Campeonato Mundial de Fórmula 1 de 1989

Da Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para a navegação Ir para a pesquisa
Campeonato Mundial de Fórmula 1 de 1989
Edição n. 40 do Campeonato Mundial de Fórmula 1
Dados gerais
Começar 26 de março
Prazo 5 de novembro
Ensaios 16
Títulos disponíveis
Pilotos França Alain Prost
no McLaren MP4 / 5
Construtores Reino Unido McLaren
Outras edições
Anterior - Próximo
Edição em andamento

A temporada de 1989 do Campeonato do Mundo de Fórmula 1 foi a quadragésima da história da categoria a atribuir o Título de Pilotos e a trigésima segunda a atribuir o Título de Construtores ; a primeira foi conquistada pelo francês Alain Prost , campeão mundial pela terceira vez na carreira, enquanto a segunda foi conquistada pela McLaren .

Alain Prost conquista o título de pilotos pela terceira vez.

A pré-temporada

Calendário

Concorrência Nome oficial do Grande Prêmio O circuito Local Encontro Agora Ao vivo
Local UTC ITA
1 Brasil Grande Prêmio do Brasil Circuito de Jacarepaguá Rio de Janeiro 26 de março 13:00 16:00 18:00 Rai Due / Telemontecarlo
2 San Marino Grande Prêmio de Kronenbourg de San Marino Autódromo Dino Ferrari Imola 23 de abril 14:30 meio-dia e meia 14:30
3 Monge Grande Prêmio de Mônaco Circuito de Montecarlo Monge 7 de maio 15:30 13:30 15:30
4 México Grande Prêmio do México Autódromo Hermanos Rodríguez Cidade do México 28 de maio 13:30 20:30 21:30
5 Estados UnidosGrande Prêmio Iceberg dos Estados Unidos Circuito de fênix Fénix 4 de junho 13h40 20:40 22:40
6 Canadá Grande Prêmio Molson do Canadá Circuito Gilles Villeneuve Montreal 18 de junho 12h00 16:00 18:00
7 França Grande Prêmio Rhône-Poulenc da França Circuito Paul Ricard Le Castellet 9 de julho 14h45 12h45 14h45
8 Reino Unido Shell Grande Prêmio da Inglaterra Circuito de Silverstone Silverstone 16 de julho 14:30 13:30 15:30
9 Alemanha Großer Mobil 1 Preis von Deutschland Hockenheimring Hockenheim 30 de julho 14:30 meio-dia e meia 14:30
10 Hungria Pop 84 Magyar Nagydíj Hungaroring Mogyoród 13 de agosto 14:30 meio-dia e meia 14:30
11 Bélgica Campeão Grande Prémio de Belgique Circuito de Spa-Francorchamps Francorchamps 27 de agosto 14:30 meio-dia e meia 14:30
12 Itália Coca-Cola Grande Prêmio da ItáliaCircuito Nacional de Monza Monza 10 de setembro 15:00 13:00 15:00
13 Portugal Grande Prémio de Portugal Circuito do Estoril Cascais 24 de setembro 14:30 13:30 14:30
14 Espanha Grande Prêmio Tio Pepe de España Circuito de Jerez de la Frontera Jerez de la Frontera 1 de outubro 14:30 13:30 14:30
15 Japão Fuji Television Grande Prêmio do Japão Circuito de Suzuka Suzuka 22 de outubro 13:00 4:00 5:00
16 Austrália Grande Prêmio da Austrália de Foster Circuito de Adelaide Adelaide 5 de novembro 14:00 4:30 5:30

Mudanças desde 1988

Mudanças regulatórias

  • A mudança mais importante dizia respeito aos motores: conforme já anunciado no final da temporada de 1986 , os motores turbo foram proibidos e todos os competidores tiveram que competir com motores naturalmente aspirados, cuja cilindrada máxima era fixada em 3500 cm³ e o número máximo de cilindros igual a 12..
  • As pré-classificatórias, necessárias devido ao elevado número de competidores inscritos para o campeonato mundial (39), foram transferidas para uma sessão de uma hora na manhã desta sexta-feira, das oito para as nove; dos treze pilotos participantes na pré-qualificação, apenas os quatro mais rápidos tiveram acesso à qualificação real. Este primeiro obstáculo estava reservado, para a primeira parte da temporada, a pilotos cujas equipas tivessem feito a sua estreia na Fórmula 1 ( Brabham , Onyx e, para o segundo carro, Rial , AGS , Coloni e Scuderia Italia ) ou tivessem obtido os piores resultados no segundo semestre de 1988 ( Zakspeed , Osella e EuroBrun ). A partir do meio da temporada, essas equipes seriam substituídas por aquelas que tiveram os piores resultados na primeira parte do campeonato.
  • Os limites de consumo impostos aos motores turbo em anos anteriores foram eliminados.

Notícias técnicas

  • A proibição do uso de motores turbo levou a um grande desenvolvimento de motores aspirados; em particular, Honda e Renault introduziram novos motores V10, nunca antes usados ​​devido ao medo de vibrações e tensões a que foram submetidos. Esta solução foi consequência do menor espaço disponível no compartimento do motor devido à retração dos cockpits prevista pelo novo regulamento, de forma a encontrar um meio-termo entre as vantagens dimensionais do V8 e a maior potência do V12.
  • A Ferrari introduziu, no inovador modelo 640 desenhado por John Barnard , a primeira caixa de câmbio semiautomática da história da Fórmula 1, graças à qual o engate das marchas, que ocorria por meio de duas alavancas colocadas atrás do volante, era muito mais rápido do que a de uma caixa de velocidades tradicional.

Estábulos

  • Brabham , após ter pulado a temporada de 1988 após a transferência de propriedade de Bernie Ecclestone para um empresário suíço, voltou para alinhar seus carros; uma nova equipe, a Onyx , fundada por Mike Earle e apoiada financeiramente pelo empresário belga Jean Pierre Van Rossem, também entrou na Fórmula 1. Em vez disso, a nova equipe FIRST GP, comandada por Lamberto Leoni e presente no campeonato F3000, retirou o registro, que teria corrido com motores Judd e Gabriele Tarquini ao volante.

