Harmonia quartal e quintal

Da Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para a navegação Ir para a pesquisa

Na música, a harmonia quartal é a construção de estruturas harmônicas construídas a partir dos intervalos da quarta perfeita , quarta aumentada e quarta diminuta. Por exemplo, um quartal de discussão de três notas de Do pode ser construído empilhando o quarto perfeito, Do - Fa - B ♭ .

Quarta perfeita chord.png
Quarto acorde perfeito ( arquivo de informação )

A harmonia quintal é uma estrutura harmônica que prefere a quinta perfeita , a quinta aumentada e a quinta diminuta . Por exemplo, um acorde quintal de três notas em C pode ser construído empilhando as quintas perfeitas, C - G - D.

Quinto chord.png perfeito
Quinto acorde perfeito ( arquivo de informação )

Propriedade

Acordo Tredicesima.png
Décimo terceiro Acordo ( arquivo de informação )
As notas em um acorde de quartal A podem ser arranjadas para formar um acorde de décima terceira em B ♭ [1]

O uso dos termos quartal e quintal deriva de um contraste, composicional ou perceptivo, com as tradicionais construções harmônicas terciárias. Os ouvintes familiarizados com a música do período de prática comum (europeu) percebem a música tonal como aquela que usa acordes e escalas maiores e menores , em que as terças maiores e menores formam os elementos estruturais básicos da harmonia.

Com relação aos acordes construídos apenas a partir de quartas perfeitas, o compositor Vincent Persichetti escreve que:

«Os acordes de quartas perfeitas são ambíguos porque, como todos os acordes construídos a partir de intervalos equidistantes (acordes de sétima diminutos ou tríades aumentadas), qualquer nota do acorde pode funcionar como uma tônica. Essa harmonia sem tônica e, portanto, agnóstica em termos de tom, transfere o fardo de estabelecer a chave da voz com a linha melódica mais ativa. [2] "

Harmonia quintal (a estratificação harmônica de quintas em particular) é um termo menos usado e, como a quinta é a inversão ou complemento da quarta, é geralmente considerada indistinta da harmonia quartal . Devido a essa relação, qualquer acorde quartal pode ser reescrito como um acorde quintal alterando a ordem de seus tons.

Como terceiro acordo, um dado quartal ou acordo quintal pode ser escrito com alvos diferentes, alguns dos quais obscurecem sua estrutura quartal. Por exemplo, o acorde quartal, Do - Fa - Si ♭, pode ser escrito como

{\ override Score.TimeSignature # 'stencil = ## f \ relative c' {\ clef treble \ time 4/4 <c f bes> 1 <f bes c> <bes c f> <f bes c f>}}

História

Na Idade Média , notas simultâneas a uma distância de um quarto eram ouvidas como uma consonância . Durante o período de prática comum (cerca de 1600 a 1900), esse intervalo tornou-se audível como uma dissonância (quando aparece como uma suspensão exigindo resolução na voz principal) ou como uma consonância (quando a tônica do acorde aparece nas partes acima a quinta do acorde). No final do século 19 , durante o ponto de ruptura tonal da música clássica, todas as relações de intervalo foram reavaliadas. A harmonia quartal foi desenvolvida no início do século 20 como resultado dessa ruptura e reavaliação da tonalidade.

Precursores

O " acorde de Tristão " é um acorde formado pelas notas F, B, D # e G #. De modo mais geral, o acorde de Tristão pode ser qualquer acorde formado por esses intervalos: quarta aumentada, sexta aumentada e nona aumentada acima da nota do baixo. É assim chamado porque é ouvido no início da ópera Tristão e Isolda de Richard Wagner , e é o leitmotiv do protagonista. Posteriormente, alguns autores reproduzirão este acordo em suas composições, entre os quais podemos citar:

