Cores nacionais da itália

Da Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para a navegação Ir para a pesquisa
As três cores nacionais italianas esculpidas no chão do Palazzo delle Poste em Florença . Após sua aparição em Gênova em 21 de agosto de 1789, o vermelho, o branco e o verde foram entrando gradualmente no imaginário coletivo dos italianos até serem representados nos mais diversos campos.

As cores nacionais da Itália são verde , branco e vermelho [1] , chamadas coletivamente de "o Tricolor" [N 1] . As três cores nacionais italianas apareceram pela primeira vez em Gênova em 21 de agosto de 1789 na cocar tricolor italiana cerca de um mês após a eclosão da Revolução Francesa , em 11 de outubro de 1796 foram usadas pela primeira vez em Milão em uma bandeira militar . enquanto o 7 de janeiro de 1797 em Reggio Emilia apareceu pela primeira vez em uma bandeira [2] .

Já no esporte italiano, é muito utilizado o azul Savoia , tom cromático que foi adotado pela primeira vez em 1910 nos uniformes da Seleção Italiana de Futebol e que deve seu nome ao fato de ser da cor de a Casa de Sabóia , dinastia que reinou na Itália de 1861 a 1946 . Tornou-se cor nacional com a unificação da Itália (1861), seu uso continuou mesmo após o nascimento da República Italiana (1946) com o nome de "azul italiano"

No automobilismo, a cor usada para distinguir os carros italianos é o vermelho , enquanto em outras modalidades, como ciclismo e esportes de inverno, a tonalidade usada nos uniformes dos atletas italianos costuma ser o branco.

História

As hipóteses rejeitadas pelos historiadores

O presumível uso medieval e renascentista do tricolor

O brasão do Papa Clemente IV , que foi concedido aos Guelfos pelo pontífice. Observe a presença do verde, branco e vermelho entre as cores básicas do brasão

Muitas vezes, nas pesquisas históricas destinadas a estudar a origem do tricolor italiano, foi considerada a hipótese de que o verde, o branco e o vermelho têm sido usados ​​como cores nacionais desde os tempos medievais , traçando assim a criação da bandeira italiana até os tempos antigos: na realidade estes as conjecturas sobre a origem da bandeira, que pretendem ligar o presumível tricolor medieval ao nascido na era napoleônica , devem ser historicamente rejeitadas, dada a total ausência de fontes que comprovem essa ligação [3] .

Na época medieval, as três cores foram reconhecidas à força em alguns eventos da história da Itália , como no mastro do Carroccio durante a batalha de Legnano , nos estandartes dos Guelfos da Toscana, cujo brasão era formado por uma águia vermelha em um campo branco acima, uma cobra verde, brasão que foi concedido pelo Papa Clemente IV [N 2] , na insígnia do distrito de Siena da Oca , nos uniformes tricolores dos servos da Duquesa de Milão Valentina Visconti ; no período renascentista, as cores nacionais italianas foram imaginadas nos tapetes que acolheram Renata da França , então casada com Ercole I d'Este , à sua chegada a Ferrara , nos uniformes tricolores do exército Borso d'Este e no verde bandeira, branca e vermelha que começou a tremular do Duomo de Milão por ocasião da entrada na capital milanesa de Francisco I da França após sua vitória na batalha de Marignano [3] [4] [5] .

Outros estudiosos levantaram a hipótese da prefiguração do tricolor italiano em obras pictóricas; na verdade, as roupas de alguns personagens com afrescos nas paredes do Palazzo Schifanoia em Ferrara , que datam da Idade Média, são verdes, brancas e vermelhas[6] . Mesmo essas hipóteses, desta vez baseadas em representações artísticas, devem ser descartadas porque não se baseiam em evidências históricas[6] . O motivo da inconsistência histórica da hipotética presença do tricolor nos acontecimentos históricos e nas obras artísticas anteriores à era moderna reside no fato de que na época ainda não havia ocorrido a consciência nacional italiana, que surgiu séculos depois [7] .

As três cores da bandeira italiana são mencionadas na literatura em alguns versos da Divina Comédia , e isso tem alimentado teorias que gostariam do nascimento do tricolor ligadas a Dante Alighieri : também são consideradas infundadas pelos estudiosos [8] , como Dante nestes versos não pensava na Itália politicamente unida, mas nas virtudes teológicas , ou melhor, na caridade , esperança e , com as duas últimas que foram então simbolizadas metaforicamente, como já foi mencionado, na bandeira italiana [9] . Os versos da Divina Comédia que deram origem a esta hipótese pertencem ao canto XXIX do Purgatório [10] :

Dante e Beatrice de Carl Oesterley (1845), representado como descrito por Dante no canto XXX do Purgatório da Divina Comédia . Você pode ver, à esquerda, o vestido verde, branco e vermelho de Beatrice

«[...] Três mulheres caminhando da rota certa
eles vêm dançar; um tão vermelho
que dificilmente penetra dentro do fogo conhecido;
o outro era como se carne e osso
foram feitos de esmeralda;
o terceiro parecia ser neve recém-movida. [...] "

( Divina Comédia, Purgatório, versos 121/126 )

Nestes versos as virtudes teológicas são representadas alegoricamente por três mulheres vestindo, respectivamente, um vestido verde (que simboliza a esperança), um vestido branco (fé) e uma veste vermelha (caridade) [11] . Outras passagens da Divina Comédia onde duas das três cores da bandeira italiana são mencionadas são os versos do canto XXX do Purgatório , em que Dante descreve Beatriz :

«[...] Sovra cândida vel cinta d'oliva
mulher apareceu para mim, sob um manto verde
vestido com a cor da chama viva. [...] "

( Divina Comédia, Purgatório, versos 28/33 )

Também neste caso, as três cores simbolizam as virtudes teológicas cristãs: o verde para a esperança, o branco para a fé e o vermelho para a caridade [N 3] .