Motores

  • A Honda parou de fornecer seus motores para a Lotus , concentrando-se exclusivamente na McLaren . A casa japonesa projetou um V10 sem precedentes.
  • A Renault voltou à Fórmula 1 como fornecedora de motores, projetando um novo V10 exclusivamente para a Williams .
  • Judd , perdendo Williams e Ligier , forneceu exclusivamente para March o novo V8 EV, enquanto Lotus , EuroBrun e Brabham foram equipados com o modelo CV da temporada anterior.
  • Ligier , Osella e Arrows mudaram para motores Cosworth .
  • Dois novos fornecedores de motores entraram na Fórmula 1, Lamborghini , que projetou um V12 exclusivamente para Lola - Larrousse , e Yamaha , que forneceu um V8 para Zakspeed , que havia abandonado a ideia de fazer um motor próprio.

Pilotos

Pneus

Pilotos e equipes

Estábulo Construtor Chassis Motor Pneus Não. Pilotos GP Driver de teste
Reino Unido Honda Marlboro McLaren McLaren - Honda MP4 / 5 Honda RA109A 3.5 V10 G. 1 Brasil Ayrton Senna Tudo Itália Emanuele Pirro
2 França Alain Prost Tudo
Reino Unido Organização Tyrrell Racing Tyrrell - Ford 017B
018
Ford DFR 3.5 V8 G. 3 Reino Unido Jonathan Palmer Tudo n / D
4 Itália Michele Alboreto 1-6
França Jean Alesi 7-10, 12, 14-16
Reino Unido Johnny Herbert 11, 13
Reino Unido Equipe Canon Williams Williams - Renault FW12C
FW13
Renault RS1 3.5 V10 G. 5 Bélgica Thierry Boutsen Tudo Reino Unido Mark Blundell
6 Itália Riccardo Patrese Tudo
Reino Unido Desenvolvimentos do automobilismo Brabham - Judd BT58 Judd EV 3.5 V8 P. 7 Reino Unido Martin Brundle Tudo n / D
8 Itália Stefano Modena Tudo
Reino Unido Arrows Grand Prix International Setas - Ford A11 Ford DFR 3.5 V8 G. 9 Reino Unido Derek Warwick 1-6, 8-16 n / D
Reino Unido Martin Donnelly 7
10 Estados Unidos Eddie Cheever Tudo
Reino Unido Camel Team Lotus Lotus - Judd 101 Judd CV 3.5 V8 G. 11 Brasil Nelson Piquet Tudo Reino Unido Martin Donnelly
12 Japão Satoru Nakajima Tudo
Reino Unido Leyton House March Racing Team Março - Judd 881
CG 891
Judd EV 3.5 V8 G. 15 Brasil Maurício Gugelmin Tudo Itália Bruno Giacomelli
16 Itália Ivan Capelli Tudo
Itália Osella Squadra Corse Osella - Ford FA1 / M Ford DFR 3.5 V8 P. 17 Itália Nicola Larini Tudo n / D
18 Itália Piercarlo Ghinzani Tudo
Reino Unido Benetton Formula Ltd Benetton - Ford B188
B189
Ford DFR 3.5 V8
Ford HBA4 3.5 V8
G. 19 Itália Alessandro Nannini Tudo Reino Unido Johnny Dumfries
Reino Unido Johnny Herbert

Austrália Gary Brabham

20 Reino Unido Johnny Herbert 1-6
Itália Emanuele Pirro 7-16
Itália BMS Scuderia Italia Dallara - Ford 189 Ford DFR 3.5 V8 P. 21 Itália Alex Caffi Tudo n / D
22 Itália Andrea De Cesaris Tudo
Itália Minardi Team SpA Minardi - Ford M188B
M189
Ford DFR 3.5 V8 P. 23 Itália Pierluigi Martini 1-14, 16 Itália Paolo Barilla
Itália Paolo Barilla 15
24 Espanha Luis Perez Sala Tudo
França Ligier Loto Ligier - Ford JS33 Ford DFR 3.5 V8 G. 25 França René Arnoux Tudo n / D
26 França Olivier Grouillard Tudo
Itália Scuderia Ferrari SpA SEFAC Ferrari 640 Ferrari 035/5 3,5 V12 G. 27 Reino Unido Nigel Mansell 1-13, 15-16 Brasil Roberto Moreno
Itália Gianni Morbidelli
Finlândia JJ Lehto
28 Áustria Gerhard Berger 1-2, 4-16
França Larrousse Calmels
França Time Larrousse
Lola - Lamborghini LC88B
LC89
Lamborghini 3512 3,5 V12 G. 29 França Yannick Dalmas 1-6 n / D
França Éric Bernard 7-8
Itália Michele Alboreto 9-16
30 França Philippe Alliot Tudo
Itália Coloni SpA Colonos - Ford FC188B
C3
Ford DFR 3.5 V8 P. 31 Brasil Roberto Moreno Tudo n / D
32 França Pierre-Henri Raphanel 1-10
Itália Enrico Bertaggia 11-16
Itália EuroBrun Racing EuroBrun - Judd ER188B
ER189
Judd CV 3.5 V8 P. 33 suíço Gregor Foitek 1-11 n / D
Argentina Oscar Larrauri 12-16
Alemanha West Zakspeed Racing Zakspeed - Yamaha 891 Yamaha OX88 3.5 V8 P. 34 Alemanha Bernd Schneider Tudo n / D
35 Japão Aguri Suzuki Tudo
Reino Unido Moneytron Onyx Fórmula Um Onyx - Ford HORAS-1 Ford DFR 3.5 V8 G. 36 Suécia Stefan Johansson Tudo n / D
37 Bélgica Bertrand Gachot 1-12
Finlândia JJ Lehto 13-16
Alemanha Rial Racing Rial - Ford ARC2 Ford DFR 3.5 V8 G. 38 Alemanha Christian Danner 1-13 n / D
suíço Gregor Foitek 14
Bélgica Bertrand Gachot 15-16
39 Alemanha Volker Weidler 1-10
França Pierre-Henri Raphanel 11-16
França Automobiles Gonfaronaise Sportive AGS - Ford JH23B
JH24
Ford DFR 3.5 V8 G. 40 França Philippe Streiff 1 n / D
Itália Gabriele Tarquini 2-16
41 Alemanha Joachim Winkelhock 1-7
França Yannick Dalmas 8-16

Resumo da temporada

A McLaren, que havia sido a dominadora absoluta da temporada anterior (na qual havia vencido quinze das dezesseis corridas programadas), ainda era a favorita para vencer o campeonato mundial. Os principais rivais, Ferrari e Williams, pareciam não conseguir acompanhar a seleção inglesa; em particular, a Ferrari teve vários problemas, em testes de inverno, com o inovador 640 projetado por John Barnard [1] . A temporada começou imediatamente com um drama: durante os testes realizados pouco antes do Grande Prêmio do Brasil, Philippe Streiff sofreu um grave acidente ao volante de seu AGS , com o qual sofreu uma lesão na coluna, ficando paralisado da cintura para baixo.

