cristandade

Da Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para a navegação Ir para a pesquisa
Disambiguation note.svg Desambiguação - "Cristãos" se refere aqui. Se você estiver procurando por outros significados, consulte Cristão (desambiguação) .
Ascensão de Cristo , pintura de Benvenuto Tisi da Garofalo , 1510

O Cristianismo é uma religião universalista , originada do Judaísmo do primeiro século , fundada na revelação , ou seja, na vinda e pregação, contida nos Evangelhos , de Jesus de Nazaré , entendido como filho do Deus de Israel e, portanto, do próprio Deus, encarnou , morreu e ressuscitou para a salvação da humanidade, ou o Messias prometido, o Cristo . [Nota 1] [Nota 2] . Classificada por alguns como uma " religião abraâmica ", junto com o Judaísmo (de onde se origina), o Islã [1] [2] e a fé Bahá'í , é a religião mais difundida, com cerca de 2,3 bilhões de fiéis no mundo a 2015. [3]

História do cristianismo

Ícone da lupa mgx2.svg O mesmo tópico em detalhes: História do Cristianismo e Origens do Cristianismo .
Éfeso , escrito ΙΧΘΥΣ
O Cristianismo é fundado na pregação, morte e ressurreição de Jesus de Nazaré , que para os cristãos é Deus encarnado e o Messias de Israel . A imagem é da Incredulidade de São Tomás de Caravaggio

O cristianismo surge no primeiro século como um sincretismo unificando as várias religiões do mundo mediterrâneo: Mesopotâmia-cananeia - religiões egípcias , das quais o judaísmo foi um desdobramento (cujas escrituras adquiriram centralidade no cristianismo), e religiões greco - romanas ; no início apresenta-se com o duplo aspecto do judaico-cristianismo (cujos membros eram exclusivamente judeus convertidos, e acreditavam que apenas os circuncidados podiam ser salvos) e etno-cristianismo (ou cristianismo dos gentios , isto é, os pagãos , isto é o "povo", os povos definidos por sua própria genealogia, que em todo caso deveria observar a lei de Moisés), como se pode deduzir dos relatos dos Atos de Lucas e de algumas cartas de Paulo (como a Carta a os Gálatas , as cartas aos Coríntios ), mostrando, porém, que as duas almas coexistem sem divisão, e que chegaram a uma fórmula de concórdia com o primeiro concílio de Jerusalém (At 15).

Os cristãos tiraram do judaísmo suas Sagradas Escrituras, posteriormente definidas como Antigo Testamento , na versão traduzida para o grego helenístico (também devido à predominante origem greco-romana da maioria dos primeiros adeptos), doutrinas fundamentais como o monoteísmo , a fé em um messias ou cristo , algumas formas de adoração (incluindo o sacerdócio ), conceitos de lugares e tempos sagrados, a ideia de que a adoração deve ser modelada segundo o modelo celestial, o uso dos Salmos nas orações comuns. O cristianismo entendido como uma religião distinta da judaica começou a se delinear a partir do chamado " Sínodo de Jâmnia ", no qual se posicionou fortemente sobre a estranheza do "Caminho" [Nota 3] do Judaísmo Ortodoxo, a partir do segunda metade do século II .

Posteriormente, a Igreja pós-apostólica aos poucos se organizou em torno da chamada pentarquia dos cinco patriarcados de Roma , Constantinopla , Alexandria , Antioquia e Jerusalém . Inicialmente houve uma disputa crítica secular entre várias correntes para a formação do cristianismo primitivo, correntes que se referem a diferentes coleções de textos considerados sagrados, incluindo o vasto e heterogêneo movimento do gnosticismo . Essa disputa terminou no século IV com a conversão do Imperador Constantino I (provavelmente batizado à beira da morte por um bispo da facção ariana [4] ), que convocou o Concílio de Nicéia para trazer à tona uma única corrente e eliminar as outras . Ao mesmo tempo, o Cristianismo tornou-se uma religião oficialmente aprovada e bispos cristãos, anteriormente vítimas do poder militar, passaram ao comando [5] .

Em 380, Teodósio com o Édito de Tessalônica tornou-a a única religião oficial do Império Romano, recorrendo também a meios cruéis para reprimir a resistência dos pagãos . [6] Em 1054 disputas teológicas sobre dogmas trinitários, celibato eclesiástico e outras questões menores culminaram no Grande Cisma entre a Igreja Católica e a Igreja Ortodoxa . Cerca de cinco séculos depois, o escândalo da indulgência levou Lutero a causar outro cisma e, assim, fundar o protestantismo . No Leste Europeu, o estabelecimento de regimes marxistas, por definição materialistas, resultou em um processo de descristianização planejada do Estado que se deu a partir da Rússia (ex- União Soviética ) e depois, após a guerra, em países governados por regimes. comunistas satélites da URSS . Após a queda dos regimes, após 1989, a liberdade de religião foi restabelecida na maioria dos casos.

Descrição

A religião

Carl Heinrich Bloch , O Sermão da Montanha

O Cristianismo reconhece Jesus como o Cristo (Messias) atestado pela Torá e pela tradição judaica e, em quase todas as suas denominações , como Deus feito homem . A teologia cristã das principais e mais difundidas Igrejas cristãs nasceu com os primeiros credos ecumênicos , como o Credo Niceno-Constantinopolitano , que contêm afirmações aceitas pela maioria dos seguidores da fé cristã.

