Lira italiana

Da Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para a navegação Ir para a pesquisa
Lira italiana
claro que
100 liras Itália 1956.png
Moeda de 100 L (reverso)
Lire 50000 white background.jpg
Nota de 50.000 L.
Código ISO 4217 ITL
Estados Itália República Italiana [1]
Itália Reino da Itália [2]
Adoção bilateral:
Bandeira de San Marino (antes de 2011) .svg San Marino
(edição local: lira de San Marino )
cidade do Vaticano cidade do Vaticano
(edição local: lira do Vaticano )
bandeira Território Livre de Trieste
(moeda usada apenas na Zona A )
Símbolo L. [3]
Frações 100 centavos
Moedas 1 , 2 , 5 , 10 , 20 , 50 , 100 , 200 , 500 , 1 000 L. [4]
Notas de banco 1 000 , 2 000 , 5 000 , 10 000 , 20 000 , 50 000 , 100 000 , 500 000 L. [4]
Entidade emissora Moedas:
Ministério da Economia e Finanças [5]

Notas de banco:
Banco da Itália [6]

Período de circulação 17 de julho de 1861 [7] - 28 de fevereiro de 2002
Substituído por Euro a partir de 1 de janeiro de 2002
Taxa de câmbio EUR 1 = ITL 1.936,27 (1 de janeiro de 1999)
Lista de moedas ISO 4217 - Projeto de Numismática

A lira italiana ( símbolo : L .; Código ITL ; também abreviada como ou Lit. ) [8] foi a moeda oficial da Itália de 17 de julho de 1861 a 28 de fevereiro de 2002, quando, com a introdução do euro , deixou de ser definitivamente curso legal . Uma lira foi dividida em 100 centavos (símbolo: Cent.).

Etimologia do nome

Ícone da lupa mgx2.svg O mesmo tópico em detalhes: Lira (dinheiro) .

O termo "lira" deriva originalmente da palavra " litra " ( grego antigo : λίτρα), uma unidade de peso e dinheiro usada pelos italianos e siceliotas já no século V aC A litra nasceu com o objetivo de facilitar o comércio com os povos indígenas, a relação de troca local de 1: 125 entre prata e bronze foi então adotada e o litro de prata foi cunhado ( grego antigo : λίτρα ἀγυρία), uma pequena moeda pesando cerca de 0,84 ge que constituíam a décima parte do stater , a moeda em uso na Grécia . [9] [10]

Entre os séculos IV e III aC, a litra entrou em uso na civilização romana , que adaptou o termo grego ao latim , transformando-o em " libra " e atribuindo-lhe em 293 aC um peso igual a pouco mais de 320 g (tradicionalmente 327,45 g ). [11] Além da libra romana, pelo menos outras oito libras coexistiam na Itália, que, com exceção das libras leves e pesadas de origem etrusca , tinham um peso entre 220 g e 280 g que coincidia, pelo menos nas origens, com o peso do eixo uma das moedas romanas mais importantes. [10]

Posteriormente, a influência das línguas galo-românicas no latim causou a lenição do b na palavra " libra " e o conseqüente nascimento do termo "lira". [11] No final do século VIII, como parte da reforma monetária desejada por Carlos Magno, a libra tornou-se a unidade de peso fundamental do novo sistema monetário baseado na moeda de prata . [12] Após a reforma, as casas da moeda foram forçadas a derivar de uma libra de prata, cujo peso variou entre 407,92 ge i 409,25 g , 240 deniers que por sua vez tinham um peso entre 1.699 ge 1.760 g ou mais 20 soldi , cujo valor era igual a 12 denários. [13] Ao contrário do que foi afirmado na reforma carolíngia, com o passar do tempo a libra passou a ser uma unidade monetária, a lira que, independentemente do peso da prata contida, indicava uma quantidade igual a 240 denários. [14]

Origem

A lira como unidade de conta

Lira Tron
Lira tron.jpg
Nicolò Tron , em torno de tronvs ★ dux nicolavs , no exercício três folhas Leão de San Marco em moléca, em torno de sanctvs marcvs
1472, Ag 948 ‰, 6,43 g

O sistema monetário carolíngio permaneceu em vigor na Itália por muitos séculos, mas já no século 10 a quantidade de prata contida nos denários e, portanto, seu valor diminuiu progressivamente. [15] No final da Idade Média a desvalorização causou o fim do dinheiro, que foi substituído pelo quattrino , uma pequena moeda com o valor de 4 denários. Esse processo de desvalorização permitiu que a República de Veneza cunhasse pela primeira vez uma moeda no valor de 240 denários, a lira Tron , assim batizada em homenagem ao Doge Nicolò Tron . As liras, cada uma com seu peso relativo, começaram a se espalhar em todos os principais estados italianos e foram emitidas em 1474 pelo Ducado de Milão , em 1498 pela República de Gênova , em 1539 pelo Ducado de Florença e em 1561 pelo Ducado de Savoy , mas a contínua desvalorização mudou seu valor em pouco tempo. [16] [17] [18] As primeiras notas de banco italianas foram emitidas em liras no Reino da Sardenha em 26 de setembro de 1745 por decreto de Carlo Emanuele III de Sabóia . [19] Apesar de sua emissão, a lira continuou a ser essencialmente utilizado como unidade de conta, ainda no século XVIII na Itália dois sistemas incompatíveis diferentes continuaram a coexistir: dinheiro grande, com um valor estável ao longo do tempo e usado principalmente em trocas comerciais como, por exemplo, o zecchino , o florim e a grande e pequena moeda, em perene desvalorização e utilizada nos pequenos negócios como o dinheiro. Na verdade, uma vez emitida, a lira passou a valer a pena, condição incompatível com o valor tradicionalmente atribuído de 240 denários. [20]

O nascimento da lira italiana

1 lira
1 Napoleonic lira.jpg
Napoleão , em torno do imperador e do rei Napoleão , em símbolos da moeda de exergue. Brasão de armas do Reino da Itália, em torno do reino da Itália 1 • lira
1812, Ag 900 ‰, 5 g

Da mesma forma que na Itália, a cunhagem baseada em dinheiro, centavo e lira ( francês : livre tournois ) permaneceu em uso na França até o século XVIII. Com o sucesso da Revolução Francesa e o nascimento da primeira república em 7 de outubro de 1793, tentou-se introduzir uma nova cunhagem em base decimal que teria como referência o republicano, uma moeda contendo 9 g de prata fina. [21] A França mudou a moeda nacional de livre tournois para o franco francês em 7 de abril de 1795, a nova moeda foi então regulada definitivamente pela lei de 7 de abril de 1803. O franco deveria pesar 5 ge consistia em 900 ‰ de prata, ao mesmo tempo que foram cunhadas 900 ‰ moedas de ouro de 20 francos com um peso teórico de 6,451612 g dando vida a um sistema bimetálico cuja relação entre ouro e prata é de 1: 15,5. [22]

