Alex Zanardi

Da Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para a navegação Ir para a pesquisa
Alex Zanardi
Alex Zanardi (cortado) .JPG
Zanardi em 2011 na maratona de Nova York
Nacionalidade Itália Itália
Automobilismo Capacete Kubica BMW.svg
Categoria Fórmula 1 , CART , WTCC , Campeonato Italiano do Super Touring , DTM
Carreira
Carreira de Fórmula 1
Estréia 29 de setembro de 1991
Temporadas 1991 - 1994 , 1999
Estábulos Jordan 1991
Minardi 1992
Lotus 1993-1994
Williams 1999
Melhor resultado final 19 ( 1999 )
GP disputou 44 (41 partidas)
Pontos obtidos 1
Carreira da Champ Car
Estréia 3 de março de 1996
Temporadas 1996 - 1998 , 2001
Estábulos Estados Unidos Target Chip Ganassi Racing 1996-1998
Reino Unido Mo Nunn Racing 2001
Copas do mundo vencidas 2 ( 1997 , 1998 )
GP disputou 67 (66 partidas)
GPs venceram 15
Pódios 27
Pontos obtidos 636
Primeira posição 10
Voltas rápidas 17
o campeonato passou a se chamar CART
Carreira no DTM
Estréia 25 de agosto de 2018
Temporadas 2018
Estábulos Alemanha BMW Team RMR 2018
GP disputou 2
Ciclismo Ciclismo (estrada) pictogram.svg
Especialidade Para-ciclismo
Categoria H5
Palmarès
Transparent.png jogos Paralímpicos
Ouro Londres 2012 Chrono H4
Ouro Londres 2012 H4 online
Prata Londres 2012 Corrida de revezamento
Ouro Rio de Janeiro 2016 Chrono H5
Prata Rio de Janeiro 2016 H5 online
Ouro Rio de Janeiro 2016 Corrida de revezamento
Gnome-emblem-web.svg Campeonatos mundiais de estrada
Prata Roskilde 2011 Chrono
Ouro Baie-Comeau 2013 Chrono
Ouro Baie-Comeau 2013 Conectados
Ouro Baie-Comeau 2013 Corrida de revezamento
Ouro Greenville 2014 Chrono
Prata Greenville 2014 Conectados
Ouro Greenville 2014 Corrida de revezamento
Ouro Nottwil 2015 Chrono
Ouro Nottwil 2015 Conectados
Ouro Nottwil 2015 Corrida de revezamento
Prata Pietermaritzburg 2017 Chrono
Ouro Pietermaritzbirg 2017 Conectados
Ouro Pietermaritzburg 2017 Corrida de revezamento
Bronze Maniago 2018 Chrono
Prata Maniago 2018 Corrida de revezamento
Ouro Emmen 2019 Chrono
Prata Emmen 2019 Conectados
Ouro Emmen 2019 Corrida de revezamento
Estatísticas atualizadas para setembro de 2019

Alessandro Zanardi , também conhecido como Alex ( Bolonha , 23 de outubro de 1966 ), é um piloto italiano , para-ciclista e apresentador de TV .

No automobilismo, foi campeão da CART em 1997 e 1998, e campeão italiano do super touring em 2005. No para-ciclismo , conquistou quatro medalhas de ouro nos Jogos Paralímpicos de Londres 2012 e Rio 2016 e oito títulos em campeonatos mundiais de estrada.

Biografia

Zanardi nasceu em Bolonha, filho de Dino, um encanador, e Anna, uma costureira. [1] Em criança mudou-se com a família para Castel Maggiore , a poucos quilómetros da capital emiliana: aqui desenvolveu uma paixão pelos motores, apaixonando-se pela Fórmula 1 . Ele também tinha uma irmã mais velha, Cristina, que morreu em um acidente de carro em 1979. [2]

Depois de se formar como agrimensor, Alex é casado desde 1996 com Daniela; o casal tem um filho, nascido em 1998.

Em 15 de setembro de 2001, durante uma corrida do campeonato Champ Car em Lausitzring , na Alemanha , Zanardi repentinamente perdeu o controle do carro, que foi atropelado pelo piloto Alex Tagliani ; o acidente custou-lhe a amputação de ambos os membros inferiores. Após 16 cirurgias e 7 paradas cardíacas, Zanardi consegue sobreviver e a grave lesão não o impede de continuar sua carreira como piloto e, posteriormente, como para-ciclista.

Em 19 de junho de 2020, durante um revezamento de bicicleta de caridade, [3] ele se envolveu em um acidente na Statale 146 em Pienza , Toscana , perdendo o controle do veículo e colidindo com um caminhão; [4] submetido a neurocirurgia e cirurgia maxilofacial na policlínica le Scotte em Siena , ele permanece em estado grave em terapia intensiva e com prognóstico reservado . [5] Após cerca de um mês de coma farmacológico e três outras operações, no final de julho ele foi transferido pela primeira vez para um centro especializado em Lecco [6] e, após algumas complicações, para tratamento intensivo no Hospital San Raffaele em Milão . [7] Em novembro do mesmo ano, tendo atingido um «estado físico e neurológico de estabilidade geral», foi transferido para o hospital de Pádua : aqui, em janeiro de 2021, recupera a consciência. [8]

Carreira

Automobilismo

Os anos nos karts

Aos quatorze anos o seu pai deu-lhe o seu primeiro kart de presente e Zanardi começou a praticar a sua paixão regularmente com alguns amigos. A sua estreia aconteceu na Vado , num concurso promovido pela Assistência Pública em 1980 . Após alguns anos de estágio, nos quais refinou seu estilo de dirigir, tanto que ganhou o apelido de parisiense por sua habilidade no manejo do veículo, [9] começou a obter resultados expressivos e em 1982 ingressou no nacional campeonato, na categoria 100cc.

Apesar de um veículo pouco competitivo e apenas com a ajuda do pai que trabalhava como mecânico, no final do ano conseguiu terminar em terceiro na classificação geral; Assim, atraiu a atenção do proprietário de uma empresa produtora de pneus para kart, que lhe garantiu o patrocínio necessário para subir à categoria 100 Super e fazer as primeiras aparições em competições internacionais. [10]

Depois de ter jogado uma boa temporada em 1983 e outra mais flutuante em 1984, Zanardi começou a colher vários sucessos: competindo como piloto não oficial para a equipe de Achille Parrilla, ele conseguiu ganhar o título italiano em 1985, vencendo todas as corridas, exceto uma, [ 11] e venceu o Grande Prêmio de Hong Kong, resultado que repetiu em 1988. Também se confirmou campeão italiano e conquistou o campeonato europeu na categoria 135cc. em 1987.

Nesse mesmo ano foi protagonista de um episódio singular numa corrida em Gotemburgo : protagonista de um longo duelo com Massimiliano Orsini, na última volta foi atropelado por este último, que se retirou. [12] Na tentativa de terminar a corrida de qualquer maneira, ele decidiu empurrar o kart até a linha de chegada, mas foi bloqueado pelo pai de Orsini, que nesse meio tempo havia entrado na pista subindo por cima das barreiras; [13] este episódio permitiu a Michael Schumacher , até então na terceira posição, ser coroado campeão europeu na categoria 100cc.