Os conceitos fundamentais são:

De acordo com os textos do Novo Testamento e a teologia cristã, Jesus de Nazaré foi crucificado , morreu e foi sepultado, e então ressuscitou do reino dos mortos, abrindo as portas do céu para aqueles que crêem nele para a remissão dos seus pecados ( salvação ) Jesus então ascendeu ao céu, onde reina com Deus Pai , e voltará para julgar os vivos e os mortos, e designará cada um para o céu ou para a morte eterna.

As quatro principais divisões do Cristianismo são o Catolicismo , o Cristianismo Ortodoxo , as várias denominações do Protestantismo e as Testemunhas de Jeová . O Grande Cisma de 1054 dividiu o Cristianismo Calcedônico entre a Igreja Católica Romana e a Igreja Ortodoxa. O protestantismo nasceu dentro da Igreja Católica como resultado da reforma protestante no século dezesseis , então se dividindo em várias ramificações. Como uma fé religiosa, o Cristianismo tem seu conteúdo (doutrina). Segundo a tradição, estas se baseiam nas revelações de Deus ao povo de Israel (tradição também comum à religião judaica ), na pregação do Evangelho com a doutrina da salvação de Jesus de Nazaré chamada “o Cristo” (“ ungido "," consagrado "de Deus). Essa tradição se reflete na Bíblia ( Antigo Testamento e Novo Testamento ), que é considerada um texto inspirado por Deus e, portanto, um texto sagrado .

Também importante é a elaboração teológica e cristológica dos séculos seguintes, presente na literatura cristã das diferentes correntes religiosas e nos Padres da Igreja , que também usa, em novas sínteses, alguns termos e conceitos típicos dos greco-cristãos pré-cristãos. Teologia Romana . É difícil dar uma definição unitária do cristianismo, pois ele - mais do que uma religião em sentido estrito - pode ser considerado uma série de correntes religiosas, devocionais e / ou metafísicas e / ou teológico-especulativas, modos de comportamento, muitas vezes heterogêneos no cotidiano hábitos, tendo um núcleo comum de valores e crenças religiosas, mas diferentes entre si segundo a forma como interpretam a tradição e a sua literatura religiosa, e segundo cujo aspecto passa a ser objeto de enfoque para as correntes individuais [ 7] .

Ritos e práticas

Adoração semanal

A devoção ao crucifixo é uma nota cristã distinta.

Justino , no segundo século DC, dá a primeira descrição completa das práticas rituais daIgreja primitiva, cuja estrutura básica é mantida pela maioria das igrejas:

«No dia chamado Sol ( domingo ) todos os que vivem nas cidades ou no campo se reúnem no mesmo lugar, são lidas as memórias dos apóstolos ou os escritos dos profetas, tanto quanto o tempo permite; então, quando o leitor terminar, o presidente instrui verbalmente e insiste na imitação desses bons exemplos. Em seguida, todos nos levantamos e oramos e, como mencionado anteriormente, quando as orações terminam, o pão, o vinho e a água são trazidos, e o presidente oferece orações e agradecimentos, de acordo com sua capacidade, e o povo dá seu consentimento, dizendo " amém " Em seguida, vem a distribuição e partilha do que foi dado com ações de graças, e para aqueles que estão ausentes uma parte é trazida pelos diáconos .

Quem pode e quer dar o que acredita ser útil : a Coleção é depositada com o presidente, que a usa para os órfãos e viúvas e para aqueles que, por doença ou outras causas, estão necessitados, e para aqueles que estão necessitados. cadeias e para os estrangeiros que moram conosco, em suma para todos aqueles que precisam deles. "

Festividade

Ícone da lupa mgx2.svg O mesmo tema em detalhes: Calendário litúrgico , Festa do preceito , Páscoa , Natal , Epifania , Pentecostes , Corpus Christi e Quaresma .

Os feriados na religião cristã são numerosos, alguns dos quais são considerados festas de obrigação (isto é, nas quais o fiel católico romano tem o compromisso de participar da celebração da Eucaristia ). As festas mais importantes são a Páscoa (o domingo após a primeira lua cheia da primavera), na qual a ressurreição de Jesus Cristo ao céu é lembrada; Natal (25 de dezembro, 6 ou 7 de janeiro dependendo da confissão), em que se lembra o nascimento de Jesus (não se conhece a data de seu nascimento); a Epifania (6 ou 19 de janeiro dependendo da confissão) em que a manifestação de Jesus é lembrada a todos os povos, tradicionalmente exemplificada pela chegada dos Magos que trazem presentes para a criança; no Pentecostes (quinquagésimo dia após a Páscoa), celebra-se a efusão do Espírito Santo , o dom do Ressuscitado e o nascimento da Igreja. A Quaresma é um período de quarenta dias que antecede a celebração da Páscoa. O Corpus Domini no calendário litúrgico católico evoca a liturgia da Missa na Ceia do Senhor na Quinta-feira Santa .

Sacramentos

Ícone da lupa mgx2.svg O mesmo tópico em detalhes: Sacramento .

O sacramento, na tradição e fé cristãs, é um rito instituído por Cristo que difunde a graça de Deus . O termo é a tradução do latim sacramentum e corresponde ao grego mysterion .