Em 1796, com o início da campanha italiana liderada por Napoleão Bonaparte , o nascimento das repúblicas irmãs e a conquista da Itália , a moeda usada na península sofreu uma revolução. [22] No Reino da Sardenha , na era napoleônica substituída pela República Subalpina , o escudo piemontês foi substituído pelo franco e com um decreto datado de 13 de março de 1801, as moedas de 5 e 20 francos foram provavelmente cunhadas na casa da moeda de Paris . O de 5 francos seguiu as prescrições já adotadas na França em 1795 enquanto o de 20 francos, cunhado em memória da batalha de Marengo e portanto denominado " marengo ", foi cunhado segundo os parâmetros que serão formalizados dois anos depois pela lei de 1803. [23] Na República da Ligúria, a cunhagem foi ordenada com a introdução de um sistema baseado na lira genovesa , no Reino da Etrúria a situação permaneceu confusa e enraizada na cunhagem de florins do Grão-Ducado da Toscana , [ 22] finalmente, no Reino da Due Sicilie, a placa foi mantida até 1812, quando Gioacchino Murat introduziu a lira delle Due Sicilie , uma moeda igual ao franco e permaneceu em circulação por três anos. [24]

No noroeste da Itália, os Napoleões em 1805 deram vida ao Reino da Itália , que por decreto de 21 de março de 1806 adquiriu uma nova moeda intercambiável com o franco, a lira italiana. [25] Em cobre 950 ‰ as moedas de 1, 3 e 5 centesimi (um centavo) foram cunhadas, em bilhar de prata a 200 ‰ a 10 centavos, as moedas de 25, 50, 75 centavos e 1, 2 e 5 liras em 900 ‰ de prata e finalmente as moedas de 20 e 40 liras em 900 ‰ de ouro, todas com pesos e dimensões estabelecidas pela lei de 1803. [26]

A Restauração e o Risorgimento

Após o fim do Reino da Itália em 1814, a lira permaneceu presente apenas no Ducado de Parma e no Reino da Sardenha . A Parma lira foi introduzida pela Duquesa Maria Luisa de Habsburg-Lorraine , segunda esposa de Napoleão, que emitiu denominações de moedas de 1, 3, 5, 25, 50 centavos e 1, 2, 5, 20 e 40 liras, [27] enquanto moedas de ouro de 10, 50, 80 e 100 liras também foram cunhadas da lira da Sabóia introduzida por Vittorio Emanuele I da Sabóia . [28]

5 liras
República de São Marcos 5 liras 98001604.jpg
Leão de San Marco andante, ao redor da república veneziana ★ 22 de março de 1848 ★ 5 liras em uma coroa de louro e carvalho, em torno da união italiana
1848, Ag 900 ‰, 25 g

Na esteira da primavera dos povos , em 18 de março de 1848 , os cinco dias de Milão aconteceram no Reino da Lombardia-Veneza , que terminou em 22 de março de 1848 com a instituição do governo provisório de Milão , que foi então se transformou no governo provisório da Lombardia. O novo governo lombardo em 27 de maio de 1848 emitiu um decreto autorizando a cunhagem de uma série de moedas com os valores de 5, 20 e 40 liras italianas que em composição, peso e diâmetro eram iguais às liras de Savoy . As 5 liras italianas foram cunhadas na casa da moeda de Milão com uma tiragem de 120 306 peças e eram feitas de prata 900 ‰, enquanto as 20 e 40 liras, respectivamente cunhadas em 4 593 e 5 875 peças, eram em ouro 900 ‰. Para além destas moedas, foram desenvolvidos projectos relativos às moedas de 1 e 2 liras, das quais alguns exemplares foram cunhados em mistura de estanho, zinco, cobre e prata. [29] [30] [31] Em 6 de agosto do mesmo ano, uma vez que o governo provisório caiu, as autoridades austríacas declararam essas moedas proibidas e muitas delas, especialmente as 5 liras, foram esculpidas para criar pequenas latas. [32]

Como a Lombardia , o Vêneto também se levantou contra o Império Austríaco e em 22 de março de 1848 a República de San Marco foi estabelecida e, como na Lombardia, decidiu-se cunhar liras com base na lira de Savoy, mas ao contrário das lombardas, estas simplesmente relatou a redação lira ( lira atual em centavos) em vez de lira italiana . A primeira moeda cuja cunhagem foi decidida foi a 20 liras marengo, cujo decreto foi emitido em 14 de janeiro de 1848, embora a moeda provavelmente só tenha sido cunhada pela casa da moeda de Veneza em 1849 em 5 210 exemplares. Em 28 de junho e 27 de novembro de 1848, foi emitido o decreto para a cunhagem de dois tipos diferentes de moedas de 5 liras em prata de 900 ‰, que, como o marengo, refletiam o formato das liras de Savoy. Depois dessas moedas, os centavos foram cunhados com padrões diferentes dos do Reino da Sardenha e então em 10 de dezembro de 1848 foi a vez de 15 centavos na mistura de prata, cunhada em 155 196 peças e finalmente em 15 de janeiro de 1849 a produção foi encomendada de cerca de cinco milhões de moedas de cobre de 1, 3 e 5 cêntimos. O governo caiu em 24 de agosto de 1849 e, a partir dessa data, as autoridades austríacas declararam ilegais as moedas do Governo Provisório. [33]

Durante o Risorgimento, as últimas moedas cunhadas com base no que mais tarde será a lira do Reino da Itália foram as produzidas pelo governo provisório da Toscana e pelas províncias da Régia da Emília, que constituíram o que foi a Legação da Romagna . Em 17 de janeiro de 1860, o governo emiliano decidiu cunhar moedas de 50 centavos, 1, 2, 5, 10 e 20 liras na casa da moeda de Bolonha, cuja cunhagem realmente começou apenas em 1860, os cones de Savoy de 1826 eram então costumava produzir moedas de cobre de 1, 3 e 5 centavos, solicitadas pela população que não queria mais usar o escudo papal . Essas moedas, no entanto, traziam apenas a inscrição lira, ao contrário das cunhadas na casa da moeda de Florença, que, como as moedas lombardas de 1848, tinham a inscrição lira italiana por extenso . A primeira moeda com o valor de 1 lira italiana é portanto florentina e além desta moeda o Governo Provisório da Toscana com dois decretos de 29 de setembro de 1859 e 1 de novembro de 1860, decidiu cunhar as 2 liras italianas e as moedas de 50 centavos e com o a portaria de 2 de dezembro de 1859 cunhou as moedas de cobre de 5, 2 e 1 cêntimos; todas essas moedas trazem as palavras Vittorio Emanuele II, rei eleito. [34]

História

O reino da itália

1 lira
1 lira Itália 1863 (brasão de armas) .jpg
vittorio emanuele ii em torno da cabeça nua do rei Brasão da família Savoy entre ramos de louro e carvalho, em torno da inscrição Reino da Itália .
1863, Ag 900 ‰, 5 g