A improvável origem maçônica das três cores nacionais italianas

Retrato de Cagliostro

Em 1865 o marquês Francesco Cusani , em sua obra História de Milão desde as origens até os dias atuais , propôs a tese segundo a qual a bandeira italiana teria origem maçônica , justamente a partir do rito egípcio criado por Cagliostro [12] . Essa convicção nasceu de um libreto anônimo ( Il Cagliostrismo desvendado ) publicado em Veneza em 1791, que relatava o seguinte trecho [13] :

«[...] O famoso impostor Cagliostro, poucos anos antes de estourar a revolução na França, introduziu entre os Franchi Masatori a reforma que intitulou Illuminati da Alta Observância ou Rito Egípcio e a difundiu também na Itália. Entre as cerimônias bizarras prescritas para a aceitação de um aspirante à iniciação está a seguinte: A venda [colocada sobre os olhos] deve ser de seda preta de quatro dedos terminada em três asas [N 4] , e ter alguma figura emblemática bordada em as três pontas. Uma dessas cervejas deve ser branca, uma vermelha, uma verde [...] "

( O Cagliostrismo desvendado , autor anônimo )

Da presença das três alas - de cada lado - da ligadura [N 5] , metaforicamente comparável às três cores nacionais italianas, e do facto de o novo tricolor verde, branco e vermelho ter sido estranhamente acolhido sem comentários ou oposição , transformando-se em cocar em pouco tempo como uma bandeira militar, sendo então adotada como bandeira nacional por vários estados italianos sem hesitação, como se seu nascimento tivesse sido guiado em trilhas precisas, Francesco Cusani hipotetizou a origem maçônica do tricolor italiano [13] . Entre outras coisas, Cagliostro, durante sua tentativa de introduzir o Rito Egípcio , passou pouco tempo na Itália e foi capaz de fundar apenas uma loja , em Rovereto : seu rito, portanto, teve muito pouca influência no desenvolvimento da Maçonaria italiana [14] .

Quadrado e compasso , um dos símbolos maçônicos mais famosos [15]

Além disso, Francesco Cusani não é muito preciso em suas descrições, uma vez que ele confunde as várias cerimônias maçônicas, incluindo a da venda [16] . Além disso, a afirmação de Francesco Cusani sobre o fato de que a única ligação entre as recém-estabelecidas repúblicas napoleônicas italianas era a Maçonaria, é difícil de concordar, visto que desta forma é atribuída a esta última, exagerando sua importância e influência., Responsabilidade por os efeitos da Revolução Francesa [14] . Esta tese, que mais tarde se tornou infundada, foi amplamente difundida na época, especialmente nos anos que se seguiram à queda do Primeiro Império Francês [14] . Outro ponto contra esta hipótese é o fato de que o verde, o branco e o vermelho não tiveram particular importância nas cerimônias maçônicas (aparecem apenas na de Cagliostro), sendo a cor principal da bandagem, o preto, que é completamente ignorado no patriótico italiano. iconografia [17] .

Por fim, uma explicação hermenêutica das cores, que portanto se presta a interpretações, dificilmente teria atingido o povo, principal "destinatário" da nova bandeira [4] . Este último aspecto contra a hipótese que teria a origem maçônica das três cores nacionais está ligado às características do tricolor e aos dos símbolos maçônicos, cuja forma intrínseca é antitética por definição: se a cunhagem tricolor identificou clara e imediatamente os 'afiliação política da pessoa que a usa (um argumento semelhante poderia ser feito para a bandeira tricolor), os símbolos maçônicos têm características exatamente opostas, uma vez que são notoriamente caracterizados por um significado enigmático, misterioso e difícil de decifrar [18] .

Até o intelectual francês René Guénon , em seu ensaio intitulado O Esoterismo de Dante , alude a uma origem maçônica para as três cores da bandeira italiana:

"Agora foi descoberto que alguns dignitários inferiores da Maçonaria Escocesa , que afirmam voltar aos Templários , [...] têm como símbolo um Paládio , ou estátua da Verdade , vestida como Beatriz nas três cores verde, branco e vermelho: é para os menos curiosos que essas mesmas três cores se tornaram precisamente, nos tempos modernos, as cores nacionais da Itália; por outro lado, uma origem maçônica é geralmente atribuída a este último, embora seja muito difícil saber de onde a idéia poderia ter derivado diretamente. "

( René Guénon, esoterismo de Dante , cap. III, pp. 3-4, trad. It. Roma, Atanor, 1925 )

As origens históricas da bandeira italiana

Ícone da lupa mgx2.svg O mesmo tópico em detalhes: cocar tricolor italiano e bandeira italiana .
Panorama de Gênova no início do século XIX. Aqui apareceu pela primeira vez a cocar tricolor italiana , e com ela as cores nacionais italianas.
A cocar tricolor italiana

O tricolor verde, branco e vermelho foi um dos símbolos mais importantes e difundidos do Risorgimento , que levou à unificação da Itália .

O primeiro vestígio documentado do uso das cores nacionais italianas é datado de 21 de agosto de 1789: nos arquivos históricos da República de Gênova, é relatado que testemunhas viram alguns manifestantes vagando pela cidade com uma roseta vermelha, branca e verde afixada em suas roupas [2] :

"[...] o novo cocar francês branco, vermelho e verde recentemente introduzido em Paris [...]"

( Arquivo Histórico da República de Gênova )

As gazetas italianas da época criaram confusão sobre os acontecimentos dos motins franceses, relatando a notícia errônea de que o tricolor francês era verde, branco e vermelho (o tricolor francês é, em vez disso, azul, branco e vermelho) [19] . O verde foi então mantido pelos jacobinos italianos porque representava a natureza e, portanto - metaforicamente - também os direitos naturais , ou seja, igualdade e liberdade, princípios caros aos revolucionários da época [20] .

De facto, esclarecido o erro dos jornais sobre as cores da cocar tricolor francesa, e consequentemente assumindo as conotações de singularidade, o verde, o branco e o vermelho foram adoptados pelos patriotas do Risorgimento como um dos símbolos mais importantes da luta. , insurreição e política, visando alcançar a unidade nacional, tomando o nome de "tricolor italiano" [7] . O verde, o branco e o vermelho, portanto, adquiriram um forte valor patriótico, transformando-se em um dos símbolos da consciência nacional, mudança que aos poucos o levou a entrar no imaginário coletivo dos italianos [7] .

