 7 de janeiro [10] . Esta celebração comemora a primeira adoção oficial do tricolor como bandeira nacional por um estado italiano soberano, a República Cispadana , que aconteceu em 7 de janeiro de 1797 em um salão do prédio municipal de Reggio nell'Emilia , mais tarde denominado Sala del Tricolore , sobre o balanço dos acontecimentos posteriores à Revolução Francesa (1789-1799) que preconizava, entre seus ideais, a autodeterminação dos povos [10] .

Quem apresentou a proposta de adoção de uma bandeira nacional verde, branca e vermelha foi Giuseppe Compagnoni - portanto lembrado como o "pai do tricolor" - na XIV sessão do Congresso de Cispadano, uma assembléia composta por 100 deputados de Bolonha , Ferrara , Itália , Modena e Reggio nell'Emilia [11], que anteriormente havia proclamado o nascimento da República Cispadana [12] .

Após a data de 7 de janeiro de 1797, a consideração popular pela bandeira italiana cresceu continuamente, até se tornar um dos mais importantes símbolos do Risorgimento , que culminou em 17 de março de 1861 com a proclamação do Reino da Itália , do qual o tricolor passou a ser um banner nacional [13] . A bandeira tricolor cruzou mais de dois séculos de história italiana, saudando todos os eventos mais importantes.

A Canção dos Italianos

Ícone da lupa mgx2.svg O mesmo tópico em detalhes: Il Canto degli Italiani .
Irmãos da Itália part1.jpg

O Canto degli Italiani , também conhecido como Irmãos da Itália , Hino de Mameli , Canto Nacional ou Hino Italiano, é uma canção do Risorgimento escrita por Goffredo Mameli e musicada por Michele Novaro em 1847, o hino nacional da República Italiana [14] . A peça, um 4/4 em Si bemol maior [15] , consiste em seis estrofes e um refrão que é cantado no final de cada verso [16] . O sexto grupo de versos, quase nunca executado, lembra o texto do primeiro versículo [16] .

A Canção dos Italianos ( arquivo info )
Versão instrumental executada pela Banda Central da Marinha Italiana .

A canção foi muito popular durante o Risorgimento e nas décadas seguintes [17] , embora após a unificação da Itália (1861) a Marcha Real tenha sido escolhida como o hino do Reino da Itália , que era a peça oficial da Casa de Sabóia. . O Canto degli Italiani era de fato considerado pouco conservador em relação à situação política da época: Irmãos da Itália , de clara conotação republicana e jacobina [18] [19] , não se reconciliaram com o desfecho do Risorgimento, que foi de monarquista [20] .

Após a Segunda Guerra Mundial , a Itália tornou-se uma república e o Canto degli Italiani foi eleito, em 12 de outubro de 1946, como hino nacional provisório, função que manteve mesmo depois, permanecendo o hino de facto da República Italiana [17] . Ao longo das décadas, várias iniciativas parlamentares foram realizadas para torná-lo o hino nacional oficial, até e incluindo a lei n. 181, de 4 de dezembro de 2017, que conferiu ao Canto degli Italiani o estatuto de hino nacional de iure [14] .

O texto foi escrito no outono de 1847 pelo patriota Goffredo Mameli , que o enviou a Turim para que fosse musicado pelo maestro Michele Novaro [21] : o hino começou em 10 de dezembro de 1847 em Gênova na praça do santuário de Nostra Signora di Loreto del bairro de Oregina , por ocasião da comemoração da revolta do bairro genovês de Portoria contra os ocupantes dos Habsburgos durante a guerra de sucessão austríaca [21] .

Emblema da República Italiana

Ícone da lupa mgx2.svg O mesmo tópico em detalhes: Emblema da República Italiana .
Italy-Emblem.svg
Paolo Paschetto, o artista que desenhou o emblema da República Italiana.

O emblema da República Italiana é o emblema de identificação nacional do estado italiano. Aprovado pela Assembleia Constituinte em 31 de janeiro de 1948, o último brasão foi ratificado definitivamente em 5 de maio pelo Presidente da República Enrico De Nicola com o decreto legislativo n. 535 [22] [23] a ser publicado no Diário Oficial da União nº. 122 de 28 de maio de 1948 [24] . O esboço inicial foi feito pelo artista plástico Paolo Paschetto , vencedor dos dois concursos públicos realizados, respectivamente, em 1946 e 1947 [23] .

É formada pela Estrela da Itália sobreposta a uma roda dentada de aço , símbolo do trabalho , que é a base da República (ver artigo 1º da Constituição italiana ) [23] . Esta referência ao trabalho, no entanto, não deve ser entendida como uma norma jurídica que obrigue o Estado a protegê-lo minuciosamente, mas como uma referência ao princípio que lhe está associado, que é o fundamento da sociedade italiana [24] . O segundo parágrafo, por outro lado, ao atribuir a soberania exclusivamente ao povo, estabelece o caráter democrático da república [25] .

O conjunto formado pela roda dentada e a estrela da Itália é circundado por um ramo de carvalho , localizado à direita, que simboliza a força e dignidade do povo italiano (em latim o termo robur na verdade significa carvalho e força moral e física [26] ) e uma oliveira , situada à esquerda, que representa o desejo de paz da Itália, tanto internamente como em relação a outras nações [23] .