Nos meses que antecederam a proclamação do Reino da Itália, Camillo Benso, conde de Cavour , na época presidente do Conselho do Reino da Sardenha , trabalhou para criar um banco central nacional único para legitimar a transição para a moeda fiduciária .e apoiado por uma instituição bancária forte [35] . Na época, o sistema bancário italiano era essencialmente dominado pelo Banca Nazionale nos Estados da Sardenha e pelo Banca Nazionale Toscana , mas esses dois também se juntaram a outras instituições menores: o Banca degli Stati em Parma, o estabelecimento mercantil de Veneza, o Banca dello Stato Pontificio e o Banca delle Quattro Legazioni , unidos em 1870 no Banca Romana e depois havia também o Banco di Napoli , o Banco di Sicilia e o Banca Toscana di Credito que não tinham a possibilidade de emitir títulos ao portador [ 36] . A reforma desejada por Cavour se encaixa perfeitamente com o que já estava acontecendo na França , Reino Unido , Alemanha e outros estados europeus onde os bancos centrais geralmente controlavam a taxa de desconto oficial , as operações financeiras sobre títulos do governo , as reservas administradas. Ouro e supervisionavam o sistema bancário nacional [37] . Nos anos imediatamente posteriores à unificação da Itália, os sucessivos governos decidiram não realizar o projeto de unificação bancária pretendido por Cavour, falecido em 6 de junho de 1861, pouco menos de três meses após o nascimento do Reino da Itália , e pelo contrário , dificultaram a tentativa do Banco Nacional dos Estados da Sardenha de se tornar hegemônico no cenário nacional. Na Itália, portanto, não foi possível emitir uma série uniforme de notas em todo o território nacional, opondo-se à criação de um único banco central estava em particular Francesco Ferrara , ministro das finanças do governo Rattazzi II , que por sua convicção liberal acreditava que era mais vantajoso deixar o mercado livre e autorizar qualquer operador financeiro a criar papel-moeda. [38]

O processo de unificação também estava destacando a confusão do sistema monetário italiano pré-unificação, principalmente baseado no monometalismo de prata e estava em contraste com o monometalismo de ouro em vigor no Reino da Sardenha e nas principais nações europeias. [38] Para reconciliar os dois sistemas monetários monometálicos, decidiu-se optar pelo bimetalismo inspirado no modelo do franco francês , do qual foram copiados o tamanho das moedas e a taxa de câmbio de 1 a 15,50 entre ouro e prata. O sistema monetário italiano, no entanto, diferia do francês em dois aspectos: moedas de prata podiam ser trocadas em quantidades ilimitadas com o estado, mas limitadas entre indivíduos e foi decidido cunhar moedas que nominalmente tinham 900 ‰ de prata fina, mas que na verdade, continham 835 ‰ de modo a se aproximar da taxa de câmbio real entre o ouro e a prata, elevando-a para 1 para 14,38. [36] Exatamente quatro meses após a proclamação do Reino da Itália , o governo introduziu a nova moeda nacional, a lira italiana. O curso legal da nova moeda foi estabelecido pelo Decreto Real de 17 de julho de 1861 que especificava a taxa de câmbio das moedas pré-unificação em liras e o fato de que as moedas locais continuavam a ter curso legal nas suas respectivas províncias de origem. [39]

Em 24 de agosto de 1862, foi publicado o decreto que estabelecia a suspensão de todas as outras moedas em circulação nos diversos estados pré-unificação até o final do ano: [40] 1 lira de 5 g de prata com finura de 900/1 000 corresponderam a 0,29025 g de ouro fino , ou um 4,5 g de prata fina (caiu para 4,459 em 1863), ou seja, no mesmo valor da velha lira napoleônica e do franco francês contemporâneo. Com este último existia uma permutabilidade total, o que permitiu a criação da União Monetária Latina e a livre circulação do franco francês, do franco suíço e do franco belga no território nacional italiano.

Em 1866, devido ao aumento dos gastos públicos, em parte devido aos custos da Terceira Guerra da Independência , foi instituído o curso fiduciário , que durou até 1881 (com efeitos a partir de 1883). Já no final de 1887, porém, a conversibilidade das notas teve que ser suspensa, embora sem declará-la abertamente. Em 1893, a Banca Romana foi liquidada e o Banco da Itália foi criado , com uma cobertura de ouro de pelo menos 40% das liras em circulação.

O rei Vittorio Emanuele III de Sabóia , que sucedeu a seu pai Umberto I no trono da Itália em 1900, era um estudioso da numismática e um grande colecionador de moedas; publicou o Corpus Nummorum Italicorum (1909-1943), uma obra em 20 volumes em que as moedas italianas são descritas e classificadas. Durante seu reinado, uma rica e variada moeda circulante foi cunhada. Após a abdicação , ele doou sua coleção de moedas ao Estado italiano: esta coleção está parcialmente exposta dentro do Palazzo Massimo alle terme em Roma.

A entrada da Itália na Primeira Guerra Mundial (1915), que levou à escassez do metal, restaurou o fiat, já extinto em 1909. O fiat durou até 1927, quando 1 lira correspondeu a 0,07919 g de ouro fino. A obrigação de cobertura em ouro foi abolida em 1935 e em 1936 a avaliação foi elevada para 0,04677 g .

A entrada da Itália na Segunda Guerra Mundial em 1940 causou o colapso do aparelho político-militar em setembro de 1943 e a conseqüente destruição do tecido econômico italiano. Nessa situação, o Banco da Itália não foi capaz de manter a estabilidade da lira, elevando a quantidade de moeda em circulação de 16,5 bilhões de liras em 1936 para 156,6 bilhões em dezembro de 1943 devido às necessidades da guerra. [41]

A república italiana

1 lira
1 lira Itália 1950.png
República italiana em torno da cabeça de Ceres Laranja com seu ramo, inferior 1,1 .
1950, Italma, 1,25 g

A convertibilidade da lira em ouro foi restaurada em 1960 graças à sua admissão ao Fundo Monetário Internacional , sendo uma lira correspondente a 0,00142 gramas de ouro ou 625 liras por dólar .

O DPR de 31 de março de 1966, n. 171 do governo Moro III [42] [43] [44] , autorizou o Tesouro a emitir letras estaduais com curso legal de 500 liras. Era uma moeda que não era conversível em alguma reserva de metal, na verdade notas, contra a qual foi estabelecido o Fundo Especial para o Serviço dos Bilhetes da Dívida do Estado. [45] A norma foi seguida pelo DPR de 14 de fevereiro de 1974 e pelo Decreto Ministerial de 2 de abril de 1979, [46] entre outras medidas normativas. [47]

Em dezembro de 1973, alguns dos principais países da OPEP decidiram aumentar drasticamente o preço do petróleo bruto, desencadeando assim uma crise do petróleo que atingiu duramente a economia italiana . O aumento do preço do petróleo provocou uma subida repentina do custo do dinheiro que na primavera de 1974 trouxe a taxa de desconto do Banco da Itália para 9%, além disso, para combater a crise foi emitida uma grande quantidade de dívida que em 1975 expôs a lira a fenômenos especulativos intensos. [48] O aumento da dívida desencadeado pela crise do petróleo causou uma forte desvalorização em relação a outras moedas europeias e para sua recuperação o Banco da Itália aumentou a taxa de desconto para 15% no outono de 1976. [49]

Em março de 1979, entrou em vigor o Sistema Monetário Europeu (SME) e nasceu o ECU , do qual participaram as moedas da Alemanha , França , Itália , Dinamarca , Holanda e Luxemburgo . A flutuação das moedas foi limitada a 2,25% com exceção da lira que beneficiou do alargamento da banda a 6%. A lira permaneceu no SME até 1992, quando uma grave crise financeira na Europa obrigou a libra esterlina e a lira a sair do SME. [50] [51] A lira retornará ao EMS em 25 de novembro de 1996, à taxa de câmbio de 990 Lire por um marco alemão .

