Este é um item em destaque. Clique aqui para informações mais detalhadas

Alberto Ascari

Da Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para a navegação Ir para a pesquisa
Alberto Ascari
Última foto de Ascari em car.jpg
A última fotografia de Ascari ao volante, em 1955
Nacionalidade Itália Itália
Itália Itália (desde 1946)
Automobilismo Capacete Kubica BMW.svg
Categoria Campeonato europeu de automobilismo
Fórmula 1
Fim da carreira 26 de maio de 1955 (falecido)
Carreira
Carreira de Fórmula 1
Estréia 13 de maio de1950
Temporadas1950 - 1955
Estábulos Ferrari 1950-1954
Maserati 1954
Lancia 1954-1955
Copas do mundo vencidas 2 ( 1952 , 1953 )
GP disputou 33 (32 inícios)
GPs venceram 13
Pódios 17
Pontos obtidos 140
Primeira posição 14
Voltas rápidas 12
Palmarès
Para mais detalhes veja aqui

Alberto Ascari ( Milão , 13 de julho de 1918 - Monza , 26 de maio de 1955 ) foi um piloto de corridas e motociclista italiano , vencedor do título de campeão mundial de Fórmula 1 em 1952 e 1953 .

No campeonato de corrida ele disputou um total de trinta e dois Grandes Prêmios, vencendo treze e subindo ao pódio dezessete vezes. Ele também conseguiu quatorze pole position e alinhou 25 vezes na primeira linha. Ele é o último piloto italiano a conquistar o título mundial de pilotos e detém o recorde de maior porcentagem de vitórias em uma temporada. Na verdade, em 1952 ele venceu seis das oito corridas do calendário, conquistando o título mundial com o pontos máximos possíveis. [1] (que apenas Jim Clark teve sucesso em 1963 e 1965). Ascari também detém o recorde de voltas mais rápidas conquistadas em corridas consecutivas: sete, começando com o Grande Prêmio da Bélgica de 1952 e terminando com o Grande Prêmio da Argentina de 1953 .

Um motorista completo, ele tinha um estilo de direção preciso e respeitoso para o veículo mecânico; [2] ele também costumava impor um ritmo de corrida muito alto nos estágios iniciais da corrida e, em seguida, administrar a vantagem que havia acumulado. [3] Ele também foi capaz de se distinguir com rodas cobertas. Seus melhores resultados foram um segundo lugar na Carrera Panamericana em 1951, a vitória no Rallye del Sestriere no mesmo ano, o sucesso nos 1000 km de Nürburgring em 1953 e finalmente a vitória no Lancia D24 na Mille Miglia em 1954. Ele também participou das 24 Horas de Le Mans em 1952 e 1953 dirigindo uma Ferrari e marcando a volta mais rápida em ambas as ocasiões.

“Eu só obedeço a uma paixão. As corridas. Sem ela não saberia viver. [4] "

( Ascari em entrevista )

Biografia

Alberto Ascari era filho de Elisa e Antonio Ascari , motorista de automóveis dos anos 1920 . Ele também tinha uma irmã, Amedea. De seu pai herdou a paixão por motores, pela qual se interessou desde muito jovem. [5]

Ascari em um momento de descontração com os amigos Villoresi (à esquerda na foto) e Castellotti (à direita) e o engenheiro Vittorio Jano

Em 1942 casou-se com Maria Antonietta Tavola (mais conhecida como Mietta), apresentada a ele por Villoresi em uma festa dançante, [6] e tornou-se pai de dois filhos: Antonio chamado Tonino (1943-2008), em homenagem a seu pai e que inicialmente decidiu seguir a carreira no mundo das corridas competindo na Fórmula 3 e Patrizia (1947). Fora das corridas, ele levou uma vida tranquila em sua casa milanesa, alternando com férias curtas na Riviera da Ligúria . Alberto, apesar do apelido de Ciccio , que o pai lhe atribuía pelo seu aspecto calmo e sereno, [6] estava particularmente atento à boa forma física, impondo uma alimentação controlada e uma atividade desportiva constante, principalmente durante o inverno. [7]