Bandeira histórica, atualmente obsoleta A bandeira da República Cispadana

Em setembro de 1794, Luigi Zamboni e Giovanni Battista De Rolandis criaram uma roseta combinando o branco e o vermelho da bandeira de Bolonha com o verde com o objetivo de criar um símbolo de liberdade [21] . Outro de seus objetivos era envolver a população italiana em uma revolução que começaria em Bolonha e que teria como objetivo expulsar o Estado Papal , que na época dominava parte da Itália central [22] .

O uso do tricolor italiano não se limitou à presença de verde, branco e vermelho em uma cocar: esta última, nascida em 21 de agosto de 1789, anunciava a primeira bandeira militar tricolor, que foi escolhida pela Legião Lombard , para ser sete anos. em 11 de outubro de 1796 [23] , que está associada à primeira aprovação oficial das cores nacionais italianas pelas autoridades, neste caso napoleônicas, e oito anos com a adoção da bandeira da Itália , que nasceu em 7 de janeiro de 1797, quando a República Cispadana (1796-1797) assumiu pela primeira vez o papel de bandeira nacional de um Estado italiano soberano, sob proposta de Giuseppe Compagnoni , que por isso é conhecido como "o pai do tricolor" [24] .

A adoção do verde, branco e vermelho pelos patriotas italianos foi isenta de contrastes políticos: na França aconteceu o contrário, já que o tricolor francês se tornou um símbolo primeiro pelos republicanos e depois pelos bonapartistas , que estavam em oposição política aos monarquistas e os católicos , que tinham como símbolo de referência a bandeira real branca com o lírio da França [20] .

O tricolor italiano também se tornou a bandeira da República Cisalpina (1797-1802). A formação da República Cisalpina foi decretada por Napoleão Bonaparte em 29 de junho de 1797: seu território consistia na maior parte das áreas outrora ocupadas pela República Cisalpina e pela República Transpadana (1796-1797), às quais estavam as terras anteriormente pertencentes à República. adicionado. de Veneza [25] .

A Giovine Italia , movimento político fundado em 1831 por Giuseppe Mazzini cujo objetivo era a unificação da península italiana , utilizou o tricolor verde, branco e vermelho entre seus símbolos[26] . O tricolor italiano também foi usado nas bandeiras da República Italiana Napoleônica (1802–1805) e do Reino Napoleônico da Itália (1805–1814), precursores do estado italiano moderno.

O tricolor na esfera política

Durante sua visita a Londres em 11 de abril de 1864, Giuseppe Garibaldi foi saudado por uma grande multidão na estação ferroviária em meio a uma profusão de bandeiras tricolores italianas [27] . Em homenagem a Garibaldi, os homens estavam vestidos com as camisas vermelhas que eram comumente usadas pelos Garibaldini durante sua expedição dos Mil , enquanto as mulheres vestiam roupas tricolor [27] . As bandeiras italianas podiam ser vistas por toda a cidade [27] .

Em 1868, dois anos após a conclusão da terceira guerra de independência italiana , que levou à passagem do Vêneto do Império Austro-Húngaro para o Reino da Itália , o corpo do patriota veneziano Daniele Manin foi transferido para sua cidade natal e foi homenageado com uma festa fúnebre [28] . Daniele Manin, que morreu em 1857 em Paris, foi aclamado presidente da República de San Marco pelos habitantes de Veneza após os distúrbios de 1848 [29] [30] . A gôndola que carregava seu caixão era decorada com um arco "encimado pelo leão de São Marcos , brilhando com ouro", carregava "a bandeira veneziana velada em crepe preto" e tinha "duas estátuas colossais de prata agitando as cores nacionais da Itália" [ 31] . As estátuas, em particular, representaram a anexação de Veneza à Itália [32] . Os restos mortais de Daniele Manin foram enterrados solenemente na Basílica de San Marco .

Uma história apócrifa sobre o nascimento da pizza conta que em 11 de junho de 1889 o pizzaiolo napolitano Raffaele Esposito criou uma pizza para homenagear Margherita di Savoia , consorte do rei Umberto I , que visitava a cidade [33] . Guarnecida com tomates, mussarela e manjericão para representar as cores nacionais da Itália, era chamada de " pizza Margherita " [33] .

Definição

Ícone da lupa mgx2.svg O mesmo tópico em detalhes: Bandeira da Itália .
Bandeira histórica, atualmente obsoleta Cores Pantone 2002-2004
Bandeira normal ou bandeira de lei Cores Pantone desde 2004

A necessidade de definir com precisão os tons das cores surgiu de um evento que teve lugar no Edifício Justus Lipsius , sede do Conselho da União Europeia , do Conselho Europeu e do seu Secretariado , quando um eurodeputado italiano, em 2002, notou que as cores da bandeira italiana eram irreconhecíveis com o vermelho, por exemplo, que tinha uma tonalidade que passou para o laranja: por esta razão o governo, na sequência do relatório deste deputado, em 2002 e novamente em 2004 com uma actualização das disposições anteriores, decidiu definir especificamente as cores da bandeira nacional italiana [34] :

Pantone
têxtil
Aproximação no vídeo [35] RAL [35]
HEX RGB CMYK HSV

     17-6153 TCX Fern Green
( verde samambaia )

# 008C45 R : 000 G : 140 B : 069 C : 100 M : 000 Y : 100 K : 000 H : 149º S : 100% V : 057%

     6024 Traffic green
93% semelhante

     11-0601 TCX Bright White
(Branco brilhante)

# F4F5F0 R : 244 G : 245 B : 240 C : 000 M : 000 Y : 000 K : 005 H : 120º S : 000% V : 095%

     9003 Sinal branco
semelhante a 98%

     18-1662 TCX Vermelho Escarlate
( vermelho escarlate )

# CD212A R : 205 G : 033 B : 042 C : 000 M : 100 Y : 100 K : 000 H : 356º S : 079% V : 081%

     3020 Vermelho trânsito
semelhante a 96%

Usos do tricolor

No contexto institucional

Ícone da lupa mgx2.svg O mesmo tópico em detalhes: Bandeira da Itália , cocar tricolor italiano e faixa presidencial italiana .
Os Frecce Tricolori traçam o tricolor italiano sobre o castelo Este de Ferrara
O escudo é usado nas camisas dos clubes esportivos italianos que ganharam o campeonato de alto nível em seus respectivos esportes na temporada anterior, graduando-se como "campeões italianos"

As cores nacionais da Itália estão especificadas na Constituição da República Italiana no artigo 12, que define a bandeira da Itália na forma de uma bandeira tricolor com três faixas verticais de igual tamanho em tons de verde, branco e vermelho [36] . Essas cores também são usadas na cocar tricolor italiana , outro dos símbolos do patri italiano , que viu pela primeira vez o uso das cores nacionais italianas.