As duas notas mais baixas formam uma quarta aumentada, enquanto as duas notas mais altas formam uma quarta perfeita. Essa estratificação das quartas neste contexto foi considerada muito importante. O acorde havia sido encontrado em trabalhos anteriores, [4] em particular na Sonata para Piano no. 18 de Beethoven , mas seu uso por Wagner foi muito importante, primeiro porque foi visto se afastando da harmonia tonal tradicional e até mesmo em direção à atonalidade e, segundo, porque com esse acorde Wagner realmente forçou o som ou a estrutura da harmonia musical a se tornar mais predominante do que sua função, noção que logo foi explorada por Debussy e outros. [5]

Apesar da estratificação das quartas, é raro encontrar musicólogos que identifiquem este acorde como "harmonia quartal" ou mesmo como "harmonia proto-quartal", uma vez que a linguagem musical de Wagner ainda é essencialmente baseada em terças e até mesmo um acorde de sétima dominante normal pode ser arranjada como uma quarta aumentada mais uma quarta perfeita (Fa - Si - Re - G). O acorde incomum de Wagner é realmente um meio de atrair o ouvinte para a discussão musical-dramática que o compositor nos apresenta.

No início do século 20 , a harmonia quartal finalmente se tornou um importante elemento de harmonia. Skryabin usou um sistema de transposição desenvolvido por você mesmo usando quartos acordes, como seu Mystical Chord (mostrado abaixo) em sua Sonata para Piano No. 6

{\ override Score.TimeSignature # 'stencil = ## f \ relative c' {\ clef treble \ time 4/4 <c fis bes e a d> 1}}
A reprodução de áudio não é compatível com seu navegador. Você pode baixar o arquivo de áudio .

Scriabin escreveu este acorde em seus esboços junto com outras passagens quartais e passagens terciárias mais tradicionais, muitas vezes passando de um sistema para outro, por exemplo, aumentando a sonoridade quartal para seis notas (Do - Fa♯ - Si ♭ –Mi - La - Re ) em um acorde de sete notas (Do - Fa♯ - Si ♭ –Mi - La - Re - G). Os esboços de Scriabin para sua obra inacabada Mysterium mostram que ele pretendia desenvolver o Acorde Místico em um acorde enorme que incorporasse todas as doze notas da escala cromática . [6]

Na França, Erik Satie experimentou o paralelismo harmônico nas quartas (nem todas perfeitas) sobrepostas de sua partitura de 1891 para o drama poético Le Fils des étoiles . [7] O Aprendiz de Feiticeiro (1897) de Paul Dukas tem uma repetição crescente nos quartos, pois o trabalho incansável e descontrolado das vassouras ambulantes faz com que o nível da água na casa "suba e suba".

Música clássica dos séculos 20 e 21

Entre os compositores que utilizam as técnicas da harmonia quartal estão Claude Debussy , Francis Poulenc , Ennio Porrino , Alexander Scriabin , Alban Berg , Leonard Bernstein , Arnold Schönberg , Oleksandr Krasotov , Igor Stravinsky e Anton Webern . [8]

Schoenberg

A Sinfonia da Primeira Câmara Op. 9 de Arnold Schönberg (1906) mostra uma harmonia quartal: os primeiros compassos constroem um quarto acorde em cinco partes com as notas Do - Fa - Si ♭ –Mi ♭ –La ♭ distribuídas por vários instrumentos.

Acorde de quarta horizontal de seis notas na Sinfonia de Câmara de Arnold Schönberg op. 9

O compositor então traz essa harmonia quartal vertical em uma sequência horizontal de quartas a partir das trompas, levando a uma passagem de harmonia quartal triádica (isto é, acordes de três notas, cada camada com um quarto de distância).

Schoenberg também foi um dos primeiros a escrever sobre as consequências teóricas dessa inovação harmônica. Em sua Teoria da Harmonia de 1911 ( Harmonielehre ), ele escreveu:

«A construção de acordes pela sobreposição das quartas pode dar origem a um acorde que contém todas as doze notas da escala cromática; portanto esta construção mostra a possibilidade de abordar sistematicamente aqueles fenômenos harmônicos que já existem nas obras de alguns de nós: acordes de sete, oito, nove, dez, onze e doze partes ... Mas a construção quartal torna isso possível, como eu disse, o estabelecimento de todos os fenômenos de harmonia. [9] "

Para Anton Webern, a importância da harmonia quartal reside na possibilidade de criar novos sons. Depois de ouvir a Sinfonia de Câmara de Schoenberg, Webern escreveu "Você também deve escrever algo assim!" ( [10] Era assim: "Mußt du auch machen!")