As fórmulas menores

Em 1988 estreou-se na F3 italiana , com um Dallara - Alfa Romeo da equipa Coperchini, graças também à ajuda do pai de Max Papis , com quem fizera amizade na época dos karts, que o apoiava financeiramente e a alguns patrocinadores pessoais. [14] Durante esta temporada, no entanto, ele teve algumas dificuldades em se adaptar ao novo tipo de carros e não passou de um quinto lugar. [12] No ano seguinte passou na equipe de Ruggero Zamagna e se viu pilotando um Ralt - Toyota , com o qual obteve suas primeiras satisfações, como a pole position na corrida de abertura em Vallelunga , que terminou em segundo lugar, mas por fragilidade do motor japonês e também devido à mudança da equipa para a gasolina sem chumbo [12] para a primeira vitória teve que esperar até 1990.

No mesmo ano ele também conheceu sua futura esposa Daniela, que logo se tornaria sua companheira de vida. [12] Com a passagem para a equipe RC Motorsport, ele conseguiu se estabelecer em duas nomeações e tocou o título italiano, terminando em segundo a três pontos atrás de Roberto Colciago . Ele também largou da pole position no Grande Prêmio de Fórmula 3 de Mônaco e venceu a Copa da Europa em um único teste em Le Mans (após a desqualificação de Schumacher ).

Em 1991 decidiu então passar para a Fórmula 3000 , categoria na qual já se estreou no final de 1989 numa corrida, ao volante de um Reynard , pela equipa "Il Barone Rampante". Apesar de várias questões antes do início da temporada, em particular relacionadas com o facto de o piloto e a equipa serem praticamente estreantes, [12] ele venceu a corrida de estreia em Vallelunga , repetindo-se alguns meses depois em Mugello . Apesar de oito largadas da primeira linha em dez corridas (incluindo as pole position de Pau , Mugello, Pergusa e Brands Hatch ), ele não conseguiu levar o título, que foi para Christian Fittipaldi , em particular devido a problemas de confiabilidade que afetaram Zanardi durante a temporada . [12] No entanto, ele foi premiado pela Autosprint na cerimônia "Capacetes de Ouro" como o melhor piloto italiano do ano e foi capaz de testar um carro de Fórmula 1 pela primeira vez, pilotando um Footwork Arrows . [12]

A estreia na Fórmula 1 (1991-1992)

Jordan (1991)

O desempenho convincente na Fórmula 3000 atraiu a atenção de vários integrantes da Fórmula 1 . Zanardi foi de facto contactado, na sequência do Grande Prémio da Bélgica , tanto por Eddie Jordan , treinador da equipa homónima , que procurava um piloto para substituir Michael Schumacher , prestes a mudar-se para a Benetton , como pela própria equipa anglo-italiana para se proteger a si mesmo no caso de a transição não ter sido bem-sucedida. [15] Perdida a oportunidade de estrear no Grande Prêmio da Itália , a estreia aconteceu no Grande Prêmio da Espanha seguinte, quando Jordan decidiu substituir Roberto Moreno , que não fazia parte dos planos da equipe, por Zanardi nas últimas três corridas de a temporada.

Apesar de não ter conseguido realizar nenhum teste preliminar, [16] estando ocupado competindo nas últimas corridas da Fórmula 3000, o piloto italiano se classificou em 21º, atrás de seu companheiro de equipe De Cesaris , e na corrida terminou em nono. Depois de se retirar devido a uma falha na caixa de velocidades em Suzuka enquanto estava na oitava posição e mostrava boa competitividade, ele replicou o resultado da corrida de estreia na Austrália numa corrida que foi interrompida após algumas voltas devido à chuva.

Minardi (1992)

Apesar dos bons resultados obtidos e da vontade de Eddie Jordan de o confirmar para a época seguinte , a equipa irlandesa encontrava-se numa situação financeira precária e precisava de grandes patrocinadores que Zanardi não tinha. O orçamento para a temporada só foi apurado graças ao acordo com a Sasol , que no entanto impôs Maurício Gugelmin como segundo piloto. [17] Ele foi então forçado a procurar outra equipe e assinou um contrato com Ken Tyrrell para disputar a primeira corrida da temporada com sua equipe , mas a maior renda econômica garantida por De Cesaris fez com que o bolonhês ficasse sem volante . [18] Flavio Briatore então propôs que o contratasse como piloto de testes e terceiro piloto da Benetton , confiando-lhe a tarefa de realizar testes aerodinâmicos para o desenvolvimento do carro. [18]

No meio da temporada, porém, Gian Carlo Minardi deu-lhe a oportunidade de participar de três corridas para substituir Christian Fittipaldi , que se machucou durante os treinos para o Grande Prêmio da França . A falta de confiança com o monolugar da Minardi , aliada a uma forma física imperfeita devido à grande inatividade competitiva, não favoreceu o piloto bolonhês na obtenção de bons resultados; [19] depois de não conseguir se classificar na Grã-Bretanha , na Alemanha ele foi forçado a desistir durante a primeira volta devido a uma quebra na caixa de câmbio . A última corrida da temporada foi, para ele, o Grande Prémio da Hungria , em que voltou a falhar a qualificação, após o que regressou à Benetton para continuar a testar, dedicando-se a sessões de testes do novo sistema de suspensão activa que seria utilizado em 1993..

Anos na Lotus (1993-1994)

Zanardi na Lotus na temporada de 1993 , no paddock de Silverstone antes do Grande Prêmio de Fórmula 1 .

No ano seguinte foi contratado pela Lotus como o segundo piloto de Johnny Herbert, após ter estabelecido tempos mais rápidos do que Michael Schumacher em uma simulação de corrida em Le Castellet , atraindo a atenção da equipe inglesa. [20] Zanardi assinou um contrato de três anos com uma opção de renovação anual a ser exercida pela equipe. [21] Na primeira parte da temporada, apesar de mostrar boas habilidades de velocidade, ele teve uma tendência oscilante: conquistou o primeiro ponto mundial ao terminar na sexta posição no Grande Prêmio do Brasil , no qual também foi vítima de uma lesão durante a corrida, dirigindo nas últimas vinte voltas com uma mão. [12]

Em Ímola , porém, ele se tornou o protagonista de uma longa recuperação até a quinta colocação, mas durante um duelo com JJ Lehto pela quarta posição, enganado por uma frenagem precoce do finlandês, [22] girou, perdendo a chance de obter uma boa colocação. Seguiu-se outra aposentadoria na Espanha , enquanto ocupava a sexta posição, e um sétimo lugar no Mônaco . Neste ponto da temporada, no entanto, a Lotus decidiu evoluir ainda mais seu sistema de suspensão ativa, mas isso causou problemas de confiabilidade frequentes; além disso, Zanardi, na tentativa de obter alguns resultados úteis, começou a correr maiores riscos na pista e muitas vezes foi forçado a abandonar. [22]

Além de um acidente fora da pista, no qual ele foi atropelado enquanto andava de bicicleta em Bolonha , outro foi adicionado durante os treinos para o Grande Prêmio da Bélgica . Uma falha na suspensão fez com que o piloto batesse nas barreiras do Raidillon a mais de 240 km / h, forçando-o a terminar a temporada mais cedo. Devido à força considerável que descarregou em suas costas, Zanardi ficou mais alto do que 3 centímetros. [23] Ele ainda saiu do incidente sem ferimentos graves, apesar de ter perdido a consciência durante a luta. [22] Apesar de ter recuperado bastante rapidamente da queda, a Lotus decidiu substituí-lo por Pedro Lamy em virtude, sobretudo, do talento financeiro trazido pelos portugueses, encontrando-se assim sem volante na temporada seguinte . [24]