A bandeira presidencial italiana é a bandeira distintiva da presença do Presidente da República Italiana . Portanto, segue o Chefe de Estado cada vez que ele deixa o Palácio do Quirinal , onde é exibido durante sua presença. [37] A faixa é afixada no meio de transporte em que o presidente entra, fora das prefeituras quando o presidente está em visita a uma cidade e dentro dos corredores onde intervém na qualidade de oficial. [37] A bandeira lembra as cores da bandeira nacional italiana , com referência particular à bandeira da histórica República Italiana de 1802-1805 ; a forma quadrada e a borda azul do Savoy , cujo uso se manteve ainda na era republicana, simbolizavam as Forças Armadas italianas , comandadas pelo presidente. [37] .

Para comemorar o nascimento da bandeira italiana em 31 de dezembro de 1996, foi instituído o Dia da Bandeira Nacional, mais conhecido como Festa del Tricolore [38] . É comemorado todos os anos no dia 7 de janeiro, com as celebrações oficiais que são organizadas em Reggio nell'Emilia , a cidade onde foi decretada a primeira adoção oficial do tricolor como bandeira nacional por um estado italiano, a República da Cispadana . , como já mencionado, 7 de janeiro de 1797 [39] .

Os Frecce Tricolori , cujo nome completo é Equipe Aerobática Nacional , constituindo o 313º Grupo de Treinamento Acrobático , são a equipe acrobática nacional (PAN) da Força Aérea Italiana , nascida em 1961 após a decisão da própria Força Aérea de criar um grupo permanente para o treinamento acrobático coletivo de seus pilotos . Eles são assim chamados pelos traços de fumaça verde, branca e vermelha emitidos durante as apresentações [40] .

No esporte

Nos esportes coletivos , o scudetto é um distintivo em forma de escudo : é usado no uniforme de jogo pela equipe que conquistou o campeonato nacional na temporada anterior. Por extensão, o termo indica a vitória do próprio campeonato.

A invenção do escudo remonta ao poeta Gabriele D'Annunzio que, por ocasião de um amistoso disputado por uma seleção militar italiana, teve pela primeira vez esse emblema afixado nas camisas. [41]

Posteriormente, ficou decidido que a equipa titular iria vestir a camisola, na época seguinte, um escudo com as cores da bandeira italiana, representativa da unidade nacional ao nível do futebol. Na temporada 1924-25 , o Gênova foi o primeiro time a costurar o scudetto tricolor em seus uniformes ao vencer o campeonato anterior. [41]

O significado idealista do tricolor

Bandeira histórica, atualmente obsoleta O estandarte dos caçadores a cavalo da Legião Lombard. Um exemplo original é mantido no Museo del Risorgimento em Milão

São várias as hipóteses que procuram explicar os significados metafóricos e alegóricos ligados às cores nacionais italianas, que mudaram do sentido original no tricolor francês quando o verde, o branco e o vermelho assumiram o caráter de singularidade, transformando-se em pátria. símbolo Italiano [42] . Em particular, o tricolor francês é formado pelo azul, branco e vermelho, onde o branco era a cor da monarquia francesa , enquanto o vermelho e o azul são as cores antigas de Paris [42] ).

A mais antiga associação de significados metafóricos ao futuro tricolor italiano pode ser atribuída a 1782, quando fundou a cidade Milícia de Milão , cujo uniforme consistia em um vestido verde com flashes vermelhos e brancos; por isso, no dialeto milanês , os membros dessa guarda municipal eram popularmente chamados de remolazzit , ou " rabanetes ", lembrando as folhas verdes exuberantes desse vegetal [33] . Até mesmo o branco e o vermelho eram comuns nos uniformes militares lombardos da época [24] [33] [43] : as duas cores são de fato também características do brasão de armas de Milão [44] .

Não foi por acaso que o primeiro estandarte militar verde, branco e vermelho, já considerado "italiano", estreou a 11 de outubro de 1796 no estandarte de guerra da Legião Lombard : as três cores já estavam de fato no imaginário coletivo dos lombardos por razões históricas [24] .

À esquerda uma vista do Gran Paradiso do Jardim Botânico Alpino Paradisia , que está localizado dentro do Parque Nacional Gran Paradiso , enquanto à direita um vislumbre do santuário militar de Redipuglia , com o túmulo de Emanuele Filiberto di Savoia-Aosta em o primeiro plano, apelidado de Duque Invicto por ter conquistado inúmeras vitórias na Primeira Guerra Mundial sem nunca ter sido derrotado em campo

Durante o período napoleônico, que durou de 1796 a 1815, as três cores nacionais italianas foram adquirindo gradativamente um significado cada vez mais idealista, que com o passar do tempo se espalhou pela população, rompendo com os significados históricos originais ligados ao nascimento das três cores: o verde começou a representar esperança , branca e amor vermelho [33] [45] .

O verde do tricolor italiano foi o único, como já mencionado, a ter, desde o início, um significado também idealista: simbolizava direitos naturais para os jacobinos , ou seja, igualdade e liberdade [20] .