A Igreja Católica reconhece sete sacramentos: baptismo , reconciliação ou confissão, Eucaristia ou comunhão, confirmação ou confirmação, ordem sagrada , casamento , unção dos enfermos . A Igreja Ortodoxa e as antigas Igrejas Ortodoxas Orientais reconhecem os mesmos sete sacramentos que a Igreja Católica, mas os definem como "mistérios" preferindo não usar o termo "sacramento". No protestantismo, a natureza dos sacramentos é rediscutida e, geralmente, apenas aqueles dos quais o Novo Testamento relata uma ordem explícita de Jesus, a saber, o batismo e a eucaristia, são considerados como tais. Os dois últimos não estão excluídos do rito protestante porque foram deixados por Jesus.Os restantes foram estabelecidos pela Igreja Católica ao longo dos séculos, mas não fazem parte da doutrina de Cristo.

Símbolos

O peixe, um antigo símbolo cristão ( Ichthys ).
O Chi Rho representa as duas letras gregas com as quais o nome Khristòs (Cristo) começa.

A cruz é hoje um dos símbolos cristãos mais reconhecidos do mundo. Já Tertuliano (160-220) atesta em De Corona que os cristãos costumavam traçar o sinal da cruz acima da testa:

“Se partimos, se saímos ou entramos, se nos vestimos, se nos lavamos ou vamos para a mesa, para a cama, se nos sentamos, nestas e em todas as nossas ações marcamos nossas testas com o sinal de a cruz. "

( Tertuliano, De corona , III, PL II, 80A )

O crucifixo, por outro lado, não era usado como símbolo antes do século V.

As primeiras comunidades cristãs, porém, a identificarem sua religião, não utilizaram a cruz, então instrumento de morte brutal e ignominioso, mas o peixe. "Peixe" em grego antigo é ἰχθύς ( ichthys ): as letras desta palavra formam um acrônimo , síntese da doutrina cristã, Ἰησοῦς Χριστός Θεοῦ Ὑιός Σωτήρ ( Iēsoùs Christòs Theoù Yiòs Sōtèr ), que significa a palavra "Jesus Cristo" salvador ", ou" Jesus Cristo, o filho salvador de Deus ", que muitas vezes era acompanhado pelo genitivo ζωντῶν =" dos vivos ". Além disso, o peixe, sendo um animal que vive debaixo d'água sem se afogar, simbolizava Cristo, que pode entrar na morte enquanto permanece vivo.

Outros símbolos cristãos são o Chi Rho , a pomba (símbolo do Espírito Santo ), o cordeiro sacrificial (símbolo do sacrifício de Cristo), a videira e os ramos (símbolo da união dos cristãos com Cristo). Todos esses símbolos derivam do Novo Testamento. Outro cristograma usado desde o século III é o IHS .

Subdivisões

Ícone da lupa mgx2.svg O mesmo tópico em detalhes: Lista de denominações cristãs .

As três principais divisões do Cristianismo são a Igreja Católica , a Igreja Ortodoxa e o Protestantismo . Existem também outros grupos cristãos que não se enquadram nessas três categorias principais. Os grupos cristãos são diferenciados por diferentes doutrinas e práticas. A maioria dos cristãos (católicos, ortodoxos e a maioria dos protestantes) compartilha o Credo Niceno .

As igrejas cristãs podem ser classificadas de várias maneiras. Uma subdivisão bastante simples é aquela que distingue as igrejas ocidentais das orientais. Outra classificação cronológica possível é aquela baseada em concílios ecumênicos reconhecidos e em cismas subsequentes. O concílio ecumênico é uma reunião solene de todos os bispos da cristandade para definir temas polêmicos de ou indicar orientações gerais de moralidade . A etimologia do termo remonta a ecumene , a "casa onde todos vivemos".

catolicismo

Ícone da lupa mgx2.svg O mesmo tópico em detalhes: Igreja Católica , Cidade do Vaticano e Papa .

A Igreja Católica Apostólica Romana deriva da Igreja Latina , cuja autoridade originalmente se estendia de Roma sobre a parte ocidental do Império Romano . Reconhece o primado da autoridade ao bispo de Roma , como, segundo a fé católica, sucessor do apóstolo Pedro na cátedra de Roma .

Entre as Igrejas cristãs, segundo as estatísticas, a Igreja Católica tem o maior número de fiéis do mundo.

Ele compartilha com a Igreja Ortodoxa atual as definições dos primeiros 7 concílios ecumênicos (do Concílio de Nicéia I ao Concílio de Nicéia II ). Após o cisma oriental (1054), a Igreja Católica reconhecerá outros 14 concílios como ecumênicos, mas não reconhecidos pelo Oriente .

Ortodoxia

A antiga catedral de Hagia Sophia ("Hagia Sophia" ou "Divina Sabedoria"), agora uma mesquita de Hagia Sophia, era a catedral de Constantinopla e a sede do Patriarcado Ecumênico de Constantinopla
Ícone da lupa mgx2.svg O mesmo tópico em detalhes: Igreja Ortodoxa , Igrejas Ortodoxas Orientais e Cristianismo Oriental .

A leste temos as igrejas ortodoxas, emanações das igrejas de língua grega originalmente nascidas no território do Império Romano do Oriente . Ao contrário do que aconteceu no Ocidente, embora a igreja grega assumisse particular importância, nunca foi capaz de impor sua supremacia às igrejas "irmãs", que permaneceram autocéfalos . Da mesma forma, as igrejas fundadas por missionários ortodoxos (especialmente entre as populações eslavas ) rapidamente se tornaram autônomas de suas respectivas igrejas-mães, considerando-se no mesmo nível. Entre estes, o mais importante é sem dúvida o Patriarcado Ecuménico de Constantinopla , considerado e reconhecido como Primus inter pares por todas as Igrejas Ortodoxas.