Perdendo o emprego em 1994 para vantagem de Lamy, ele ainda manteve o de piloto de testes na equipe inglesa, também graças à sua boa capacidade de fornecer indicações aos engenheiros durante os testes. [25] O português, no entanto, foi vítima de um acidente durante uma sessão de testes em Silverstone , devido ao colapso repentino da asa traseira, e quebrou ambas as pernas; a equipe, portanto, decidiu promover Zanardi novamente como piloto titular. Ele descobriu, no entanto, usar um monolugar lento e desatualizado, além de pouco confiável; além disso, as principais inovações técnicas foram inicialmente reservadas para Herbert, o principal piloto da equipe. [26] Tudo isso impediu Zanardi de ganhar pontos para o campeonato durante a temporada. Além disso, a crise econômica da Lotus levou a equipe a substituí-lo em algumas corridas pelo belga Philippe Adams , um piloto pagante que deveria ter garantido um dote de patrocínio bastante grande. [26] No entanto, isso não foi suficiente para os cofres da equipe que, no final do ano, abandonou a Fórmula 1 , deixando Zanardi sem volante.

Inatividade esportiva e a abordagem do CART

Sem contrato em 1995, Zanardi não participou de nenhum evento esportivo, além da participação na Porsche Supercup em Imola , e passou a maior parte do ano como instrutor na escola de direção segura de Siegfried Stohr . [27] No entanto, ele fez contato com Rick Gorne, diretor comercial de Reynard , que ele conhecia desde seu tempo na Fórmula 3000 , para descobrir se ele seria capaz de lhe oferecer algumas perspectivas de continuar sua carreira nas categorias menores.

Gorne o colocou em contato com algumas equipes envolvidas na Fórmula CART , mas suas tentativas de fazê-lo participar das corridas deste ano não tiveram sucesso. Zanardi, porém, conseguiu concordar em fazer alguns testes com Carl Wells, que pretendia entrar na série com sua própria equipe no ano seguinte. [28] No final da temporada, ele participou de mais duas corridas na categoria GT3 , obtendo bons resultados. [12] Chip Ganassi, dono da equipe homônima , estava procurando um segundo piloto para trabalhar ao lado de Jimmy Vasser na temporada de 1996, e Gorne o nomeou Zanardi; decidiu assim organizar uma sessão de testes comparativos com Jeff Krosnoff , em que o piloto bolonhês se saiu bem, obtendo as melhores parciais. [29]

Sucessos nas corridas americanas (1996-1998)

Zanardi na cabine de seu Reynard durante uma corrida CART em Vancouver

Em outubro de 1995, o motorista bolonhês assinou o contrato com a Ganassi, válido pelos três anos seguintes. Zanardi rapidamente se aclimatou à série e já nos testes de inverno alcançou tempos rápidos próximos aos de Vasser. Ele também desenvolveu um relacionamento frutífero com Morris Nunn , seu engenheiro automotivo, e o resto da equipe. [30]

Apesar de ter se aposentado no primeiro turno mundial, devido a um erro mecânico no aparafusamento de uma roda durante o pit stop, na corrida seguinte no Brasil conquistou sua primeira pole position na série. Na corrida também obteve os primeiros pontos, terminando em quarto após ter escorregado para trás do grupo devido a um cálculo incorreto na estratégia de estacionamento. [31] Na primeira parte da temporada, no entanto, os resultados demoraram a chegar, apesar de algumas atuações convincentes, tanto devido a alguns erros de Zanardi quanto a algumas falhas mecânicas.

A partir da corrida de Portland, o italiano passou a se estabelecer definitivamente nas primeiras posições, entrando na briga pelo título: além de conquistar a pole position e a volta mais rápida, obteve sua primeira vitória da temporada. Nas corridas seguintes conseguiu frequentemente chegar ao pódio e, nas últimas quatro rodadas da temporada, sempre conseguiu se classificar em primeiro lugar. Nestas ocasiões venceu duas corridas, incluindo a última nomeação em Laguna Seca , em que se tornou protagonista de uma difícil ultrapassagem na curva Saca- rolhas (ou Saca - rolhas ), na última volta, contra o mais experiente Bryan Herta , que até às naquele momento ele permaneceu na liderança. [32] A enorme cobertura da mídia dada ao evento contribuiu para o desenvolvimento de uma rivalidade esportiva entre os dois pilotos, que se desenvolveria nos anos seguintes. [32] Zanardi terminou a temporada em terceiro lugar, enquanto seu companheiro de equipe garantiu a vitória do campeonato. Ele também ganhou o título de Rookie of the Year , de melhor estreante . Durante essa experiência, então, seu engenheiro de pista Morris Nunn o apelidou de Pineapple , por sua insistência em analisar a afinação do carro para procurar correções no comportamento do veículo. [33]

Em 1997 Zanardi estreou entre os favoritos na luta pelo título, dado o crescendo que havia caracterizado a temporada anterior. Na primeira parte do campeonato, apesar de obter uma vitória em Long Beach e duas poles , recuperou mais de trinta pontos atrás do líder da classificação Paul Tracy , perdendo também em alguns circuitos, como Nazareth e Milwaukee, onde o carro era incapaz de ser competitivo. [32] Ele deixou sua marca novamente em Cleveland, onde largou da pole e venceu após sofrer duas penalidades dos oficiais da corrida, escalando do quinto para o primeiro. [34] Neste ponto, Zanardi terminou em segundo em Toronto e teve três sucessos consecutivos que o levaram ao topo da classificação por uma larga margem contra seus rivais. Na penúltima volta mundial, em Laguna Seca, terminou em terceiro e sagrou-se campeão da Fórmula CART pela primeira vez. Também falhou a última corrida devido a um acidente durante os treinos e, por precaução, decidiu não correr, sendo substituído pelo holandês Arie Luyendyk .

Zanardi em Laguna Seca em 1998

Já considerado o favorito à briga pelo título, em 1998 Zanardi foi ao encontro de sua melhor temporada na categoria: sete vezes conquistou a vitória e sempre subiu ao pódio, exceto em quatro ocasiões. O primeiro sucesso veio na terceira corrida da temporada, em Long Beach, na qual, após um contato na largada que o fez afundar nas últimas posições e dar uma volta por volta, incentivado pelo público, conseguiu se recuperar. por posição até que ele apreendeu a vitória. [35] Na primeira parte da temporada, apenas Greg Moore conseguiu acompanhar o piloto italiano, mas a partir da corrida de Detroit, Zanardì obteve quatro vitórias consecutivas que lhe permitiram vencer seus rivais.

Em Mid-Ohio, ele foi o protagonista de uma atuação polêmica: embora tenha terminado em décimo segundo e ganhado um ponto, durante a corrida ele se envolveu em um acidente com PJ Jones e JJ Lehto , que também prejudicou Michael Andretti . Fundado o responsável pelo incidente, ele foi privado do resultado obtido, foi multado em R $ 50 mil e ficou em observação até o final do campeonato. [36] O estilo de direção de Zanardi foi frequentemente criticado por muitos de seus colegas como sendo considerado muito agressivo e em várias ocasiões ele foi atacado durante as reuniões de motoristas. [37] Nesse ínterim, ele foi contatado por várias equipes de Fórmula 1 para sondar seu interesse em um possível retorno à categoria. Em particular, Frank Williams estava muito interessado em contratar o piloto italiano e o contrato foi formalizado em setembro, [38] apesar do fato de que um acordo já havia sido alcançado entre os dois em julho. Em Vancouver ele se formou, com quatro corridas para disputar, campeão da Fórmula CART pela segunda vez consecutiva e fechou o campeonato com 285 pontos, ficando atrás do companheiro de equipe Jimmy Vasser por mais de cem.