Famoso no mundo das corridas por sua forte superstição, ele nunca participou de um Grande Prêmio sem sua camisa e seu capacete azul e teve o cuidado de usar seus tênis em uma determinada ordem; além disso, ele nunca se separou de dois presentes de seus filhos: uma Madonna e um chaveiro. [2] Ele soube ser tão convincente em suas superstições que envolveu também Villoresi, que adquiriu o hábito de seu amigo competir sempre com a mesma camisa. [8] Justamente diante de tudo isso Villoresi ficou profundamente abalado com a morte de Ascari em virtude do fato de que no dia do acidente ele falhou em todas as rotinas testadas, entrando no carro com roupas civis e sem seu inseparável capacete azul . [9]

Carreira

O começo

A entrada de Ascari no mundo das corridas ocorreu inicialmente em competições de motocicleta, [10] nas quais ele fez sua estreia em 28 de junho de 1936 com uma Sertum em uma corrida de resistência: as 24 Horas através da Alta Itália. [11] A primeira vitória não tardou a chegar e veio no dia 4 de julho, em outra corrida de regularidade, o Circuito del Lario . Em 1937 comprou uma Gilera 500cc e durante o ano obteve oito vitórias na categoria, coroando a temporada com o primeiro lugar geral na corrida de subida de Biella-Oropa.

O AAC 815 dirigido em 1940.

Os bons resultados obtidos, incluindo muitas colocações importantes, chamaram, portanto, a atenção da imprensa e de casas oficiais. Ele foi então contatado por Bianchi , procurando um motorista para substituir o Serafini que partia, que lhe ofereceu um contrato de 1938 por uma mensalidade de 300 liras e prêmios adicionais em caso de vitória, [12] então estendido para o ano também. Segue. O primeiro ano viu-o pouco envolvido nas corridas oficiais, já que o construtor milanês preferiu focar-se no desenvolvimento da nova moto. [12] No entanto, Ascari ainda foi capaz de marcar duas vitórias em cinco corridas em que participou. Ele então obteve uma grande vitória em 1939 em uma expedição a Salzburg.

Em 1940, apesar dos temores inevitáveis ​​pela possibilidade de não conseguir repetir os resultados do pai, [13] decidiu experimentar a transição para as quatro rodas, fazendo a sua estreia na Mille Miglia ao volante de um Auto Avio Costruzioni 815 que lhe fora fornecido. por Enzo Ferrari , [14] mas embora ele estivesse na liderança na primeira volta, ele foi forçado a desistir devido a uma falha mecânica. [15] Em um curto período, com a eclosão da Segunda Guerra Mundial , ele foi forçado a interromper temporariamente sua carreira. Durante o conflito, sua oficina, localizada em Milão , foi utilizada para conserto de veículos militares e Ascari se dedicou, junto com seu sócio e amigo Luigi Villoresi , ao negócio de transportes, abastecendo o exército italiano no Norte da África com gasolina. [2] Foi precisamente Villoresi, seu mentor no mundo do automobilismo, [16] quem o encorajou a retomar sua carreira no automobilismo, que o piloto italiano pretendia abandonar, obtendo um contrato com a Maserati . [2]

