Taça italiana

Da Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para a navegação Ir para a pesquisa
Disambiguation note.svg Desambiguação - Se você está procurando a Copa da Itália de categorias menores ou outros esportes, veja Coppa Itália (desambiguação) .
Taça italiana
Copa da Itália - Logo 2019.svg
Esporte Football pictogram.svg Futebol americano
Cara Clube
Federação FIGC
país Itália Itália
Gerente Liga Série A
Título Titular da taça italiana
Cadência anual
Abertura agosto
Fecho Poderia
Participantes 44 equipes (de 2021-2022)
Fórmula torneio de eliminação única
Local na rede Internet Taça italiana
História
Fundação 1922
Número de edições 74
Suporte Juventus
Vitórias recordes Juventus (14)
Última edição Copa da Itália 2020-2021
Edição em andamento Taça da Itália 2021-2022
Cockade Coppa Italia.svg
Cocar tricolor italiano

A Copa da Itália é a principal copa italiana de futebol , bem como a segunda competição profissional nacional mais prestigiada depois do campeonato da liga . O torneio é realizado sob a jurisdição da FIGC e é de facto reconhecido como uma "taça federal", semelhante à Taça de Inglaterra , embora seja do ponto de vista organizacional uma "taça da liga", semelhante à Liga Inglesa de Futebol. Taça . A equipe vencedora da Copa da Itália pode exibir a cocar tricolor italiana como um símbolo de identificação da vitória em seus uniformes oficiais durante os doze meses seguintes à conquista do troféu.

A primeira edição do torneio aconteceu em 1922 , sendo esta a única organizada diretamente pela Federação de Futebol. A competição foi revivida na safra 1926-1927 (edição interrompida na rodada de 32), e foi posteriormente reorganizada anualmente a partir da temporada 1935-1936 : neste período duplo, o torneio foi administrado pela Direção das Divisões Superiores . O evento teve outra parada, devido à Segunda Guerra Mundial , em 1943, e foi retomado em 1958 sob a égide da Lega Nazionale Professionisti até a edição 2009-2010 . De 2010-2011 a copa é administrada pela Lega Serie A.

O recorde de títulos conquistados pertence à Juventus , com quatorze troféus (dos quais quatro consecutivos de 2015 a 2018, por sua vez um recorde); em sua história, a competição já viu a afirmação de dezesseis times diferentes. Desde 1936, a equipa vencedora da competição obtém, para além do troféu e quaisquer benefícios monetários, também a qualificação para as taças europeias ; desde 2009, uma vaga na Liga Europa está em disputa. [N 1] Desde 1988, o clube que detém a taça também adquiriu o direito de enfrentar os campeões da Série A na SuperTaça italiana .

História

Década de 1920

Il Vado , time vencedor da primeira edição absoluta da Copa da Itália disputada em 1922 .

O nascimento da Copa da Itália é parte dos acontecimentos turbulentos que perturbaram a organização do futebol italiano em 1921. Naquele ano, um profundo desentendimento entre os grandes clubes e a Federação Italiana de Futebol , em relação à estrutura da primeira divisão, levou ao secessão dos clubes mais importantes de uma liga independente, a Confederação Italiana de Futebol .

Encontrando-se com um torneio praticamente esvaziado a nível técnico, a Federação de Futebol decidiu dar corpo à temporada competitiva 1921-1922, propondo uma nova competição, paralela ao campeonato e eliminação directa: foi assim que a 2 de Abril de 1922 a primeira partidas da copa nacional recém-nascida foram disputadas. Porém, se a falta de fascínio exercida pelos fracos e em sua maioria desconhecidos clubes federais já criava grandes problemas para o campeonato, para a estreia da Copa da Itália o interesse do público acabou sendo quase nulo; o complicado mecanismo de repescagem e as contínuas retiradas fizeram o resto para que, após a vitória do forasteiro Vado , formação da segunda série, amadurecido na final sobre a Udinese na prorrogação , o novo evento não encontrou espaço nas reformas que no verão de 1922, eles curaram o cisma do futebol italiano.

Quatro anos depois, na temporada 1926-1927 , tentou-se uma nova proposta, mas terminou com a interrupção do torneio alguns dias depois, por falta de datas disponíveis. Enquanto isso, entre as décadas de 1920 e 1930, várias competições menores proliferaram na península, como a Copa CONI , a Copa Arpinati e a Copa da Itália Central , que no entanto careciam do caráter "nacional" da Copa da Itália.

Década de 1930

Os jogadores do Gênova posam com o troféu que ganharam na edição 1936-1937

Somente em 1935, após a redução da categoria máxima para 16 times e o consequente maior espaço no calendário, a Copa da Itália foi retomada de forma estável e contínua. O regulamento foi modelado no da Copa da Inglaterra: todas as partidas foram disputadas em uma única partida em um campo designado por sorteio; em caso de empate após qualquer prorrogação , era marcada uma repetição da partida com etapas invertidas.

A Juventus conquistou sua primeira Copa da Itália, conquistada na edição 1937-1938 .