Em sua Teoria da Harmonia : [11] "Além de mim meus alunos, o Dr. Anton Webern e Alban Berg escreveram essas harmonias (quartos acordes), mas também o húngaro Béla Bartók ou o vienense Franz Schreker , que ambos abordam Debussy, Dukas e talvez até Puccini , não estão longe dele ”.

Bartok

Quarto em Mikrokosmos V , n. 131, Quarters (Quartes) por Béla Bartók
Mikrokosmos V ( arquivo de informação )

Ravel-Ives

O compositor francês Maurice Ravel utilizou os acordes quartais em Sonatine (1906) e Ma mère l'oye (1910), enquanto o americano Charles Ives utilizou os acordes quartais em sua canção The Cage (1906).

Harmonia quartal em "Laideronnette" do Ma mère l'oye de Ravel . A linha superior usa a escala pentatônica (Benward & Saker 2003, 37)
Laideronnette ( arquivo de informação )
Ives - 114 músicas ( arquivo de informação )
Introdução a "The Cage", de Charles Ives, em 114 canções [12]

Hindemith

Hindemith construiu grande parte de sua obra sinfônica Mathis der Maler com quarto e quinto intervalos. Essas passagens são uma reestruturação do quarto acorde (Do - Re - Sol torna-se o quarto acorde D - G - Do) ou outras misturas de quartas e quintas (Re♯ - La♯ - Re♯ - Sol♯ - Do♯ no compasso 3 do exemplo).

Escrevendo quartas e quintas no segundo movimento de Mathis der Maler de Paul Hindemith

Hindemith, entretanto, não era um defensor da harmonia quartal explícita. Em 1937, escrevendo Unterweisung im Tonsatz ( O artesanato da composição musical [13] ), ele escreveu que "as notas têm uma família de relações, que são os laços da tonalidade, em que a posição dos intervalos é inequívoca". na arte da composição triádica "... o músico está ligado por isso, como o pintor às suas cores primárias, o arquiteto às três dimensões". Ele alinhou os aspectos harmônicos e melódicos da música em uma fileira, onde a oitava está em primeiro lugar, depois a quinta e a terceira e depois a quarta. "O intervalo harmônico mais forte e único após a oitava é a quinta, o mais gracioso é em qualquer caso o da terceira devido aos efeitos de seus sons combinados ".

Harmonia quartal na sonata para flauta de Hindemith, II com centro tonal em B estabelecido pela descida para a mão esquerda no modo dórico e repetição de B e F ♯ [14]
Sonata para flauta, harmonia quartal II ( arquivo info )

As obras do compositor filipino Eliseo Pajaro (1915–1984) são caracterizadas por quartais e harmonias quintais, bem como contraponto dissonante e acordes múltiplos. [15]

George Gershwin pode ser mencionado como uma transição na história do jazz. No primeiro movimento de seu Concerto em Fá, as quartas cordas alteradas descem cromaticamente na mão direita com uma escala cromática subindo na mão esquerda.

Jazz

O estilo de jazz, com uma órbita harmônica eclética, foi em seus primeiros dias substituído (até talvez o Swing dos anos 1930 ) pelo vocabulário da música europeia do século XIX . Importantes influências derivam, portanto, da ópera , da opereta , das bandas militares, bem como da música para piano de compositores clássicos e românticos e até mesmo dos impressionistas. Os músicos de jazz tinham um claro interesse na riqueza harmônica da cor, para a qual a harmonia quartal oferecia possibilidades, usada por pianistas e arranjadores como Jelly Roll Morton , Duke Ellington , Art Tatum , Bill Evans [16] Milt Buckner [17] Chick Corea [18] ] [19] Herbie Hancock [18] [19] ) e especialmente McCoy Tyner [18] [20] .