O primeiro Grande Prêmio do ano reservou imediatamente uma surpresa: Senna dominou a qualificação, mas foi imediatamente forçado a se retirar após um acidente com Berger ; Patrese , Mansell e Prost permaneceram para lutar pela vitória. No final, o piloto da Ferrari saiu de forma surpreendente, cuja caixa de câmbio semiautomática durou até o final da corrida. Em segundo veio Prost, enquanto Gugelmin aproveitou as várias retiradas que tinha pela frente para conquistar o seu único pódio na carreira. Os surpreendentes estreantes Herbert , Warwick e Nannini [1] fecharam nos pontos.

No Grande Prêmio de San Marino , em Imola , os McLarens dominaram a cena, com Senna e Prost monopolizando a primeira linha do grid, infligindo grandes lacunas aos adversários. No entanto, nesta ocasião a rivalidade entre os dois explodiu definitivamente: a suspensão da corrida após o violento acidente de Berger no Tamburello (em que o austríaco sofreu queimaduras nas mãos) motivou a organização de uma segunda partida; Prost correu melhor que o companheiro de equipa, assumindo a liderança, mas Senna ultrapassou-o algumas curvas depois, não respeitando um acordo feito antes da largada segundo o qual o piloto que comandava na entrada da curva de Tosa o teria mantido na posição. pelo menos até a 'saída da própria curva [2] . Neste ponto Senna voou para a primeira posição, com Prost incapaz de se aproximar dele; no final da corrida os dois trocaram acusações mútuas, com Prost ameaçando a equipe de não correr no Grande Prêmio seguinte se o brasileiro não se desculpasse [2] . No pódio fechado Nannini , que aproveitou as retiradas de Patrese (devido a problemas técnicos) e de Mansell parou por precaução do Diretor da Ferrari, Cesare Fiorio (as verificações dos dias seguintes na verdade confirmaram que a saída de Berger da pista foi causado pela falha de um pilar da asa dianteira). Boutsen , Warwick e Palmer também marcaram pontos [3] .

No Grande Prêmio de Mônaco, Senna dominou a qualificação e as corridas, infligindo uma lacuna de um segundo em seu companheiro de equipe na única volta [4] e liderando a corrida do início ao fim, apesar de estar atrasado por problemas na caixa de câmbio [2] . Prost teve de se contentar com mais um segundo lugar, o terceiro consecutivo desde o início da temporada; em terceiro, veio o surpreendente Modena , dirigindo um Brabham particularmente à vontade no estreito circuito da cidade. Caffi , Alboreto e Brundle fecharam a área de pontuação, enquanto Mansell na única Ferrari (Berger estava ausente devido a lesões sofridas no Grande Prêmio anterior) se aposentou devido a problemas técnicos e os pilotos da Williams foram retardados por vários problemas [5] .

Mesmo no México , onde Berger fez seu retorno apenas um mês após a queda de Imola, Senna ficou em primeiro lugar, enquanto Prost não conseguiu fazer melhor do que o quinto; em segundo e terceiro vieram Patrese e Alboreto , enquanto Tarquini conquistou o primeiro ponto de sua carreira ao volante de seu AGS . Ambos os pilotos da Ferrari foram novamente forçados a se aposentar devido a problemas na caixa de câmbio [6] . O Grande Prêmio dos Estados Unidos , realizado no inédito circuito de rua de Phoenix , foi caracterizado por um calor escaldante e um número impressionante de desistências, portanto, no final da corrida, apenas nove pilotos foram classificados, dos quais apenas seis realmente cruzaram a linha de chegada [ 7] . Senna voltou a dominar a corrida ao largar da pole position, mas teve que desistir pouco depois do meio da prova devido a problemas elétricos [8] , deixando Prost com a primeira vitória da temporada; segundo fechado Patrese , à frente de Cheever , Danner , Herbert e Boutsen [7] .

O Grande Prêmio do Canadá novamente viu a McLaren dominar na qualificação, com Prost sendo capaz pela primeira vez de derrotar seu companheiro de equipe, conquistando a pole position; a corrida, no entanto, foi caracterizada por mudanças nas condições climáticas, o que a tornou particularmente animada. Prost teve que desistir após apenas duas voltas devido a um problema com a suspensão de seu McLaren, enquanto Senna escorregou depois de montar os pneus de seco. O brasileiro se recuperou rapidamente após colocar pneus de chuva, mas foi traído pelo motor de sua McLaren a três voltas do fim; Boutsen aproveitou a oportunidade , conquistando sua primeira vitória na carreira diante do companheiro de equipe Patrese e De Cesaris . Piquet (recém-saído de um início de temporada desastroso devido à falta de competitividade do Lotus 101), Arnoux e Caffi [9] fecharam na área de pontuação.

Tanto na França quanto no Grande Prêmio da Inglaterra, Senna foi forçado a se aposentar por problemas técnicos, enquanto Prost terminou as duas corridas na primeira posição, ganhando grande margem no campeonato; em Le Castellet os franceses concluíram à frente de Mansell (na linha de chegada pela primeira vez desde o Grande Prêmio inaugural), Patrese, Alesi (estreia na F1 com a Tyrrell, substituindo Alboreto), Johansson (que levou ao Onyx os primeiros pontos da sua história) e Grouillard [10] , enquanto em Silverstone Prost precedeu Mansell, Nannini, Piquet e os dois Minardi de Martini e Sala [11] .