Deve-se notar que as igrejas ortodoxas, por um lado, e a católica, por outro, são cismáticas entre si; a Igreja Católica não considera as Igrejas Ortodoxas heréticas , ao contrário do que acontece por exemplo com as Igrejas Protestantes, enquanto as Igrejas Ortodoxas, embora não tenha havido proclamação conciliar explícita sobre o assunto, suspeitam da Igreja Católica de heresia, especialmente em relação à doutrina do Filioque . [Nota 4]

protestantismo

Ícone da lupa mgx2.svg O mesmo tópico em detalhes: Protestantismo .
Retrato de Martinho Lutero, de Lucas Cranach (1529)

As igrejas da Reforma Protestante são as igrejas que surgiram da Igreja Latina no século XVI na sequência da reflexão teológica de Martinho Lutero , João Calvino , Ulrich Zwingli e outros, bem como do apoio político e social que tiveram dos príncipes da Central e norte da Europa. As igrejas protestantes podem ser amplamente divididas da seguinte forma:

Existem também grupos de origens diferentes, como os valdenses , que, no entanto, hoje fazem parte das igrejas protestantes.

Igreja Copta Ortodoxa

Ícone da lupa mgx2.svg O mesmo tópico em detalhes: Igreja Copta Ortodoxa .

A Igreja Copta Ortodoxa é uma igreja Cristã Miafisita (indevidamente chamada de Monofisita , uma definição não aceita nem pelos Coptas nem pelos Etíopes). É uma das Igrejas Ortodoxas Orientais .

Na Igreja Copta, o título de "Papa" pertence ao Patriarca de Alexandria . Depois de mais de quarenta anos no ministério de Shenouda III , falecido em 17 de março de 2012, agora o Patriarca é Teodoro II , 118º papa da Igreja Copta Ortodoxa. Em 4 de novembro de 2012, seu nome foi sorteado a partir de uma criança, cuja mão se diz ser guiada pela vontade de Deus, no final de uma longa liturgia na Catedral do Cairo .

Durante o século XVIII, uma parte dela foi levada à comunhão com o Papa de Roma . Hoje subsiste com o nome de Igreja Católica Copta .

Igrejas orientais

Ícone da lupa mgx2.svg O mesmo tópico em detalhes: Igrejas Ortodoxas Orientais .

Estas são as antigas igrejas orientais que não aceitaram as definições dogmáticas do concílio de Calcedônia . Por isso, são também chamadas de igrejas não calcedonianas ou igrejas pré-calcedonianas.

As "Igrejas dos três concílios" nasceram da rejeição das conclusões do concílio de Calcedônia de 451 . São também chamadas de igrejas não calcedonianas e às vezes de igrejas monofisitas , embora não sejam consideradas como tal, mas sim mifisitas .

A maioria dessas igrejas passou por um cisma na era moderna com a formação de um patriarcado católico uniata paralelo, agora considerado uma igreja sui iuris dentro da Igreja Católica .

Além disso, existem as "Igrejas dos dois concílios", que nem mesmo aceitaram o concílio de Éfeso de 431, as chamadas igrejas nestorianas :

Restauracionismo

O termo restauracionismo é usado para significar um complexo de igrejas e comunidades que surgem do desejo de retornar à igreja cristã primitiva e que se manifesta de várias formas, especialmente no século XIX . São cultos que querem se diferenciar dos primeiros mencionados aqui, ou afirmam ter uma linha histórica separada.

Os maiores são os mórmons , as Testemunhas de Jeová e a Igreja de Cristo .

Os mórmons são caracterizados pela figura individual do primeiro fundador e também têm como textos sagrados o Livro de Mórmon e livros adicionais emprestados de seu fundador, bem como a Bíblia, onde as doutrinas cristãs são retrabalhadas de uma forma completamente única e original. Tanto os mórmons quanto as Testemunhas de Jeová não são reconhecidos como cristãos por outras igrejas. [8] [9]

As Testemunhas de Jeová reavivam o cristianismo do primeiro século com a pregação de casa em casa. Eles se identificam com a obra missionária realizada por Jesus e seus discípulos, pregando o que chamam de "boas novas do Reino" [10] .

A Igreja de Cristo está organizada em comunidades de crentes que reconhecem a inspiração plena de toda a Bíblia e para quem o respeito por tudo o que nela está contido é o único meio de fazer a vontade de Deus. Em consonância com o cristianismo de origem, não existe um ponto central comitê, mas cada comunidade é independente.

Adventismo

Adventismo tem suas origens na Millerismo , um dos vários movimentos do século XIX americano reavivamento espiritual , formadas a partir de década de 1930 em torno de William Miller , um Batista pregador que tinha definir a data de retorno de Jesus no período 1843- 44 [11] ; após o fracasso da previsão, os mileritas se dispersaram, mas um dos grupos formou a Igreja Adventista do Sétimo Dia , formalmente estabelecida em Battle Creek, Michigan , em 1863. Entre seus fundadores estava Ellen Gould White , (1827-1915).), uma mulher que é reconhecido com um dom particular de profecia , que desempenhou um papel fundamental na formação da Igreja Adventista e no desenvolvimento de sua atividade evangelística nos Estados Unidos e na Europa e cujos escritos ainda são tidos em alta consideração hoje[12] .