Ele os comandou depois da guerra

Ascari em Monza na vitória de 1949

Em 1947 voltou a competir [17] e, nesse ano, obteve a sua primeira vitória, no Autódromo de Modena , numa prova suspensa devido a um grave acidente que causou mortes e lesões entre os espectadores. [18] Modena também foi o primeiro sucesso do modelo A6 GCS , fazendo sua estreia na corrida. [19] Considerada até agora uma das melhores promessas do automobilismo italiano, [20] em 1948 Ascari obteve seu primeiro sucesso com um carro de Fórmula 1 , no Grande Prêmio de San Remo , vencendo a corrida da Ligúria na frente de seu amigo Villoresi e depois um duelo acalorado com Nino Farina . Após a trágica morte de Achille Varzi no Grande Prêmio da Suíça , em que Ascari terminou em quinto lugar, em julho foi contatado pela Alfa Romeo para participar do Grande Prêmio da França no circuito de Reims ; apesar de um excelente terceiro lugar, o piloto decidiu continuar a temporada com a Maserati, deixando assim a corrida francesa a única de sua carreira disputada pela fabricante que tornou famoso seu pai Antonio. [21] Algumas semanas depois, ele foi o protagonista de um acidente de carro enquanto testava um carro da casa de Modenese, no entanto, saiu quase ileso. [20] Poucos dias depois ele ainda conseguiu se firmar na Coppa Acerbo , embora sua participação tenha ficado em equilíbrio até o final e não tenha sido indicada entre as favoritas para a vitória final. [22] No ano seguinte, após um sucesso no Grande Prêmio de Buenos Aires , ele foi vítima de um grave acidente no Rio , em que quebrou uma omoplata e fraturou duas costelas. [23] Que no Brasil foi a última corrida disputada pelos milaneses com a Maserati, aliás Ascari assinou contrato com a emergente Scuderia Ferrari e ao volante dos carros Maranello obteve a consagração internacional definitiva, ganhando o Grande Prêmio de Bari , o da Suíça , o Troféu Internacional BRDC e, sobretudo, o Grande Prêmio da Itália , imitando assim o pai que vencera a corrida em 1924 . [24] A temporada do automobilismo terminou com a Temporada Argentina , da qual participou a grande maioria dos pilotos europeus, com o objetivo declarado de desafiar o ídolo da casa Juan Manuel Fangio . [25] Em 18 de dezembro de 1949, o General Peron Grand Prix foi realizado no circuito de Palermo e Ascari conquistou a vitória bem na frente de seu rival argentino. Em 9 de janeiro de 1950 foi a vez do Evita Perón Grand Prix e a primeira linha foi idêntica à de dezembro, mas com posições invertidas com Fangio na pole à frente de Ascari e Villoresi. Desta vez, a corrida do milanês durou algumas voltas, pois num acidente na partida danificou o radiador do carro e foi forçado a abandonar. [26] O seguinte Grande Prêmio de Mar del Plata viu o piloto italiano se afirmar novamente, enquanto Fangio e Villoresi foram os protagonistas de um grave acidente: este último quebrou o volante e atingiu o carro do argentino em alta velocidade fazendo-o capotar. [27] A última corrida da Temporada foi o Grande Prêmio de Rosário, no qual Ascari foi forçado a se retirar devido a problemas no motor.

Os anos cinquenta

A estreia na copa do mundo

Ícone da lupa mgx2.svg O mesmo tópico em detalhes: Campeonato Mundial de Fórmula 1 de 1950 .
O Ferrari 375 F1 , o modelo com o qual correu em Monza

Depois de ter participado de algumas corridas menores no início da temporada, Ascari voltou a tentar a aventura na Mille Miglia , ao volante de uma Ferrari 275 S e com o co- piloto Senesio Nicolini . A tripulação italiana foi forçada a se aposentar devido a uma falha mecânica pouco antes do controle de Roma , quando estava na quarta posição geral.

Sua estreia no Campeonato Mundial de Fórmula 1 , pulando a primeira corrida de Silverstone pela desistência da Ferrari , que preferia se concentrar em uma corrida de Fórmula 2 na Bélgica, [28] aconteceu no Grande Prêmio de Mônaco , onde o piloto italiano terminou em segundo lugar, lugar, atrás de Juan Manuel Fangio . Na jornada seguinte, foi forçado a abandonar após algumas voltas devido a problemas mecânicos, enquanto na Bélgica terminou em quinto. O desempenho geral não foi excelente levou a equipe a participar, no próximo compromisso em Reims , da corrida de Fórmula 2 que foi realizada antes da corrida do campeonato mundial, vencendo-a com Ascari. [29] Isso levou à última corrida da temporada, o Grande Prêmio da Itália , que viu a estreia de um novo carro: o Ferrari 375 F1 . O carro provou ser competitivo imediatamente e Ascari, junto com Dorino Serafini , conquistou o segundo lugar na corrida em casa. No final da temporada ele terminou em quinto lugar no Campeonato Mundial de Pilotos , com um total de onze pontos.

O duelo com Fangio

Ícone da lupa mgx2.svg O mesmo tópico em detalhes: Campeonato Mundial de Fórmula 1 de 1951 .
Juan Manuel Fangio , rival histórico

A temporada de 1951 começou com a participação, ao lado de Villoresi , no Rallye del Sestriere , uma corrida de regularidade com carros de turismo em um percurso de 1.800 quilômetros pelos Alpes Piemonteses . Tendo chegado à prova final da ginástica apenas um ponto atrás da equipe líder na classificação, eles conseguiram ultrapassar por alguns décimos de ponto, ganhando assim a corrida. [30] Em abril, ele participou da Mille Miglia, com o co-piloto Senesio Nicolini , ao volante de uma Ferrari 340 America . A corrida, no entanto, foi marcada por um grave acidente: partiu no meio da noite, Ascari saiu da estrada atingindo mortalmente um espectador após ser ofuscado pelos faróis de um carro público. [31] Acusado de homicídio culposo, ele foi posteriormente absolvido com toda a fórmula. [32]