Todos os clubes das Serie A, Serie B e Serie C tiveram acesso à competição, entre as quais as associações da primeira divisão entraram no jogo diretamente no sorteio principal, enquanto as outras foram eliminadas preliminarmente em uma série de rodadas eliminatórias. O sorteio principal incluiu cinco rodadas de competição começando nas oitavas de final; quanto à final, inicialmente tentou-se dar continuidade à ideia de campo neutro que muda de ano para ano, bem como de uma localização fixa na capital da Itália, Roma, mas logo se voltou para a fórmula de um desafio de ida e volta duplo e retorno para casa dos dois finalistas. O vencedor da Copa da Itália também adquiriu o direito de participar da Copa da Europa Central no ano seguinte.

O primeiro vencedor do torneio renovado foi Torino , que derrotou Alessandria no estádio Luigi Ferraris em Gênova em 11 de junho de 1936. Os clubes mais importantes da época seguiram as granadas, a saber Gênova , Fiorentina , Ambrosiana- Inter e Juventus : o triunfo da Juventus na edição 1937-1938 mantém-se digno de nota, amadurecido numa final que, pela primeira vez na história da taça, viu um derby , o de Torino , como acto final.

Década de 1940

O sucesso de Venezia na edição 1940-1941

O sucesso do Venezia causou sensação na edição 1940-1941 , um time historicamente distante do futebol de ponta, mas que naquela época ostentava no elenco jogadores destinados a se tornarem campeões consagrados em pouco tempo, sobretudo Ezio Loik e Valentino Mazzola . Esses dois surgiram nos anos seguintes entre as fortalezas do Grande Torino , que na temporada 1942-1943 fechou a série, conquistando também o Scudetto, tornando-se assim o primeiro clube a conquistar os dois grandes troféus nacionais ao mesmo tempo . Enquanto isso, na edição anterior, os conterrâneos da Juventus, depois de vencer o Milan na final, foram os primeiros a conquistar a Copa da Itália pela segunda vez.

O Torino que obteve o segundo triunfo da taça na edição 1942-1943 ; acertando o scudetto no mesmo ano, eles se tornaram a primeira equipe italiana a conseguir uma dobradinha .

O drama da Segunda Guerra Mundial interrompeu a breve história do evento, e depois da guerra a expansão da Série A para 20 times não deixou espaço para a "pequena" copa nacional. Na primeira temporada do pós-guerra (1945-46), sem conseguir organizar um campeonato único de grupo de caráter nacional, as seleções nordestinas excluídas da fase final jogaram a Coppa Alta Itália , vencida pelo Bologna .

Década de 1950

A competição voltou a jogar apenas em 1958 , quando a Lazio ultrapassou a Fiorentina na última jogada. O evento, agora organizado pela Lega Nazionale Professionisti , ressuscitou à luz do projeto de uma nova competição europeia, a futura Taça das Taças , que se anunciava estruturada como a agora lançada Taça dos Campeões .

Os jogadores da Fiorentina mostram sua segunda copa Itália vencida na temporada 1960-1961

A edição de 1958 foi realmente decidida assim que a temporada começou: tendo em vista o subsequente campeonato mundial de 1958 na Suécia, as datas da Série A 1957-1958 , tanto no início quanto no final, foram antecipadas em três semanas; a seleção italiana , no entanto, não havia se classificado nesse intervalo, surpreendentemente eliminada pela Irlanda do Norte . Portanto, para manter as equipes e jogadores ocupados, o "projeto da copa" já iniciado para a temporada 1958-1959 foi antecipado em alguns meses - último ano em que a competição começou após as férias de verão, quando ainda não eram. as finais da edição anterior chegaram ao fim.

A tradicional cocar tricolor , símbolo da vitória no evento, foi utilizada pela primeira vez pela Lazio após o sucesso de 1958, e desde então oficialmente adotada pela Liga. No torneio 1959-1960 vencido pela Juventus, que fez a primeira dobradinha de sua história naquela temporada, o troféu da Copa da Itália ainda hoje em uso, em ouro e decorado na base com esmaltes tricolores que lembram as cores da bandeira nacional . [1]

Década de 1960

Napoli , time que venceu pela primeira vez em 1961-1962, apesar de sua militância na Série B.

A mencionada Taça das Taças viu oficialmente a luz na época 1960-1961 e foi essencialmente a única razão para o renascimento da Taça de Itália; esta necessidade foi refletida no esquema de competição, estruturado de forma que ocorresse da maneira mais rápida e menos complicada possível: excluindo as associações da Série C , todas as rodadas eram rodadas de eliminação única, e uma série de grades de eliminação permitiam que as grandes equipes entrassem no estágio em um estágio muito avançado.

Na década de 1960, apesar do interesse do público por stentasse em decolar, na lista de honra da taça foram grandes empresas como Roma e Milão , intercaladas com a surpreendente Atalanta vitoriosa na edição de 1962-1963 . Houve também a conquista esportiva dos cadetes do Napoli , que na temporada 1961-1962 se tornaram o segundo e até o último time, depois do Vado, a conquistar a copa, embora não jogassem na primeira divisão do futebol.