Graças aos resultados obtidos na primeira parte da temporada, a partir do Grande Prêmio da Alemanha, o Brabham e Alex Caffi da Scuderia Italia não tiveram mais que enfrentar a pré-qualificação; em seu lugar, os dois Lolas - Larrousse e Moreno no segundo Coloni foram forçados a participar desta sessão. Em seguida, houve mudanças importantes na equipe da Lotus , cujos resultados ficaram bem abaixo das expectativas; o gerente da equipe Peter Warr renunciou e a família Chapman escolheu Tony Rudd [12] em seu lugar. O Grande Prêmio da Alemanha mais uma vez viu o domínio das duas McLaren-Hondas, tanto nos treinos quanto na corrida; desta vez Senna não teve problemas mecânicos e venceu a corrida superando um Prost em crise com a caixa de câmbio nas últimas voltas, reduzindo assim a lacuna no campeonato para dezessete pontos. Em terceiro veio Mansell, no terceiro pódio consecutivo; Patrese , Piquet e Warwick fecharam na área de pontos [13] .

Ayrton Senna (no centro), que acaba de descer do carro no final do vitorioso GP de San Marino , conversa animadamente com seu companheiro de equipe Alain Prost (à esquerda) sobre a ultrapassagem brasileira logo após o reinício, violando o acordo firmado anteriormente em o fosso entre os dois: o episódio, que ficou para a história como a "guerra de Tosa", gerou a rivalidade acalorada entre os dois escudeiros da McLaren .

Na Hungria , pela primeira vez, a McLaren não conseguiu a pole position: Patrese conseguiu bater Senna, cuja McLaren não se adaptou perfeitamente à sinuosa pista húngara, à frente do brasileiro por três décimos. A surpresa da qualificação, no entanto, foi o desempenho cada vez melhor dos pneus Pirelli, o que permitiu a Caffi levar sua Scuderia Italia Dallara ao terceiro lugar no grid de largada; Os pneus italianos também deram a Modena e Martini a oportunidade de entrarem nos dez primeiros. Na corrida, Patrese manteve a liderança nas primeiras etapas, mas teve que diminuir gradativamente devido a um problema com um radiador, que o obrigou a desistir na volta 54. Senna e Mansell ficaram para lutar pela vitória, este último na décima segunda posição; o piloto da Ferrari conseguiu ultrapassar o brasileiro na volta 58, aproveitando a incerteza do rival na dublagem. Mansell então deu à Ferrari a segunda vitória da temporada, enquanto Senna com o segundo lugar reduziu ainda mais a diferença no ranking mundial de Prost, apenas quarto; o terceiro era de fato Boutsen. Os pneus Pirelli não se mostraram eficazes na corrida e Caffi teve que se contentar com um sétimo lugar, precedido também por Cheever e Piquet [14] .

No Grande Prêmio da Bélgica a situação voltou ao normal, com Senna e Prost claramente à frente de todos na classificação e lutando entre si pela vitória; a corrida, caracterizada por fortes chuvas, foi dominada por Senna, que assim ficou onze pontos atrás de seu companheiro de equipe, segundo na chegada à frente de Mansell, Boutsen, Nannini e Warwick [15] . O belga foi um Grande Prêmio desastroso para a Lotus, que pela primeira vez em trinta e um anos de história viu seus dois pilotos não qualificados para a corrida [12] . Na Itália , o destino mais uma vez deu as costas a Senna que, após dominar a corrida da pole position, desistiu nove voltas do final devido a um problema no motor, dando a vitória a Prost, que assim restaurou a vantagem no campeonato para vinte. pontos. Berger , pela primeira vez na linha de chegada, ficou em segundo lugar, precedendo as duas Williams de Boutsen e Patrese, o Tyrrell de Alesi e o Brabham de Brundle [16] .

A situação de Senna na luta pelo Campeonato do Mundo tornou-se ainda mais difícil no ousado Grande Prémio de Portugal ; o brasileiro, que largou da pole position, foi imediatamente ultrapassado por Berger, perdendo também a segunda posição para Mansell na oitava volta. Il pilota inglese superò poi anche il compagno di squadra, ma al cambio gomme mancò la frenata, innestando poi la retromarcia per mettersi nella giusta posizione. Facendo in questo modo Mansell violò il regolamento e al pilota inglese fu esposta la bandiera nera; il pilota inglese, però non vide o non volle vedere né le segnalazioni della direzione gara né quelle che i meccanici della Ferrari gli esponevano dal muretto, continuando imperterrito nella sua corsa. Al 49º passaggio l'inglese tentò un attacco improbabile a Senna ei due vennero a contatto, dovendosi ritirare; il mancato rispetto della bandiera nera costò a Mansell una squalifica per la gara successiva. Berger ottenne invece senza problemi la terza vittoria stagionale per la Ferrari, mentre Prost, grazie al secondo posto, era sempre più vicino alla conquista del terzo titolo mondiale in carriera; terzo giunse Johansson , che portò alla Onyx l'unico podio della sua storia. Chiusero la zona punti Nannini, Martini (rimasto in testa per alcuni giri) e Palmer [17] .

A questo punto per vincere il mondiale Senna era praticamente costretto a vincere le ultime tre gare in programma; ci riuscì in Spagna , dove dominò la gara dalla partenza alla bandiera a scacchi, precedendo sul traguardo Berger e Prost. In qualifica le gomme della Pirelli si dimostrarono ancora una volta superiori alle rivali Goodyear, tanto da permettere a Martini di conquistare un ottimo quarto posto in griglia alla guida della sua Minardi; in gara, però le coperture italiane non furono all'altezza delle aspettative e Martini si ritirò per un'uscita di pista. A conquistare punti furono quindi Alesi , Patrese e Alliot , che portò il primo punto stagionale alla Lola - Larrousse [18] .

Lo scontro per il titolo iridato piloti giunse al punto di maggiore tensione al Gran Premio del Giappone : Senna, partito dalla pole position, fu sopravanzato da Prost al via; il francese guadagnò un margine di circa cinque secondi, ma poi il suo rivale cominciò a recuperare terreno, portandoglisi in scia. Al 46º giro Senna tentò un attacco alla chicane triangolo, ma Prost chiuse la traiettoria ei due finirono per agganciarsi, terminando la propria corsa nella via di fuga. Prost, sicuro di aver conquistato il Titolo mondiale, scese dalla vettura, mentre Senna rimase al volante e, con l'aiuto dei commissari, riuscì a ripartire. La sua vettura aveva il musetto danneggiato e il brasiliano dovette tornare ai box per sostituirlo; quando rientrò in pista si trovava alle spalle di Alessandro Nannini, ma rimontò furiosamente e al 50º passaggio lo sopravanzò, conquistando la vittoria. Subito dopo la gara, però, Senna fu squalificato per avere tratto vantaggio dalla spinta dei commissari, rientrando in pista attraverso la via di fuga della chicane anziché percorrendo la medesima [19] ; Alain Prost diventò così matematicamente campione del mondo per la terza volta in carriera. La vittoria in gara fu assegnata ad Alessandro Nannini, che colse così la sua prima affermazione in Formula 1; l'italiano precedette sul traguardo Patrese, Boutsen, Piquet, Brundle e Warwick [20] .