Hipóteses consideradas pouco confiáveis ​​e, portanto, rejeitadas pelos historiadores, são as alegadas referências metafóricas ao tricolor contidas na Divina Comédia de Dante Alighieri , em que as virtudes teológicas , ou caridade , esperança e fé, são representadas alegoricamente, sendo as duas últimas que eles então queriam simbolizado, sem base histórica, na bandeira italiana [9] . Essa hipótese teria, portanto, a interpretação das cores nacionais italianas atrelada a significados religiosos [46] , especialmente em relação ao catolicismo , religião que sempre teve maioria na Itália [47] .

Outra hipótese que tenta explicar o significado das três cores nacionais italianas seria, também sem qualquer fundamento histórico, que o verde esteja ligado à cor dos prados e do matagal mediterrâneo , o branco às neves das montanhas italianas e do vermelho ao sangue derramado pelos soldados italianos ao longo dos séculos [46] [48] .

As cores nacionais italianas, na forma de uma bandeira da Itália e da bandeira do Presidente da República Italiana, na Lancia Flaminia presidencial . A presença deles indica que o presidente está a bordo

Per l'adozione del verde esiste anche la cosiddetta "ipotesi massonica ": anche per questa società iniziatica il verde era il colore della natura, emblema quindi tanto dei diritti dell'uomo , che sono naturalmente insiti nell'uomo [43] , quanto del florido paesaggio italiano; tale interpretazione, tuttavia, è osteggiata da chi sostiene che la massoneria, in quanto società segreta, non avesse all'epoca un'influenza tale da ispirare i colori nazionali italiani [49] .

Altra congettura non plausibile che spiegherebbe l'adozione del verde ipotizza un tributo che Napoleone avrebbe voluto dare alla Corsica , luogo in cui [33] . Altra ipotesi ancora, anche in questo caso totalmente infondata, vorrebbe che il tricolore derivi dai colori principali della pizza Margherita , chiamata così, come già accennato, in onore della regina Margherita di Savoia , i cui ingredienti principali dovrebbero richiamare le tre tonalità nazionali italiane, ovvero il verde per il basilico , il bianco per la mozzarella e il rosso per la salsa di pomodoro [50] : tale supposizione è totalmente insensata, visto che l'invenzione della pizza Margherita risale al 1889 [N 6] , mentre i colori nazionali italiani comparvero per la prima volta cent'anni prima, nel 1789 a Genova [2] .

Da coincidenza, il verde, il bianco e il rosso sono anche gli colori nazionali della Bulgaria , dell' Iran , del Libano , del Messico e dell' Ungheria . [51]

Altri colori nazionali italiani

L'azzurro

Magnifying glass icon mgx2.svg Lo stesso argomento in dettaglio: Blu Savoia .
La coccarda azzurra sabauda, che è stata l'ornamento nazionale italiano fino al 1948, quando è stata sostituita dalla coccarda tricolore

Con l' unità d'Italia , e con la conseguente estensione dello Statuto Albertino a tutta la penisola italiana, al verde, al bianco e al rosso si aggiunse un quarto colore nazionale, il blu Savoia , tonalità cromatica distintiva della famiglia regnante italiana ; in particolare, in ambito istituzionale, venne inserito nella bandiera del Regno d'Italia sul contorno dello stemma reale per evitare che la croce e il campo dello scudo si confondessero con il bianco e con il rosso del vessillo [24] .

L'origine del colore è datata 20 giugno 1366, quando Amedeo VI di Savoia , in procinto di partire per una crociata indetta da papa Urbano V che era finalizzata a prestare aiuto all' imperatore bizantino Giovanni V Paleologo , cugino di parte materna del conte sabaudo, decise di collocare sulla nave ammiraglia della flotta, una galea veneziana , una bandiera azzurra che sventolasse accanto allo stendardo rosso-crociato in argento dei Savoia [52] :

«[...] di devozione di Zendado Azzurro con l'immagine di Nostra Signora in campo seminato di stelle (oro). E quel colore di cielo consacrato a Maria è, per quanto a me pare, l'origine del nostro color nazionale. [...]»

( Luigi Cibrario cit. in Carlo Alberto Gerbaix De Sonnaz "Bandiere stendardi e vessilli di Casa Savoia, dai Conti di Moriana ai Re d'Italia (1200-1861)" ( Torino , 1911 ) )
La Nazionale italiana di calcio al campionato europeo di calcio 2012

Il colore ha quindi un' implicazione mariana , fermo restando che esiste anche la possibilità che l'uso di un vessillo azzurro da parte dei Savoia sia iniziato in precedenza [53] .

Il blu Savoia è stato conservato in alcuni ambiti istituzionali anche dopo la proclamazione della Repubblica Italiana : di questa tonalità è infatti il bordo dello stendardo presidenziale italiano (il blu, in araldica , significa "legge" e "comando") ed è il colore dominante delle bandiere istituzionali di alcune importanti cariche pubbliche ( presidente del Consiglio dei ministri della Repubblica Italiana , ministro e sottosegretari della difesa , alti gradi della Marina e dell' Aeronautica Militare ).

La tonalità azzurra del colore blu Savoia, già in uso sulle coccarde militari, sulle cravatte delle bandiere e sulle fasce degli ufficiali sabaudi, continua ancora adesso ad apparire come uno dei colori di riferimento e di riconoscimento dell'Italia, tant'è che è diventato la tonalità usata sulle maglie sportive nazionali italiane , sulla sciarpa azzurra in dotazione agli ufficiali delle forze armate italiane, sulla fascia distintiva dei presidenti delle province d'Italia [54] [55] , sulla coccarda italiana azzurra e sui velivoli utilizzati dalle Frecce Tricolori , anch'esse tradizioni che non si sono mai interrotte neppure in occasione della nascita della Repubblica Italiana.