A cadência ii - V - I
Uma parte típica de metal hard bop , do Senor Blues de Horace Silver Jogue [ ? · Informações ] ; o quarto acorde suspenso ou sus Jogue [ ? Info ]

O hard bop dos anos 1950 tornou novas aplicações da harmonia quartal acessíveis ao jazz. Escrevendo quintetos nos quais dois instrumentos de sopro (comumente trompete e saxofone) podem prosseguir em quartos acordes, enquanto o piano (como um instrumento exclusivamente harmônico) arranja os acordes, mas ligeiramente, apenas sugerindo a harmonia desejada. Este estilo de escrita, em contraste com o da década anterior, preferia um andamento moderado. As seções de sopro do bebop em uníssono com sonoridade sutil ocorrem com frequência, mas são equilibradas por ataques de polifonia muito refinada, como a do cool jazz .

O acorde So What usa intervalos de três semínimas.

Em seu álbum Kind of Blue , Miles Davis com o pianista Bill Evans usaram um acorde que consiste em três quartas perfeitas e terceiras aumentadas na composição de So What . Esta abertura particular é às vezes referida como um acorde So What e pode ser analisada (sem levar em consideração as sextas, nonas adicionais etc.) como uma sétima diminuta com a tônica na parte inferior ou como uma sétima aumentada com a terça na parte inferior [21] .

No início dos anos 1960, o uso de possibilidades de quartas tornou-se tão familiar que o músico sentiu que o quarto acorde existia como uma entidade separada, autônoma e livre de qualquer necessidade de resolução. O pioneiro da escrita quartal no jazz e no rock posteriores, como o trabalho do pianista McCoy Tyner com o "quarteto clássico" do saxofonista John Coltrane , foi importante ao longo desta época. Oliver Nelson também era conhecido por seu uso de vozes de acordes quartais [22] . Floyd afirma que a "fundação da" harmonia quartal moderna começou na era em que John Coltrane, influenciado por Charlie Parker , adicionou os pianistas de formação clássica Bill Evans e McCoy Tyner ao seu grupo [23] .

Os guitarristas de jazz mencionados que usam aberturas de acordes usando harmonia quartal incluem Johnny Smith , Tal Farlow , Chuck Wayne , Barney Kessel , Joe Pass , Jimmy Raney , Wes Montgomery , no entanto, todos tradicionalmente, como acordes maiores que 9º, 13º e 11º diminuídos [ 23] . Guitarristas de jazz citados usando harmonia quartal moderna incluem Jim Hall (especialmente Sonny Rollins ' The Bridge ), George Benson ("Skydive"), Pat Martino , Jack Wilkins ("Windows"), Joe Diorio , Howard Roberts ("Impressions"), Kenny Burrell ("So What"), Wes Montgomery ("Little Sunflower"), Henry Johnson, Russel Malone , Jimmy Bruno , Howard Alden , Paul Bollenback , Mark Whitfield e Rodney Jones [23] .

A harmonia quartal também tem sido explorada como uma possibilidade baseada em novos modelos de escala experimental como "descoberto" pelo jazz. Os músicos começaram a trabalhar extensivamente com os chamados modos eclesiais da velha música europeia e se estabeleceram firmemente em seu processo de composição. O jazz era adequado para incorporar o uso medieval de quartas para engrossar as linhas em sua improvisação. Os pianistas Herbie Hancock e Chick Corea são dois músicos famosos por sua experimentação modal. Por volta dessa época, surgiu também um estilo conhecido como free jazz , no qual a harmonia quartal era amplamente utilizada devido ao caráter errôneo de sua harmonia.

No jazz, a maneira como os acordes eram construídos a partir de uma escala era chamada de abertura e, em particular, a harmonia quartal era chamada de quarta abertura.