O emblema da República Italiana não pode ser definido como um brasão porque não tem escudo ; com efeito, segundo a definição heráldica , esta constitui uma parte essencial dos brasões (ao contrário de outras decorações como, por exemplo, coroas , elmos ou frondes, que são peças acessórias). Por este motivo, é mais correcto referir-se a ele com o termo "emblema nacional" [27] .

Bandeira presidencial italiana

Ícone da lupa mgx2.svg O mesmo assunto em detalhes: bandeira presidencial italiana .
Bandeira do Presidente da Itália.svg

A bandeira presidencial italiana é a bandeira distintiva da presença do Presidente da República Italiana . Segue, portanto, o Chefe de Estado toda vez que ele sai do Palácio do Quirinal , onde é exposto durante sua presença [28] . A faixa é afixada no meio de transporte em que o presidente entra, fora das prefeituras quando o presidente está em visita a uma cidade e dentro das salas onde intervém em funções oficiais [28] .

A bandeira lembra as cores da bandeira nacional italiana , com particular referência à bandeira da histórica República Italiana de 1802-1805 ; a forma quadrada e a borda azul simbolizam as forças armadas italianas , que são comandadas pelo presidente [28] . Em 1986, uma bandeira foi estabelecida para o presidente suplente da República . Essa faixa, que é semelhante à primeira faixa do presidente, em vez de azul, é branca com uma moldura azul; além disso, o emblema da República, em vez de ouro, é prata. Em 2001, porém, foi criada a insígnia distintiva dos presidentes eméritos da República .

Vitoriana

Ícone da lupa mgx2.svg O mesmo tópico em detalhes: Vittoriano , Soldado Desconhecido (Itália) , Obras arquitetônicas e artísticas do Vittoriano e História do Vittoriano .
Piazza Venezia - The Vittoriano.jpg

O Monumento Nacional a Vittorio Emanuele II ou (Mole del) Vittoriano [29] , indevidamente chamado de Altare della Patria [30] , é um complexo monumental nacional italiano localizado em Roma, na Piazza Venezia, na encosta norte do Monte Capitolino , obra de do arquiteto Giuseppe Sacconi , que foi construída a partir de 1885 com a conclusão das obras ocorrida em 1935, quando foi concluída em todas as suas partes. A inauguração oficial e a abertura simultânea ao público ocorreram anteriormente, em 1911, por ocasião dos eventos relacionados com o 50º aniversário da Unificação da Itália [31] .

Vislumbre das obras artísticas e arquitetônicas presentes no Vittoriano.

O Vittoriano foi arquitetonicamente concebido como um grande e moderno fórum [32] aberto aos cidadãos, organizado como uma ágora em três níveis conectados por degraus, no topo do qual há um majestoso pórtico caracterizado por uma longa colunata e dois imponentes propileus [33 ] Tem um grande valor simbólico e representativo, visto que está arquitetonicamente e artisticamente centrado no Risorgimento nacional , período da história italiana durante o qual a Itália atingiu a sua unidade nacional . Por este motivo, é considerado um dos símbolos nacionais italianos [34] . O Vittoriano inclui obras artísticas com um simbolismo preciso [35] que representam, por meio de metáforas , as virtudes e os sentimentos , muitas vezes interpretados como personificações alegóricas , que animaram os italianos durante o Risorgimento [36] .

O centro arquitetônico do Vittoriano é a estátua equestre de Vittorio Emanuele II , que é a única representação não simbólica presente no monumento, já que é a representação do Rei Vittorio Emanuele II de Sabóia , uma figura histórica real [34] [37] . O termo "Vittoriano" deriva do nome Vittorio Emanuele II de Sabóia, primeiro rei da Itália unida , protagonista do Risorgimento e defensor do processo de unificação italiano , tanto que é apontado pela historiografia como " Pai da Pátria " [ 34] . O centro simbólico do Vittoriano é, em vez disso, o Altare della Patria, inicialmente pensado como um altar da deusa Roma e depois também consagrado como uma capela do Soldado Desconhecido [33] : devido ao seu grande valor representativo, todo o Vittoriano é muitas vezes erroneamente chamado com este nome, embora o Altar da Pátria represente apenas uma parte [38] .

Desde a sua inauguração, o Vittoriano tem sido palco de importantes momentos comemorativos; isso tem acentuado seu papel como um símbolo de identidade nacional [39] . As celebrações mais importantes que acontecem no Vittoriano acontecem anualmente por ocasião do Aniversário da Libertação da Itália (25 de abril), o Dia da República Italiana (2 de junho) e o Dia da Unidade Nacional e das Forças Armadas (4 de novembro ), durante a qual o Presidente da República Italiana e os mais altos cargos do Estado prestam homenagem à capela do Soldado Desconhecido com a deposição de uma coroa de louros em memória dos italianos mortos e desaparecidos nas guerras [40] .

Feriado da República Italiana

Ícone da lupa mgx2.svg O mesmo tópico em detalhes: Dia da República Italiana .
Dia da República 2008-3.jpg
Forma do referendo institucional de 2 de junho de 1946. No círculo da esquerda está a representação da Itália com torres , enquanto que no da direita está o escudo de Savoy.