Ascari em uma Ferrari 500

O retorno subsequente às rodas abertas não começou sob os melhores auspícios: em uma corrida de Fórmula 2 realizada em Gênova , uma semana antes do Grande Prêmio da Suíça , Ascari estava na liderança quando o motor quebrou e o carro pegou fogo. O piloto conseguiu parar e escapar do veículo, mas sofreu pequenas queimaduras nos braços e nas pernas que colocaram em dúvida sua participação na primeira corrida do campeonato mundial. [33] Apesar disso, ele ainda apareceu em Berna , mas ele começou o Grand Prix em condições físicas menos que perfeitas e em um carro menos atualizado do que os de Villoresi e Piero Taruffi , [34] terminando a corrida em sexto lugar e fora da área de pontos. A segunda fase, na Bélgica , acabou por ser decididamente mais feliz: Ascari na verdade conquistou o segundo lugar atrás de Giuseppe Farina e na frente do companheiro Villoresi, recuperando cinco pontos de Juan Manuel Fangio , que terminou longe dos líderes devido a um problema durante mudança de pneu. [35] Todas as equipes europeias pularam a corrida de Indianápolis , a quarta rodada da temporada foi realizada no muito rápido circuito de Reims e mais uma vez viram Ascari e Fangio como protagonistas: ambos forçados a se retirar devido a uma quebra de seu carro, eles terminaram o corrida respectivamente em segundo e primeiro lugar usando os carros de González e Luigi Fagioli . [36] Após uma aposentadoria em Silverstone , na qual mesmo assim conseguiu se classificar perto dos Alphas, o piloto italiano parecia estar fora da luta pelo título mundial, já que Fangio, que terminou em segundo lugar, teve mais do que o dobro de seus pontos: vinte e um contra nove. Chegamos assim ao Grande Prêmio da Alemanha , no circuito de Nürburgring , onde o piloto italiano triunfou em 1950 em uma corrida de Fórmula 2 .

Ferrari 500 exibido ao público em Roma em 1986

Na pista alemã, que teve uma conformação favorável às características das Ferraris, [37] Ascari reconfirmou os bons desempenhos do ano anterior, assinando a primeira pole position e obtendo a primeira vitória numa corrida válida pelo mundial à frente de o argentino, autor da volta mais rápida . A penúltima rodada da temporada foi disputada em Monza : para reabrir o destino do título de pilotos era necessário que Ascari se impusesse e que seu rival não somasse pontos e foi o que aconteceu com a Ferrari dos milaneses que conquistaram o vitória e Fangio a pé de uma falha de motor; o italiano estava, portanto, a dois pontos do título do campeonato mundial. A última jornada do campeonato mundial em Espanha no circuito de Pedralbes foi decisiva. O fim de semana começou bem com a conquista da pole position, mas os problemas viriam durante a corrida: uma infeliz escolha dos técnicos sobre o tipo de pneus a utilizar obrigou-o a fazer quatro pit stops, o que o levou a perder o título mundial. [38] No final de novembro, Ascari encerrou a temporada participando como um casal com Villoresi na viagem da Ferrari ao México para a Carrera Panamericana reservada para carros esportivos . Apesar de uma partida difícil devido ao desgaste excessivo dos pneus inicialmente adotados, a tripulação italiana conseguiu subir para a segunda posição geral, atrás dos companheiros Taruffi-Chinetti. [39]

O primeiro título mundial

Ícone da lupa mgx2.svg O mesmo tópico em detalhes: Campeonato Mundial de Fórmula 1 de 1952 .

A temporada de 1952 começou com um importante reconhecimento: Ascari foi de fato premiado pelo grupo de jornalistas esportivos de Milão como o melhor atleta italiano de 1951. [40] Mesmo em nível competitivo, facilitado pela retirada das competições da Alfa Romeo e a ausência de Fangio , campeão em título, gravemente ferido no Grande Prêmio do Autódromo deMonza em uma corrida extra-campeonato, [41] o ano foi triunfal para ele. O piloto italiano, depois de perder a primeira rodada do campeonato mundial na Suíça para se preparar para a viagem a Indianápolis , que terminou com uma aposentadoria por falha de uma roda, conquistou seis vitórias consecutivas nas últimas seis corridas programadas, vencendo assim o título mundial. Com a vitória no Grande Prêmio da Alemanha , sua terceira consecutiva na pista alemã, ele então obteve o título de Mestre de Nürburgring . [42] Ele obteve 5 pole position, 6 voltas mais rápidas e 6 vitórias.