Quartal voicing ( arquivo de informação )
Inversão ii-VI com aberturas quartais: todos os acordes estão nas aberturas de quartas. Eles são frequentemente ambíguos, pois, por exemplo, os acordes Dm11 e G9sus são expressos aqui de forma idêntica e, portanto, serão diferenciados pelo ouvinte pela mudança da tônica do baixista [24]

Portanto, quando o Rem11 e os acordes de sétima dominante suspensos (acima é uma nona suspensa) são usados ​​juntos na abertura quartal, eles tendem a "se misturar em um som geral", às vezes referido como abertura modal e ambos podem ser aplicados onde quer que sejam usados chamado de acorde m11 por longos períodos, como todo o coro. [25]

Musica rock

Não gostando do som de terças (em afinação de temperamento igual ), Robert Fripp constrói acordes com intervalos perfeitos em sua nova afinação padrão.
Ícone da lupa mgx2.svg O mesmo tópico em detalhes: Rock progressivo e Rock sinfônico .

A harmonia quartal e quintal foi usada por Robert Fripp , que se descreveu como o guitarrista base do King Crimson . Fripp não gosta de terças diminutas e especialmente de terças aumentadas na afinação de temperamento igual , que é usada por guitarras não experimentais. Claro, apenas as oitavas perfeitas, quintas perfeitas e quartas perfeitas da altura certa são bem aproximadas na afinação de temperamento igual e quintas e oitavas perfeitas são intervalos consonantais.

Fripp constrói acordes usando quintas, quartas e oitavas perfeitas em sua nova afinação padrão (NST), uma afinação regular com quintas perfeitas entre suas cordas vazias sucessivas. [26]

Tarkus of Emerson, Lake & Palmer usa harmonia quartal. [27]

Exemplos de composições quartais

Clássicos

Jazz

Contemplação
  • Dança da paixão

Folclórica

Em seu álbum de estreia de 1968, Song to a Seagull , Joni Mitchell usou quart e harmonia quintal em Dawntreader e a harmonia quintal na canção-título Song to a Seagull. [64]

Rocha

Observação

  1. ^ Benward e Saker , 2009 pp. 279 .
  2. ^ Persichetti , 1961, p. 94
  3. ^ Renzo Cresti - site dedicado à música contemporânea, autores e livros italianos , em www.renzocresti.com . Recuperado em 21 de junho de 2016 .
  4. ^ Vogel , 1962, p. 12
  5. ^ Erickson , 1975 .
  6. ^ Morrison , 1998, p. 316 .
  7. ^ Solomon , 2003 .
  8. ^ Herder , 1987, p. 78
  9. ^ Schönberg , 1978 p. 406–407 .
  10. ^ Webern , 1963, p. 48
  11. ^ Schönberg , 1978, p. 407 .
  12. ^ Reisberg , 1975, p. 345 .
  13. ^ Hindemith , 1937
  14. ^ Kostka, Payne e Almén , 2013, Capítulo vinte e seis: Materiais e técnicas, Estruturas de acordes, harmonia quartal e secundária, pp. 469–70 .
  15. ^ Kasilag , 2001 .
  16. ^ Hester , 2000, pág. 199
  17. ^ Hester , 2000, p.199
  18. ^ a b c Herder , 1987, p.78 .
  19. ^ a b Scivales , 2005, p.203 .
  20. ^ Scivales , 2005, p.205 .
  21. ^ Levine , 1989, p.97
  22. ^ Corozine , 2002, p.12 .
  23. ^ a b c Floyd , 2004, p.4 .
  24. ^ Boyd , 1997, p.94
  25. ^ Boyd , 1997, p.95
  26. ^ Mulhern , 1986 .
  27. ^ Macan , 1997, p.55 .
  28. ^ Lewis , 1985, p.443
  29. ^ a b c Lamberto , 1996, p.118 .
  30. ^ Reisberg , 1975, p.344–46 .
  31. ^ Orbón , 1987, p.83 .
  32. ^ Leyva , 2010, p.56 .
  33. ^ Bick , 2005, p.446, 448, 451 .
  34. ^ a b Reisberg , 1975, pp. 343–44 .
  35. ^ Kroeger , 1969 .
  36. ^ Kulp , 2006, p.207 .
  37. ^ Perone , 1993, p.8 .
  38. ^ Spieth , 1978 .
  39. ^ Carr , 1989, p.135
  40. ^ Lambert , 1990, p.44
  41. ^ Murphy , 2008, p.179, 181, 183, 185–86, 190–91 .
  42. ^ a b Reisberg , 1975, p.344–45 .
  43. ^ a b c d e f Scott , 1994, p.458 .
  44. ^ Lambert , 1990, p.67
  45. ^ Cowell , 1956, p.243
  46. ^ Cardew-Fanning , nd
  47. ^ a b Archibald , 1969, p.825 .
  48. ^ Murphy, Melcher e Warch , 1973 .
  49. ^ Sjoerdsma , 1972 .
  50. ^ Carpenter , nd
  51. ^ Reisberg , 1975, p.347
  52. ^ Domek , 1979, p.112-13, 117
  53. ^ Sanderson , nd
  54. ^ Rubin , 2005 .
  55. ^ Lambert , 1990, p.68
  56. ^ Corson e Christensen , 1984 .
  57. ^ Stein , 1979, p.18 .
  58. ^ Dickinson , 1963
  59. ^ Swayne , 2002, p.285-87, 290 .
  60. ^ Reisberg , 1975, p.349-50 .
  61. ^ Moe , 1981-82, p.70
  62. ^ Béhague , 1994, p.70, 72 .
  63. ^ Reisberg , 1975, p.348
  64. ^ Whitesell , 2008, pp . 131 e 202–203 .
  65. ^ Macan , p. 55
  66. ^ Mermikides , 2014, p.31 .
  67. ^ Anon. , WL