La McLaren fece ricorso contro la decisione dei commissari di squalificare Senna, ma questo fu rifiutato; il pilota brasiliano accusò la FIA di aver manipolato l'esito del campionato [21] . Rivoltasi al tribunale di Appello, la scuderia inglese non riuscì a migliorare la situazione del proprio pilota, che anzi fu accusato, nella sentenza del 30 ottobre 1989, di "minacciare la sicurezza degli altri piloti in pista", chiamando in causa anche altri episodi controversi in cui il pilota brasiliano era stato coinvolto nelle ultime due stagioni [22] . Iniziò uno strascico di polemiche tra Senna e il presidente della FISA Jean-Marie Balestre che si sarebbe trascinato per tutto l'inverno, con il pilota brasiliano che a dicembre fu multato di 100.000 dollari e subì anche il ritiro della superlicenza per un certo periodo [22] .

L'ultimo Gran Premio della stagione, che si disputò il 5 novembre sul Circuito di Adelaide , si svolse quindi in un'atmosfera estremamente tesa; Senna e Prost dominarono come consueto le qualifiche, con il sorprendente Martini che sfruttò la superiorità delle gomme Pirelli da qualifica per portare la sua Minardi al terzo posto sulla griglia di partenza. La gara si svolse sotto una pioggia torrenziale, tanto che fu presa in considerazione l'idea di annullarla; dopo una prima partenza abortita a causa di una collisione multipla, Prost si rifiutò di prendere parte al secondo via, ritornando in albergo. Senna mantenne la testa della corsa fino a quando non tamponò violentemente la Brabham di Brundle , a lui invisibile per via della nube d'acqua che sollevava; la stessa cosa successe a Piquet, che andò a finire contro l'Osella di Ghinzani . Boutsen fu abile nel non commettere neanche un errore e vinse davanti a Nannini e al compagno di squadra Patrese; completarono la zona punti Nakajima , autore anche del giro più veloce, Pirro e Martini [21] .

Il campionato piloti si chiuse quindi con Alain Prost Campione del Mondo per la terza volta in carriera; il francese, all'ultimo anno in McLaren (per la stagione successiva sarebbe passato alla Ferrari ), conquistò in tutto 81 punti, che si ridussero a 76 per via della regola degli scarti, e quattro vittorie. Secondo giunse il suo compagno di squadra Ayrton Senna, che ottenne 60 punti e sei vittorie; la McLaren - Honda vinse nettamente il Campionato Costruttori, con 64 lunghezze di vantaggio sulla seconda classificata, la Williams - Renault . Riccardo Patrese conquistò il terzo posto in campionato con 40 punti, davanti a Mansell con 38, Boutsen con 37, Nannini con 32 e Berger con 21; solo ottavo Nelson Piquet, in una stagione estremamente deludente per sé e per la Lotus , solo sesta nel campionato costruttori. Rispetto al1988 ottennero risultati peggiori Arrows e March ; in particolare quest'ultima, nonostante qualche buona prestazione in qualifica, fece segnare solo quattro punti.

Risultati

Gran Premio Circuito Pole position Giro veloce Pilota vincitore Scuderia vincitrice Resoconto
1 Brasile Gran Premio del Brasile Jacarepaguá Brasile Ayrton Senna Italia Riccardo Patrese Regno Unito Nigel Mansell Italia Ferrari Resoconto
2 San Marino Gran Premio di San Marino Imola Brasile Ayrton Senna Francia Alain Prost Brasile Ayrton Senna Regno Unito McLaren - Honda Resoconto
3 Monaco Gran Premio di Monaco Monaco Brasile Ayrton Senna Francia Alain Prost Brasile Ayrton Senna Regno Unito McLaren - Honda Resoconto
4 Messico Gran Premio del Messico Hermanos Rodríguez Brasile Ayrton Senna Regno Unito Nigel Mansell Brasile Ayrton Senna Regno Unito McLaren - Honda Resoconto
5 Stati Uniti Gran Premio degli Stati Uniti Phoenix Brasile Ayrton Senna Brasile Ayrton Senna Francia Alain Prost Regno Unito McLaren - Honda Resoconto
6 Canada Gran Premio del Canada Circuit Gilles Villeneuve Francia Alain Prost Regno Unito Jonathan Palmer Belgio Thierry Boutsen Regno Unito Williams - Renault Resoconto
7 Francia Gran Premio di Francia Paul Ricard Francia Alain Prost Brasile Maurício Gugelmin Francia Alain Prost Regno Unito McLaren - Honda Resoconto
8 Regno Unito Gran Premio di Gran Bretagna Silverstone Brasile Ayrton Senna Regno Unito Nigel Mansell Francia Alain Prost Regno Unito McLaren - Honda Resoconto
9 Germania Gran Premio di Germania Hockenheimring Brasile Ayrton Senna Brasile Ayrton Senna Brasile Ayrton Senna Regno Unito McLaren - Honda Resoconto
10 Ungheria Gran Premio d'Ungheria Hungaroring Italia Riccardo Patrese Regno Unito Nigel Mansell Regno Unito Nigel Mansell Italia Ferrari Resoconto
11 Belgio Gran Premio del Belgio Spa-Francorchamps Brasile Ayrton Senna Francia Alain Prost Brasile Ayrton Senna Regno Unito McLaren - Honda Resoconto
12 Italia Gran Premio d'Italia Monza Brasile Ayrton Senna Francia Alain Prost Francia Alain Prost Regno Unito McLaren - Honda Resoconto
13 Portogallo Gran Premio del Portogallo Estoril Brasile Ayrton Senna Austria Gerhard Berger Austria Gerhard Berger Italia Ferrari Resoconto
14 Spagna Gran Premio di Spagna Jerez Brasile Ayrton Senna Brasile Ayrton Senna Brasile Ayrton Senna Regno Unito McLaren - Honda Resoconto
15 Giappone Gran Premio del Giappone Suzuka Brasile Ayrton Senna Francia Alain Prost Italia Alessandro Nannini Regno Unito Benetton - Ford Resoconto
16 Australia Gran Premio d'Australia Adelaide Brasile Ayrton Senna Giappone Satoru Nakajima Belgio Thierry Boutsen Regno Unito Williams - Renault Resoconto