A entrada em vigor do euro

Ícone da lupa mgx2.svg O mesmo tópico em detalhes: Euro .

Em 1 de Janeiro de 1999, o euro entrou oficialmente em vigor na Itália à taxa de câmbio fixada no dia anterior de 1 euro por 1 936,27 liras italianas. [52] A partir desse momento, a lira manteve-se em vigor apenas como expressão não decimal do euro , embora as moedas e notas continuassem a ser denominadas em liras. Porém, a partir dessa data, para todas as formas de pagamento "não físicas" (transferências eletrónicas, títulos, etc.), apenas foi adotado o euro. 1999 foi também o último ano em que a cunhagem cunhou e emitiu as moedas de circulação comum em liras.

Na realidade, art. 109 do Tratado de Maastricht previa que dois anos antes da entrada na União Monetária, prevista para 1 de Janeiro de 1999, os países candidatos já não poderiam desvalorizar a sua moeda em relação ao ECU. Em 1992, a desvalorização da lira (nessa altura com um ECU comprava-se 1 587 liras, ou 2,02 marcos alemães), em 1997 para comprar um ECU demorava 1 929,66, muito próximo da futura taxa de câmbio fixa de 1 936,27.

Em 1 de Janeiro de 2002 [53] com a entrada em circulação das moedas e notas de euro, iniciou-se uma fase de dupla circulação: as moedas e notas em liras foram definitivamente retiradas em 1 de Março de 2002. Em 2002, a emissão da série divisionária Lire de prova e moedas não circuladas . Além disso, outras séries especiais foram emitidas para comemorar os anos dourados da moeda recém-abandonada.

O estatuto de limitações foi inicialmente estabelecido em dez anos; consequentemente, as moedas e notas ainda com curso legal na introdução do euro ainda podiam ser trocadas nas sucursais do Banco da Itália até 29 de fevereiro de 2012. No entanto, a manobra do governo de Monti decretou a prescrição imediata de moedas e notas para dezembro 7, 2011 (Artigo 26 do Decreto Legislativo nº 201/2011, publicado no Diário da República nº 284, de 6 de dezembro de 2011). Essa disposição foi então declarada inconstitucional pela sentença nº. 216, de 7 de outubro de 2015 do Tribunal Constitucional , reabrindo efetivamente os termos da alteração. [54]

Moedas

Ícone da lupa mgx2.svg O mesmo tópico em detalhes: Moedas da lira italiana .
Imagem Valor Descrição Anos de

cunhagem

Autor Parâmetros técnicos Borda
Direto Reverter Criador de padrões Gravador Peso Diâmetro Composição
1 lira.jpg
1 L. repvbblica • italiana - em torno de uma balança com pratos, na parte inferior da Romagna, para o autor Giuseppe Romagnoli Valor 1, à esquerda o ano e o símbolo da casa da moeda R à direita a cornucópia 1951-1959 Giuseppe Romagnoli 0,625 g 17,2 mm Italma Suave
2 lire.jpg
2 L. repvbblica • italiana - em torno de uma abelha, abaixo de romagnoli para o autor Giuseppe Romagnoli Ramo de oliveira com o valor 2 à esquerda e o ano e o símbolo da casa da moeda R na parte inferior 1953-1959 Giuseppe Romagnoli 0,8 g 18,3 mm Italma Listrado
5 lire.jpg
5 L. repvbblica • italiana - em torno de um leme, abaixo de romagnoli para o autor Giuseppe Romagnoli Golfinho arrematado com o valor 5, à direita o ano e a casa da moeda R. 1951-1998 Giuseppe Romagnoli 1 g 20,3 mm Italma Suave
10 lire.jpg
10 L. Arado encimado por um repvbblica italiano disposto em duas linhas, na parte inferior o símbolo da casa da moeda R e o ano na parte externa Duas espigas de trigo sobre as quais se sobrepõe 10, em exergo da Romagna do autor Giuseppe Romagnoli 1953–1999 Giuseppe Romagnoli 1,6 g 23,3 mm Italma Suave
20 lire.jpg
20 L. repvbblica italiana em torno da cabeça de uma mulher adornada com pontas de exergue giampaoli para o autor Pietro Giampaoli Raminho de carvalho com quatro folhas uma bolota, à esquerda l • 20 abaixo do sinal da casa da moeda R e o ano 1957–1959 Pietro Giampaoli 3,6 g 21,3 mm Bronzital Listrado
1969-1999 Suave
50 lire.jpg
50 L. Repvbblica italiana • em torno da cabeça de uma mulher coroada com ramos de carvalho, em exergue em duas linhas ◆ romagnoli • giampaoli inc • para os autores Giuseppe Romagnoli e Pietro Giampaoli O deus romano Vulcano batendo de ferro, à esquerda o ano à direita l. 50 com o símbolo da casa da moeda R na parte inferior 1954–1989 Giuseppe Romagnoli Pietro Giampaoli 6,25 g 24,8 mm Acmonital Listrado
1990-1995 2,7 g 16,55 mm Suave
50 liras Itália turrita.jpg
República italiana em torno da cabeça da Itália com torres , in exergue ★ l • cretara para a autora Laura Cretara Símbolos de coroa de lira: cacho de uvas, símbolo da casa da moeda R, roda dentada, cornucópia, ramo de carvalho e ramo de louro em torno de 50 liras em duas linhas encimadas com o ano 1996–1999 Laura Cretara 4,5 g 19,2 mm Cuproníquel Suave
100 liras, República Italiana, 1956.jpg
100 L. República italiana em torno da cabeça de uma mulher graduada, in exergue romagnoli giampaoli inc • em duas linhas para os autores Giuseppe Romagnoli e Pietro Giampaoli A deusa romana Minerva segurando um loureiro e segurando uma lança, deixou l. 100 , à direita o símbolo da casa R e no exergo o ano 1955-1989 Giuseppe Romagnoli Pietro Giampaoli 8 g 27,8 mm Acmonital Listrado
1990-1992 3,3 g 18,3 mm Suave
100 liras Itália turrita.jpg
República italiana em torno da cabeça da Itália com torres , in exergue ★★ l.cretara para a autora Laura Cretara Círculo de símbolos da paz e do território italiano: ramo de oliveira, golfinho, espiga de milho e gaivota em torno de 100 liras , sob o signo da casa da moeda R e o ano 1993–1999 Laura Cretara 4,5 g 22 mm Cupronichel Rigato discontinuo
200 lire 1983.jpg
200 L. repvbblica italiana • intorno a una testa di donna, in esergo m.vallucci per l'autore Mario Vallucci Ruota dentata intorno a 200 lire disposta su due righe, a destra il segno di zecca R e in esergo l'anno 1977–1998 Mario Vallucci 5 g 24 mm Bronzital Rigato
500 lire.jpg
500 L. repvbblica italiana ★ intorno a una testa alata di donna, sotto il collo cretara per l'autrice Laura Cretara Vista sulla piazza del Quirinale con in basso segno di zecca R e anno, a sinistra una spiga di grano, a destra un ramo di ulivo, in basso l. 500 , in alto la stessa dicitura in braille 1982–1995 Laura Cretara 6,8 g 25,8 mm Acmonital