O surpreendente sucesso da Atalanta na edição 1962-1963

Finalmente, a partir da edição 1967-1968 , devemos lembrar os novos regulamentos significativos da abolição da final canônica a dois - como sempre acontecera desde o nascimento até a temporada anterior - para dar lugar à chamada "rodada final" : as quatro equipes semifinalistas se enfrentaram em um grupo italiano , no final do qual o troféu foi entregue à equipe que marcou o maior número de pontos.

Década de 1970

Para relançar o evento e atrair o público aos estádios, o FIGC, convencido de que, pela sua fórmula, os esportistas italianos não amavam tanto a Copa da Itália quanto o campeonato, resolveu substituir o empate a mata-mata por uma série de grupos, levando vantagem da redução simultânea da Série A para 16 times e do maior espaço dela derivado no calendário.

Bolonha recebe sua primeira Coppa Itália na temporada 1969-1970 ; a edição ficou entre as poucas disputadas sem uma final a dois , mas com um epílogo em uma “rodada final”.

Conforme mencionado anteriormente, num primeiro momento os agrupamentos de quatro empresas chegaram a ser utilizados para a entrega do troféu no lugar da tradicional final; porém a Federação, percebendo o erro de ter eliminado o pathos do ato final, logo retomou seus passos. Isso ficou evidente no final da edição 1970-1971 , quando a chegada de duas equipes em igualdade de pontos ao final da "rodada final" fez com que fosse necessário um novo play - off em campo neutro para a atribuição de o troféu, no entanto, (pela primeira vez na história do evento) apenas a disputa de pênaltis foi resolvida: isso levou os organizadores a relembrar a tradicional final única já na temporada seguinte de 1971-1972 .

Na primeira metade da década de 1970, o torneio mudou novamente de fórmula: primeiro, na pré-temporada, foram formados sete grupos de cinco times com partidas unilaterais. O clube detentor da taça somou-se aos vencedores destes grupos, que como tal disfrutaram de um adeus para entrar em jogo quando o marcador fosse encaminhado; os oito clubes restantes foram então distribuídos em duas rodadas com partidas em casa e fora, a serem disputadas após o término do campeonato.

Seleção do Milan com sua terceira taça conquistada em 1972-1973

Os dois líderes encontraram-se então na final única restaurada, desta vez em local fixo no Estádio Olímpico de Roma e na presença do Presidente da República . O ato final romano continuou até a edição de 1979-1980 ; somente nas temporadas de 1976-1977 e 1978-1979 a final foi realizada fora da capital da Itália, respectivamente no estádio San Siro em Milão e no estádio San Paolo em Nápoles.

O time mais bem sucedido da década de 1970 foi o Milan, que conseguiu costurar a roseta no peito em três ocasiões das cinco finais disputadas, a última das quais, em 1977, viu a equipe rossonera tirar a satisfação da vitória em um clássico de Milão. . contra o Inter ; isso foi feito novamente na edição seguinte , interrompendo um jejum de taça que durou trinta e nove anos nos Nerazzurri. Anteriormente, um nobre decadente como Bolonha conseguiu aproveitar o palco da taça para reviver o seu brasão, com duas afirmações na primeira parte da década. Destacam-se também as façanhas do Palermo que, apesar de jogar na Série B, na década de 1970 chegou a disputar duas finais.

Década de 1980

A Roma comemora o seu quinto sucesso no evento, na edição 1983-1984 .

O sucesso renovado das copas europeias levou a repensar mais uma vez o formato da Copa da Itália, introduzindo a regra dos oitavos-de-final com gols fora de casa : a mudança começou em 1979, quando as quartas e semifinais eram disputadas com este método, e foi estendida para o final dois anos depois, e para a segunda rodada em 1982 em conjunto com a readmissão das associações da Série C1 ao evento.

Como mencionado acima, a partir da edição 1980-1981 a final foi reformulada, agora estruturada como nos primórdios das lutas de ida e volta, atribuindo o troféu ao time que venceu o duplo confronto e com a regra em que, no Em caso de igualdade de resultados e saldo de gols entre as duas finalistas, a vitória foi concedida ao time que marcou o maior número de gols fora; no caso de um novo empate, a final da segunda mão viu o epílogo na prorrogação e possivelmente nos pênaltis : esta fórmula continuou inalterada até a edição 2006-2007 .

Os jogadores da Sampdoria comemoram com sua terceira Coppa Itália, vencida na safra 1988-1989 .

A década de 1980 viu a hegemonia esportiva da Roma e da galopante Sampdoria , que triunfou em quatro e três ocasiões, respectivamente; com o sucesso na edição 1987-1988, os Dorians foram também os primeiros a ganhar, juntamente com a qualificação europeia, também o acesso a uma nova competição nacional, a Supercopa da Itália , que desde 1988 coloca os detentores da Serie A contra os da Copa da Itália. [2]

Depois de duas temporadas sui generis para os Jogos da XXIV Olimpíada de Seul 1988, e para o campeonato mundial de 1990 organizado pela Itália, o modelo continental encontrou aplicação total a partir de 1990, quando a Copa da Itália foi estruturada com uma rodada eliminatória e cinco rodadas principais. empate, todos jogados de acordo com as mesmas regras europeias.