Os adventistas do sétimo dia também se referem à experiência dos sabatistas, entendida como "encobertos" ou "sabbatati". A partir do final do século XII, de fato, os oponentes dos valdenses começaram a chamá-los de "insabbatati", "sabbatati" ou outros nomes semelhantes. Ao longo dos séculos, duas vias principais de interpretação foram seguidas em relação ao significado mais profundo desses nomes. Uma interpretação, a mais seguida até hoje pela parte valdense , considera os valdenses da Igreja Evangélica valdense como um novo movimento religioso "herético" cujos membros se distinguiam por usarem um tipo particular de sapato , os "sabot" que eram tamancos como isto como muitos pastores de montanha ainda usam hoje. Identifica Pietro Valdo di Lione como o fundador do movimento valdense que rompeu com a Igreja Católica na Idade Média . De acordo com esta interpretação, os valdenses adotaram este tipo original de calçado para testemunhar ao povo que eles eram uma simples ordem religiosa católica popular com a intenção de restaurar a simplicidade do Evangelho de Cristo do Novo Testamento de que os " pobres de Lyon " (o nome original dos valdenses) que queriam proclamar. Com seus " sabotes " simples, eles se distinguiam de outras ordens religiosas católicas e tinham a aparência de apóstolos genuínos de Jesus. A outra interpretação sustenta que esses apelidos descreviam a valdense que rejeitava tradições não bíblicas, festas e dias sagrados designados como " Sábados ", estabelecido pela Igreja Católica Romana. Essa explicação pressupõe que os valdenses não eram um novo movimento religioso e que sua presença já era atestada bem antes de Pietro Valdo . Seus ensinos eram baseados na Bíblia , a única Bíblia . A primeira vez que a palavra "insabbatati" foi usada para os valdenses foi no edito de 1192 contra os "hereges", assinado pelo rei Alfonso II de Aragão (1152-1196). Nele, os valdenses eram chamados de "insabbatati" e "Os pobres de Lyon". O édito não explica porque os valdenses foram definidos como "insabbatati". A próxima fonte é o edito de 1157 contra os "hereges", assinado pelo filho do rei Alfonso, o rei Pedro d ' Aragona (1174-1213). Desta vez, os valdenses foram chamados de "insabbatati". Anche questo editto non dava alcuna spiegazione né del perché del nome, né del motivo dell' omissione del prefisso "in". Il fatto che nessuno dei due editti desse tali spiegazioni, indica che i termini erano noti al popolo in quel tempo. La seconda, e più plausibile, interpretazione di " insabbatati" e " sabbatati" e' quella della Chiesa cristiana avventista del settimo giorno e dei suoi storici, ma non dei valdesi della Chiesa evangelica valdese che associano queste parole al persistente rifiuto dei valdesi di osservare le tradizioni cattoliche, comprese feste, giorni santi e "sabati". Osservatori del sabato? Nel 1618 uno storico valdese , John Perrin (1580-1648) scrisse nel libro [13] : " I valdesi rigettano le feste romane, e osservano solamente il giorno del Sabato , per questo erano chiamati " insabbatati", perché osservavano il sabato". Con poche eccezioni, i valdesi negano oggi che gli antichi valdesi osservassero il sabato biblico. Gli avventisti del settimo giorno, dal canto loro, continuano ancora oggi a sostenere ea diffondere questa interpretazione. Una questione mai risolta. Tuttavia, l'evidenza storica indica che molti di loro osservassero il sabato biblico durante il medioevo . L'osservanza del Sabato presso I valdesi era molto diffusa in Boemia e Moravia e anche presso gli unitariani della Transilvania . Il manoscritto di un inquisitore tedesco del quindicesimo secolo riportava che i valdesi in Boemia " non celebravano le feste della vergine Maria e degli apostoli, eccetto il giorno del Signore . Non pochi celebrano il Sabato con gli ebrei " [14] .

La Chiesa avventista non è riconosciuta come evangelica o protestante dall' Alleanza Evangelica Mondiale [15] , a causa di alcuni aspetti teologici divergenti dagli altri membri dell'Alleanza: il " giudizio investigativo ", l'autorità data agli scritti di Ellen G. White e il fatto di considerare il sabato (lo Shabbat ebraico ) come giorno del riposo per i cristiani [16] . Tuttavia, in Italia è considerata come una "osservatrice" della Federazione delle Chiese Evangeliche in Italia dallo Stato italiano , ma tuttavia non e' parte integrante della stessa Federazione; [17] nonostante le divergenze teologiche, dialoga e collabora in progetti comuni con le chiese appartenenti alla Federazione delle Chiese evangeliche in Italia (FCEI) [18]

Oggi è una chiesa diffusa in quasi tutto il mondo; conta (secondo stime interne risalenti all'anno 2010) 16.600.000 membri [19] , è presente in oltre 200 paesi[12] ed i dati confermano una crescita costante. L' Africa è il continente con il maggior numero di avventisti, anche se la crescita maggiore si riscontra in America Latina . Molti avventisti, tra i quali numerosi pastori , specie negli Stati Uniti d'America provengono dall' Ebraismo . La Chiesa avventista del riposo sabbatico sorse nell'ambito dell'avventismo come un movimento di risveglio basato sul messaggio della giustificazione per fede . Gli avventisti del settimo giorno del movimento di riforma invece sono nati come risultato di una scissione dalla Chiesa cristiana avventista del settimo giorno causata dal disaccordo sulla corretta osservanza del sabato e sul servizio militare durante la prima guerra mondiale .