Retorne à Fórmula 1 com Williams (1999)

Em julho de 1998, Zanardi fez contato com Frank Williams para participar do Campeonato Mundial de Fórmula 1 de 1999 , depois que seu nome também foi abordado pela Ferrari . [12] O italiano, portanto, assinou um contrato de três anos com a equipe inglesa . [12] Durante os testes, no entanto, ele mostrou dificuldade na única volta, enquanto seu ritmo de corrida era decente. [12] Além disso, o piloto teve que se adaptar aos novos carros, completamente diferentes tanto daqueles com os quais estava acostumado nos Estados Unidos , quanto daqueles com os quais havia corrido na Fórmula 1 nos anos anteriores, encontrando várias dificuldades para desenvolver o carro e na criação de ponto do mesmo. [39]

Já desde a primeira corrida da temporada Ralf Schumacher , seu companheiro de equipe, conseguiu melhores atuações e chegou ao pódio, enquanto o italiano foi forçado a se retirar. Apesar do apoio de sua equipe nesta fase inicial do campeonato, as pressões sobre ele aumentaram mesmo diante de resultados menos que excelentes, e em poucas corridas a confiança da equipe nele começou a diminuir; além disso, muitas vezes foi vítima de falhas mecânicas que complicaram sua trajetória na série. [40] No Brasil , ele também recebeu uma multa de cinco mil dólares por ultrapassar o limite de velocidade no pit lane. [12] Em Ímola , no entanto, ele parecia ser capaz de tomar o primeiro ponto, mas escorregou no óleo deixado pelo motor do carro de Herbert , retirando-se ocupando a sexta posição. O resto da temporada, no entanto, foi decepcionante e Zanardi raramente conseguiu terminar as corridas, muitas vezes sendo forçado a se aposentar ou a apoiar posições. No verão, então, deu-se a conhecer o acordo entre Williams e BMW para o fornecimento de motores a partir de 2000 e espalhou-se o boato de que o piloto italiano deixaria a equipe no final da temporada. [12]

Apesar disso, na Bélgica repetiu o seu melhor resultado de qualificação do ano (8º) e parecia estar a caminho de conquistar os primeiros pontos da temporada quando, nas últimas voltas, devido a um cálculo incorrecto da quantidade de gasolina a colocar no pit stop , foi obrigado a fazer pit para mais reabastecimento, perdendo várias posições. [41] Em Monza ele obteve sua melhor qualificação em sua carreira terminando em quarto, mas a quebra do fundo plano na terceira volta, enquanto ocupava a terceira posição, não o permitiu manter tempos de volta rápidos e ele terminou a corrida em sétimo. [42] Agora desmoralizado, [12] Zanardi não obteve mais resultados significativos, terminando a temporada com zero pontos. O piloto e a equipe rescindiram o contrato, aparentemente por cerca de quatro milhões de dólares, e o italiano ficou sem volante no ano seguinte. [12]

O retorno à CART e o grave acidente

Libertado desmotivado de sua experiência na Fórmula 1 , Zanardi afastou-se temporariamente do mundo do automobilismo. [12] Nel luglio del 2000 tornò, però, negli Stati Uniti per sostenere dei test con il team di Mo Nunn, suo ingegnere all'epoca dei titoli conquistati in Champ Car e ora proprietario di una scuderia di CART, [12] che lo ingaggiò per la stagione 2001. Lo stesso anno prese parte al Rally di Monza , unica competizione a cui partecipò durante l'anno. [12]

Fin dall'inizio del campionato, però, si evidenziarono diversi problemi, tra cui le difficoltà di Zanardi a trovare un buon assetto per le qualifiche e l'inesperienza del team. [43] Inoltre errori di strategia della squadra o inconvenienti tecnici gli impedirono più volte di salire sul podio, [12] tanto che il suo miglior risultato fu un quarto posto a Toronto . La squadra, però, stava acquisendo fiducia grazie ai progressi della monoposto, e il 15 settembre 2001 Zanardi si presentò motivato all'appuntamento europeo del Lausitzring . [44] Le qualifiche non vennero disputate a seguito di un violento acquazzone e la griglia fu determinata in base alla posizione in campionato. [45] Nonostante partisse ventiduesimo riuscì a recuperare posizione su posizione, portandosi al primo posto. A tredici giri dalla fine, dopo aver compiuto la sua ultima sosta, uscendo dai box, dopo aver tolto il limitatore di giri , Zanardi perse improvvisamente il controllo della vettura (pare per la presenza di acqua e olio sulla traiettoria di uscita) [46] che, dopo un testacoda , si intraversò lungo la pista, mentre sulla stessa linea sopraggiungevano ad alta velocità Patrick Carpentier e Alex Tagliani . Il primo riuscì a evitare lo scontro, il secondo no e l'impatto fu violentissimo: la vettura di Tagliani colpì perpendicolarmente la vettura del pilota bolognese all'altezza del muso, dove erano alloggiate le gambe, spezzando in due la Reynard Honda .

Prontamente raggiunto dai soccorsi, Zanardi apparve subito in condizioni disperate: lo schianto aveva provocato, di fatto, l'istantanea amputazione di entrambi gli arti inferiori e il pilota rischiò di morire dissanguato. [12] Per salvargli la vita, Steve Olvey, capo dello staff medico della CART, "tappò" le arterie femorali del pilota per tentare di fermare la grave emorragia. Dopo aver ricevuto l' estrema unzione dal cappellano della serie automobilistica, [12] venne caricato sull' elicottero e condotto all' ospedale di Berlino , dove rimase in coma farmacologico per circa quattro giorni e gli venne rimosso chirurgicamente il ginocchio destro, irrimediabilmente compromesso. [47] Dopo sei settimane di ricovero e una quindicina di operazioni subite Zanardi poté lasciare l'ospedale per cominciare il processo di riabilitazione, nel quale ebbe un ruolo fondamentale Claudio Costa , medico del motomondiale . [12]

Il recupero e il rientro alle corse

Zanardi in una prova del WTCC 2008 a Brands Hatch

Nel dicembre dello stesso anno si presentò alla premiazione dei Caschi d'oro promossa dalla rivista Autosprint , in cui si alzò dalla sedia a rotelle, suscitando una grande emozione tra i presenti. [12] Zanardi decise poi di riavvicinarsi al mondo delle corse. Scherzando sulla sua menomazione ha affermato che, se si dovesse rompere di nuovo le gambe, questa volta basterebbe soltanto una chiave a brugola per rimetterlo in piedi, e che ora non rischia più di buscarsi un raffreddore camminando scalzo. [48]