Bronzital

Rigato discontinuo
1000 lire.jpg
1 000 L. ★★★★★★ repvbblica ★★★★★★ italiana intorno alla testa dell' Italia turrita , in basso l.cretara per l'autrice Laura Cretara Cartina politica dell'Europa con quattro cartigli, a sinistra al'anno in verticale, a destra il segno di zecca R in basso l. 1000 sormontato da pernazza per l'autrice Uliana Pernazza 1997–1998 Laura Cretara

Uliana Pernazza

8,8 g 27 mm Bronzial

Cupronichel

Rigato discontinuo

Le date si riferiscono alle ordinarie emissioni per la circolazione; si badi tuttavia che a partire dalla fine degli anni sessanta la zecca italiana, onde sfruttare il mercato numismatico, cominciò a produrre fino al 2001 confezioni contenenti anche i pezzi non più circolanti. Sono escluse anche le date delle monete di prova.

Monete ritirate prima del 2002

10 centesimi
Vittorio Emanuele III 10 Centesimi 87001856.jpg
vittorio emanuele iii re d'italia intorno alla testa nuda del re, sotto il collo l'incisore. L'allegoria dell'Italia e di Roma con sfondo una nave. C•10 nel campo e la ricorrenza "1861-1911".
1911, Cu 950‰, 10 g

Dal 1861 al 1943 nel Regno d'Italia furono emesse le monete centesimali della lira, poi non più emesse in seguito alla svalutazione post bellica. Sono:

La prima serie di monete della Repubblica Italiana dal valore di 1 lire, 2 lire, 5 lire e 10 lire fu emessa dal 1946 al 1950, ma a causa della svalutazione fu ritirata nel 1954. Tra il 1958 e il 1967 furono emesse monete da 500 lire d'argento 835‰ destinate alla circolazione.

Monete commemorative

Anche il gettone telefonico è stato a lungo utilizzato come moneta, pur non avendo alcun valore ufficiale di conio statale; il valore, che nel 1959 era di 45 lire, divenne di 50 lire negli anni settanta , di 100 lire dal 1980 e, infine, di 200 lire a partire dal 1984 e fino al ritiro definitivo nel 2001.

Banconote

Magnifying glass icon mgx2.svg Lo stesso argomento in dettaglio: Banconote della lira italiana .
Fronte Retro Valore Colore principale Descrizione Prima stampa Ultima stampa Dimensioni
Fronte Retro
1000 lire fronte.jpg
1000 lire retro.jpg
1 000 L. Viola chiaro Maria Montessori Bambini allo studio di Armando Spadini 24 ottobre 1990 25 luglio 2001 112 × 62 mm
2000 lire fronte.jpg
2000 lire retro.jpg
2 000 L. Giallo Guglielmo Marconi Nave Elettra , antenne e apparecchio radio 24 ottobre 1990 25 maggio 2001 118 × 60 mm
5000 lire fronte.jpg
5000 lire retro.jpg
5 000 L. Verde Vincenzo Bellini e il Teatro Massimo Colonna e la Norma nel monumento a Bellini 31 gennaio 1985 25 luglio 2001 126 × 70 mm
10000 lire fronte.jpg
10000 lire retro.jpg
10 000 L. Blu Alessandro Volta Tempio Voltiano di Como 3 settembre 1984 25 luglio 2001 133 × 70 mm
50000 lire fronte.jpg
50000 lire retro.jpg
50 000 L. Viola Gianlorenzo Bernini e la Fontana del Tritone Monumento equestre a Costantino e la scala regia 15 marzo 1984 25 luglio 2001 150 × 70 mm
100000 lire fronte.jpg
100000 lire retro.jpg
100 000 L. Verde chiaro Caravaggio e la Buona ventura Canestra di frutta di Caravaggio 25 ottobre 1983 25 luglio 2001 156 × 70 mm
500000 lire fronte.jpg
500000 lire retro.jpg
500 000 L. Azzurro Raffaello Sanzio e il trionfo di Galatea Scuola di Atene di Raffaello 13 maggio 1997 25 luglio 2001 163 × 78 mm

Valute agganciate alla lira italiana

Occupazioni italiane

Tallero d'Eritrea
Tallero d'Eritrea
Tallero d'Eritrea 1891.jpg
Umberto I , umberto i re d'italia . Aquila dei Savoia , colonia eritrea tallero .
Argento 800‰
Coniato per l' Eritrea Italiana a partire dal 10 agosto 1890 il tallero conteneva la medesima quantità di argento delle 5 lire italiane, ma aveva dimensioni maggiori dato che era di argento 800‰. Il cambio quindi era di 1 tallero = 5 lire e suoi sottomultipli valevano: 5, 10, 50 centesimi e 1 e 2 lire. Nella colonia ebbero corso la lira italiana, le monete dell'Unione monetaria latina, il tallero di Maria Teresa , il tallero d'Italia e le monete coloniali inglesi, quando nel 1921 la valuta ufficiale divenne la lira dell'Africa Orientale Italiana [55] .
Lira dell'Africa Orientale Italiana
Fu una serie speciale di banconote della lira italiana stampate per la circolazione nell' Africa Orientale Italiana tra il 1937 e il 1941 . Il regio decreto-legge 2 luglio 1936 , n. 1371, poi convertito nella legge 11 gennaio 1937 , n. 260, aveva introdotto la lira italiana come unica valuta avente corso legale in Etiopia , contestualmente mettendo fine al regime derogatorio vigente in Eritrea [56] [57] . Il periodo di transizione fu stabilito per le banconote in tre mesi, dal 15 luglio al 15 ottobre 1936 , e in un solo mese per le monete, da convertirsi entro il 15 agosto.
Rupia somala
Rupia somala
1 rupia somala, 1912.jpg
Vittorio Emanuele III , vittorio emanuele iii re d'italia . Una rupia, somalia italiana
Argento
Fu la moneta della Somalia italiana dal 1909 al 1925 . Era suddivisa in 100 bese (singolare: besa , in arabo: بيزا). La rupia fu introdotta tra il 1909 e il 1910. [58] Prima, furono introdotte monete in bronzo chiamate besa , seguite da monete d'argento col nome di rupia nel 1910. La rupia rimpiazzò sia il tallero di Maria Teresa sia la rupia indiana , che avevano lo stesso valore. La rupia fu sostituita dalla lira somala durante il periodo di transizione dal 1º luglio 1925 al 30 giugno 1926, al valore di 8 lire = 1 rupia. [59] Dopo la sostituzione della rupia, circolarono altre monete nella Somalia italiana , tra cui la lira dell'Africa Orientale Italiana , dallo scellino dell'Africa orientale , il somalo e infine lo scellino somalo .
Lira somala
Emessa per la Somalia italiana tra il 1925 e il 1926 dopo l'abrogazione della rupia somala; la valuta era divisa in monete da 5 e 10 lire scambiate alla pari con la lira italiana in quanto le monete contenevano la stessa quantità di argento. Contemporaneamente a questa valuta nella Somalia italiana venivano utilizzate le monete e le banconote della lira italiana [60] .
Lek albanese
Ebbe corso tra il 1939 e 1943 durante l' occupazione italiana dell'Albania ; era diviso in monete da 0,05, 0,10, 0,20, 0,50, 1, 2, 5 e 10 lek [61] e il cambio era fissato a 1 lek = 1,25 lire. [62]