Il rosso corsa

Magnifying glass icon mgx2.svg Lo stesso argomento in dettaglio: Rosso corsa e Colori nazionali nelle corse automobilistiche .
Bob a 2 della nazionale italiana

Il rosso corsa è una particolare gradazione di rosso , stabilita dalla FIA , che veniva applicata alle auto italiane nelle corse automobilistiche . [56]

Fin dagli anni venti del XX secolo le automobili da corsa italiane abbandonarono il colore nero per adottare il rosso, secondo lo schema stabilito dall'associazione che in seguito sarebbe diventata la FIA ; tra le nazioni più importanti, venne assegnato il blu ( Bleu de France ) alle auto francesi , [56] il bianco — e successivamente l' argento — alle tedesche , [56] il verde ( British racing green ) alle britanniche , [56] il biancoblù — con racing stripes — alle statunitensi , [57] il biancorosso alle giapponesi e, come accennato, il rosso alle italiane. [56] Alfa Romeo , Lancia , Maserati e in seguito Ferrari verniciarono quindi con questo colore le loro vetture da competizione, affinché il pubblico potesse distinguere le squadre italiane che gareggiavano nei campionati automobilistici.

Nacquero ben presto delle varianti specifiche in seno alle diverse case italiane: il rosso Ferrari è definito in una tonalità più chiara, [58] il rosso Alfa assume una tonalità più scura, mentre ancor più differenti appaiono il rosso Montebello di Lancia, tra l' amaranto e il granata — e in seguito abbinato a una sottile banda gialloblù richiamante le insegne comunali torinesi —, e il rosso Maserati quasi tendente al marrone .

Tradizionalmente, la nazionale di bob dell'Italia utilizza guidoslitte con carena verniciata con il rosso corsa.

Il bianco

In alcuni sport come il ciclismo e gli sport invernali , le divise degli atleti italiani sono spesso di colore bianco.

Il tricolore nelle arti

Nella musica

Ai tre colori nazionali italiani, e al loro significato idealistico, è legata una delle strofe della canzone militare Passa la ronda di Teobaldo Ciconi , che fu composta nel 1848 [59] :

«[...] Siamo le guardie dai tre colori,
Verde, la speme dei nostri cori,
Bianco, la fede stretta fra noi,
Rosso, le piaghe dei nostri eroi. [...]»

( Passa la ronda , di Teobaldo Ciconi )

Nelle arti visive

Dettaglio di Il bacio di Francesco Hayez (1859): il colore verde traspare dalla manica dell'uomo e sotto la mano della donna, il cui abito azzurro ha guarnizioni bianche. Il tricolore è completato dai pantaloni rossi dell'uomo

Il noto dipinto Il bacio (1859) del pittore Francesco Hayez nasconde un riferimento al tricolore italiano. Al di là del soggetto romantico , l'opera ha un significato storico e politico : Hayez, attraverso i colori utilizzati (il bianco della veste, il rosso della calzamaglia, il verde del risvolto del mantello e l'azzurro dell'abito della donna), vuole rappresentare l'alleanza avvenuta tra l'Italia e la Francia attraverso gli accordi di Plombières (21 luglio 1858), di natura segreta, che furono la premessa della seconda guerra d'indipendenza [60] .

L'opera di Hayez venne ripresa tre anni dopo da Giuseppe Reina nel suo dipinto Una triste novella , in cui il pittore compone ben in evidenza un tricolore, accostando una scatola verde, uno scialle rosso e la gonna bianca della figura femminile rappresentata [61] . In precedenza Hayez aveva già artatamente inserito il tricolore in altri due suoi dipinti, I due apostoli Giacomo e Filippo (1825-1827) e Ciociara (1842): in entrambe le opere sono ancora i colori degli indumenti dei soggetti ritratti a richiamare i colori nazionali italiani [60] .

Nella letteratura

Episodio delle Cinque Giornate (fine XIX secolo) di Baldassare Verazzi , che ha per soggetto uno dei combattimenti avvenuti presso Palazzo Litta . Si noti la presenza di una coccarda italiana tricolore sul cappello dell'uomo intento a mirare col fucile
Foglie, fiori e bacche del corbezzolo, i cui colori richiamano i colori nazionali italiani: per tale motivo questo cespuglio è considerato uno dei simboli patri italiani

Molti poeti del romanticismo dedicarono alcune delle loro opere letterarie , traendone accostamenti e simbolismi , ai tre colori nazionali italiani [62] :

«Se una rosa vermiglio o un gelsomino
a una foglia d'allor metti vicino
i tre colori avrai più cari e belli
a noi che in quei ci conosciam fratelli
i tre colori avrai che fremer fanno
chi ancor s'ostina ad essere tiranno.»

( Domenico Carbone , Sono Italiano , 1848 )

«Il bianco mostra ch'ella è santa e pura
il rosso che col sangue è a pugnar presta
e quell'altro color che vi si innesta
che mai mancò la speme alla sventura.»

( Giovanni Battista Niccolini )

«O puro bianco di cime nevose,
soave olezzo di vividi fior,
rosseggianti su coste selvose,
dolce festa di vaghi color.»

( Ernesta Bittanti Battisti , ripresa dell' Inno al Trentino , dove i 'vaghi colori' (i colori cioè grati alla vista del patriota) sono quelli nazionali italiani: Trento, 1911 [63] )

«Con un'ostia tricolore
ognun s'è comunicato.
Come piaga incrudelita
coce il rosso nel costato,
ed il verde disperato
rinforzisce il fiele amaro.»

( Gabriele D'Annunzio , La canzone del Quarnaro )

Giovanni Pascoli , nell' ode Al corbezzolo , vide in Pallante il primo martire della causa nazionale italiana e la metafora del tricolore nel corbezzolo , sui cui rami fu adagiato il suo corpo esanime [64] . Il corbezzolo, infatti, viene considerato un simbolo patrio italiano per via delle foglie verdi, dei fiori bianchi e delle bacche rosse, che richiamano i colori nazionali italiani [65] .

«Il tricolore!… E il vecchio Fauno irsuto
del Palatino lo chiamava a nome,
alto piangendo, il primo eroe caduto
delle tre Rome»

( Giovanni Pascoli , Al corbezzolo )

Nella prosa è celebre una novella di Grazia Deledda nella quale vengono richiamati i tre colori nazionali italiani [66] :

«[...] Appena aperti gli occhi alla luce del giorno, il cinghialetto vide i tre più bei colori del mondo: il verde, il bianco, il rosso. - sullo sfondo azzurro del cielo, del mare e dei monti lontani. [...] Una nube violenta lo avvolse: stramazzò, chiuse gli occhi; ma dopo un momento sollevò le corte palpebre rossicce e per l'ultima volta vide i più bei colori del mondo - il verde della quercia, il bianco della casina, il rosso del suo sangue. [...]»