Ascari também participou com Villoresi nas 24 Horas de Le Mans , mas retirou-se devido a uma avaria. No entanto, ele fez a volta mais rápida da corrida.

A dobradinha do campeão mundial

Ícone da lupa mgx2.svg O mesmo tópico em detalhes: Campeonato Mundial de Fórmula 1 de 1953 .

1953 viu o retorno do duelo de 1951 , com Fangio totalmente recuperado do grave acidente em Monza . O primeiro Grande Prêmio do ano foi disputado na casa do rival, na Argentina , e Ascari imediatamente se mostrou em excelente forma: o italiano, que largou da pole , fez a volta mais rápida da corrida e venceu a corrida depois de ser no comando da primeira à última volta e tendo passado por todos os outros competidores. Já Fangio desistiu devido a uma falha no motor, para decepção da torcida.

Depois de todas as equipes europeias terem pulado a corrida de Indianápolis , chegamos à terceira rodada do campeonato mundial, no circuito de Zandvoort , em que Ascari ainda venceu por dominar a corrida depois de largar da pole, sendo que apenas Farina conseguiu acompanhá-lo. O argentino foi novamente forçado a se retirar desta vez devido a uma falha no eixo traseiro. Duas semanas depois, o Grande Prêmio da Bélgica foi realizado no circuito de Spa . Fangio estabeleceu o melhor tempo nos treinos e liderou a corrida junto com seu companheiro de equipe González até que seus respectivos motores quebraram, dando lugar à terceira vitória consecutiva para o Ascari. É importante destacar que o argentino, após se aposentar, entrou no carro de seu companheiro de equipe Claes, tornando-se o protagonista de uma longa recuperação, da nona para a terceira colocação, que terminou porém com um terrível acidente na última volta que o viu ser expulso do carro, felizmente sem consequências graves. [43]

Ascari, à esquerda, na pole position no início do Grande Prêmio da Itália de 1953

Na França , então, Ascari largou mais uma vez da pole position, após uma qualificação disputando recordes de volta com os pilotos da Maserati , [44] mas encerrou a corrida, que foi vencida por Hawthorn após um longo duelo com Fangio, em quarto lugar. Depois de obter a quarta vitória da temporada no Grande Prêmio da Inglaterra , o piloto italiano, que venceu consecutivamente em Nürburgring desde 1950, conseguiu mais uma vez largar da primeira posição. Na corrida, porém, enquanto ele estava claramente na liderança, a roda dianteira direita saiu da Ferrari. Ele laboriosamente voltou aos boxes e, entrando no carro de Villoresi, tentou o retorno, baixando o recorde da volta três vezes consecutivas (caindo mais de três segundos no tempo estabelecido na prática) antes de se retirar para sempre devido à falha do motor. [45] A vitória foi para o companheiro de equipe Giuseppe Farina , com Fangio ainda em segundo lugar. Três semanas depois, na Suíça , ele voltou a vencer e, apesar de ter sido forçado a um pit stop inesperado para substituir as velas de ignição na volta 55 que o fez subir para a terceira posição, ele ultrapassou primeiro Mike Hawthorn e depois Farina, vencendo com um corrida para avançar seu segundo título mundial. [46] Este último, no entanto, não olhou favoravelmente para a vitória de Ascari, já que havia uma regra não escrita dentro da equipe que previa o congelamento de posições após dois terços da corrida. [47] A disputa foi resolvida, no entanto, no próximo evento automobilístico: os 1000 km de Nürburgring para carros esportivos. Na verdade, os dois venceram a corrida alemã alternando-se ao volante de uma Ferrari 375 MM . [47] A última prova válida para a atribuição do Campeonato do Mundo de Pilotos, em casa, teve um final diferente do esperado pelos milhares de fãs que chegaram a Monza: na penúltima volta o italiano, enquanto estava na liderança, desviou na curva de Porfido, talvez devido a uma volta, dando luz verde ao único sucesso sazonal do rival histórico Fangio.