Classifiche

Classifica Piloti

Pos. Pilota Flag of Brazil (1968-1992).svg Flag of San Marino.svg Flag of Monaco.svg Flag of Mexico.svg Flag of the United States.svg Flag of Canada.svg Flag of France.svg Flag of the United Kingdom.svg Flag of Germany.svg Flag of Hungary.svg Flag of Belgium.svg Flag of Italy.svg Flag of Portugal.svg Flag of Spain.svg Flag of Japan.svg Flag of Australia.svg Punti
1 Francia Alain Prost 2 2 2 5 1 Rit 1 1 2 4 2 1 2 3 Rit Rit 76 (81)
2 Brasile Ayrton Senna 11 1 1 1 Rit 7* Rit Rit 1 2 1 Rit Rit 1 SQ Rit 60
3 Italia Riccardo Patrese Rit Rit 15 2 2 2 3 Rit 4 Rit Rit 4 Rit 5 2 3 40
4 Regno Unito Nigel Mansell 1 Rit Rit Rit Rit SQ 2 2 3 1 3 Rit SQ ES Rit Rit 38
5 Belgio Thierry Boutsen Rit 4 10 Rit 6 1 Rit 10 Rit 3 4 3 Rit Rit 3 1 37
6 Italia Alessandro Nannini 6 3 8 4 Rit SQ Rit 3 Rit Rit 5 Rit 4 Rit 1 2 32
7 Austria Gerhard Berger Rit Rit INF Rit Rit Rit Rit Rit Rit Rit Rit 2 1 2 Rit Rit 21
8 Brasile Nelson Piquet Rit Rit Rit 11 Rit 4 8 4 5 6 NQ Rit Rit 8 4 Rit 12
9 Francia Jean Alesi 4 Rit 10 9 5 4 Rit Rit 8
10 Regno Unito Derek Warwick 5 5 Rit Rit Rit Rit 9 6 10 6 Rit Rit 9 6 Rit 7
11 Stati Uniti Eddie Cheever Rit 9 7 7 3 Rit 7 NQ 12* 5 Rit NQ Rit Rit 8 Rit 6
12 Svezia Stefan Johansson NPQ NPQ NPQ Rit Rit SQ 5 NPQ Rit Rit 8 NPQ 3 NPQ NPQ NPQ 6
13 Italia Michele Alboreto 10 NQ 5 3 Rit Rit Rit Rit Rit Rit 11 NPQ NQ NPQ 6
14 Regno Unito Johnny Herbert 4 11 14 15 5 NQ Rit NQ 5
15 Italia Pierluigi Martini Rit Rit Rit Rit Rit Rit Rit 5 9 Rit 9 7 5 Rit 6 5
16 Brasile Maurício Gugelmin 3 Rit Rit NQ Rit Rit NC Rit Rit Rit 7 Rit 10 Rit 7 7 4
17 Italia Andrea De Cesaris 13* 10 13 Rit 8* 3 NQ Rit 7 Rit 11 Rit Rit 7 10 Rit 4
18 Italia Stefano Modena Rit Rit 3 10 Rit Rit Rit Rit Rit 11 Rit NQ 14 Rit Rit 8 4
19 Italia Alex Caffi NPQ 7 4 13 Rit 6 Rit NPQ Rit 7 Rit 11* Rit Rit 9 Rit 4
20 Regno Unito Martin Brundle Rit Rit 6 9 Rit NPQ NPQ Rit 8 12 Rit 6 8 Rit 5 Rit 4
21 Giappone Satoru Nakajima 8 NC NQ Rit Rit NQ Rit 8 Rit Rit NQ 10* 7 Rit Rit 4 3
22 Germania Ovest Christian Danner 14* NQ NQ 12 4 8 NQ NQ NQ NQ NQ NQ NQ 3
23 Italia Emanuele Pirro 9 11 Rit 8 10 Rit Rit Rit Rit 5 2
24 Francia René Arnoux NQ NQ 12 14 NQ 5 Rit NQ 11 NQ Rit 9 13 NQ NQ Rit 2
25 Regno Unito Jonathan Palmer 7 6 9 Rit 9* Rit 10 Rit Rit 13 14 Rit 6 10 Rit NQ 2
26 Francia Olivier Grouillard 9 SQ Rit 8 NQ NQ 6 7 Rit NQ 13 Rit NQ Rit Rit Rit 1
27 Italia Gabriele Tarquini 8 Rit 6 7* Rit Rit NQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ 1
28 Spagna Luis Perez-Sala Rit Rit Rit NQ Rit Rit NQ 6 NQ Rit 15 8 12 Rit Rit NQ 1
29 Francia Philippe Alliot 12 Rit Rit NC Rit Rit Rit Rit Rit NPQ 16* Rit 9 6 Rit Rit 1
- Italia Ivan Capelli Rit Rit 11 Rit Rit Rit Rit Rit Rit Rit 12 Rit Rit Rit Rit Rit 0
- Francia Éric Bernard 11 Rit 0
- Belgio Bertrand Gachot NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ 13* 12 NQ Rit Rit Rit NQ NQ 0
- Italia Nicola Larini SQ 12* NPQ NPQ NPQ Rit NPQ Rit NPQ NPQ NPQ Rit NPQ Rit Rit Rit 0
- Regno Unito Martin Donnelly 12 0
- Brasile Roberto Moreno NQ NQ Rit NQ NQ Rit NQ Rit NPQ NPQ NPQ NPQ Rit NPQ NPQ NPQ 0
- Italia Piercarlo Ghinzani NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ Rit NPQ NPQ NPQ Rit NPQ Rit 0
- Germania Ovest Bernd Schneider Rit NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ Rit Rit 0
- Finlandia JJ Lehto NPQ Rit NPQ Rit 0
- Francia Yannick Dalmas NQ Rit NQ NQ NQ NQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ 0
- Francia Pierre-Henri Raphanel NPQ NPQ Rit NPQ NPQ NPQ NPQ NQ NQ NQ NQ NQ NQ 0
- Italia Paolo Barilla Rit 0
- Svizzera Gregor Foitek NQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NQ 0
- Germania Ovest Volker Weidler NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ SQ NQ 0
- Giappone Aguri Suzuki NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ 0
- Germania Ovest Joachim Winkelhock NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ 0
- Argentina Oscar Larrauri NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ 0
- Italia Enrico Bertaggia NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ 0
Pos. Pilota Flag of Brazil (1968-1992).svg Flag of San Marino.svg Flag of Monaco.svg Flag of Mexico.svg Flag of the United States.svg Flag of Canada.svg Flag of France.svg Flag of the United Kingdom.svg Flag of Germany.svg Flag of Hungary.svg Flag of Belgium.svg Flag of Italy.svg Flag of Portugal.svg Flag of Spain.svg Flag of Japan.svg Flag of Australia.svg Punti
Legenda 1º posto 2º posto 3º posto A punti Senza punti/Non class. Grassetto – Pole position
Corsivo – Giro più veloce
Squalificato Ritirato Non partito Non qualificato Solo prove/Terzo pilota