Tale nascita è avvenuta ufficialmente nel 1925 a Gotha , nella Turingia , in Germania . La Chiesa cristiana avventista ( Advent Christian Church oppure Advent Christian General Conference ) è una chiesa millerita dei cristiani avventisti fondata solo unicamente sugli insegnamenti del predicatore battista William Miller e nata dalla fusione dell' Unione della vita e dell'avvento di George Storrs con l' Associazione cristiana avventista . La Chiesa cristiana avventista oggi tuttavia è principalmente nota e conosciuta storicamente perché da una sua dissidenza dell' Unione della vita e dell'avvento di George Storrs con l' Associazione cristiana avventista , è nato il movimento degli Studenti biblici di Charles Taze Russell , che – particolarmente nel gruppo maggiore che ne è derivato, i testimoni di Geova – ha adottato una teologia che esce decisamente dall'ambito protestante .

Culti estinti

Tra i culti cristiani ormai estinti, si possono citare le numerosissime eresie , variamente represse, che interessarono la cristianità nella sua storia. Alcune erano:

  • gli ebioniti (derivazione del giudeo-cristianesimo ) credevano che il Figlio fosse subordinato al Padre essendo non più di un umano speciale. Essi sostenevano che Gesù non era figlio di Dio, ma piuttosto un uomo comune che era profeta. Tuttavia questi gruppi rigettavano completamente le dottrine di Paolo di Tarso , considerato un impostore, e avevano un canone della Bibbia distinto da quello che divenne quello cattolico;
  • lo gnosticismo cristiano riteneva che la salvezza dipendesse da una forma di conoscenza superiore e illuminata ( gnosi ), frutto del vissuto personale e di un percorso di ricerca della Verità;
I catari cacciati da Carcassonne nel 1209
  • la Chiesa marcionita : Marcione credeva vi fossero due deità, una della Creazione/Vecchio Testamento e una del Nuovo Testamento;
  • i montanisti , movimento profetico-escatologico che espresse tutta una serie di chiese locali del tutto autonome e scollegate;
  • l' arianesimo , dottrina cristologica elaborata dal monaco e teologo cristiano Ario , condannata al primo concilio di Nicea, che ebbe una grande importanza storica all'epoca delle invasioni barbariche ; Ario credeva che il Figlio fosse subordinato al Padre, di cui sottolineava l'assoluta unicità e trascendenza dichiarandolo "sorgente non originata di tutta la realtà", una creatura di ordine superiore, generato dal Padre come primogenito di tutta la creazione e avente uno status divino, cioè anche se viene chiamato Dio, egli non è veramente Dio e quindi non della stessa sostanza del Padre.
  • il catarismo , dal greco katharos , diffuso in Europa tra il XII e il XIV secolo ; i càtari erano detti anche albigesi, dal nome della cittadina francese di Albi .
  • il cerintianesimo , movimento religioso che prendeva il nome dallo gnostico Cerinto del I secolo.
  • il donatismo , movimento religioso che nasce e si era sviluppato in Africa nel IV secolo e che considerava i sacramenti non efficaci. Prende il nome da Donato di Case Nere che nel 315 era vescovo di Cartagine .
  • la Chiesa bosniaca , chiesa cristiana autocefala, in odore di eresia, diffusa nella Bosnia ed Erzegovina medievale ed estintasi dopo la conquista ottomana.

Caratteristiche comuni e differenze tra le varie confessioni

Diffusione nel mondo

Magnifying glass icon mgx2.svg Lo stesso argomento in dettaglio: Cristianesimo nel mondo .
Percentuale di cristiani per stato.

Il cristianesimo raggruppa diverse chiese e confessioni, talvolta molto diverse tra loro ed anche in polemica reciproca. Secondo il WCT , cioè il World Christian Trends , nel 2001 i cristiani erano complessivamente il 33% degli abitanti del globo ed erano così divisi: cattolici 17,5%; protestanti 5,6%; ortodossi delle varie chiese (russa, greca, armena) 3,6%; anglicani 1,3%; copti e altri ( battisti e pentecostali in ascesa) 5,0%. Al 2015, la percentuale dei cristiani sulla popolazione mondiale era scesa al 31%, pari a circa 2.3 miliardi di persone. [3]

Un crocifisso di pietra in Germania

Gran parte delle statistiche si fondano su sondaggi a campione nei vari stati o sui dati delle anagrafi (quando la religione professata è registrata), preferiti rispetto ai dati forniti dalle varie organizzazioni religiose che spesso si riferiscono al numero di battezzati, ignorando la posizione di coloro che, battezzati nell'infanzia, si siano discostati dal cristianesimo in età adulta.

È noto che in Europa occidentale , [20] in America settentrionale , [21] e in alcuni Paesi dell' Europa orientale , [20] [22] [23] l'affiliazione al cristianesimo è da anni in forte declino, mentre in Africa il numero dei cristiani cresce con quello della popolazione del continente, oppure, in certe aree del mondo come l' America meridionale si è avuta un'avanzata delle chiese evangeliche di tipo pentecostale a scapito del cattolicesimo tradizionale, quindi con movimenti e travasi fra le varie confessioni cristiane.

Bandiera

Magnifying glass icon mgx2.svg Lo stesso argomento in dettaglio: Bandiera cristiana .