A temporada, no entanto, deu excelentes resultados com seis pole position, quatro voltas mais rápidas na corrida e cinco vitórias, mas terminou de forma inesperada: o piloto milanês de fato, após quatro temporadas de sucesso na Ferrari , anunciou o abandono da casa de Modenese, cortejada tanto da nova Scuderia Lancia quanto da Mercedes alemã, que pretendia voltar a correr com um carro de Grande Prêmio . [48] Os motivos que levaram à separação com a equipe de Maranello foram relacionados principalmente a razões econômicas. [49] A empresa sediada em Turim tinha de fato oferecido a Ascari um contrato particularmente substancial e o último foi a Enzo Ferrari várias vezes para poder discutir um possível retoque de seu noivado, mas o conteúdo das conversas entre os dois nunca foi divulgado . [49]

O piloto, ao longo da temporada, voltou a participar nas 24 Horas de Le Mans , sempre em dupla com Luigi Villoresi. No entanto, tal como no ano anterior e apesar de ter feito a volta mais rápida da corrida, voltou a ser forçado a abandonar devido a problemas mecânicos.

A aposta Lancia

Ícone da lupa mgx2.svg O mesmo tópico em detalhes: Campeonato Mundial de Fórmula 1 de 1954 .
Ascari se envolveu nos primeiros testes do Lancia D50 em fevereiro de 1954

Em janeiro de 1954, Ascari decidiu abraçar o projeto esportivo de Gianni Lancia e assinou um contrato com a equipe de Turim. [50] A estreia com a nova marca ocorreu em março, nas 12 horas de Sebring ; os Lancias provaram ser rápidos mas frágeis e o italiano foi forçado a abandonar enquanto estava na segunda posição. [51] A próxima competição teria tido um resultado completamente diferente: Ascari apareceu no início da Mille Miglia com uma barchetta Lancia D24 e alcançou um sucesso inesperado, o primeiro para a equipe de Torino. Ainda em carro desportivo, iria então para o Porto com um monolugar com motor de 3800 cc, mas abandonou com uma avaria a seis voltas do final.

Tendo pulado as duas primeiras rodadas na Argentina e na Bélgica , Ascari fez sua estreia no Campeonato Mundial de Fórmula 1 no circuito de Reims ao volante de um Maserati 250F , graças a uma isenção especial do Lancia , [52] cujo carro de Grand Prix não foi ainda no ponto. A corrida foi dominada pela nova Mercedes , com o piloto italiano forçado a abandonar na primeira volta devido a falha na transmissão. Na semana seguinte, Ascari esteve emMonza com seu amigo e companheiro Villoresi para testar o Lancia D50 , quando foi vítima de um acidente na esquina após a passagem subterrânea, o mesmo que teria sido fatal para ele no ano seguinte: o carro perdeu o controle das folhas caídas da pista devido a uma tempestade e saiu para o gramado parando a corrida contra uma cerca viva, felizmente deixando o piloto ileso. [53] Apesar disso, depois de duas semanas ele apareceu regularmente na pista para o Grande Prêmio da Inglaterra , participando novamente ao volante de um Maserati. A corrida não foi menos infeliz que a anterior e terminou com uma dupla desistência: primeiro no próprio carro e depois no do companheiro Villoresi, em ambos os casos devido a falhas mecânicas.

Um Lancia D24 , o carro com o qual ele triunfou na Mille Miglia de 1954

Depois de perder a corrida na Alemanha porque a equipe queria se concentrar nos 1000 km de Nürburgring , que deveria ter sido disputada duas semanas depois, mas que foi cancelada devido a problemas organizacionais, [54] Ascari voltou à pista para o Grand Prêmio de 'Itália . O piloto milanês voltou ao volante de uma Ferrari, graças a um acordo com a Lancia, e representou a esperança italiana de quebrar o domínio da Mercedes. [55] Ascari não decepcionou as expectativas, marcando o segundo melhor tempo na qualificação a apenas dois décimos de Fangio. Na corrida duelou por muito tempo com o argentino e o inglês Stirling Moss , alternando-se no comando da prova até a 49ª volta, quando foi forçado a desistir por falha do motor. No fim de semana seguinte, o Tourist Trophy foi agendado em Belfast , porém o fim de semana provou ser repleto de imprevistos: um incêndio estourou duas vezes no hotel onde ele estava hospedado, [56] durante a corrida ele correu um risco muito sério quando um falha do virabrequim danificou a parte inferior do carro forçando-o a se aposentar ainda. [57] Nas semanas seguintes, Ascari concentrou-se com a equipe na configuração do carro e no início de outubro estabeleceu o novo recorde de Monza em seu Lancia D50 em uma sessão de testes. Os dirigentes da equipa decidiram assim disputar a última jornada do campeonato do mundo em Barcelona . [58] La nuova macchina era sicuramente veloce ed Ascari fece segnare il miglior tempo in tutte le sessioni di prova conquistando così la sua quattordicesima pole position in carriera a più di un anno dall'ultima, nel Gran Premio d'Italia 1953 . In gara fu, però, costretto al ritiro dopo appena dieci giri a causa di un guasto alla frizione, ma riuscì comunque a realizzare il giro più veloce, il dodicesimo in una corsa iridata.