Década de 1990

Parma comemora sua primeira taça na edição 1991-1992

Os anos 90 seguintes foram marcados por estreias e retornos históricos ao sucesso. A temporada 1991-1992 viu a primeira conquista absoluta do Parma , um duro "provinciano" que nesta década viveu uma ascensão meteórica ao futebol de ponta, nacional e europeu, seguido doze meses depois pelo último golpe da cauda de Torino , novamente vitorioso na copa nacional depois de mais de vinte anos. A edição seguinte, 1993-1994 , foi também a última, até agora, a ver a façanha de uma formação de cadetes, a do finalista Ancona .

Em meados da década foi a vez da Fiorentina interromper um jejum de vinte anos, enquanto muito mais relevante foi a afirmação da Lazio na edição 1997-1998 , quando os Biancocelesti voltaram a escrever o seu nome no quadro de honra aos quarenta anos antigo, exato do sucesso na edição do avivamento . Um ano antes , a pequena Vicenza havia revivido as glórias de Vado, Veneza e Atalanta subindo ao último degrau da competição, para o que resta o último triunfo de um provinciano no evento.

O último triunfo de um "provinciano", o de Vicenza na edição 1996-1997 .

Nessa fase final do século XX, o torneio, mesmo sem atingir altos picos de interesse, conseguiu arrecadar sucessos moderados do público; apesar disso, as alterações decretadas pela UEFA aos seus próprios eventos contribuíram para enterrar o evento mais uma vez.

Década de 2000

A extinção da Taça das Taças em 1999, e a simultânea ampliação dos critérios de admissão à Liga dos Campeões , tirou a principal razão de ser e espaço para a Taça de Itália, o que, aliás, não afastou o direito de acesso a Taça UEFA para o vencedor do evento, uma vez que este objectivo poderia ser alcançado mais facilmente através de uma colocação no campeonato.

A perda de interesse pela copa também foi seguida por um enxugamento de sua fórmula: todas as equipes da Série A, Série B e os dez primeiros da Série C1 participaram. A primeira fase foi um grupo unilateral com quatro equipas, em que participaram os piores dois clubes da Serie A e os das divisões inferiores; os vencedores de cada grupo se qualificaram. A segunda fase foi uma eliminatória com jogos em casa e fora entre as oito eliminatórias e outros tantos clubes A não envolvidos na Europa. O sorteio principal, então, incluiu quatro rodadas de ida e volta.

Inter comemora sua quinta Copa da Itália na edição 2005-2006

Durante esses anos, o torneio entrou em declínio constante. Em 2005 decidiu-se introduzir um elemento de novidade ao estruturar as rodadas preliminares entre as doze empresas de categoria mais alta não qualificadas para as taças continentais, as de cadetrias e as 30 da terceira série; nem mesmo essas inovações foram capazes de trazer o público de volta aos estádios da competição, onde os times costumam alinhar as segundas filas de seus elencos.

No entanto, mais uma alteração regulamentar, lançada em 2007 por ocasião da sexagésima edição do torneio, com a redução do quadro apenas para os clubes das Serie A e B e a reintrodução da final em único jogo a realizar permanentemente no Olímpico de Roma, parecia relançar o evento. [3] Em 2008 houve então uma nova mudança organizacional, que novamente estendeu a competição às equipes das ligas menores no contexto de um placar de " tênis ", com todas as rodadas em uma única partida, exceto as semifinais, jogadas desde em seguida, com a fórmula de ida e volta.

Lazio levanta a Copa da Itália conquistada pela quinta vez em 2008-2009

Os anos 2000 foram marcados pelos dois gols da Lazio e, sobretudo, pelo dualismo acalorado entre Inter e Roma: esta partida foi o cenário da final cinco vezes - quatro das quais consecutivas - com os nerazzurri conquistando três troféus contra os dois. dos Giallorossi; os milaneses, em particular, com a vitória na edição 2004-2005 voltaram a costurar a roseta ao peito vinte e três anos depois da última vez. [4] Na edição de 2002-2003 , foram os concidadãos de Milão que puseram fim a um jejum de vinte e seis anos para a copa.

Década de 2010

A primeira metade da década de 2010, que começou com uma nova vitória do Inter para selar as glórias da década passada, viu o retorno ao sucesso de dois clubes que há muito haviam conquistado a Copa da Itália. Na edição 2011-2012 , o Napoli ergueu o troféu novamente vinte e cinco anos após o triunfo anterior , [5] enquanto na temporada 2014-2015 foi a Juventus que pôs fim a um jejum de duas décadas , tornando-se o primeiro time para tocar os dois dígitos no registro de ouro do evento: [6] os bianconeri vão acabar dominando a taça na segunda metade desta década, somando um recorde consecutivo de quatro vitórias consecutivas [7] em seis finais. Anteriormente, o ato final da edição 2012-2013 tinha visto o derby de Roma receber um troféu oficial pela primeira vez, com a Lazio costurando a cocar contra o peito. [8] A década terminou com a edição 2019-2020 , que, devido a uma parada forçada ditada pela pandemia COVID-19 , viu sua fórmula alterada no itinere , encerrando-se com a terceira afirmação napolitana da década.