A festa da República Italiana é um dia comemorativo nacional italiano estabelecido para comemorar o nascimento da República Italiana . É celebrado todos os anos no dia 2 de junho , data do referendo institucional de 1946 , sendo a celebração principal em Roma . O cerimonial do evento organizado em Roma inclui a deposição de uma coroa de louros em homenagem ao Soldado Desconhecido no Altare della Patria pelo Presidente da República Italiana e um desfile militar ao longo da via dei Fori Imperiali [41] .

Esta data lembra o referendo institucional pelo qual os italianos foram chamados às urnas para decidir qual forma de Estado - monarquia ou república - dar ao país [42] . O referendo foi convocado no final da Segunda Guerra Mundial , poucos anos após a queda do fascismo , regime ditatorial que foi apoiado pela família real italiana durante cerca de vinte anos [42] .

Este referendo institucional foi o primeiro voto de sufrágio universal realizado na Itália [42] . O resultado da consulta popular, 12 717 923 a favor da república e 10 719 284 a favor da monarquia, foi oficialmente comunicado em 18 de junho de 1946, quando o Tribunal de Cassação declarou, após 85 anos de reinado , o nascimento de a República Italiana [42] .

Símbolos não oficiais

Azul claro

Ícone da lupa mgx2.svg O mesmo tópico em detalhes: Blu Savoia .
Amedeo VI de Sabóia

O azul Savoy é um tom de azul de saturação entre o azul pavão e a pervinca , mais claro que o azul pavão [43] . Cor nacional da Itália , deve seu nome ao fato de ser a cor da Casa de Sabóia , dinastia que governou a Itália de 1861 a 1946. Tornou-se a cor nacional italiana com a unificação da Itália (1861), sua o uso também continuou após o nascimento da República Italiana (1946).

Suas origens remontam a 1366, quando Amedeo VI de Savoy , chamado Il Conte Verde , partindo para uma cruzada , queria em sua nau capitânia, ao lado do estandarte vermelho-cruzado do Savoy, agitar uma grande bandeira azul em homenagem aos Madonna. [44] .

Também em homenagem à Virgem, as fitas da Ordem Suprema da Santissima Annunziata , a maior insígnia da cavalaria italiana na era monárquica, eram azuis, assim como as fitas das condecorações por bravura militar ( medalha de ouro para bravura militar , medalha de prata medalha para bravura militar , medalha de bronze para bravura militar , cruz de guerra para bravura militar ) [45] [46] .

O azul Savoy foi preservado em algumas áreas institucionais mesmo após a proclamação da República Italiana : este tom é na verdade a borda da bandeira presidencial italiana (azul, em heráldica , significa "lei" e "comando") e é a cor dominante as bandeiras institucionais de alguns cargos públicos importantes ( Presidente do Conselho de Ministros da República Italiana , Ministro e Subsecretários da Defesa , altos escalões da Marinha e da Força Aérea ).

A tonalidade azul do azul Savoy, já usada em cockades militares, gravatas de bandeiras e bandas de oficiais Savoy, ainda continua a aparecer como uma das cores de referência e de reconhecimento da Itália, tanto que se tornou a tonalidade usada em as camisas esportivas nacionais italianas , no lenço azul fornecido aos oficiais das Forças Armadas italianas, na faixa distintiva dos presidentes das províncias da Itália [45] [46] , na cocar azul italiana e nas aeronaves utilizadas por o Frecce Tricolori , também são tradições que nunca foram interrompidas, mesmo por ocasião do nascimento da República Italiana.

Em 6 de janeiro de 1911, a camisa azul foi adotada pela primeira vez pela Seleção Italiana de Futebol , em homenagem à família Savoy, na época casa real italiana [47] . Após o sucesso do futebol como esporte nacional, o azul aos poucos passou a ser a cor das camisas de quase todos os esportistas italianos [N 4] , tanto que após a Segunda Guerra Mundial passou a ser considerado um símbolo nacional como a bandeira tricolor [45 ]

Cocar italiano azul claro

Ícone da lupa mgx2.svg O mesmo tópico em detalhes: Cocar italiano azul claro .
O cocar azul italiano

O cocar azul italiano é um dos ornamentos representativos da Itália , obtido por meio do plissamento circular de uma fita azul. Vindo do azul Savoia , a cor da casa governante italiana de 1861 a 1946, o cocar azul permaneceu oficialmente em uso até 1947, quando entrou em vigor a constituição da República Italiana , após o que foi substituído, em todos os cargos oficiais, da cocar tricolor italiana . No campo militar, a cocar azul italiana foi substituída pela tricolor um século antes, em 1848, durante a primeira guerra de independência .

A cocar azul tem suas origens pelo menos no século XVII, como atestam alguns documentos, que atestam sua presença nos uniformes militares em uso na época de Vittorio Amedeo II de Sabóia [48] . Outros documentos atestam seu uso ainda no século XVIII [49] .

Cocar tricolor italiano

Ícone da lupa mgx2.svg O mesmo tópico em detalhes: Cocar tricolor italiana .
Cocar tricolor italiano
O futebolista milanês Gianni Rivera com a cocar tricolor presa na camisa.