Nel 2002 la CART diede al pilota la possibilità di far partire una gara della stagione a Toronto , Canada e nel 2003 Zanardi tornò nel circuito tedesco nel quale due anni prima era stato vittima del terribile incidente, per ripercorrere simbolicamente i restanti 13 giri della gara del 2001 a bordo di una vettura appositamente modificata. I tempi registrati sul giro furono molto veloci e gli avrebbero permesso di partire dalla quinta posizione, se il pilota fosse stato iscritto al campionato. [49]

Grazie anche a questo fatto Zanardi tornò a correre e nel 2005 tornò alla vittoria aggiudicandosi a bordo di una BMW 320si WTCC del team Italy-Spain la seconda gara del Gran Premio di Germania il 28 agosto a Oschersleben, gara valida per il Mondiale Turismo . Il bolognese, sempre nello stesso anno, riuscì a conquistare il Campionato Italiano Superturismo . Nell'ottobre del 2005 vinse la prima manche del Campionato Europeo Superturismo a Vallelunga , ma nella seconda corsa gli svedesi Bjork e Goransson dilagarono impedendogli di vincere il titolo. Nel 2006 partecipa ancora con la BMW al Campionato Italiano Superturismo e al WTCC, nel quale conquista la seconda vittoria in campo internazionale dall'incidente del Lausitzring nella gara 1 della tappa turca del WTCC a Istanbul . Nel 2009 si impone in gara-1 a Brno.

Nel novembre del 2004 si è aggiudicato il premio "Tor Vergata - Etica nello sport" , organizzato dall' Università degli Studi di Roma "Tor Vergata" e assegnato ogni anno a personalità sportive che si sono contraddistinte per lealtà, correttezza, impegno sociale e lotta al doping. [50]

Zanardi, nel fine settimana dal 24 al 26 novembre 2006, è tornato in pista a Valencia al volante di una BMW Sauber. Per entrare nell'abitacolo si è fatto preparare protesi speciali con numero di scarpa 36. Intervistato sull'evento, Alex ha dichiarato che la BMW sta facendo provare una F1 a un portatore di handicap, ringrazia tutti e soprattutto, sulla possibilità di tornare a correre in F1, ha espresso il suo parere negativo per un intero campionato. Insieme a Reinhold Messner è stato testimonial della cerimonia di apertura dei IX Giochi Paralimpici invernali di Torino 2006. Celebre l'inizio del suo intervento: "Mi chiamo Alex Zanardi e sono un pilota".

Nel 2014 prende parte alla Blancpain Sprint Series alla guida di una BMW Z4 GT3 per il team ROAL Motorsport . [51] Nel 2015 prese parte alla sola 24 Ore di Spa , mentre nel 2016 partecipò alla gara di chiusura delCampionato Italiano Gran Turismo 2016 , al Mugello, vincendo gara 2. [52] Nell'agosto 2018 prende parte alla tappa italiana del campionato DTM presso il circuito di Misano , dove coglie un tredicesimo posto in gara 1 e un quinto posto in gara 2. [53] Nel gennaio 2019 partecipa alla 24 Ore di Daytona a bordo di una BMW M8 GTE , che guida assieme a John Edwards, Jesse Krohn e Chaz Mostert, terminando la competizione al trentaduesimo posto assoluto e nono di categoria. [54] [55]

Risultati completi in Formula 1

1991 Scuderia Vettura Flag of the United States.svg Flag of Brazil (1968-1992).svg Flag of San Marino.svg Flag of Monaco.svg Flag of Canada.svg Flag of Mexico.svg Flag of France.svg Flag of the United Kingdom.svg Flag of Germany.svg Flag of Hungary.svg Flag of Belgium.svg Flag of Italy.svg Flag of Portugal.svg Flag of Spain.svg Flag of Japan.svg Flag of Australia.svg Punti Pos.
Jordan 191 9 Rit 9 0
1992 Scuderia Vettura Flag of South Africa 1928-1994.svg Flag of Mexico.svg Flag of Brazil (1968-1992).svg Flag of Spain.svg Flag of San Marino.svg Flag of Monaco.svg Flag of Canada.svg Flag of France.svg Flag of the United Kingdom.svg Flag of Germany.svg Flag of Hungary.svg Flag of Belgium.svg Flag of Italy.svg Flag of Portugal.svg Flag of Japan.svg Flag of Australia.svg Punti Pos.
Minardi M192 NQ Rit NQ 0
1993 Scuderia Vettura Flag of South Africa 1928-1994.svg Flag of Brazil.svg Flag of Europe.svg Flag of San Marino.svg Flag of Spain.svg Flag of Monaco.svg Flag of Canada.svg Flag of France.svg Flag of the United Kingdom.svg Flag of Germany.svg Flag of Hungary.svg Flag of Belgium.svg Flag of Italy.svg Flag of Portugal.svg Flag of Japan.svg Flag of Australia.svg Punti Pos.
Lotus 107B Rit 6 8 Rit 14 7 11 Rit Rit Rit Rit NP 1 20º
1994 Scuderia Vettura Flag of Brazil.svg Flag of the Pacific Community.svg Flag of San Marino.svg Flag of Monaco.svg Flag of Spain.svg Flag of Canada.svg Flag of France.svg Flag of the United Kingdom.svg Flag of Germany.svg Flag of Hungary.svg Flag of Belgium.svg Flag of Italy.svg Flag of Portugal.svg Flag of Europe.svg Flag of Japan.svg Flag of Australia.svg Punti Pos.
Lotus 107C / 109 9 15 Rit Rit Rit 13 Rit 16 13 Rit 0
1999 Scuderia Vettura Flag of Australia.svg Flag of Brazil.svg Flag of San Marino.svg Flag of Monaco.svg Flag of Spain.svg Flag of Canada.svg Flag of France.svg Flag of the United Kingdom.svg Flag of Austria.svg Flag of Germany.svg Flag of Hungary.svg Flag of Belgium.svg Flag of Italy.svg Flag of Europe.svg Flag of Malaysia.svg Flag of Japan.svg Punti Pos.
Williams FW21 Rit Rit 11 8 Rit Rit Rit 11 Rit Rit Rit 8 7 Rit 10 Rit 0 19º
Legenda 1º posto 2º posto 3º posto A punti Senza punti/Non class. Grassetto – Pole position
Corsivo – Giro più veloce
Squalificato Ritirato Non partito Non qualificato Solo prove/Terzo pilota

Risultati completi Champ Car

Anno Team Telaio Motore 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 Punti Pos.
1996 Target Ganassi Racing Reynard 96i Honda HRH MIA
24
RIO
4
SRF
21
LBH
24
NAZ
13
MCH
17
MIL
13
DET
11
POR
1
CLE
2
TOR
2
MCH
21
MDO
1
ROA
3
VAN
26
LAG
1
132
1997 Target Chip Ganassi Reynard 97i Honda HRR MIA
7
SRF
4
LBH
1
NAZ
11
RIO
4
GAT
4
MIL
13
DET
26
POR
11
CLE
1
TOR
2
MCH
1
MDO
1
ROA
1
VAN
4
LAG
3
FON
DNS
195
1998 Chip Ganassi Racing Reynard 98i Honda HRK MIA
3
MOT
23
LBH
1
NAZ
2
RIO
2
GAT
1
MIL
8
DET
1
POR
1
CLE
1
TOR
1
MCH
3
MDO
12
ROA
2
VAN
4
LAG
2
HOU
2
SRF
1
FON
3
285
2001 Mo Nunn Racing Reynard 01i Honda HR-1 MTY
24
LBH
26
[NAZ
20
MOT
7
MIL
11
DET
24
POR
26
CLE
13
TOR
4
MCH
20
CHI
9
MDO
19
ROA
13
VAN
24
LAU
20
ROC HOU LAG SRF FON 24 23°

Paraciclismo

«È possibile che se il fulmine m'è arrivato tra capo e collo una volta mi colpisca nuovamente, ma rimanere a casa per evitare e scongiurare quest'ipotesi significherebbe smettere di vivere, quindi no, io la vita me la prendo...»