( Grazia Deledda, Il cinghialetto , tratto da La volpe e altre novelle )

Note

Esplicative

  1. ^ Il Vocabolario Treccani utilizza indifferentemente sia la "T" maiuscola che la "t" minuscola. Cfr. il lemma " tricolóre " su "treccani.it".
  2. ^ L'aquila rossa su campo bianco sopra un serpente verde era infatti anche lo stemma di papa Clemente IV .
  3. ^ Questo non esclude tuttavia che, successivamente, la tradizione letteraria non abbia operato un collegamento tra i colori della bandiera nazionale e la nota allegoria dantesca, come dimostra il discorso del Carducci proferito in occasione del centenario della bandiera, un cui stralcio è riportato nel paragrafo "Dalla presa di Roma alla prima guerra mondiale". La figura di Dante, infatti, assurse a simbolo risorgimentale per eccellenza proprio con Mazzini e, sulla sua falsariga, con altri patrioti e letterati, tra i quali Carducci: cfr. Eugenia Querci (a cura di), Dante vittorioso , Allemandi, Torino-Londra-Venezia-New York 2011 ISBN 978-88-422-2040-4 . Questo accadde in particolare con la celebrazione a Firenze , ma anche in altre città italiane come Verona o Trento , del "Centenario dantesco", vale a dire la commemorazione del sesto centenario di nascita del Sommo Poeta (1865), definito da Carducci «poetico centenario».
  4. ^ "Ale" è la versione arcaica del termine moderno " ali ".
  5. ^ Le "ali" di una benda sono le sue due estremità grazie alle quali si è in grado di realizzare il nodo. A volte le estremità sono sfrangiate , come nel caso della benda del rito di Cagliostro, che era formata, per parte, da tre piccole ali.
  6. ^ Quella che oggi è chiamata pizza Margherita era tuttavia già stata preparata nel 1866, prima della dedica alla regina d'Italia, come attesta Francesco De Bourcard in: Usi e costumi di Napoli , riedizione in copia anastatica, tiratura limitata a 999 copie, Napoli, Alberto Marotta, 1965 [1866] p.124.

Bibliografiche

  1. ^ Nicola Ferorelli, La vera origine del tricolore italiano , in Rassegna storica del Risorgimento , vol. XII, fasc. III, 1925, pp. 654-680, SBN IT\ICCU\PUV\0630850 .
  2. ^ a b c Ferorelli , p. 662 .
  3. ^ a b Fiorini , pp. 244-247 .
  4. ^ a b Fiorini , pp. 265-266 .
  5. ^ Colangeli , p. 10 .
  6. ^ a b Fiorini , p. 246 .
  7. ^ a b c Nicola Ferorelli, La vera origine del tricolore italiano , in Rassegna storica del Risorgimento , vol. XII, fasc. III, 1925, p. 668.
  8. ^ Bovio , p. 23 .
  9. ^ a b Pagano , p. 10 .
  10. ^ Il Tricolore , su villazzano.com . URL consultato il 18 febbraio 2016 .
  11. ^ Ferorelli , p. 668 .
  12. ^ Fiorini , p. 260 .
  13. ^ a b Fiorini , p. 261 .
  14. ^ a b c Fiorini , p. 262 .
  15. ^ Sannino , Cap. I .
  16. ^ Fiorini , p. 263 .
  17. ^ Fiorini , p. 264 .
  18. ^ Rossella Leonforte, La simbologia segreta dell'arte nell'isola , su ricerca.repubblica.it . URL consultato il 7 agosto 2018 .
  19. ^ Ferorelli , p. 666 .
  20. ^ a b c I valori » Il Tricolore , su 150anni.it . URL consultato il 3 maggio 2017 .
  21. ^ Felice Venosta, Luigi Zamboni, il primo martire della libertà italiana, Francesco Scorza Editore, Milano, 1864 , su radiomarconi.com . URL consultato il 3 marzo 2017 (archiviato dall' url originale il 2 marzo 2016) .
  22. ^ Canella , p. 130 .
  23. ^ Francesco Frasca, L'Esercito del primo Tricolore ( PDF ), su difesa.it . URL consultato l'8 marzo 2017 .
  24. ^ a b c d Il Tricolore , su quirinale.it . URL consultato il 19 marzo 2016 (archiviato dall' url originale il 31 marzo 2014) .
  25. ^ Partington , p. 548 .
  26. ^ Collier , p. 25 .
  27. ^ a b c Oddo , p. 522 .
  28. ^ Cook , p. 29 .
  29. ^ ( EN ) Ronald Cunsolo, Daniele Manin (1804–1857) , in Encyclopedia of Revolutions of 1848 , Ohio University.
  30. ^ ( EN ) Ronald Cunsolo, Venice and the Revolution of 1848–49 , in Encyclopedia of Revolutions of 1848 , Ohio University.
  31. ^ Cook , pp. 29-30 .
  32. ^ Cook , p. 30 .
  33. ^ a b c d e f Maiorino , p. 158 .
  34. ^ Villa , p. 35 .
  35. ^ a b per il verde ; per il bianco ; per il rosso
  36. ^ La Costituzione della Repubblica Italiana , su www.governo.it . URL consultato il 14 gennaio 2016 (archiviato dall' url originale l'8 maggio 2013) .
  37. ^ a b c Lo Stendardo presidenziale , su quirinale.it . URL consultato il 22 settembre 2010 .
  38. ^ 31 dicembre 1996, n. 671, articolo 1 , in materia di " Celebrazione nazionale del bicentenario della prima bandiera nazionale "
  39. ^ I simboli della Repubblica ( PDF ), su www.quirinale.it . URL consultato il 14 gennaio 2016 (archiviato dall' url originale il 6 ottobre 2015) .
  40. ^ Wings . 34–36. Aeronautical Press. 1964
  41. ^ a b COMUNICATO STAMPA N. 83 DEL 16 maggio 2014 ( PDF ), su cdn.legaseriea.it , Lega Serie A , 16 maggio 2014. URL consultato il 6 maggio 2016 .
  42. ^ a b Busico , p. 9 .
  43. ^ a b Villa , p. 11 .
  44. ^ Origini della bandiera tricolore italiana ( PDF ), su elearning.unite.it . URL consultato il 4 ottobre 2018 (archiviato dall' url originale il 24 febbraio 2017) .
  45. ^ Villa , p. 13 .
  46. ^ a b Perché la bandiera italiana è verde bianca rossa , su lettera43.it . URL consultato il 20 agosto 2018 .
  47. ^ Bandiera italiana: storia, colori, foto e significato , su italiaunita150.it . URL consultato il 20 agosto 2018 .
  48. ^ Ito De Rolandis, Il significato dei tre colori della nostra Bandiera Nazionale , su radiomarconi.com . URL consultato il 20 agosto 2018 (archiviato dall' url originale il 1º agosto 2018) .
  49. ^ Fiorini , pp. 239-267 e 676-710 .
  50. ^ Fulvia Leopardi, Il significato dei colori della bandiera italiana: cosa rappresentano verde, bianco e rosso? , su nanopress.it . URL consultato il 21 agosto 2018 .
  51. ^ Bandiera del Messico: storia e significato della bandiera messicana , su messico.io . URL consultato il 5 gennaio 2020 .
  52. ^ Martinelli , p. 45 .
  53. ^ Martinelli , p. 46 .
  54. ^ Luigi Atzori, Azzurri – origine del colore della nazionale , su aserramanna.it , 29 luglio 2012. URL consultato il 18 marzo 2016 .
  55. ^ Decreto legislativo 18 agosto 2000, n. 267, articolo 50 , in materia di " Testo unico delle leggi sull'ordinamento degli enti locali "
  56. ^ a b c d e Ahlbom, Hentzel, Lidman, Motorsport , p. 746 .
  57. ^ ( EN ) The colour in racing , in Road & Track , 1960.
  58. ^ Color Ferrari Red , su 99colors.net . URL consultato il 16 maggio 2018 .
  59. ^ Villa , pp. 24-25 .
  60. ^ a b Selenia De Michele, Il "Bacio" di Hayez: tre versioni, un unico significato , su restaurars.altervista.org:80 , 15 novembre 2015. URL consultato il 18 febbraio 2016 .
  61. ^ La nazione dipinta. Storia di una famiglia tra Mazzini e Garibaldi , su archimagazine.com . URL consultato il 1º marzo 2016 .
  62. ^ Maiorino , p. 161 .
  63. ^ Bittanti , pp. 10-15 .
  64. ^ Perri , p. 1 .
  65. ^ Ivan Serafini, Il corbezzolo simbolo dell'Unità d'Italia. Una specie che resiste agli incendi , su altovastese.it:80 , 3 ottobre 2011. URL consultato il 25 gennaio 2016 .
  66. ^ Villa , p. 58 .