A cocar tricolor italiana é o ornamento nacional da Itália , obtida pelo plissamento de uma fita verde, branca e vermelha na técnica chamada plissage ("plissagem"). É composto pelas três cores da bandeira italiana com o verde no centro, o branco imediatamente na parte externa e o vermelho na borda: esta convenção sobre a posição das cores deriva dos cockades usados ​​em Bolonha em 1794 durante um tumulto, que tinha esta composição cromática [50] . A cocar com a posição invertida do vermelho e do verde é a do Irã [51] .

Como já mencionado, o cocar tricolor italiano apareceu pela primeira vez em Génova em 21 de agosto de 1789 [52] , e com ele as três cores nacionais italianas [52] , antecipando em sete anos o primeiro tricolor da bandeira militar , que foi aprovada pelo Legião Lombard em 11 de outubro de 1796 [53] , e oito anos o nascimento da bandeira da Itália, que teve suas origens, como já foi mencionado, em 7 de janeiro de 1797, quando se tornou pela primeira vez a bandeira nacional de um Estado italiano soberano , República da Cispadana [10] .

O verde, o branco e o vermelho aplicados a uma cocar tricolor reapareceram durante a revolta fracassada em Bolonha contra o Estado Papal de 13 a 14 de novembro de 1794 por Luigi Zamboni e Giovanni Battista De Rolandis [54] [55] . A cocar tricolor italiana é um dos símbolos da Força Aérea Italiana e uma reprodução em tecido dela é costurada nas camisas dos times que detêm as Copas da Itália que são organizados em vários esportes de seleções nacionais .

Cores nacionais da itália

Ícone da lupa mgx2.svg O mesmo tópico em detalhes: Cores nacionais da Itália .
As três cores nacionais italianas esculpidas no chão do Palazzo delle Poste em Florença

As cores nacionais da Itália são verde , branco e vermelho [56] , chamadas coletivamente de "o Tricolor" [N 5] . As três cores nacionais italianas apareceram pela primeira vez em Gênova em 21 de agosto de 1789 na cocar tricolor italiana cerca de um mês após a eclosão da Revolução Francesa , enquanto em 7 de janeiro de 1797 apareceram pela primeira vez em uma bandeira [52] .

Nello sport italiano è invece diffusamente utilizzato l' azzurro Savoia , tonalità cromatica che è stata adottata per la prima volta nel 1910 sulle divise della Nazionale di calcio dell'Italia e che deve il suo nome al fatto di essere il colore di Casa Savoia , dinastia regnante in Italia dal 1861 al 1946 . Divenuto colore nazionale con l' unità d'Italia (1861), il suo uso è continuato anche dopo la nascita della Repubblica Italiana (1946) con il nome di "azzurro italiano"

Nell' automobilismo il colore usato per contraddistinguere le vetture italiane è invece il rosso corsa , mentre in altre discipline come il ciclismo e gli sport invernali la tonalità utilizzato sulle divise degli atleti italiani è spesso il bianco.

Corbezzolo

Magnifying glass icon mgx2.svg Lo stesso argomento in dettaglio: Corbezzolo (simbolo patrio italiano) .
TheRomanceOfNature 0343.jpg

Il corbezzolo è la pianta nazionale italiana [57] : con le sue foglie verdi, i suoi fiori bianchi e le sue bacche rosse richiama infatti la bandiera d'Italia [5] . Il primo che associò la pianta di corbezzolo al tricolore italiano fu Giovanni Pascoli , che per commentare il passo dell' Eneide di Virgilio in cui si parla del cadavere di Pallante adagiato su rami di corbezzolo, scrisse l' ode Al corbezzolo , in cui considera Pallante il primo eroe morto per la causa nazionale e il corbezzolo la prefigurazione del Tricolore [57] [58] . Il tema fu ripreso, sempre da Pascoli, nel carme Inno a Roma [59] .

Frecce Tricolori

Magnifying glass icon mgx2.svg Lo stesso argomento in dettaglio: Frecce Tricolori .
Three-coloured Arrows.jpg
Un Aermacchi MB-339PAN delle Frecce Tricolori.

Le Frecce Tricolori , il cui nome per esteso è Pattuglia Acrobatica Nazionale , costituente il 313º Gruppo Addestramento Acrobatico , sono la pattuglia acrobatica nazionale (PAN) dell' Aeronautica Militare Italiana , nate nel 1961 in seguito alla decisione dell'Aeronautica Militare di creare un gruppo permanente per l'addestramento all' acrobazia aerea collettiva dei suoi piloti. Hanno sede all' aeroporto di Rivolto , in provincia di Udine .

Con dieci aerei , di cui nove in formazione e uno solista , sono la pattuglia acrobatica più numerosa del mondo, e il loro programma di volo, comprendente una ventina di acrobazie e della durata di circa mezz'ora, le ha rese le più famose [60] . Dal 1982 utilizzano come velivolo gli Aermacchi MB.339 A/PAN MLU .

Le Frecce Tricolori hanno tre programmi di esecuzione delle acrobazie: alto , basso , e piatto , a seconda delle condizioni meteorologiche e alle caratteristiche dell'area dell'esibizione [60] . Il programma alto viene scelto quando la base delle nuvole si trova sopra i 1.000 m ed è caratterizzato dall'esecuzione delle figure acrobatiche interamente sul piano verticale; il programma basso viene preferito invece quando le nubi non superano i 500 – 600 me non si compiono manovre verticali (come looping o la bomba ); infine, la variante piatto prevede passaggi della formazione a bassa quota.