( Da un incontro con studenti delle scuole romane [56] )

Apprezzato sia come atleta sia come persona per l'atteggiamento positivo verso la vita e le sue avversità, dopo l'incidente del Lausitzring Zanardi ha cominciato a partecipare a varie manifestazioni per atleti disabili e, parallelamente all'impegno automobilistico, ha intrapreso una nuova carriera sportiva nel paraciclismo dove corre in handbike nelle categorie H4 e successivamente H5.

Ha preso parte alla sua prima gara partecipando alla maratona di New York nel 2007, in cui ha colto un sorprendente 4º posto. Il 19 giugno 2010, ai campionati italiani di ciclismo su strada di Treviso , ha conquistato la maglia tricolore [57] . Ai campionati mondiali del 2011 a Roskilde , in Danimarca , ha vinto la medaglia d'argento nella prova a cronometro [58] , e ha ottenuto un 5º posto nella prova in linea [59] . Il 6 novembre 2011 ha vinto la maratona newyorkese, stabilendo nell'occasione anche il nuovo record della categoria handbike [60] [61] . Il 18 marzo 2012 ha vinto la maratona di Roma , timbrando anche stavolta il record del percorso.

Zanardi in gara ai Giochi paralimpici di Londra 2012

Nell'estate del 2012 si presenta al via dei XIV Giochi paralimpici estivi di Londra , con ambizioni di medaglia sia a cronometro sia su strada. Il 5 settembre conquista l'oro nella gara contro il tempo svoltasi sul circuito di Brands Hatch [62] . Nella stessa pista, il 7 settembre ottiene il suo secondo titolo paralimpico, stavolta nella prova su strada [63] . Il giorno dopo riesce a ottenere la sua terza medaglia, questa volta d'argento, nella staffetta a squadre mista H1-4, assieme a Francesca Fenocchio e Vittorio Podestà [64] . Al termine della Paralimpiade, viene scelto come portabandiera azzurro per la cerimonia di chiusura dei Giochi [65] . Il 4 ottobre seguente, in virtù dei risultati conseguiti a Londra, viene eletto "Atleta del mese" da un sondaggio online del Comitato Paralimpico Internazionale [66] .

L'anno successivo, Zanardi si conferma ai massimi livelli della sua categoria. In Canada , nello spazio di pochi giorni, dapprima vince la Coppa del mondo [67] , e ai successivi campionati mondiali su strada di Baie-Comeau inanella tre medaglie d'oro, confermandosi dopo la Paralimpiade nelle prove a cronometro [67] e su strada [68] , e trionfando stavolta anche nella staffetta mista assieme a Vittorio Podestà e Luca Mazzone [69] . L'anno successivo ai mondiali statunitensi di Greenville , Zanardi trionfa nuovamente nella cronometro e nella staffetta, mentre nella gara in linea conquista la medaglia d'argento alle spalle del sudafricano Ernst Van Dyk . Nel 2015, ai campionati mondiali su strada di Nottwil in Svizzera , si ripete aggiudicandosi i due titoli della categoria H5, a cronometro e in linea, e la staffetta mista in terzetto con Vittorio Podestà e Luca Mazzone [70] .

Palmarès

  • 2012
1ª prova Coppa del mondo , Prova a cronometro H4 ( Roma )
1ª prova Coppa del mondo , Prova in linea H4 ( Roma )
Giochi paralimpici , Prova a cronometro H4
Giochi paralimpici , Prova in linea H4
  • 2013
1ª prova Coppa del mondo , Prova a cronometro H4 ( Merano )
1ª prova Coppa del mondo , Prova in linea H4 ( Merano )
2ª prova Coppa del mondo , Prova a cronometro H4 ( Segovia )
2ª prova Coppa del mondo , Prova in linea H4 ( Segovia )
3ª prova Coppa del mondo , Prova a cronometro H4 ( Matane )
Campionati del mondo , Prova a cronometro H4
Campionati del mondo , Prova in linea H4
Campionati del mondo , Staffetta mista
  • 2014
1ª prova Coppa del mondo , Prova a cronometro H5 ( Castiglione della Pescaia )
1ª prova Coppa del mondo , Prova in linea H5 ( Castiglione della Pescaia )
2ª prova Coppa del mondo , Prova in linea H5 ( Segovia )
2ª prova Coppa del mondo , Staffetta mista ( Segovia )
Campionati del mondo , Prova a cronometro H5
Campionati del mondo , Staffetta mista
  • 2015
1ª prova Coppa del mondo , Prova a cronometro H5 ( Maniago )
1ª prova Coppa del mondo , Staffetta mista ( Maniago )
Campionati del mondo , Prova a cronometro H5
Campionati del mondo , Prova in linea H5
Campionati del mondo , Staffetta mista
  • 2016
2ª prova Coppa del mondo , Prova in linea H5 ( Ostenda )
Giochi paralimpici , Prova a cronometro H5
Giochi paralimpici , Staffetta mista
  • 2017
1ª prova Coppa del mondo , Staffetta mista ( Maniago )
  • 2018
1ª prova Coppa del mondo , Staffetta mista ( Ostenda )
Campionati del mondo , Prova in linea H5
Campionati del mondo , Staffetta mista
  • 2019
1ª prova Coppa del mondo , Prova a cronometro H5 ( Corridonia )

Piazzamenti

Dopo il ritiro

Ha collaborato come voce narrante nella serie a cartoni animati Roary the racing car trasmessa nel 2008 da Rai Gulp e poi da Rai Yoyo ; [72] il suo compenso è stato interamente devoluto in beneficenza. Ha doppiato il personaggio di Guido nei film d'animazione Cars - Motori ruggenti del 2006 e Cars 2 del 2011, parlando in dialetto bolognese nella versione italiana del film, e in italiano nelle altre versioni. Ha ripreso il ruolo anche in Cars 3 . [73]

Nel 2010 debutta come conduttore televisivo , conducendo su Rai 3 il programma di divulgazione scientifica E se domani , sulla scienza e le nuove tecnologie [74] [75] . Il programma ottiene buoni riscontri per via del carattere di semplicità del linguaggio divulgativo sollecitato dal conduttore che, non essendo addentro alla materia, svolge più il ruolo di "curioso" che non di "conoscitore" [76] .

Dal 2012 conduce il programma di divulgazione sportiva Sfide , sempre su Rai 3 [77] . Nella parte di se stesso, è inoltre apparso varie volte come guest star nella sitcom Camera Café . Il 2 giugno 2020 conduce in prima serata in prima visione su Rai 1 in occasione della Festa della Repubblica Storie tricolori - Non mollare mai , con molti ospiti del mondo dello sport e dello spettacolo.

Compare in un cameo nel film Rush del 2013, nei panni di un telecronista italiano. [78] .