Bibliografia

  • ( EN ) Cook's handbook to Venice , Cook Thomas and son, ltd, 1874.
  • ( SV ) Bengt Ahlbom, Roland Hentzel e Sven S. Lidman (a cura di), Sportens lille jätte , Stoccolma, Natur & Kultur, 1948.
  • Ernesta Bittanti Battisti , Il maestro Guglielmo Bussoli e l'Inno al Trentino , in Bollettino del Museo trentino del Risorgimento , vol. 1, Trento, 1954.
  • Augusta Busico, Il tricolore: il simbolo la storia , Presidenza del Consiglio dei Ministri, Dipartimento per l'informazione e l'editoria, 2005, SBN IT\ICCU\UBO\2771748 .
  • Maria Canella, Dalla Repubblica Cisalpina al Regno d'Italia (1797–1814): Ricerche e strumenti. Armi e nazione , Franco Angeli, 1996, ISBN 8-856-80998-2 .
  • ( EN ) Martin Collier,Italian Unification, 1820–71 , Heinemann, 2003, ISBN 0-435-32754-2 .
  • Nicola Ferorelli, La vera origine del tricolore italiano , in Rassegna storica del Risorgimento , vol. XII, fasc. III, 1925, pp. 654-680, SBN IT\ICCU\PUV\0630850 .
  • Vittorio Fiorini , Le origini del tricolore italiano , in Nuova Antologia di scienze lettere e arti , vol. LXVII, quarta serie, 1897, SBN IT\ICCU\UBO\3928254 .
  • Tarquinio Maiorino, Giuseppe Marchetti Tricamo e Andrea Zagami, Il tricolore degli italiani. Storia avventurosa della nostra bandiera , Milano, Arnoldo Mondadori Editore, 2002, ISBN 978-88-04-50946-2 .
  • Alessandro Martinelli, L'azzurro italiano , in Vexilla Italica , n. 62, Torino, Centro Italiano Studi Vessillologici, febbraio 2006, ISBN non esistente.
  • Giacomo Oddo, Il brigantaggio; o, L'Italia dopo la dittatura di Garibaldi , Giuseppe Scorza di Nicola Editore, 1865.
  • Emiliano Pagano, Delle origini della bandiera tricolore italiana. Ricordi storici , Roma, Tipografia agostiniana, 1895, SBN IT\ICCU\TO0\0740687 .
  • ( EN ) Charles Partington, The British Cyclopedia of literature, history, geography, law, and politics , 1836.
  • Pierluigi Perri, Il corbezzolo, pianta italianissima , Roma, Tipografia Superstampa, 1942, SBN IT\ICCU\RML\0207472 .
  • Claudio Villa, I simboli della Repubblica: la bandiera tricolore, il canto degli italiani, l'emblema , Comune di Vanzago, 2010, SBN IT\ICCU\LO1\1355389 .

Voci correlate

Italia Portale Italia : accedi alle voci di Wikipedia che trattano di Italia