* Indica quei piloti che non hanno terminato la gara ma sono ugualmente classificati avendo coperto, come previsto dal regolamento, almeno il 90% della distanza totale.

  • Nel conteggio punti per il Campionato Piloti valgono solo i migliori 11 risultati. Nella colonna Punti sono indicati i punti effettivamente validi per il Campionato, tra parentesi i punti totali conquistati.

Classifica costruttori

Posizione Costruttore Pilota BRA Brasile SMR San Marino MON Monaco MEX Messico USA Stati Uniti CAN Canada FRA Francia GBR Regno Unito GER Germania UNG Ungheria BEL Belgio ITA Italia POR Portogallo SPA Spagna GIA Giappone AUS Australia Punti
1 Regno Unito McLaren - Honda Senna 11 1 1 1 Rit 7* Rit Rit 1 2 1 Rit Rit 1 SQ Rit 141
Prost 2 2 2 5 1 Rit 1 1 2 4 2 1 2 3 Rit Rit
2 Regno Unito Williams - Renault Boutsen Rit 4 10 Rit 6 1 Rit 10 Rit 3 4 3 Rit Rit 3 1 77
Patrese Rit Rit 15 2 2 2 3 Rit 4 Rit Rit 4 Rit 5 2 3
3 Italia Ferrari Mansell 1 Rit Rit Rit Rit SQ 2 2 3 1 3 Rit SQ ES Rit Rit 59
Berger Rit Rit INF Rit Rit Rit Rit Rit Rit Rit Rit 2 1 2 Rit Rit
4 Regno Unito Benetton - Ford Nannini 6 3 8 4 Rit SQ Rit 3 Rit Rit 5 Rit 4 Rit 1 2 39
Herbert 4 11 14 15 5 NQ
Pirro 9 11 Rit 8 10 Rit Rit Rit Rit 5
5 Regno Unito Tyrrell - Ford Palmer 7 6 9 Rit 9* Rit 10 Rit Rit 13 14 Rit 6 10 Rit NQ 16
Alboreto 10 NQ 5 3 Rit Rit
Alesi 4 Rit 10 9 5 4 Rit Rit
Herbert Rit NQ
6 Regno Unito Lotus - Judd Piquet Rit Rit Rit 11 Rit 4 8 4 5 6 NQ Rit Rit 8 4 Rit 15
Nakajima 8 NC NQ Rit Rit NQ Rit 8 Rit Rit NQ 10* 7 Rit Rit 4
7 Regno Unito Arrows - Ford Warwick 5 5 Rit Rit Rit Rit 9 6 10 6 Rit Rit 9 6 Rit 13
Donnelly 12
Cheever Rit 9 7 7 3 Rit 7 NQ 12 5 Rit NQ Rit Rit 8 Rit
8 Italia Dallara Scuderia Italia - Ford Caffi NPQ 7 4 13 Rit 6 Rit NPQ Rit 7 Rit 11* Rit Rit 9 Rit 8
De Cesaris 13* 10 13 Rit 8* 3 NQ Rit 7 Rit 11 Rit Rit 7 10 Rit
9 Regno Unito Brabham - Judd Brundle Rit Rit 6 9 Rit NPQ NPQ Rit 8 12 Rit 6 8 Rit 5 Rit 8
Modena Rit Rit 3 10 Rit Rit Rit Rit Rit 11 Rit NQ 14 Rit Rit 8
10 Regno Unito Onyx - Ford Johansson NPQ NPQ NPQ Rit Rit SQ 5 NPQ Rit Rit 8 NPQ 3 NPQ NPQ NPQ 6
Gachot NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ 13* 12 NQ Rit Rit Rit
Lehto NPQ Rit NPQ Rit
11 Italia Minardi - Ford Martini Rit Rit Rit Rit Rit Rit Rit 5 9 Rit 9 7 5 Rit 6 6
Barilla Rit
Pérez-Sala Rit Rit Rit NQ Rit Rit NQ 6 NQ Rit 15 8 12 Rit Rit NQ
12 Regno Unito March - Judd Gugelmin 3 Rit Rit NQ Rit Rit NC Rit Rit Rit 7 Rit 10 Rit 7 7 4
Capelli Rit Rit 11 Rit Rit Rit Rit Rit Rit Rit 12 Rit Rit Rit Rit Rit
13 Germania Rial - Ford Danner 14* NQ NQ 12 4 8 NQ NQ NQ NQ NQ NQ NQ 3
Foitek NQ
Gachot NQ NQ
Weidler NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ SQ NQ
Raphanel NQ NQ NQ NQ NQ NQ
14 Francia Ligier - Ford Arnoux NQ NQ 12 14 NQ 5 Rit NQ 11 NQ Rit 9 13 NQ NQ Rit 3
Grouillard 9 SQ Rit 8 NQ NQ 6 7 Rit NQ 13 Rit NQ Rit Rit Rit
15 Francia AGS - Ford Tarquini 8 Rit 6 7* Rit Rit NQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ 1
Winkelhock NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ
Dalmas NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ
16 Francia Lola Larrousse - Lamborghini Dalmas NQ Rit NQ NQ NQ NQ 1
Bernard 11 Rit
Alboreto Rit Rit Rit Rit 11 NPQ NQ NPQ
Alliot 12 Rit Rit NC Rit Rit Rit Rit Rit NPQ 16* Rit 9 6 Rit Rit
17 Italia Osella - Ford Larini SQ 12* NPQ NPQ NPQ Rit NPQ Rit NPQ NPQ NPQ Rit NPQ Rit Rit Rit 0
Ghinzani NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ Rit NPQ NPQ NPQ Rit NPQ Rit
18 Italia Coloni - Ford Moreno NQ NQ Rit NQ NQ Rit NQ Rit NPQ NPQ NPQ NPQ Rit NPQ NPQ NPQ 0
Raphanel NPQ NPQ Rit NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ
Bertaggia NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ
19 Germania Zakspeed - Yamaha Schneider Rit NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ Rit NPQ 0
Suzuki NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ
20 Italia EuroBrun - Judd Foitek NQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ 0
Larrauri NPQ NPQ NPQ NPQ NPQ
Posizione Costruttore Pilota BRA Brasile SMR San Marino MON Monaco MEX Messico USA Stati Uniti CAN Canada FRA Francia GBR Regno Unito GER Germania UNG Ungheria BEL Belgio ITA Italia POR Portogallo SPA Spagna GIA Giappone AUS Australia Punti