Onorificenze

Cavaliere di Gran Croce dell'Ordine al Merito della Repubblica Italiana - nastrino per uniforme ordinaria Cavaliere di Gran Croce dell'Ordine al Merito della Repubblica Italiana
«Su proposta della presidenza del Consiglio dei Ministri»
— 27 dicembre 2014 [79]
Commendatore dell'Ordine al Merito della Repubblica Italiana - nastrino per uniforme ordinaria Commendatore dell'Ordine al Merito della Repubblica Italiana
«Di iniziativa del Presidente della Repubblica»
— 5 giugno 2013 [79]
Cavaliere dell'Ordine al Merito della Repubblica Italiana - nastrino per uniforme ordinaria Cavaliere dell'Ordine al Merito della Repubblica Italiana
«Di iniziativa del Presidente della Repubblica»
— 28 maggio 2003 [79]
Collare d'oro al merito sportivo - nastrino per uniforme ordinaria Collare d'oro al merito sportivo
«Campione paralimpico (brevetto 452)»
— 2012 [80]
Collare d'oro al merito sportivo - nastrino per uniforme ordinaria Collare d'oro al merito sportivo
«Campione paralimpico handbike - cronometro H5 e mixed team relay (brevetto 671)»
— 2016 [80]
Collare d'oro al merito sportivo - nastrino per uniforme ordinaria Collare d'oro al merito sportivo
«Campione mondiale paraciclismo – handbike cronometro ind. e team relay (brevetto 10)»
— 2017 [80]
Collare d'oro al merito sportivo - nastrino per uniforme ordinaria Collare d'oro al merito sportivo
«Campione mondiale handbike strada prova a cronometro H5 e team relay H2-5»
— 2019 [80]
Medaglia d'oro al valore atletico - nastrino per uniforme ordinaria Medaglia d'oro al valore atletico
«Meriti eccezionali in base art.19.2 c) regolamento (brevetto 3080)»
— 2006 [80]
Medaglia d'argento al valore atletico - nastrino per uniforme ordinaria Medaglia d'argento al valore atletico
«Campione europeo kart Formula K (brevetto 1086)»
— 1987 [80]
Medaglia d'argento al valore atletico - nastrino per uniforme ordinaria Medaglia d'argento al valore atletico
«Campione europeo Formula Tre Coppa Europa (brevetto 1423)»
— 1990 [80]
Medaglia di bronzo al valore atletico - nastrino per uniforme ordinaria Medaglia di bronzo al valore atletico
«Campione italiano karting Cl. 100 cc. - Cat. A / Nazionale (brevetto 6132)»
— 1985 [80]

Riconoscimenti

  • Casco d'Oro Speciale della rivista Autosprint nel 1996, 2001, 2008, 2011, 2012 e 2016
  • Casco d'Oro Cart della rivista Autosprint nel 1997 e 1998
  • Premio Sport e Solidarietà dell'AVIS nel 2002
  • Laureus World Comeback of the Year nel 2005
  • Casco d'Oro Turismo della rivista Autosprint nel 2005
  • Premio Città di Mestre nel 2006
  • Giro d'onore della Federazione Ciclistica Italiana nel 2012 [81]
  • Ape d'Oro del Comune di Castel Maggiore nel 2013 [82]
  • Premio Letterario Sportivo Memo Geremia nel 2017 per Volevo solo pedalare [83]