Fórmula

A equipe que conquistar o troféu se classifica para a fase de grupos da Liga Europa da próxima temporada. Se a equipa triunfante já obteve a qualificação na Liga dos Campeões , aquela que se classificou originalmente na Liga da Conferência irá aceder à Liga Europa, cujo lugar é por sua vez substituído pelo melhor excluído da zona Europa da liga.

A partir da temporada 2021-2022 , a fórmula do torneio está estruturada da seguinte forma [9] :

  • 20 equipes da Série A , 20 equipes da Série B e 4 equipes da Série C participam;
  • cada empresa recebe um número de classificação da seguinte maneira:
    • o número 1 para o vencedor da edição anterior da Copa da Itália (com base na posição real no ranking do vencedor, as posições são reduzidas em uma unidade);
    • números 2–8 para os primeiros 8 classificados no campeonato Serie A anterior (excluindo o eventual detentor da Copa da Itália);
    • números 9–20 para as equipes colocadas do 9º ao 17º lugar no campeonato da Serie A anterior e as três equipes promovidas à Serie A na temporada anterior;
    • números 21–24 para as três equipes rebaixadas para a Série B na temporada anterior e o perdedor da final do play-off do campeonato da Série B anterior [N 2] ;
    • números 25–36 para as equipes classificadas do 4º ao 15º lugar no campeonato da Serie B anterior (excluindo quaisquer finalistas do play-off) e o vencedor do play-out final do campeonato da Serie B anterior [N 3] ;
    • números 37–40 para as três equipes promovidas à Série B na temporada anterior [N 4] e o vencedor da final do play-off do campeonato da Série C anterior;
    • números 41–43 para as três equipes classificadas em segundo lugar nas rodadas anteriores do campeonato da Série C [N 5] [N 4] ;
    • o número 44 para o vencedor da edição anterior da Copa da Itália Série C [N 6] ;
  • nas eliminatórias as equipes da 44ª à 37ª posição do ranking se enfrentam em uma única partida, as 4 com maior número têm direito a jogar em casa. A partir do dia 32 da final, entram em jogo as 28 equipes da 36ª à 9ª posição do ranking . As 8 equipes restantes, as cabeças -de- chave , fazem sua estreia nas oitavas de final. As 3 rodadas eliminatórias, bem como a oitava e as quartas de rodadas, são disputadas em partidas unilaterais. A partir do dia 32 da final, a equipe inscrita com o menor número na classificação fará a partida em casa; a única exceção são as semifinais, que incluem uma partida de ida e volta;
  • da temporada 2007-2008 , a final é disputada em uma única partida no estádio olímpico de Roma e na presença do Presidente da República Italiana , que premia as equipes no final da partida. Na sua ausência, a tarefa é desempenhada pelo Presidente do Senado ;
  • a bola oficial da Lega Serie A , fornecida pela Nike, deve ser utilizada em todas as partidas da competição.

Além disso, desde a introdução da final do single, um artista executa o hino nacional italiano antes do pontapé inicial.

Agradecimentos

Ícone da lupa mgx2.svg O mesmo tópico em detalhes: cocar tricolor italiano e xícara Renato Dall'Ara .

Troféu

A taça em disputa de 1936 a 1943

O troféu original da primeira edição da Copa da Itália, conquistada por Vado em 1922, foi destruída durante o período fascista ; a FIGC fez uma cópia em 1992, por ocasião dos setenta anos da vitória de Vadese no evento, actualmente em exposição na sede do Banco Savona Savona em Vado Ligure . Como a anterior, a xícara em disputa de 1936 a 1943, bem como a em uso de 1958 a 1959, eram estilisticamente muito diferentes da versão atualmente conhecida. [10]

Embora o recomeço do concurso em caráter permanente já se tivesse concretizado há alguns anos, foi apenas em 1960, mais precisamente a 30 de maio, que a Lega Nazionale Professionisti , tendo em vista a ata final da décima segunda edição , decidiu por encomenda o troféu de hoje: de ouro puro, a nova taça, cuja realização foi confiada a uma empresa milanesa especializada, tinha na época o valor de dois milhões e meio de liras .

Il trofeo in palio dal 1958 al 1959

Da allora, il trofeo originale è destinato a rimanere in consegna ai vincitori per un anno intero, prima di essere restituito alla Lega; [11] contestualmente, il club detentore ne riceve in cambio una copia di minor valore — realizzata dapprima in similoro , e in seguito in argento [11] — da conservare nella propria bacheca (a titolo equitativo, nel '60 vennero ex post consegnate tali copie anche alle due passate vincitrici del secondo dopoguerra , la Lazio e la Juventus ). [12]

Dalla stagione 1963-1964 alla stagione 2020-2021 [13] la Lega ha affiancato alla canonica Coppa Italia anche la Coppa Renato Dall'Ara , istituita per commemorare la memoria dell' eponimo presidente bolognese scomparso nel 1964, e assegnata sempre alla formazione vincitrice della manifestazione. [11] Inizialmente, anche quest'ultimo trofeo veniva consegnato in campo durante la cerimonia di premiazione, tuttavia col tempo tale consuetudine è andata perdendosi.