Da alcuni anni, quando possibile, le esibizioni della PAN si chiudono con la formazione al completo che disegna nel cielo un tricolore lungo cinque chilometri mentre dagli altoparlanti a terra la voce di Luciano Pavarotti intona il finale di Nessun dorma per l'intera durata del passaggio.

Italia turrita

Magnifying glass icon mgx2.svg Lo stesso argomento in dettaglio: Italia turrita .
Liberti Italia 1861.jpg
Italia e Germania di Friedrich Overbeck, 1828, che è conservato al Neue Pinakothek di Monaco di Baviera , in Germania.

L' Italia turrita è la personificazione nazionale dell' Italia , nell'aspetto di una giovane donna con il capo cinto da una corona muraria completata da torri (da cui il termine "turrita") [61] . È spesso accompagnata dalla Stella d'Italia , da cui la cosiddetta Italia turrita e stellata , e da altri attributi aggiuntivi, il più comune dei quali è la cornucopia .

La rappresentazione allegorica con le torri, che trae le sue origini dall' antica Roma , è tipica dell' araldica civica italiana, tant'è che la corona muraria è anche il simbolo delle città d'Italia . Dal XIV secolo l'Italia turrita incominciò a essere raffigurata come una donna sconfortata e tormentata dalla sofferenza, visto il ruolo di secondo piano assunto dalla penisola italiana dopo la caduta dell'Impero romano d'Occidente[62] . La popolarità dell'Italia turrita ha toccato il suo ultimo apice nel XIX secolo, durante il Risorgimento : dopo l' unità d'Italia è cominciato un declino che l'ha portata quasi all'oblio, superata per importanza da altri simboli [63] .

In età repubblicana l'immagine dell'Italia turrita è stata ampiamente utilizzata nei contesti in cui era necessario sostituire il ritratto del re. Venne rappresentata sui francobolli dell' omonima serie , stampata dal 1954 al 1980, così come nella filigrana della carta bollata . Appariva anche su alcune monete ( 50 lire del 1996, 100 lire del 1993 e 1000 lire del 1997). È infine raffigurata sul retro della carta d'identità italiana cartacea [64] .

L'Italia turrita è stata nei secoli ampiamente raffigurata in ambito artistico, politico e letterario. Il suo aspetto più classico, che deriva dal mito primordiale della Grande Madre mediterranea e che è stato definitivamente specificato a cavallo tra il XVI e il XVII secolo da Cesare Ripa , vuole trasmettere simbolicamente la regalità e la nobiltà delle città italiane (grazie alla presenza della corona turrita), l'abbondanza dei raccolti agricoli della penisola italiana (rappresentata dalla cornucopia) e il fulgido destino dell'Italia (simboleggiato dalla Stella d'Italia) [63] .

Maglia azzurra

Magnifying glass icon mgx2.svg Lo stesso argomento in dettaglio: Maglia azzurra .
Il calciatore Giacinto Facchetti indossa la classica maglia azzurra
6 gennaio 1911: la nazionale italiana indossa per la prima volta la maglia azzurra; si noti la presenza della grande croce sabauda sulla zona sinistra del petto

La prima disciplina sportiva ad adottare la maglia azzurra quale simbolo di appartenenza all'Italia fu il calcio . All'esordio della nazionale italiana di calcio , avvenuto nel 1910, fu utilizzata una divisa di colore bianco con polsini e collo inamidati e nastro tricolore appuntato sopra [47] .

Una leggenda vuole che, nel momento di decidere la prima tenuta di gioco, si fosse voluto far indossare alla selezione nazionale la maglia bianca in onore del club italiano più forte del momento, la Pro Vercelli ; in realtà, le fonti storiche riportano che in vista dell'esordio assoluto della nazionale non si fosse ancora raggiunto l'accordo sulla divisa ufficiale, e dunque si decise di non colorarla, lasciandola di un colore neutro, il bianco [65] .

La tenuta bianca è stata sostituita da quella azzurra il 6 gennaio 1911 quando, all' Arena Civica , fu disputato un incontro calcistico della nazionale italiana contro quella ungherese , vinto poi per 1-0 da quest'ultima [47] [66] . La maglia bianca non venne accantonata completamente, ma rimase come seconda divisa.

Rosso corsa

Magnifying glass icon mgx2.svg Lo stesso argomento in dettaglio: Rosso corsa .
Una Ferrari F300

Il rosso corsa è una particolare gradazione di rosso , stabilita dalla FIA , che veniva applicata alle auto italiane nelle corse automobilistiche. Fin dagli anni venti del XX secolo le automobili da corsa italiane abbandonarono il colore nero per adottare il rosso.

Alfa Romeo , Maserati e in seguito Ferrari verniciavano con questo colore le loro vetture da competizione, affinché il pubblico potesse distinguere le squadre italiane che gareggiavano in campionati automobilistici. Secondo lo schema stabilito dall'associazione che in seguito sarebbe diventata la FIA , le auto francesi dovevano essere blu , le vetture tedesche bianche , le auto britanniche verdi e le vetture italiane, come già accennato, rosse.