Bibliografia

  • nd, Anon. (WL). " Rook ", ChalkHills.org . Análise e guia de guitarra. .
  • 1969, Archibald, Bruce (1969). "Variações para Violoncelo e Orquestra (1966) de Walter Piston; Concerto para Clarinete e Orquestra (1967) de Walter Piston; Pesquisa para Orquestra (1967) de Walter Piston". Notas , segunda série 25, no. 4 (junho): 824-26. .
  • 1994, Béhague, Gerard. 1994. Villa-Lobos: The Search for Brazil's Musical Soul . Austin: Instituto de Estudos Latino-Americanos, Universidade do Texas em Austin, 1994. , ISBN 0-292-70823-8 .
  • 2009, Benward, Bruce e Nadine Saker (2009). Music in Theory and Practice , Vol. II. ISBN 978-0-07-310188-0 . .
  • 2005, Bick, Sally (2005). " Of Mice and Men : Copland, Hollywood, and American Musical Modernism". American Music 23, no. 4 (inverno): 426–72. .
  • 1997, Boyd, Bill (1997). Progressões de acordes de jazz . ISBN 0-7935-7038-7 . .
  • nd, Cardew-Fanning, Neil (nd). " Sonatina para flauta e piano, Op. 76 ", AllMusic.com . .
  • nd, Carpenter, Alexander (nd). " Le fils des étoiles, Caldeu pastoral, 3 prelúdios para piano ", AllMusic.com . .
  • 1989, Carr, Cassandra I. (1989). "O humor de Charles Ives refletido em suas canções". American Music 7, no. 2 (verão): 123–39. .
  • Vince Corozine, Arranging Music for the Real World: Classical and Commercial Aspects , Pacific, MO, Mel Bay, 2002, ISBN 978-0-7866-4961-7 , OCLC 50470629 .
  • 1984, Corson, Langdon e Roy Christensen (1984). Quinteto de sopros de Arnold Schönberg, op. 26: Antecedentes e Análise . Nashville: Gasparo Co ..
  • 1956, Cowell, Henry (1956). "Current Chronicle: United States: New York" The Musical Quarterly 42, no. 2 (abril): 240–44. .
  • 1963, Dickinson, Peter (1963). "Suite for Piano No 3 de Nikos Skalkottas". The Musical Times 104, no. 1443 (maio): 357 ..
  • Richard C. Domek, Alguns Aspectos da Organização no Livro dos Jardins Suspensos de Schönberg, opus 15 , 19, n. 2 (outono), College Music Symposium, 1979, pp. 111-28.
  • 1975, Erickson, Robert (1975). Estrutura do som na música . Oakland, Califórnia: University of California Press. ISBN 0-520-02376-5 .
  • 2004, Floyd, Tom (2004). Quartal Harmony & Voicings for Guitar . ISBN 0-7866-6811-3 . .
  • 1987, Herder, Ronald (1987). 1000 ideias de teclado . ISBN 0-943748-48-8 . .
  • Paul Hindemith, Unterweisung im Tonsatz , vol. 1, 1937.
  • 2000, Hester, Karlton E. (2000). Da África às inovações afrocêntricas, alguns chamam "Jazz": a criação de estilos modernos livres, de fusão e reconstrutivos (1950-2000) . ISBN 1-58684-054-1 . .
  • 2010, Josh (2010) " 4th Chords and Quartal Harmony ". FretterVerse.com (30 de junho, acessado em 6 de setembro de 2014). .