La Coppa Italia in palio dal 1960 a oggi (a destra) assieme alla Coppa Renato Dall'Ara (al centro), anch'essa assegnata dal 1964 a 2021 ai vincitori. [11]

Per il 2010-2011 laLega Serie A e il Ministero della Difesa raggiunsero un accordo per intitolare l'edizione al concomitante centocinquantennale del Risorgimento ; [14] a tal proposito, alla squadra vincente (che fu l'Inter) vennero assegnati tre trofei: oltre alla Coppa Italia e alla Coppa Dall'Ara, la compagine nerazzurra ricevette anche la speciale Coppa del 150º anniversario dell'Unità d'Italia . [15] [16]

Coccarda

Oltre al trofeo sopracitato, la squadra detentrice della Coppa Italia può inoltre sfoggiare sulle proprie divise ufficiali, sempre per i dodici mesi successivi la conquista del trofeo, una piccola coccarda tricolore come simbolo identificativo dell'avvenuta vittoria, [17] in maniera del tutto simile a quanto avviene con lo scudetto per le formazioni campioni d'Italia. [18] [19]

La coccarda tricolore che viene appuntata sulle casacche dei detentori.

La coccarda, cucita per la prima volta nella stagione 1958-1959 sulle maglie della Lazio che aveva vinto la precedente edizione della coppa, si caratterizzava inizialmente per il cerchio esterno colorato di rosso , quello intermedio di bianco e quello interno di verde : questa tipologia venne usata fino alla stagione 1984-1985. Dall'anno successivo, ovvero dal 1985-1986, venne usato il modello col cerchio esterno verde, quello intermedio bianco e quello interno rosso: la diversa tipologia di coccarda venne cucita per la prima volta sulle maglie della Sampdoria, vincente nella precedente edizione della manifestazione. La coccarda con l'esterno rosso rifece temporaneamente la propria ricomparsa sulle maglie della Samp, nella stagione 1988-1989, e della Juve, nelle prime partite dell'annata 1990-1991. Infine, a partire dalla stagione 2006-2007, è stata ripristinata definitivamente l'originaria tipologia.

Precedentemente all'ideazione della coccarda, durante il periodo interbellico , alla squadra detentrice della Coppa Italia già spettava sfoggiare sul petto un fregio distintivo del titolo conseguito: questo non era però la coccarda che verrà inventata nel '58, bensì uno scudetto — "retrocesso" in questo caso alla coppa nazionale — inglobante al suo interno un fascio littorio (quest'ultimo, per via del regime fascista al tempo al potere nel Regno d'Italia ), utilizzato dall'edizione 1935-1936 a quella del 1942-1943; [20] in quegli anni, infatti, il simbolo della vittoria del campionato italiano era divenuto la croce sabauda accompagnata dal fascio, lo stesso all'epoca presente sulla maglia azzurra della nazionale calcistica italiana .

Albo d'oro

Magnifying glass icon mgx2.svg Lo stesso argomento in dettaglio: Albo d'oro della Coppa Italia .
Squadra Vittorie Secondi posti Finali disputate Gironi finali disputati
Juventus 14 6 20 0
Roma 9 8 17 1
Inter 7 6 13 1
Lazio 7 3 10 0
Fiorentina 6 4 10 1
Napoli 6 4 10 1
Milan 5 9 12 2
Torino 5 8 10 4
Sampdoria 4 3 7 0
Parma 3 2 5 0
Bologna 2 0 1 2
Atalanta 1 4 5 0
Genoa 1 1 2 0
Venezia 1 1 2 0
Vado 1 0 1 0
Vicenza 1 0 1 0

Record

Magnifying glass icon mgx2.svg Lo stesso argomento in dettaglio: Statistiche della Coppa Italia .

Squadre

L'accoppiata tra scudetto e Coppa Italia, il cosiddetto double nazionale, si è verificata in undici occasioni: sei volte con la Juventus , nel 1959-1960 , nel 1994-1995 , e nelle annate 2014-2015 , 2015-2016 , 2016-2017 e 2017-2018 ; due volte con l' Inter , nel 2005-2006 e nel 2009-2010 ; una volta ciascuno è stata invece appannaggio del Torino nel 1942-1943 , del Napoli nel 1986-1987 e della Lazio nel 1999-2000 . Per quanto concerne i casi di double continentali, questi si sono realizzati in sei occasioni: la Fiorentina nel 1960-1961 ha vinto contemporaneamente la Coppa Italia e la Coppa delle Coppe , binomio bissato poi dal Milan nel 1972-1973 ; la Juventus nel 1989-1990 ha affiancato alla coppa nazionale la Coppa UEFA , cosa riuscita in seguito anche al Parma nel 1998-1999 ; ancora il Milan nel 2002-2003 ha fatto sue assieme la Coppa Italia e la Champions League , imitato dai cugini dell' Inter nel 2009-2010 . In questa stagione si è inoltre verificato l'unico caso di treble per una squadra italiana, col club nerazzurro capace di conquistare Coppa Italia, scudetto e Champions League.