Il rosso Ferrari è definito come una tonalità più chiara, mentre il rosso Alfa con una tonalità più scura e il rosso Maserati con una gradazione ancora più scura, quasi tendente al marrone. La nazionalità, e quindi il colore ad essa associato, non era determinato dal paese in cui il veicolo viene costruito né dalla nazionalità dei piloti, ma da quella della scuderia che iscrive il veicolo. Questi colori nazionali a partire dal 1968 vennero spesso sostituiti da quelli relativi allo sponsor.

Sciarpa azzurra

Magnifying glass icon mgx2.svg Lo stesso argomento in dettaglio: Sciarpa azzurra .
Ufficiali dell'Esercito Italiano in sciarpa azzurra

La sciarpa azzurra è posta di traverso sull'uniforme degli ufficiali delle forze armate , dei corpi di polizia ad ordinamento militare e non militare italiani, in determinate circostanze.

Dall' Ottocento a tutt'oggi è indossata ad armacollo (eccezion fatta per i Corazzieri che la cingono in vita), di norma dalla spalla destra al fianco sinistro. Essa viene portata sulla grande uniforme, in determinati servizi come il "picchetto" o dagli ufficiali in tenuta di servizio durante le cerimonie.

Lo stesso distintivo è indossato anche dai presidenti delle province e sindaci delle città metropolitane nelle cerimonie ufficiali. [67]

Stella d'Italia

Magnifying glass icon mgx2.svg Lo stesso argomento in dettaglio: Stella d'Italia .
Stellone d'Italia.svg
Le stellette delle divise delle forze armate italiane , che hanno la propria origine nella Stella d'Italia. [68]

La Stella d'Italia , conosciuta popolarmente come Stellone [23] , è una stella bianca a cinque punte che da molti secoli rappresenta la terra italiana . È il più antico simbolo patrio italiano, dato che risale all' antica Grecia [6] . Da un punto di vista allegorico , la Stella d'Italia rappresenta metaforicamente il fulgido destino dell'Italia [63] . Nel 1947 la Stella d'Italia è stata inserita al centro dell' emblema ufficiale della Repubblica Italiana , che è stato disegnato da Paolo Paschetto [69] .

L'origine della Stella d'Italia risale al VI secolo aC , quando il poeta Stesicoro , nel poema Iliupersis (Caduta di Troia) , creò la leggenda di Enea che, fuggendo dalla città di Troia , presa e incendiata dai Greci, tornò in Italia, la terra dei suoi antenati, guidato dalla Stella di Venere , che subito dopo il tramonto è visibile sull'orizzonte a ovest [6] . Nell' antica Grecia l'Italia incominciò quindi a essere associata alla Stella di Venere perché posta a occidente della penisola ellenica [70] . Da questa constatazione nacque uno dei nomi con cui era conosciuta l'Italia in questa epoca storica: Esperia , ovvero "terra di Espero, l'astro della Sera consacrato a Venere" [70][71] .

Il significato protettivo o provvidenziale della stella, che perdura fino a oggi, nacque durante l' epoca risorgimentale ed è stato poi ripreso dal Fascismo e dalla Resistenza , oltre che dai repubblicani come dai monarchici in occasione del referendum istituzionale del 2 giugno 1946 , confermando il suo valore unificatore, che è pari a quello del bandiera italiana [6] .

Simboli in disuso

Lira italiana

Magnifying glass icon mgx2.svg Lo stesso argomento in dettaglio: Lira italiana .
Italia, 1 lira di vittorio emanuele III, 1909.JPG
20 lire del 1957.

La lira italiana è stata la valuta ufficiale dell' Italia fino al 1º gennaio 1999, quando venne ufficialmente sostituita dall' euro ; è stata in circolazione fino al 1º gennaio 2002. [72] Viene rappresentata dal simbolo , posto davanti alla cifra. Il suo codice ISO 4217 è ITL.

Il nome "lira" deriva dal latino libra ("bilancia"), che, prima con i Libripens dell' antica Roma e poi con Carlo Magno , indicherà sia un'unità di peso (in italiano libbra ) sia un bene, come un'unità monetaria (la libbra d' argento ). Fu il doge della Repubblica di Venezia Nicolò Tron a coniare nel 1472 la prima lira d'argento da 20 soldi (6,52 g con titolo di 948/1000), la lira Tron , cui seguì quella del doge Pietro Mocenigo . L'esempio fu poi seguito da altri Stati italiani, che incominciarono a coniare monete a cui diedero il nome "lira": queste ultime cominciarono pertanto a diffondersi lungo tutta la penisola italiana.

L'introduzione della lira italiana va invece fatta risalire all' epoca napoleonica : in particolare questa moneta venne introdotta durante la seconda campagna d'Italia con la ricostituzione della Repubblica Cisalpina come Repubblica Italiana (gennaio 1802), trasformatasi poi nel Regno d'Italia (marzo 1805).