Occupazioni straniere

Am-lira
1000 Am-lire
Tra il 1943 e il 1944 nei territori sotto il governo militare alleato fu coniata la valuta Am-lira . L'emissione delle banconote in Am-lire si interruppe per le proteste del governo italiano, in quanto l'eccessiva emissione provocò una forte inflazione. [63]
Marco di occupazione
Con l'occupazione tedesca dell' Italia settentrionale e la nascita della Repubblica Sociale Italiana il 15 settembre 1943, furono introdotti a Verona e Vicenza , e poi nel resto del territorio, i biglietti della casse di credito germaniche ( Reichskreditkassenscheine , abbreviato con RKK) con lo scopo di pagare le truppe tedesche in suolo italiano. Il cambio fu inizialmente impostato a 7,6 lire per Reichsmark , ma già il 25 settembre fu portato a 10 lire. La validità dei RKK fu di breve durata cessando il 1º novembre e rendendo i biglietti cambiabili in lire italiane entro il 13 novembre 1943. [64]
Lira di Lubiana
Nel 1943 le province italiane di Udine , Gorizia , Trieste , Pola , Fiume e Lubiana finirono sotto l'occupazione tedesca rientrando nella Zona d'operazioni del Litorale adriatico . L'anno seguente le autorità militari tedesche per aumentare la liquidità della provincia misero in circolo nella provincia di Lubiana la lira di Lubiana , che rimase in corso fino all'arrivo dei partigiani jugoslavi nel maggio 1945.
Lira tripolitana
Durante l'occupazione inglese della Libia italiana , le autorità britanniche emanarono una valuta denominata lira tripolitana . Circolò dal 1942 insieme alle svalutate banconote italiane con un cambio alla pari, finché nel 1951 il Regno Unito concesse l'indipendenza al Regno di Libia , che coniò la propria sterlina libica .
Lira triestina
Nel 1945 nei territori della Venezia Giulia occupati dall'esercito jugoslavo venne introdotta una valuta definita "Jugolira" a pari valore con la lira italiana. Nel 1947, col Trattato di Parigi , tali territori passarono sotto la Jugoslavia o nella Zona B del Territorio Libero di Trieste . Il dinaro jugoslavo rimpiazzò immediatamente la lira nei territori annessi, mentre nella zona B il passaggio fu effettuato nel 1949. La zona A del Territorio Libero di Trieste continuò invece a utilizzare la lira italiana in tutti i suoi coni, comprese le Am-lire.

Enclavi

2 lire
2 Lire San Marino 1906.jpg
respvblica s. marini intorno allo stemma della Repubblica di San Marino. 2 lire tra due rami d'alloro legati in basso con un fiocco.
1906, Ag 835‰, 10 g

Con la fondazione del Regno d'Italia e l'adozione della lira italiana anche le due enclavi del regno si adattarono alla nuova valuta e di conseguenza, San Marino prima e la Città del Vaticano poi, stipularono accordi bilaterali con l'Italia per avere il permesso di coniare una propria monetazione agganciata alla pari alla lira italiana. Le due valute coniate furono:

  • Lira sammarinese : fu coniata a partire dal 1864 grazie all'accordo bilaterale del 22 marzo 1862 che permetteva l'emissione di monete, ma non di banconote, di titolo pari a quelle italiane [65] , le prime monete furono quelle da 5 e 10 centesimi di rame e vennero coniate nella zecca di Milano . L'accordo fu poi ratificato il 28 giugno 1897 dove fu concessa esclusivamente la coniazione di monete d'argento alla zecca di Roma per la quantità di 150 000 lire [66] , poi ridotta a 120 000 il 16 febbraio 1906 [67] . Con l'accordo del 10 febbraio 1914 fu concessa allo stato anche la coniazione di monete di rame per un valore totale di 119 000 lire e il valore delle monete d'argento fu aumentato a 210 000 lire [68] . Il 23 ottobre 1931 fu poi concessa anche la coniazione illimitata di monete d'oro [69] che rimase attiva anche nel 1953 quando la Repubblica Italiana non concesse l'emissione di moneta da parte di San Marino [70] . La coniazione riprese a seguito dell'accordo del 10 settembre 1971 [71] , rinnovati fino al 21 luglio 1991 e poi decaduto con l'entrata in vigore dell'euro [72] .
  • Lira vaticana : valuta (solo con valori metallici) dalla Città del Vaticano dal 1929 al 2002. [73]

Valore

Grafico del cambio ITL/USD dal 1918 al 1946
Grafico del cambio ITL/USD dal 1946 al 28 dicembre 2001

Nel 1861 , subito dopo la proclamazione del Regno d'Italia , per iniziare la coniazione della lira italiana, si decise di cambiare le monete degli stati preunitari in base al loro contenuto d'argento. Le varie monete furono quindi cambiate con i seguenti tassi di conversione. Questi dati però non si riferiscono alla circolazione monetaria. Il rapporto dipendeva semplicemente dalle dimensioni della moneta e dalla quantità e tipo di metallo che conteneva. In realtà le Due Sicilie, che erano lo stato più esteso, avevano minore circolazione monetaria del resto d'Italia. [74]

Cambio tra monete preunitarie e lira italiana nel 1861 [75]
Stato Moneta Valore Cambio
Flag of the Kingdom of the Two Sicilies (1738).svg Regno delle Due Sicilie Ducato 100 grana 4,25 L.
Flag of the Papal States (1825-1870).svg Stato Pontificio Scudo 100 baiocchi 5,32 L.
Flag of the Grand Duchy of Tuscany (1840).svg Granducato di Toscana Francescone 10 paoli 5,60 L.
Bandiera del ducato di Modena e Reggio.gif Ducato di Modena e Reggio Tallero di Modena 1 Tallero di Ercole III 5,54 L.
Flag of the Duchy of Parma (1851-1859).svg Ducato di Parma e Piacenza Lira di Parma 20 soldi 0,20 L.
bandiera Regno Lombardo-Veneto Lira austriaca 100 centesimi 0,86 L.