Opere

Note

  1. ^ Zanardi, Gasparini , p. 12 .
  2. ^ Zanardi, Gasparini , p. 20 .
  3. ^ Alex Zanardi in gruppo sulla strada con le auto: «Non era una corsa autorizzata» , su corriere.it , 21 giugno 2020.
  4. ^ Alex Zanardi travolto in handbike: grave incidente in una strada provinciale a Pienza , su firenze.repubblica.it , 2020-06-9.
  5. ^ Zanardi, la ricostruzione dell'incidente in handbike , su corriere.it , 21 giugno 2020.
  6. ^ Zanardi trasferito in centro riabilitazione a Lecco , su adnkronos.com , 21 luglio 2020.
  7. ^ Zanardi torna in ospedale, trasferito al San Raffaele perché "condizioni instabili" , su repubblica.it , 24 luglio 2020. URL consultato il 24 luglio 2020 .
  8. ^ Zanardi migliora: ha ripreso a parlare , su formulapassion.it , 13 gennaio 2021.
  9. ^ Zanardi, Gasparini , p. 42 .
  10. ^ Zanardi, Gasparini , p. 40 .
  11. ^ Zanardi, Gasparini , p. 50 .
  12. ^ a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x ( EN ) Alessandro Zanardi - Biography , su f1rejects.com (archiviato dall' url originale il 2 dicembre 2013) .
  13. ^ Zanardi, Gasparini , p. 63 .
  14. ^ Zanardi, Gasparini , p. 60 .
  15. ^ Zanardi, Gasparini , p. 99 .
  16. ^ Zanardi, Gasparini , p. 108 .
  17. ^ Zanardi, Gasparini , p. 115 .
  18. ^ a b Zanardi, Gasparini , p. 116 .
  19. ^ Zanardi, Gasparini , p. 119 .
  20. ^ Zanardi, Gasparini , p. 122 .
  21. ^ Zanardi, Gasparini , p. 125 .
  22. ^ a b c Zanardi, Gasparini , pp. 128-129 .
  23. ^ Niente di Personale : Intervista ad Alex Zanardi , LA7, 16 febbraio 2009 (archiviato dall' url originale il 24 settembre 2010) .
  24. ^ Zanardi, Gasparini , p. 131 .
  25. ^ Zanardi, Gasparini , p. 134 .
  26. ^ a b Zanardi, Gasparini , pp. 139-140 .
  27. ^ Zanardi, Gasparini , p. 154 .
  28. ^ Zanardi, Gasparini , p. 161 .
  29. ^ Zanardi, Gasparini , p. 168 .
  30. ^ Zanardi, Gasparini , p. 179 .
  31. ^ Zanardi, Gasparini , p. 182 .
  32. ^ a b c Zanardi, Gasparini , p. 206 .
  33. ^ Zanardi, Gasparini , p. 192 .
  34. ^ Zanardi, Gasparini , p. 229 .
  35. ^ Zanardi, Gasparini , p. 253 .
  36. ^ Zanardi, Gasparini , p. 274 .
  37. ^ Zanardi, Gasparini , p. 249 .
  38. ^ La Williams volta pagina con Zanardi e Ralf Schumacher , in La Gazzetta dello Sport , 23 settembre 1998. URL consultato il 10 dicembre 2012 ( archiviato il 21 dicembre 2016) .
  39. ^ Zanardi, Gasparini , p. 294 .
  40. ^ Zanardi, Gasparini , p. 296 .
  41. ^ Zanardi, Gasparini , p. 297 .
  42. ^ Zanardi, Gasparini , p. 299 .
  43. ^ Zanardi, Gasparini , p. 314 .
  44. ^ Zanardi, Gasparini , p. 332 .
  45. ^ Cesare Maria Mannucci, L'obiettivo ora sono le Olimpiadi , in Autosprint , n. 37, 13 settembre 2011, p. 41.
  46. ^ Zanardi, Gasparini , p. 339 .
  47. ^ Zanardi, Gasparini , pp. 343-347 .
  48. ^ Intervista al David Letterman Show, al minuto 5:48 , su youtube.com . URL consultato il 29 aprile 2019 ( archiviato il 12 aprile 2016) .
  49. ^ Zanardi, Gasparini , p. 401 .
  50. ^ Albo D'Oro , su scienzemotorie.uniroma2.it . URL consultato il 15 novembre 2014 ( archiviato il 27 novembre 2014) .
  51. ^ Alex Zanardi torna a gareggiare in auto per la Bmw Motorsport , su ilsole24ore.com , 4 febbraio 2014. URL consultato il 6 novembre 2014 ( archiviato l'11 gennaio 2020) .
  52. ^ Alex Zanardi vince al Mugello gara-2 del campionato italiano Gran Turismo , su it.eurosport.com , 16 ottobre 2016. URL consultato l'8 novembre 2016 ( archiviato l'8 novembre 2016) .
  53. ^ Alex Zanardi stupisce tutti a Misano, quinto in gara 2 con BMW nella tappa italiana del DTM , su lastampa.it , 27 agosto 2018. URL consultato il 22 novembre 2018 ( archiviato il 22 novembre 2018) .
  54. ^ 24H di Daytona, la gara di Zanardi , su automoto.it . URL consultato l'11 febbraio 2019 ( archiviato il 12 febbraio 2019) .
  55. ^ Zanardi racconta la sua 24 ore di Daytona con la BMW M8 GTE , su automoto.it . URL consultato l'11 febbraio 2019 ( archiviato il 12 febbraio 2019) .
  56. ^ Le sfide di un campione: Alex Zanardi si racconta ai ragazzi delle scuole romane , Fanpage.it , 25 marzo 2014
  57. ^ Alex Zanardi campione italiano Handbike! , su suipedali.it , 21 giugno 2010. URL consultato il 7 novembre 2011 ( archiviato il 1º gennaio 2011) .
  58. ^ ( EN ) 2011 UCI Para-Cycling Road World Championship – Official Results Men's H4 Time Trial , su uci.ch , 8 settembre 2011 (archiviato dall' url originale il 25 agosto 2012) .
  59. ^ Zanardi medaglia d'argento ai Mondiali di Handbike , su omnicorse.it , 12 settembre 2011. URL consultato il 7 novembre 2011 ( archiviato il 28 ottobre 2011) .
  60. ^ Super Zanardi a New York: sua la maratona in handbike , su sport.sky.it , 6 novembre 2011 (archiviato dall' url originale il 9 novembre 2011) .
  61. ^ Alessandro Mossini, Zanardi trionfa a New York, record nella maratona handbike , su corrieredibologna.corriere.it , 7 novembre 2011. URL consultato il 7 novembre 2011 ( archiviato il 9 novembre 2011) .
  62. ^ Silvia Galimberti, Handbike, Zanardi d'oro! , su gazzetta.it , 5 settembre 2012. URL consultato il 5 settembre 2012 ( archiviato il 7 settembre 2012) .
  63. ^ Silvia Galimberti, Zanardi, è uno strepitoso bis , su gazzetta.it , 7 settembre 2012. URL consultato il 7 settembre 2012 ( archiviato il 9 settembre 2012) .
  64. ^ Silvia Galimberti, Zanardi ancora a medaglia , su gazzetta.it , 8 settembre 2012. URL consultato il 9 settembre 2012 ( archiviato l'11 settembre 2012) .
  65. ^ Zanardi portabandiera , su it.eurosport.yahoo.com , 8 settembre 2012 (archiviato dall' url originale l'11 settembre 2012) .
  66. ^ ( EN ) Alex Zanardi - Male Athlete of the Month August-September 2012 , su paralympic.org , 4 ottobre 2012. URL consultato il 29 aprile 2019 ( archiviato il 30 ottobre 2019) .
  67. ^ a b Claudio Arrigoni, Zanardi oro in Canada nella crono , su gazzetta.it , 30 agosto 2013. URL consultato il 4 settembre 2013 ( archiviato il 1º settembre 2013) .
  68. ^ Claudio Arrigoni, Zanardi, fantastica doppietta. In Canada è oro pure su strada , su gazzetta.it , 1º settembre 2013. URL consultato il 4 settembre 2013 ( archiviato il 5 settembre 2013) .
  69. ^ Claudio Arrigoni, Record azzurro, 7 titoli, 13 medaglie. Protagonisti Zanardi e Mazzone , su gazzetta.it , 2 settembre 2013. URL consultato il 4 settembre 2013 ( archiviato il 5 settembre 2013) .
  70. ^ OFFICIAL RESULTS BOOK NOTTWIL, SWITZERLAND 2015 ( PDF ), su uci.ch . URL consultato il 13 marzo 2016 ( archiviato il 14 marzo 2016) .
  71. ^ ( EN ) Para cycling About , su uci.ch . URL consultato il 13 marzo 2016 (archiviato dall' url originale il 18 marzo 2016) .
  72. ^ "Roary the Racing Car" ("In pista con Roary", "Roary l'auto da corsa") , in Il mondo dei doppiatori . URL consultato il 21 maggio 2020 .
  73. ^ "Cars - Motori ruggenti" , in Il mondo dei doppiatori . URL consultato il 21 maggio 2020 .
  74. ^ Andrea Di Quarto, Alex Zanardi racconta il mondo che cambia in «E se domani» su Raitre , su sorrisi.com , 29 ottobre 2010 (archiviato dall' url originale il 19 novembre 2010) .
  75. ^ Raitre - E se domani , su esedomani.rai.it (archiviato dall' url originale il 12 novembre 2010) .
  76. ^ Puntata di TV Talk del 6 novembre 2010.
  77. ^ Sfide torna su Rai 3, conduce Zanardi , su televisionando.it , 21 settembre 2012. URL consultato il 22 settembre 2012 ( archiviato il 23 marzo 2014) .
  78. ^ Anton Filippo Ferrari, Rush: trama, cast, curiosità sul film sulla rivalità tra James Hunt e Niki Lauda , in The Post Internazionale , 21 maggio 2020. URL consultato il 3 febbraio 2021 ( archiviato il 1º dicembre 2020) .
  79. ^ a b c Zanardi Sig. Alessandro , su quirinale.it . URL consultato il 12 settembre 2017 ( archiviato il 12 settembre 2017) .
  80. ^ a b c d e f g h Benemerenze sportive di Alessandro Zanardi , su coni.it , Comitato olimpico nazionale italiano . URL consultato il 29 marzo 2018 .
  81. ^ SCALETTA PREMIATI GIRO D'ONORE 2012 ( PDF ), su ciclonews.it . URL consultato il 23 dicembre 2012 (archiviato dall' url originale il 22 febbraio 2014) .
  82. ^ Gli appuntamenti di lunedì 17: il violino del Titanic, Zanardi a Castel Maggiore , su bologna.repubblica.it , 17 giugno 2013. URL consultato il 19 giugno 2013 ( archiviato il 21 giugno 2013) .
  83. ^ Il premio Memo Geremia ad Alex Zanardi , su corrieredelveneto.corriere.it , 1º novembre 2017. URL consultato il 29 marzo 2018 ( archiviato il 6 gennaio 2018) .

Altri progetti

Collegamenti esterni

Controllo di autorità VIAF ( EN ) 45383532 · ISNI ( EN ) 0000 0000 7871 0003 · LCCN ( EN ) n96122220 · GND ( DE ) 129497363 · WorldCat Identities ( EN ) lccn-n96122220