  • 2001, Kasilag, Lucrecia R. (2001). "Pajaro, Elisha (Morales)". The New Grove Dictionary of Music and Musicians , segunda edição, editado por Stanley Sadie e John Tyrrell . Londres: Macmillan Publishers. .
  • Stefan, Dorothy Payne e Byron Almén Kostka, Harmonia Tonal com uma Introdução à Música do Século XX , 7ª ed., Nova York, McGraw-Hill, 2013, pp. 38-53, ISBN 978-0-07-131828-0 .
  • 1969, Kroeger, Karl (1969). "Caspar Diethelm: Klaviersonate VII". Notas , segunda série 26, no. 2 (dezembro): 363 ..
  • 2006, Kulp, Jonathan (2006). "Carlos Guastavino: uma reavaliação de sua linguagem harmônica". Revista de Música Latino- Americana / Revista de Música Latinoamericana 27, no. 2 (outono-inverno): 196-219. .
  • 1990, Lambert, J. Philip (1990). "Ciclos de intervalo como recursos composicionais na música de Charles Ives". Music Theory Spectrum 12, no. 1 (Primavera): 43–82. .
  • 1996, Lambert, J. Phillip (1996). "Ives e Berg: Procedimentos 'Normativos' e Alternativas Pós-tonais". Em Charles Ives and the Classical Tradition , editado por Geoffrey Block e J. Peter Burkholder, 105–30. New Haven: Yale University Press. .
  • Mark Levine, The Jazz Piano Book , Petaluma, CA, Sher Music Co., 1989, ISBN 978-0-9614701-5-9 .
  • 1985, Lewis, Robert Hall (1985). "New Music Festival 1985: Bowling Green State University". Perspectivas da Nova Música 24, no. 1 (outono - inverno): 440–43. .
  • 2010, Leyva, Jesse (2010). "Carlos Chávez: um exame de seu estilo de composição com uma análise de um maestro da Sinfonía Índia arranjada para uma banda de concerto de Frank Erickson". DMA diss. Tempe: Arizona State University. .
  • Edward L Macan, Rocking the Classics: English Progressive Rock and the Counterculture , Oxford e Nova York, Oxford University Press, 1997, ISBN 978-0-19-509887-7 .
  • 2014, Mermikides, Milton (2014). "Guitarra Extrema". Guitar Techniques magazine , Issue 230. .
  • 1981–82, Moe, Orin (1981–82). "The Songs of Howard Swanson". Black Music Research Journal 2:57–71. .
  • 1998, Morrison, S. (1998). "Skryabin and the Impossible". Journal of the American Musicological Society 51, no. 2. .
  • 1986, Mulhern, Tom (1986). " On the Discipline of Craft and Art: An Interview with Robert Fripp ". Guitar Player 20 (January): 88–103 (accessed 8 January 2013). .
  • 2008, Murphy, Scott (2008). "A Composite Approach to Ives's 'Cage'". Twentieth-Century Music 5:179–93. .
  • 1973, Murphy, Howard Ansley, Robert A. Melcher, and Willard F. Warch, eds. (1973). Music for Study: A Source Book of Excerpts , second edition. Englewood Cliffs, NJ: Prentice-Hall. ISBN 0-13-607515-0 . .
  • Nattiez, Jean-Jacques (1990). Music and Discourse: Toward a Semiology of Music , translated by Carolyn Abbate. Princeton, NJ: Princeton University Press. ISBN 0-691-02714-5 .