Il volo di Monte Carlo

Magnifying glass icon mgx2.svg Lo stesso argomento in dettaglio: Campionato mondiale di Formula 1 1955 .
Alberto Ascari alla guida della sua Lancia D50 durante il Gran Premio del Valentino

Lastagione 1955 sembrava poter nuovamente proporre l'eterno duello Fangio-Ascari, in quanto le Lancia parevano finalmente a punto e infatti l'italiano, dopo essersi ritirato all'esordio mondiale in Argentina in seguito ad un'uscita di pista causata da una macchia d'olio, [59] conquistò due vittorie in corse extra-campionato: la prima al Gran Premio del Valentino a Torino e la seconda al Gran Premio di Napoli . Si arrivò così a Monte Carlo . In qualifica Fangio ed Ascari fecero segnare lo stesso tempo, ma la pole andò al pilota argentino che per primo aveva marcato la miglior prestazione. La gara si sarebbe rivelata drammatica, con le Mercedes W196 che presero il largo fin dalla partenza. Le auto tedesche, forse a causa dell'elevato ritmo imposto dai piloti, si dimostrarono fragili: prima Fangio si ritirò per un problema alla trasmissione, poi Moss si fermò ai box col motore in fumo. Si pensa che sia stata proprio la rottura del motore di quest'ultimo a provocare il terribile volo di Ascari nelle acque del porto. [60] Dalla testimonianza diretta del pilota [61] egli affermò infatti che l'auto sbandò nell'impostazione della chicane all'uscita del tunnel proprio sull'olio lasciato in pista dalla vettura tedesca, uscendo di pista e inabissandosi. Fortunatamente Ascari riuscì ad uscire dall'abitacolo e risalire in superficie dove fu soccorso da una lancia di salvataggio. Portato all' ospedale del Principato di Monaco , gli vennero riscontrate solo ferite minori, tra cui la rottura del setto nasale e alcune contusioni. [2]

L'incidente a Monza e la morte

Una Ferrari 750 simile a quella con cui Ascari trovò la morte
Il busto di Alberto Ascari al Monumentale di Milano nel 2014

Appena quattro giorni dopo l'incidente di Monte Carlo, Ascari si trovava nella sua casa a Milano , quando ricevette una telefonata dagli amici Villoresi ed Eugenio Castellotti che lo invitavano a raggiungerli a Monza , dove stavano provando una Ferrari 750 Sport per il successivo Gran Premio Supercortemaggiore . Si recò quindi all'autodromo; la sessione di prove era terminata, ma prima di andare a pranzare Ascari chiese di fare non più di tre giri di allenamento. [62] All'ultimo passaggio, nella stessa curva che lo aveva visto uscire di pista nei test con la Lancia D50 l'anno precedente, la macchina sbandò e si capovolse, schiacciando il pilota, che morì sul colpo. [63] Inutile risultò, infatti, il tentativo di rianimazione ed Ascari giunse all' Ospedale San Gerardo di Monza ormai privo di vita. [64] A cinquant'anni dalla morte le cause che portarono all'incidente rimangono non chiarite. [65] In un'intervista rilasciata al settimanale Autosprint , il pilota Tino Brambilla dichiarò di aver visto l'incidente, confermando la dinamica appena descritta ed escludendo categoricamente l'ipotesi spesso circolata che l'incidente sia stato causato da uno spettatore che avrebbe attraversato la pista. [66]