Nell'ambito dei record, la Juventus è stata l'unica a vincere quattro edizioni consecutive della Coppa Italia, dal 2014-2015 al 2017-2018 . [7] Il Napoli nel 1987 si aggiudicò la manifestazione vincendo tutte le tredici gare disputate; record poi eguagliato dalla Fiorentina nel 1995-1996 , dall'Inter nel 2010 e dalla Juventus nel 2017-2018, ma con un numero inferiore di partite giocate. Ancora il Napoli nel 1961-1962 , assieme al Vado vincitore della prima edizione , sono le due sole società ad aver conquistato il trofeo non militando in massima divisione . In tre occasioni, infine, l'atto finale della competizione ha visto affrontarsi in un derby due squadre della stessa città: Juventus-Torino nel 1937-1938 , Milan-Inter nel 1976-1977 e Roma-Lazio nel 2012-2013 . [21]

Il Milan è la squadra che complessivamente ha perso il maggior numero di finali/gironi finali nella competizione, concludendola al secondo posto per 9 volte. Il Verona e il Palermo detengono il record negativo del numero di sconfitte (3) a fronte di nessun successo nelle finali disputate. In totale sono dieci le squadre che sono state sconfitte in finale senza essere mai riuscite a vincere il trofeo: oltre alle due precedenti, Udinese , Alessandria , Novara , SPAL , Padova , Catanzaro , Ancona sono state sconfitte nell'unica finale disputata; a queste va aggiunto il Cagliari che giunse secondo nel girone finale dell'edizione 1968-1969.

Inoltre la Juventus nell'edizione 2017-2018 ha vinto tutte le partite della competizione senza subire reti.

Partite

Marcatori

Magnifying glass icon mgx2.svg Lo stesso argomento in dettaglio: Marcatori della Coppa Italia e Classifica dei marcatori della Coppa Italia .

Primi 10 giocatori per numero di reti assolute in Coppa Italia:

  1. Italia Alessandro Altobelli 56
  2. Italia Roberto Boninsegna 48
  3. Italia Giuseppe Savoldi 47
  4. Italia Gianluca Vialli 42
  5. Italia Pietro Anastasi 37
  6. Italia Paolo Pulici 37
  7. Italia Roberto Baggio 36
  8. Italia Gigi Riva 33
  9. Italia Roberto Mancini 32
  10. Italia Roberto Pruzzo 30

Classifica presenze

Magnifying glass icon mgx2.svg Lo stesso argomento in dettaglio: Classifica di presenze in Coppa Italia .

Primi 10 giocatori per numero di presenze assolute in Coppa Italia:

  1. Italia Roberto Mancini 120
  2. Italia Giuseppe Bergomi 119
  3. Italia Pietro Vierchowod 116
  4. Italia Franco Causio 113
  5. Italia Giovanni Galli 112
  6. Italia Dino Zoff 110
  7. Italia Ivano Bordon 102
  8. Italia Fausto Salsano 102
  9. Italia Giuseppe Bruscolotti 100
  10. Italia Gaetano Scirea 100

Plurivincitori

Vittorie consecutive

Loghi

Dall'edizione 1998-1999 [22] a quella 2017-2018 la Coppa Italia ha assunto ininterrottamente, e per la prima volta nella sua storia, una denominazione commerciale , quella di TIM Cup . Dal 2018 la competizione torna a utilizzare il proprio logo istituzionale, privo di sponsorizzazione; fanno eccezione le semifinali di ritorno e la finale dell'edizione 2018-2019 , in cui TIM è tornata a essere brevemente title sponsor ; [23] la finale dell'edizione 2019-2020 , che ha assunto il nome commerciale di Coppa Italia Coca-Cola ; [24] quella dell'edizione 2020-2021 , denominata TIMVISION Cup . [25]

Note

Esplicative

  1. ^ In passato, dal 1935-1936 al 1942-1943 la Coppa Italia garantiva l'accesso alla Coppa dell'Europa Centrale ; dal 1960-1961 al 1997-1998 era invece in palio la partecipazione in Coppa delle Coppe ; dopo la soppressione di quest'ultima, dall'edizione 1998-1999 il club detentore della coppa nazionale italiana ottiene un posto in Coppa UEFA - ridenominata Europa League dal 2009-2010.
  2. ^ In caso di mancata disputa dei play-off di Serie B, la 24ª posizione del ranking sarebbe occupata dalla squadra giunta al 4º posto in Serie B.
  3. ^ In caso di mancata disputa dei play-out di Serie B, la 36ª posizione del ranking sarebbe occupata dalla squadra giunta al 16º posto in Serie B.
  4. ^ a b Alle tre squadre promosse direttamente in Serie B e alle tre seconde classificate in Serie C i numeri del ranking rispettivamente 37–39 e 41–43, saranno assegnati secondo la classifica avulsa tra le squadre interessate che prevede, in ordine, i seguenti criteri:
    • Maggior numero di punti conquistati nel proprio girone
    • Maggior numero di vittorie conquistate nel proprio girone
    • Maggior numero di reti realizzate nel proprio girone
    • Sorteggio
  5. ^ Nel caso una delle seconde qualificate coincida con la vincitrice dei play-off di Serie C della stagione precedente, la 43ª posizione del ranking sarebbe occupata dalla squadra meglio classificata (ex Art.49 NOIF) partecipante al Secondo turno dei play-off del campionato di Serie C.
  6. ^ Nel caso in cui la vincitrice della Coppa Italia Serie C sia altresì una squadra promossa in Serie B, una seconda classificata in campionato o una retrocessa in Serie D nella stagione precedente — oppure se la stessa competizione non avesse preso luogo —, la 44ª posizione del ranking sarebbe occupata dalla squadra meglio classificata (ex Art. 49 NOIF) partecipante al Secondo turno dei play-off di Serie C. In caso di applicazione della stessa regola anche per l'assegnazione della 43ª posizione, la 44ª sarebbe assegnata alla seconda squadra meglio classificata (ex Art. 49 NOIF) partecipante al Secondo turno dei play-off di Serie C.