Stemma del Regno d'Italia

Magnifying glass icon mgx2.svg Lo stesso argomento in dettaglio: Stemma del Regno d'Italia .
Coat of arms of the Kingdom of Italy (1890).svg

Lo stemma del Regno d'Italia è stato l' emblema nazionale del Regno d'Italia . È essenzialmente formato da una croce sabauda ( di rosso alla croce argento ) a cui sono aggiunti ornamenti esteriori; fu normato per la prima volta con una deliberazione della Consulta araldica il 4 maggio 1870. [73] Nel corso della sua storia venne modificato due volte, nel 1890 e nel 1929. In seguito al referendum istituzionale del 1946 , con cui in Italia fu abolita la monarchia, fu sostituito dall' emblema della Repubblica Italiana .

Note

Esplicative

  1. ^ Il soggetto centrale della stampa è formato da tre figure femminili con abiti formanti il Tricolore . Al centro è presente una Vittoria alata sormontata dalla Stella d'Italia e ornata da un collare recante lo stemma Savoia . Sulla sinistra è presente l' Italia turrita , mentre a destra compare la Roma guerriera con elmo romano avente in mano una lancia e uno scudo con l'immagine della Lupa capitolina allattante Romolo e Remo . A sinistra è presente la palma della vittoria, mentre sullo sfondo si riconoscono il Vittoriano , la statua equestre di Marco Aurelio del Campidoglio , il Colosseo , un Arco di Trionfo , la Colonna Traiana , la scritta SPQR e un putto alato che suona la squilla della vittoria. L'immagine è sormontata da un intreccio di rami di quercia e di corbezzolo , mentre in basso è presente un' aquila con ali spiegate entro una corona d'alloro
  2. ^ a b [...] La bandiera della Repubblica è il tricolore italiano: verde, bianco e rosso, a tre bande verticali di eguali dimensioni. [...]
    Articolo nº 12 della Costituzione della Repubblica Italiana del 27 dicembre 1947, pubblicata sulla Gazzetta Ufficiale della Repubblica Italiana nº 298, Edizione Straordinaria, del 27 dicembre 1947 ed entrata in vigore il 1º gennaio 1948.
  3. ^ La terminologia utilizzata nel testo costituzionale è araldicamente impropria: la " banda ", per definizione, è quel tipo di partizione che divide la bandiera diagonalmente. La definizione corretta avrebbe dovuta essere " interzata in palo ". Cfr. manuale ragionato di araldica su "manuali.lamoneta.it".
  4. ^ Eccetto che negli sport automobilistici, dove il colore assegnato all'Italia è tradizionalmente il rosso corsa , e in altre discipline come ciclismo e sport invernali, che sovente fanno uso del bianco .
  5. ^ Il Vocabolario Treccani utilizza indifferentemente sia la "T" maiuscola che la "t" minuscola. Cfr. il lemma " tricolóre " su "treccani.it".