La Bandiera cristiana è una bandiera ideata agli inizi del XX secolo per rappresentare tutto il Cristianesimo ed è usata prevalentemente da chiese protestanti nel Nord America , in Africa e nell' America latina . La bandiera si presenta come un campo bianco, con una croce latina rossa all'interno di un angolo in alto a sinistra azzurro. Il rosso della croce simboleggia il sangue versato da Gesù Cristo sul Calvario. Il blu rappresenta l'acqua del Battesimo come pure la fedeltà di Gesù. Il bianco rappresenta la purezza di Gesù. Nella vessillologia convenzionale, una bandiera bianca è legata alla resa, riferimento questo alla descrizione biblica della non-violenza di Gesù e la sua resa alla volontà di Dio . Le dimensioni della bandiera non sono ufficialmente specificate.

Note

  1. ^ Paolo Scarpi evidenzia come sorge da un punto di vista storico il monoteismo :

    «a opera di un fondatore o riformatore che dà avvio a una nuova religione in opposizione a un politeismo , che viene rifiutato e negato. Ciò, necessariamente presuppone l'esistenza di un politeismo precedente al monoteismo. Il monoteismo, dunque, si forma per rivoluzione ed è possibile solo là dove sia stata elaborata una nozione di dio personale. Così è stato per lo yahwismo [...]; per il cristianesimo di fronte alle forme, sia pure ormai decomposte, del politeismo ellenistico romano ( Giovanni 17,3; I Corinzi 8,4 a 10,2»

    ( Paolo Scarpi . Dizionario delle Religioni . Torino, Einaudi, 1993, pag. 504 )
  2. ^

    «Con cristianesimo si intende l'insieme delle Chiese, delle comunità, delle sette e dei gruppi, ma anche delle idee e delle concezioni, che si richiamano alla predicazione di colui che è comunemente ritenuto il fondatore di questa religione, Gesù di Nazareth. Pur nell'amplissima varietà storica di credenze e pratiche, infatti, esso ha mantenuto come elemento comune la professione di fede in Gesù, figlio dell'unico Dio Signore e Creatore, incarnato, morto e risorto per la salvezza dell'umanità, il Messia promesso, e in quanto tale, il "Cristo", l'Unto del Signore.»

    ( Giovanni Filoramo . Cristianesimo . Milano, Electa/Mondadori, 2007 )

    «l'insieme delle dottrine e delle comunità che, pur in una grande varietà di atteggiamenti pratici e dottrinali, professano la fede in Gesù di Nazareth, figlio di Dio, incarnato, morto e risorto: il Cristo.»

    ( Giuseppe Alberigo . Cristianesimo , in Filosofia . Milano, Garzanti )

    «Tutti i cristiani sono quindi fratelli separati (e ogni tanto nemici), uniti però dalla fede indefettibile in Gesù Cristo, Figlio di Dio e salvatore del mondo»

    ( Xavier Tilliette . Cristianesimo in Enciclopedia filosofica . Milano, Bompiani, 2006 )
  3. ^ Col termine "la Via", attestato negli Atti degli apostoli (9,2; 19,9; 19,23; 22,4; 24,14) veniva designata la corrente cristiana dei primi tempi considerata solo una delle tante sette o fazioni dell'ebraismo.
  4. ^ Sul tema vedi anche la voce dedicata in Orthodox Wiki .

Riferimenti

  1. ^ Religion, Religions, Religious , di Jonathan Z. Smith , in Mark C. Taylor (a cura di), Critical Terms for Religious Studies , University of Chicago Press, 1998, p. 430, ISBN 978-0-226-79156-2 .
  2. ^ " Once More, Once More: Derrida, the Jew, the Arab " by Gil Anidjar, introduction to: Jacques Derrida , Acts of Religion , a cura di Gil Anidjar, New York & London, Routledge, 2001, p. 436, ISBN 0-415-92400-6 , /0-415-92401-4.
  3. ^ a b Christians are the largest religious group in 2015 , su pewforum.org , Pew Research Center, 31 marzo 2017.
  4. ^ Tessa Canella, Il modello di imperatore cristiano
  5. ^ The Gnostic Gospels , di Elaine Pagels , 1979 (tr. it. I Vangeli gnostici , Mondadori 1990.
  6. ^ Giovanni Filoramo, La croce e il potere. I cristiani da martiri a persecutori , Bari-Roma, Laterza 2011.
  7. ^ Cfr., a titolo esemplificativo: Stefano Piano, Dizionario delle religioni (a cura di Giovanni Filoramo). Torino, Einaudi, 1993, pagg. 373-4. Michel Delahoutre in Dictionnaire des Religions (a cura di Paul Poupard). Parigi, Presses universitaires de France, 1984. In italiano: Dizionario delle religioni . Milano, Mondadori, 2007, pag. 911.
  8. ^ Gabriele Mangiarotti, Sintesi della dottrina dei Testimoni di Geova , in culturacattolica.it .
  9. ^ Christian Research Institute, The World and National Councils of Churches , su equip.org .
  10. ^ L'opera di predicazione dei testimoni di Geova adempie una profezia biblica? pag. 9 della Torre di Guardia 1º maggio 2011
  11. ^ Chiesa Cristiana Avventista del 7º giorno, Origini-della-chiesa-avventista/ , su gliavventistirispondono.it . URL consultato il 30 ottobre 2013 .
  12. ^ a b FCEI, Chiesa Cristiana Avventista del Settimo Giorno , su chiesaavventista.it . URL consultato l'8 novembre 2017 .
  13. ^ John Perrin, "History of the Ancient Christians inhabitating the valleys of the Alps", Griffith and Simon, Philadelphia, Pennsylvania, 1847, pag.25
  14. ^ J. Dollinger, " Beitrage zur Sektengeschichte des Mittelalters", vol 2, Beck, Munchen 1890, pag.662)
  15. ^ Protestante digital, (es) La Alianza Evangélica Mundial no considera `evangélica´ a la Iglesia Adventista , su protestantedigital.com . URL consultato il 4 ottobre 2013 .
  16. ^ Avventisti, Punti dottrinali , su chiesaavventista.it . URL consultato il 4 ottobre 2013. .
  17. ^ Gianni Long, Le intese con le chiese evangeliche ( PDF ), su presidenza.governo.it . URL consultato il 4 ottobre 2013 .
  18. ^ FCEI, Pubblicazioni della Settimana della libertà , su fedevangelica.it . URL consultato l'8 novembre 2017 (archiviato dall' url originale l'8 novembre 2017) .
  19. ^ Ansel Oliver, Secretary: Now 16.6 Million Members, But Challenging Regions Loom Large , su news.adventist.org . URL consultato l'8 novembre 2017 .
  20. ^ a b Stephen Bullivant, Europe's Young Adults and Religion ( PDF ), su stmarys.ac.uk , St Mary's University, Twickenham, London; Institut Catholique de Paris, 2018.
  21. ^ In US, Decline of Christianity Continues at Rapid Pace , su pewforum.org , Pew Research Center, 17 ottobre 2019.
  22. ^ Will Collins, The Myth Of A Christian Revival In Eastern Europe , su The American Conservative , 7 gennaio 2019.
  23. ^ Harriet Sherwood, 'Christianity as default is gone': the rise of a non-Christian Europe , su The Guardian , 21 marzo 2018.