Bibliografiche

  1. ^ È stato ultimato il trofeo d'oro massiccio per la "Coppa Italia" , in Corriere dello Sport , 15 settembre 1960, p. 1 (archiviato dall' url originale il 24 dicembre 2013) .
  2. ^ Franco Rossi, Supercoppa Italiana, Berlusconi e Mantovani "picciotti onorari" , su tuttomercatoweb.com , 8 agosto 2009.
  3. ^ Sergio Chesi, Editoriale - Canta Napoli! Perché una Coppa Italia va celebrata come una Champions , su goal.com , 22 maggio 2012.
  4. ^ Roma senza gioco e senza grinta, Coppa Italia all'Inter dopo 23 anni , su repubblica.it , 15 giugno 2005.
  5. ^ Mattia Mallucci, La Coppa Italia è del Napoli. Battuta la Juve in finale , su corrieredellosport.it , 20 maggio 2012 (archiviato dall' url originale il 21 maggio 2015) .
  6. ^ Jacopo Gerna, Juve infinita, vince la 10ª Coppa Italia: Matri piega la Lazio ai supplementari , su gazzetta.it , 20 maggio 2015.
  7. ^ a b Massimo Mazzitelli, Juventus-Milan 4-0, i bianconeri conquistano la quarta Coppa Italia consecutiva: notte da incubo per Donnarumma , su repubblica.it , 9 maggio 2018.
  8. ^ Jacopo Manfredi, Coppa Italia, Roma-Lazio 0-1: Lulic regala il sesto trofeo ai biancocelesti , su repubblica.it , 26 maggio 2013.
  9. ^ Regolamento Coppa Italia 2021–2024 ( PDF ), su Lega Serie A , 8 giugno 2021.
  10. ^ Le caratteristiche del Trofeo d'oro della Coppa Italia , in Corriere dello Sport , 13 settembre 1960, p. 4 (archiviato dall' url originale il 24 dicembre 2013) .
  11. ^ a b c d Coppa Italia 2012/2013, 2013/2014 e 2014/2015 - Regolamento , su legaseriea.it , 4 giugno 2012 (archiviato dall' url originale il 27 settembre 2013) .
  12. ^ Sarà d'oro la Coppa Italia , in Corriere dello Sport , 31 maggio 1960, p. 4 (archiviato dall' url originale il 22 febbraio 2014) .
  13. ^ Coppa Italia 2021-2024
  14. ^ Coppa Italia del 150 ° ( PDF ), in Governo della Repubblica Italiana . URL consultato il 1º maggio 2012 .
  15. ^ Presentazione Coppa 150 anni Unità d'Italia , su legaseriea.it , 25 maggio 2011. URL consultato il 1º maggio 2012 .
  16. ^ Coppa del 150º Anniversario dell'Unità d'Italia , su difesa.it , 29 maggio 2011. URL consultato il 1º maggio 2012 .
  17. ^ Regolamento Coppa Italia 2010/2011 e 2011/2012 - Premi società vincitrice , su legaseriea.it , 8 aprile 2010. URL consultato il 1º maggio 2012 (archiviato dall' url originale il 27 settembre 2013) .
  18. ^ Che cosa si attacca sulla maglia alla decima Coppa Italia vinta? , in SportWeek , La Gazzetta dello Sport, 20 aprile 2002.
  19. ^ Maurizio Crosetti, La stella d'argento , in la Repubblica , 20 gennaio 2014, p. 28.
  20. ^ Calzaretta , pp. 28-29 .
  21. ^ Luca Valdiserri, Inter ko, la Coppa Italia diventa il derby di Roma , su corriere.it , 17 aprile 2013.
  22. ^ Serie A, B e Coppa, Tim sponsor unico , in La Gazzetta dello Sport , 26 maggio 1998.
  23. ^ Tim e Lega Serie A: siglato l'accordo di sponsorizzazione per la fase finale della Tim Cup 2018-2019 , su legaseriea.it , 23 aprile 2019. URL consultato il 23 aprile 2019 .
  24. ^ Comunicato stampa n. 50 dell'11 giugno 2020 ( PDF ), Lega Nazionale Professionisti Serie A, 11 giugno 2020.
  25. ^ TIM e Lega Serie A: accordo per la sponsorizzazione della finale di Coppa Italia 'TIMVISION Cup' , su legaseriea.it , 13 maggio 2021. URL consultato il 13 maggio 2021 .

Bibliografia

Voci correlate

Voci di approfondimento

Trofei correlati

Altri progetti

Collegamenti esterni

Calcio Portale Calcio : accedi alle voci di Wikipedia che trattano di calcio