Statistiche costruttori

Pos. Costruttore Vettura Motore Gomme Punti Vittorie Podi Poles
1 Regno Unito McLaren - Honda MP4/5 Honda RA109E G 141 10 18 15
2 Regno Unito Williams - Renault FW12C
FW13
Renault RS1 G 77 2 11 1
3 Italia Ferrari 640 Ferrari 035/5 G 59 3 9
4 Regno Unito Benetton - Ford B188
B189
Ford DFR
Ford HBA1
G 39 1 4
5 Regno Unito Tyrrell - Ford 017B
018
Ford DFR G 16 1
6 Regno Unito Lotus - Judd 101 Judd CV G 15
7 Regno Unito Arrows - Ford A11 Ford DFR G 13 1
8 Italia Dallara - Ford F189 Ford DFR P 8 1
9 Regno Unito Brabham - Judd BT58 Judd CV P 8 1
10 Italia Minardi - Ford M188B
M189
Ford DFR P 6
11 Regno Unito Onyx - Ford ORE-1 Ford DFR G 6 1
12 Regno Unito March - Judd 881
CG891
Judd EV G 4 1
13 Francia Ligier - Ford JS33 Ford DFR G 3
14 Germania Rial - Ford ARC2 Ford DFR G 3
15 Francia AGS - Ford JH23B
JH24
Ford DFR G 1
16 Regno Unito Lola - Lamborghini LC88B
LC89
Lamborghini 3512 G 1
17 Italia EuroBrun - Judd ER188B
ER189
Judd CV P
18 Italia Osella - Ford FA1/M Ford DFR P
19 Germania Zakspeed - Yamaha 891 Yamaha OX88 P
20 Italia Coloni - Ford FC188B
C3
Ford DFR P

Note

  1. ^ a b ( EN ) Grand Prix Results: Brazilian GP, 1989 , su grandprix.com . URL consultato l'8 novembre 2009 .
  2. ^ a b c Cesare Maria Mannucci, Ayrton , pag.75
  3. ^ ( EN ) Grand Prix Results: San Marino GP, 1989 , su grandprix.com . URL consultato l'8 novembre 2009 .
  4. ^ Gran Premio di Monaco - 7 maggio 1989 [ collegamento interrotto ] , su f1.gpupdate.net , Gpupdate.com. URL consultato l'8 novembre 2009 .
  5. ^ ( EN ) Grand Prix Results: Monaco GP, 1989 , su grandprix.com . URL consultato l'8 novembre 2009 .
  6. ^ ( EN ) Grand Prix Results: Mexican GP, 1989 , su grandprix.com . URL consultato l'8 novembre 2009 .
  7. ^ a b ( EN ) Grand Prix Results: United States GP, 1989 , su grandprix.com . URL consultato l'8 novembre 2009 .
  8. ^ Adriano Cimarosti, Grand Prix Story , Milano, Giorgio Nada editore, 1990, p. 403, ISBN 88-7911-025-X .
  9. ^ ( EN ) Grand Prix Results: Canadian GP, 1989 , su grandprix.com . URL consultato l'8 novembre 2009 .
  10. ^ ( EN ) Grand Prix Results: French GP, 1989 , su grandprix.com . URL consultato l'8 novembre 2009 .
  11. ^ ( EN ) Grand Prix Results: British GP, 1989 , su grandprix.com . URL consultato l'8 novembre 2009 .
  12. ^ a b ( EN ) Bottoming out: Team Lotus hits rock bottom , su grandprix.com . URL consultato l'8 novembre 2009 (archiviato dall' url originale il 17 gennaio 2010) .
  13. ^ ( EN ) Grand Prix Results: German GP, 1989 , su grandprix.com . URL consultato l'8 novembre 2009 .
  14. ^ ( EN ) Grand Prix Results: Hungarian GP, 1989 , su grandprix.com . URL consultato l'8 novembre 2009 .
  15. ^ ( EN ) Grand Prix Results: Belgian GP, 1989 , su grandprix.com . URL consultato l'8 novembre 2009 .
  16. ^ ( EN ) Grand Prix Results: Italian GP, 1989 , su grandprix.com . URL consultato l'8 novembre 2009 .
  17. ^ ( EN ) Grand Prix Results: Portuguese GP, 1989 , su grandprix.com . URL consultato l'8 novembre 2009 .
  18. ^ ( EN ) Grand Prix Results: Spanish GP, 1989 , su grandprix.com . URL consultato l'8 novembre 2009 .
  19. ^ Autosprint n°43/89, pp. 9-13
  20. ^ ( EN ) Grand Prix Results: Japanese GP, 1989 , su grandprix.com . URL consultato l'8 novembre 2009 .
  21. ^ a b ( EN ) Grand Prix Results: Australian GP, 1989 , su grandprix.com . URL consultato l'8 novembre 2009 .
  22. ^ a b Cesare Maria Mannucci, Ayrton , pag.80

Bibliografia

  • Adriano Cimarosti, Grand Prix Story , Milano, Giorgio Nada editore, 1990, pp. 393-406, ISBN 88-7911-025-X .

Altri progetti

Collegamenti esterni

Controllo di autorità VIAF ( EN ) 156621314 · GND ( DE ) 2110147-4
Formula 1 Portale Formula 1 : accedi alle voci di Wikipedia che trattano di Formula 1