Bibliografia

  • Ernesto Bonaiuti , Storia del cristianesimo , Introduzione di GB Guerri, Newton Compton, Roma, 2003.
  • Salvatore Caponnetto, La Riforma Protestante nell'Italia del Cinquecento , Claudiana, 1992.
  • Yves Congar, Piero Rossano, Proprietà essenziali della Chiesa, in Mysterium Salutis vol. 7 pagg. 439-714, Queriniana, 1972.
  • Eric R. Dodds , Pagani e cristiani in un'epoca d'angoscia , Firenze, La Nuova Italia, 1970 (trad. dall'inglese di Giuliana Lanata ).
  • Giovanni Filoramo e Daniele Menozzi (a cura di), Storia del cristianesimo , Bari, Laterza, 2005.
    • Storia del cristianesimo vol. 1 - L'antichità , Giovanni Filoramo, Edmondo Lupieri , Salvatore Pricoco , a cura di Daniele Menozzi. Laterza, 2008 (6ed.).
    • Storia del cristianesimo vol. 2 - Il Medioevo . Mario Gallina , Grado G. Merlo , Giovanni Tabacco , a cura di Giovanni Filoramo, Daniele Menozzi. Laterza, 2005 (2 ed.).
    • Storia del cristianesimo vol. 3 - L'età moderna , a cura di Giovanni Filoramo, Daniele Menozzi. Laterza, 2006 (3 ed.).
    • Storia del cristianesimo vol. 4 - L'età contemporanea , a cura di Giovanni Filoramo, Daniele Menozzi, Gius Laterza e figli, Roma-Bari, 2006 (3 ed.).
  • Cristianesimo , a cura e introduzione di Giovanni Filoramo; contributi di: G. Jossa, G. Merlo, L. Perrone, P. Bettiolo, D. Menozzi, P. Ricca, Roma-Bari, Laterza, 2000.
  • Le religioni e il mondo moderno vol. 1 - Cristianesimo , ac di Giovanni Filoramo e Daniele Menozzi , Einaudi, Torino, 2008.
  • Mariateresa Fumagalli Beonio Brocchieri , Cristiani in armi - da Sant'Agostino a papa Wojtyla , Editori Laterza. Roma-Bari 2006, ISBN 978-88-420-8410-5
  • Giorgio Girardet, Cristiani perché , Claudiana, 1995.
  • Giorgio Girardet, Protestanti perché , Claudiana, 1996.
  • Herbert Gutschera, Joachim Maier, Jörg Thierfelder, Storia delle Chiese in prospettiva ecumenica , Queriniana, 2007. ISBN 978-88-399-2860-3
  • James Hitchcock, History of the Catholic Church : from the Apostolic Age to the Third Millennium , Ignatius Press, 2012. ISBN 978-15-861-7664-8
  • Hans Küng , Cristianesimo: essenza e storia , Rizzoli, 1997.
  • Giacomo Martina , Storia della Chiesa da Lutero ai nostri giorni , Brescia, 1995.
  • Paul Mattei , Il Cristianesimo antico. Da Gesù a Costantino , Il Mulino, Bologna, 2012. ISBN 978-88-15-23762-0
  • Il cristianesimo , a cura di Henri-Charles Puech . Laterza, 1988.
  • Ilaria Ramelli, I cristiani e l'impero romano , Marietti 1820, Genova-Milano 2011. ISBN 978-88-211-9313-2

Voci correlate

Altri progetti

Collegamenti esterni

Controllo di autorità Thesaurus BNCF 1499 · LCCN ( EN ) sh85025219 · GND ( DE ) 4010074-1 · BNF ( FR ) cb133183300 (data) · BNE ( ES ) XX525466 (data) · NDL ( EN , JA ) 00565950