Nel 1865 l'Italia fondò l' Unione monetaria latina insieme a Francia , Belgio e Svizzera , che basava il valore delle monete rispetto alla quantità di argento e oro contenuta. Nel 1914 con lo scoppio della prima guerra mondiale l'unione si dissolse [76] e nel 1918 alla fine della guerra le potenze vincitrici , tra le quali l'Italia, uscirono economicamente rafforzate rispetto agli Imperi centrali . Negli anni venti con l'avvento del fascismo e la promulgazione delle leggi fascistissime del 1926 la lira cominciò a svalutarsi, ma nel 1927 dopo l'introduzione della quota 90 la lira si rivalutò fino a raggiungere il cambio di novanta lire per una sterlina britannica. Con la crisi del 1929 la lira mantenne il suo valore piuttosto stabile rispetto a quello delle altre valute, ma perse nuovamente valore nel 1935 con lo scoppio della guerra di Etiopia per poi tornare nuovamente stabile fino allo scoppio della seconda guerra mondiale . Nel corso della guerra iniziata la lira italiana perse continuamente di valore tanto che nel 1945 , una volta finita e persa la guerra, la lira, rispetto al 1939 , valeva circa cinque volte meno del dollaro e della sterlina. La svalutazione continuò anche nel 1946 alla fondazione della Repubblica Italiana e proseguì anche nel 1947 dopo l'adesione dell'Italia al piano Marshall . Negli anni cinquanta il miracolo economico portò a una rivalutazione della lira e nel 1951 l'Italia aderì alla Comunità Europea e questo comportò una stabilizzazione del valore della lira italiana fino al 1973 quando iniziò la prima crisi energetica . Nel 1979 l'Italia entrò nel Sistema monetario europeo e nello stesso anno esplose la seconda crisi energetica che portò a una più netta svalutazione della lira. Nel 1992 a causa degli attacchi speculativi l'Italia fu costretta a uscire dallo SME, per poi rientrare nel 1996 e uscire solo due anni dopo nel 1998 . A causa di queste vicende la lira si svalutò molto rispetto alle altre valute e questa situazione continuò fino all'entrata in vigore dell'euro nel 2002 .

Tassi di cambio

Quantità di lire per unità di valuta estera, mediata sull'anno [77]
Valuta 1920 1925 1930 1935 1940 1945 1950 1955 1960 1965 1970 1975 1980 1985 1990 1995 2000 2001
Dollaro statunitense 21,111 25,096 19,085 12,123 19,800 100,000 624,781 624,847 620,711 624,789 627,031 653,256 855,510 1909,743 1198,428 1628,911 2102,587 2163,807
Sterlina britannica 77,054 121,132 92,827 59,424 72,935 400,000 1749,392 1750,204 1742,783 1746,776 1502,246 1446,597 1992,046 2461,912 2133,214 2571,647 3178,432 3114,402
Franco svizzero 352,786 484,929 370,017 393,323 449,490 23,310 144,201 145,542 143,730 144,379 145,487 252,775 510,849 780,237 864,128 1379,871 1243,507 1282,225
Franco francese 145,372 119,826 74,931 79,860 41,340 198,122 180,810 178,620 126,590 127,484 113,450 152,396 202,637 213,074 220,093 326,629 295,182 295,182
Marco tedesco 38,211 5,979 4,556 4,857 7,800 - [78] 148,770 149,005 148,843 156,421 171,991 265,524 471,081 650,259 741,597 1137,995 989,999 989,999
Euro [79] - - - - - - - - - - - - - [80] 1447,757 1524,776 2107,229 1936,270 1936,270