  • 1987, Orbón, Julián (1987). "Las sinfonías de Carlos Chávez." (part 2). Pauta: Cuadernos de teoría y crítica musical 6, no. 22 (April–June): 81–91. .
  • 1993, Perone, James E. (1993). Howard Hanson: A Bio-Bibliography . Westport and London: Greenwood Press. .
  • 1961, Vincent Persichetti , Twentieth-Century Harmony: Creative Aspects and Practice , New York, WW Norton & Company, Inc., 1961. .
  • 1975, Reisberg, Horace (1975). "The Vertical Dimension in Twentieth-Century Music". In Aspects of 20th Century Music , Gary E. Wittlich, coordinating editor, 322–87. Englewood Cliffs, NJ: Prentice-Hall. ISBN 0-13-049346-5 . .
  • 2005, Rubin, Justin Henry (2005). " Quartal Harmony ". University of Minnesota Duluth website d.umn.edu (accessed 26 April 2012). .
  • nd, Sanderson, Blair (nd). " Arnold Schoenberg: Verklärte Nacht; Chamber Symphony; Variations; 5 Pieces; 6 Songs; Erwartung ", AllMusic.com . .
  • Arnold Schönberg , Harmonielehre , third, Vienna, universal edition, 1922.
  • Arnold Schönberg, Theory of Harmony , traduzione di Roy E. Carter, basata sulla terza edizione (1922), Berkeley e Los Angeles, University of California Press, 1978. ISBN 0-520-04945-4 (brossura); ISBN 0-520-04944-6 (pbk).
  • Ricardo Scivales, Jazz Piano—The Left Hand , 2005, ISBN 978-1-929009-54-1 .
  • 1994, Scott, Ann Besser (1994). "Medieval and Renaissance Techniques in the Music of Charles Ives: Horatio at the Bridge?" The Musical Quarterly 78, no. 3 (Autumn): 448–78. .
  • 1972, Sjoerdsma, Richard Dale (1972). " King Midas; A Cantata for Voices and Piano on 10 Poems of Howard Moss by Ned Rorem". Notes , second series 28, no. 4 (June): 782. .
  • 2003, Solomon, Larry J. 2003. " Satie, the First Modern ". Solomonsmusic.net (accessed 18 March 2016) .
  • 1978, Spieth, Donald (1978). " Bacchanalia for Band by Walter S. Hartley". Notes , second series 34, no. 4 (June): 974. .
  • 1979, Stein, Leon (1979). Structure & Style: The Study and Analysis of Musical Forms , second expanded edition. Princeton, NJ: Summy-Birchard Music. ISBN 978-0-87487-164-7 . .
  • 2002, Swayne, Steve (2002). "Sondheim's Piano Sonata". Journal of the Royal Musical Association 127, no. 2:258–304. .
  • 1962, Vogel, Martin (1962). Der Tristan-Akkord und die Krise der modernen Harmonielehre .
  • Anton Webern, The Path to the New Music , edited by Willi Reich, translated by Leo Black, Bryn Mawr, Theodore Presser, in association with Universal Edition, 1963.
  • Lloyd Whitesell, The Music of Joni Mitchell , Oxford and New York, Oxford University Press, 2008, ISBN 978-0-19-530757-3 .

Voci correlate

Approfondimenti

Collegamenti esterni

Musica Portale Musica : accedi alle voci di Wikipedia che trattano di musica