Bibliografiche

  1. ^ a b I simboli della Repubblica , su quirinale.it . URL consultato l'8 novembre 2017 .
  2. ^ Calabrese , p. 109 .
  3. ^ Legge 23 novembre 2012, n. 222 , su normattiva.it . URL consultato il 30 novembre 2014 .
  4. ^ Legge 23 novembre 2012, n. 222 , su gazzettaufficiale.it . URL consultato il 30 novembre 2014 .
  5. ^ a b Il corbezzolo simbolo dell'Unità d'Italia. Una specie che resiste agli incendi , su altovastese.it . URL consultato il 25 gennaio 2016 .
  6. ^ a b c d Rossi , p. 38 .
  7. ^ La Costituzione della Repubblica Italiana , su www.governo.it . URL consultato il 14 gennaio 2016 (archiviato dall' url originale il 29 aprile 2015) .
  8. ^ Villa , pp. 37-38 .
  9. ^ Renato Bricchetti, Codice penale e leggi complementari. Giurisprudenza, schemi e tabelle , su books.google.it . URL consultato il 17 febbraio 2016 .
  10. ^ a b c I simboli della Repubblica ( PDF ), su www.quirinale.it . URL consultato il 14 gennaio 2016 (archiviato dall' url originale il 6 ottobre 2015) .
  11. ^ Origini della bandiera tricolore italiana ( PDF ), su elearning.unite.it . URL consultato il 2 marzo 2017 (archiviato dall' url originale il 24 febbraio 2017) .
  12. ^ Fiorini , p. 705 .
  13. ^ Villa , p. 26 .
  14. ^ a b LEGGE 4 dicembre 2017, n. 181 - Gazzetta Ufficiale , su gazzettaufficiale.it , 15 dicembre 2017. URL consultato il 15 dicembre 2017 .
  15. ^ Maiorino , p. 20 .
  16. ^ a b Il Canto degli Italiani , su storico.org . URL consultato il 5 marzo 2015 .
  17. ^ a b I simboli della Repubblica - L'inno nazionale , su quirinale.it . URL consultato il 7 agosto 2014 .
  18. ^ Maiorino , p. 50 .
  19. ^ Ridolfi , p. 149 .
  20. ^ Ridolfi , p. 147 .
  21. ^ a b Maiorino , p. 18 .
  22. ^ Decreto legislativo 5 maggio 1948, n. 535 , in materia di " Foggia ed uso dell'emblema dello Stato. "
  23. ^ a b c d e I simboli della Repubblica – L'emblema , su quirinale.it .
  24. ^ a b Villa , p. 137 .
  25. ^ Villa , pp. 138-137 .
  26. ^ Villa , p. 139 .
  27. ^ Carlo Bertelli, E l'astro del mattino diventò lo stellone d'Italia , in Corriere della Sera , 14 giugno 2011, p. 50 (archiviato dall' url originale il 1º luglio 2012) .
  28. ^ a b c Lo Stendardo presidenziale , su quirinale.it . URL consultato il 22 settembre 2010 .
  29. ^ Tobia , p. 45 .
  30. ^ Guida rossa del TCI, volume Roma , edizione del 2004, p. 200)
  31. ^ Il Vittoriano , su difesa.it . URL consultato il 1º gennaio 2018 .
  32. ^ Levi , p. 322 .
  33. ^ a b Coppola , p. 37 .
  34. ^ a b c L'Altare della Patria , su quirinale.it . URL consultato il 1º gennaio 2018 .
  35. ^ Vittoriano , su romaspqr.it . URL consultato il 2 gennaio 2018 .
  36. ^ Levi , p. 316 .
  37. ^ Levi , p. 323 .
  38. ^ Tobia , p. 54 .
  39. ^ Ridolfi , p. 169 .
  40. ^ Tobia , p. 109 .
  41. ^ Festa della Repubblica: le foto della parata a Roma , su panorama.it . URL consultato il 19 gennaio 2016 .
  42. ^ a b c d Perché la Festa della Repubblica è proprio il 2 giugno , su ilpost.it . URL consultato il 19 gennaio 2016 .
  43. ^ Grossmann .
  44. ^ Martinelli , p. 45 .
  45. ^ a b c Luigi Atzori, Azzurri – origine del colore della nazionale , su aserramanna.it , 29 luglio 2012. URL consultato il 18 marzo 2016 .
  46. ^ a b Decreto legislativo 18 agosto 2000, n. 267, articolo 50 , in materia di " Testo unico delle leggi sull'ordinamento degli enti locali "
  47. ^ a b c Marchesini , p. 317 .
  48. ^ Conosci Torino? , su associazionetommaseo.it . URL consultato il 18 agosto 2018 .
  49. ^ Le uniformi da Vittorio Amedeo II a Carlo Emanuele III , su bandieresabaude.it . URL consultato il 18 agosto 2018 .
  50. ^ La Coccarda alla Biblioteca Museo Risorgimento , su castellalfero.net . URL consultato il 7 maggio 2017 .
  51. ^ Renata Polverini: coccarde tricolori alla sua giunta ma i colori sono invertiti – Il Messaggero , su nuovaresistenza.org . URL consultato il 6 maggio 2017 .
  52. ^ a b c Nicola Ferorelli, La vera origine del tricolore italiano , in Rassegna storica del Risorgimento , vol. XII, fasc. III, 1925, p. 662.
  53. ^ L'Esercito del primo Tricolore ( PDF ), su difesa.it . URL consultato l'8 marzo 2017 (archiviato dall' url originale il 9 marzo 2017) .
  54. ^ Mostra Giovan Battista De Rolandis e il Tricolore , su 150.provincia.asti.it . URL consultato il 14 gennaio 2016 (archiviato dall' url originale il 1º gennaio 2016) .
  55. ^ Villa , p. 12 .
  56. ^ Nicola Ferorelli, La vera origine del tricolore italiano , in Rassegna storica del Risorgimento , vol. XII, fasc. III, 1925, pp. 654-680, SBN IT\ICCU\PUV\0630850 .
  57. ^ a b Alfredo Cattabiani , Florario: miti, leggende e simboli di fiori e piante , Mondadori, 1996, p. 321.
  58. ^ Perri , p. 1 .
  59. ^ Lo sguardo del Fanciullino: visione piatta e scontata del reale o potenzialità evocativa di eccezionale libertà e freschezza? ( PDF ), su comitatoqualitavita.it . URL consultato il 26 febbraio 2017 .
  60. ^ a b Caliaro , p. 25 .
  61. ^ L'immagine dell'Italia, eredità antica - Dall'avventura coloniale al primo dopoguerra (sezione III, parte V) ( PDF ), su archeobologna.beniculturali.it . URL consultato il 26 gennaio 2016 .
  62. ^ Bazzano , p. 37 .
  63. ^ a b c Bazzano , p. 7 .
  64. ^ Identità, identificazione e riconoscimento , su books.google.it .
  65. ^ Chiesa , p. 41 .
  66. ^ Rizzoli-Corriere della Sera , p. 11 .
  67. ^ Articolo 50, D.Lgs.267/2000
  68. ^ La Civiltà cattolica, Volume 1; Volume 11 , 1879 , su books.google.it . URL consultato il 4 giugno 2017 .
  69. ^ Bazzano , p. 174 .
  70. ^ a b Bazzano , p. 101 .
  71. ^ Bazzano , p. 12 .
  72. ^ La lira italiana - Storia della moneta del vecchio conio sostituita dall'euro il 1º gennaio 2002 , su angelosiciliano.com . URL consultato il 7 febbraio 2016 .
  73. ^ Araldica della Real Casa di Savoia , su ossml.altervista.org . URL consultato l'8 febbraio 2016 .

Bibliografia

Voci correlate

Collegamenti esterni

Italia Portale Italia : accedi alle voci di Wikipedia che trattano di Italia