Note

  1. ^ L' exclave italiana di Campione d'Italia , essendo totalmente circondata dal territorio svizzero adottava il franco svizzero al posto della lira italiana
  2. ^ La lira fu adottata anche dalla Repubblica Sociale Italiana , che non si dotò di moneta propria
  3. ^ Oltre al simbolo L. usato su monete, banconote e francobolli, erano anche in uso ₤, Lit., ITL. I centesimi erano spesso abbreviati con le notazioni Cent. e C. o più raramente con C mi
  4. ^ a b In circolazione fino al 28 febbraio 2002.
  5. ^ Il Ministero del Tesoro ha anche emesso i Buoni di Cassa ei biglietti di Stato
  6. ^ Dall'unità d'Italia al 1893 l'emittente fu la Banca Nazionale nel Regno d'Italia . Furono autorizzate a stampare banconote anche la Banca Romana , la Banca Toscana di Credito e la Banca Nazionale Toscana fino al 1893. Dal 1866 venne autorizzato anche il Banco di Napoli e l'anno seguente il Banco di Sicilia la cui stampa si concluse nel 1926.
  7. ^ Il corso legale della lira fu stabilito dal Regio decreto 17 luglio 1861, n. 123 , quattro mesi dopo la proclamazione del Regno d'Italia . Sulla base del Regio Decreto n°788 del 24 agosto 1862 , la circolazione delle monete pre-unitarie ebbe termine il 1º gennaio 1863.
  8. ^ Lit , in Treccani.it – Vocabolario Treccani on line , Istituto dell'Enciclopedia Italiana. URL consultato l'8 aprile 2021 .
  9. ^ Angelo Segrè, Litra , in Enciclopedia Italiana , Istituto dell'Enciclopedia Italiana, 1934. URL consultato il 10 aprile 2021 .
  10. ^ a b Angelo Segrè e Secondina Lorenzina Cesano, Libbra , in Enciclopedia Italiana , Istituto dell'Enciclopedia Italiana, 1934. URL consultato il 10 aprile 2021 .
  11. ^ a b Taracchini, 1999 , p. 23 .
  12. ^ Taracchini, 1999 , p. 24 .
  13. ^ Taracchini, 1999 , p. 25 .
  14. ^ Taracchini, 1999 , p. 28 .
  15. ^ Taracchini, 1999 , pp. 29-30 .
  16. ^ Taracchini, 1999 , p. 41 .
  17. ^ Lira , in Treccani.it – Enciclopedie on line , Istituto dell'Enciclopedia Italiana. URL consultato il 10 aprile 2021 .
  18. ^ Giuseppe Castellani e Gino Luzzato, Lira , in Enciclopedia Italiana , Istituto dell'Enciclopedia Italiana, 1934. URL consultato il 10 aprile 2021 .
  19. ^ Taracchini, 1999 , p. 57 .
  20. ^ Taracchini, 1999 , p. 55 .
  21. ^ Taracchini, 1999 , p. 65 .
  22. ^ a b c Taracchini, 1999 , p. 66 .
  23. ^ Gigante, 2017 , pp. 197-198.
  24. ^ Gigante, 2017 , pp. 556-564.
  25. ^ Taracchini, 1999 , p. 67 .
  26. ^ Gigante, 2017 , pp. 211-228.
  27. ^ Gigante, 2017 , pp. 324-329.
  28. ^ Gigante, 2017 , pp. 52-79.
  29. ^ 1 lira Governo Provvisorio di Lombardia , su numismatica-italiana.lamoneta.it .
  30. ^ 2 lire Governo Provvisorio di Lombardia , su numismatica-italiana.lamoneta.it .
  31. ^ Krause, 2015 , p. 821 .
  32. ^ Gigante, 2017 , pp. 313-314 .
  33. ^ Gigante, 2017 , pp. 315-318 .
  34. ^ Gigante, 2017 , pp. 82-89 .
  35. ^ Taracchini, 1999 , p. 77 .
  36. ^ a b Taracchini, 1999 , p. 80 .
  37. ^ Taracchini, 1999 , p. 78 .
  38. ^ a b Taracchini, 1999 , p. 79 .
  39. ^ Regio decreto 17 luglio 1861, n. 123
  40. ^ Legge 24 agosto 1862, n. 788
  41. ^ Taracchini, 1999 , pp. 148-149 .
  42. ^ LEGGE 31 marzo 1966, n. 171 Autorizzazione al Tesoro dello Stato a fabbricare ed emettere biglietti di Stato da L. 500. (GU Serie Generale n.91 del 14-04-1966) , su Gazzetta Ufficiale . URL consultato il 12 gennaio 2020 ( archiviato il 12 gennaio 2020) . Ospitato su google .
  43. ^ Francesco Cappello, Esuberi & rottamazioni...che fare? (seconda parte) , in scenarieconomici.it ( archiviato il 12 gennaio 2020) .
  44. ^ LEGGE 31 marzo 1966, n. 171 - Autorizzazione al Tesoro dello Stato a fabbricare ed emettere biglietti di Stato da L. 500. (GU n.91 del 14-4-1966 ) , su normattiva.it . URL consultato il 12 gennaio 2020 ( archiviato il 12 gennaio 2020) .
  45. ^ Istruzioni generali sui Servi del Tesoro , su docplayer.it , 1967. URL consultato il 12 gennaio 2020 ( archiviato il 12 gennaio 2020) .
  46. ^ Attestazione nella numismatica - , su archive.is , novembre 2010. Ospitato su google .
    «Repubblica Italiana - Cinquecento Biglietto di Stato a corso legale» .
  47. ^ Il rapimento Moro secondo i servizi segr , su comedonchisciotte.org , maggio 2012. URL consultato il 12 gennaio 2020 (archiviato dall' url originale il 19 novembre 2019) .
  48. ^ Taracchini, 1999 , p. 182 .
  49. ^ Taracchini, 1999 , p. 183 .
  50. ^ L'autunno nero del '92 tra tasse e svalutazioni, Lira: storia e curiosità, Sole 24 Ore, 2010
  51. ^ E i grandi hedge fund Usa vanno all'attacco dell'euro, Repubblica 2010
  52. ^ Parere della Banca centrale europea 31 dicembre 1998 documento 31998Y1231(01) , in materia di " tassi di conversione tra l'euro e le valute degli Stati membri che adottano l'euro "
  53. ^ Decreto legislativo 24 giugno 1998, n. 213 , in materia di " Disposizioni per l'introduzione dell'EURO nell'ordinamento nazionale "
  54. ^ Decreto-legge 6 dicembre 2011, n. 201, articolo 26 , in materia di " Disposizioni urgenti per la crescita, l'equita' e il consolidamento dei conti pubblici "
  55. ^ Eritrea , su numismatica-italiana.lamoneta.it .
  56. ^ Gazzetta
  57. ^ Gazzetta
  58. ^ Montenegro: Manuale...
  59. ^ Symes: Banknotes...
  60. ^ Somalia , su pjsymes.com.au .
  61. ^ Le monete dell'occupazione italiana dell'Albania , su numismatica-italiana.lamoneta.it .
  62. ^ Guida d'Italia, Albania , 1ª ed., Milano, Touring Editore, 1940, pp. 13-14. URL consultato l'11 maggio 2019 .
  63. ^ Claudio Giacchetti, Le banconote italiane nei territori occupati durante le due guerre , su Il Giornale della Numismatica , 9 ottobre 2018. URL consultato il 9 aprile 2021 .
  64. ^ Mantenimento delle truppe tedesche ( PDF ), in Acta dell'Istituto storico Repubblica Sociale Italiana , n. 2, Bologna, maggio-luglio 1992, pp. 4-5. URL consultato il 12 aprile 2021 .
  65. ^ Domenico Carutti e Luigi Cibrario, Convenzione tra San Marino e Vittorio Emanuele II ( PDF ), Torino, 22 marzo 1862, art. 24. URL consultato il 10 maggio 2019 .
  66. ^ Convenzione di buon vicinato e di amicizia con il Regno d'Italia ( PDF ), 28 giugno 1897, art.38. URL consultato il 10 maggio 2019 .
  67. ^ convenzione 1906 .
  68. ^ Convenzine addizionale . URL consultato il 10 aprile 2020 .
  69. ^ Convenzione monetaria tra la Serenissima Repubblica di San Marino e il Regno d'Italia , su esteri.sm . URL consultato il 10 aprile 2020 .
  70. ^ Accordo aggiuntivo alla convenzione di amicizia e buon vicinato fra la Repubblica di San Marino e la Repubblica Italiana ( PDF ), Roma, 29 aprile 1953. URL consultato l'11 maggio 2019 .
  71. ^ Convenzione monetaria fra la Repubblica di San Marino e la Repubblica Italiana ( PDF ), Roma, 10 settembre 1971. URL consultato l'11 maggio 2019 .
  72. ^ Convenzione monetaria tra la Repubblica di San Marino e la Repubblica Italiana ( PDF ), Roma, 21 luglio 1991. URL consultato l'11 maggio 2019 .
  73. ^ vaticano 1991 , su vatican.va .
  74. ^ indygesto.com, Dossier: Le monete prima dell'Unità , su indygesto.com .
  75. ^ Tariffa Regio Decreto 17 1861 , su normattiva.it .
  76. ^ Banca d'Italia-Storia-Dall'istituzione della Banca d'Italia alla legge bancaria del 1936-La legge bancaria del 1893 e l'età giolittiana , su bancaditalia.it . URL consultato il 30 ottobre 2013 (archiviato dall' url originale il 31 ottobre 2013) .
  77. ^ Convertitore storico delle valute , su tassidicambio.bancaditalia.it . URL consultato il 15 giugno 2020 (archiviato dall' url originale il 17 aprile 2020) .
  78. ^ Cambio fissato a 7,604 lire italiane per marco tedesco tra il 1942 e il 1943
  79. ^ I valori tra il 1981 e il 1998 sono riferiti all' ECU .
  80. ^ 1297,316 lire italiane per ECU nel 1981.

Bibliografia

  • Antonio Pagani, Monete italiane dall'invasione napoleonica ai giorni d'oggi (1796-1963) .
  • Catalogo Alfa delle Monete italiane e Regioni - 33ª edizione 2008 Alfa Edizioni Torino
  • Eupremio Montenegro, Manuale del collezionista di monete italiane , 29ª ed., Torino, Edizioni Montenegro, 2008, ISBN 978-88-88894-03-4 .
  • Fabio Gigante, Monete italiane dal '700 all'avvento dell'euro , 21ª ed., Varese, Gigante, 2013, ISBN 978-88-89805-35-0 .
  • Franco Gavello; Claudio Bugani, Cartamoneta Italiana - Banconote italiane . Varese, Edizioni Gigante, 2005.
  • Guido Crapanzano; Ermelindo Giulianini, La cartamoneta italiana . Milano, G&G Numismatica, 2005.

Voci correlate

Altri progetti

Lira italiana - Successione
Preceduta da:

Lira alla pari
Ducato delle Due Sicilie
Lira austriaca
Fiorino toscano
Scudo pontificio

Motivo: Unità d'Italia
Valuta di Italia
17 marzo 1861 – 28 febbraio 2002
Seguita da:
Euro
Motivo: Unificazione monetaria europea

Collegamenti esterni

Controllo di autorità Thesaurus BNCF 33935 · GND ( DE ) 7840894-5