Le reazioni di cordoglio furono unanimi e la scomparsa del pilota italiano suscitò una profonda commozione in tutto il mondo dello sport, anche per la tragica analogia con la morte di suo padre Antonio, anch'egli pilota, anch'egli morto in circuito, trent'anni prima, alla stessa età del figlio. [62] Juan Manuel Fangio , suo amico e più grande rivale, si dichiarò molto colpito e sconvolto dalla notizia. [67] In seguito alla morte del suo pilota di punta la Lancia annunciò l'addio alle competizioni e cedette tutto il materiale tecnico, vetture e motori, alla Ferrari . [68] L'anno successivo Fangio avrebbe vinto il suo terzo titolo mondiale al volante di una di quelle vetture; secondo l'amico fraterno Villoresi con Ascari in vita l'argentino non sarebbe mai riuscito a conquistare cinque titoli iridati. [69] Il pilota venne poi inumato nel cimitero monumentale di Milano , insieme al padre, dove giace tuttora. Nel 2016 , ignoti ladri hanno trafugato i busti bronzei di entrambi i piloti, posti ai lati del sacello. Quello del padre era stato realizzato dallo scultore Orazio Grossoni , mentre quello del figlio è opera di Michele Vedani . [70]

Risultati

Magnifying glass icon mgx2.svg Lo stesso argomento in dettaglio: Risultati sportivi di Alberto Ascari .

Campionato mondiale di Formula 1

1950 Scuderia Vettura Flag of the United Kingdom.svg Flag of Monaco.svg Flag of Indianapolis.svg Flag of Switzerland (Pantone).svg Flag of Belgium.svg Flag of France.svg Flag of Italy.svg Punti Pos.
Scuderia Ferrari Ferrari 125 F1
Ferrari 275 F1
Ferrari 375 F1
2 Rit 5 NP 2 11
1951 Scuderia Vettura Flag of Switzerland (Pantone).svg Flag of Indianapolis.svg Flag of Belgium.svg Flag of France.svg Flag of the United Kingdom.svg Flag of Germany.svg Flag of Italy.svg Flag of Spain (1945 - 1977).svg Punti Pos.
Scuderia Ferrari Ferrari 375 F1 6 2 2 Rit 1 1 4 25 (28)
1952 Scuderia Vettura Flag of Switzerland (Pantone).svg Flag of Indianapolis.svg Flag of Belgium.svg Flag of France.svg Flag of the United Kingdom.svg Flag of Germany.svg Flag of the Netherlands.svg Flag of Italy.svg Punti Pos.
Scuderia Ferrari Ferrari 500 F2 / 375 Indy Rit 1 1 1 1 1 1 36 (53,5)
1953 Scuderia Vettura Flag of Argentina.svg Flag of Indianapolis.svg Flag of the Netherlands.svg Flag of Belgium.svg Flag of France.svg Flag of the United Kingdom.svg Flag of Germany.svg Flag of Switzerland (Pantone).svg Flag of Italy.svg Punti Pos.
Scuderia Ferrari Ferrari 500 F2 / Ferrari 553 F1 [71] 1 1 1 4 1 8 1 Rit 34,5 (46,5)
1954 Scuderia Vettura Flag of Argentina.svg Flag of Indianapolis.svg Flag of Belgium.svg Flag of France.svg Flag of the United Kingdom.svg Flag of Germany.svg Flag of Switzerland (Pantone).svg Flag of Italy.svg Flag of Spain (1945 - 1977).svg Punti Pos.
Officine Alfieri Maserati
Scuderia Ferrari [72]
Scuderia Lancia [73]
Maserati 250F
Ferrari 625 F1
Lancia D50
Rit Rit Rit Rit 1,14 25º
1955 Scuderia Vettura Flag of Argentina.svg Flag of Monaco.svg Flag of Indianapolis.svg Flag of Belgium.svg Flag of the Netherlands.svg Flag of the United Kingdom.svg Flag of Italy.svg Punti Pos.
Scuderia Lancia Lancia D50 Rit Rit 0
Legenda 1º posto 2º posto 3º posto A punti Senza punti/Non class. Grassetto – Pole position
Corsivo – Giro più veloce
Squalificato Ritirato Non partito Non qualificato Solo prove/Terzo pilota
Note
  • Tra parentesi sono indicati i punti ottenuti prima degli scarti come da regolamento .
  • Gran Premio d'Italia 1950: ritirato con una vettura e secondo classificato con altra vettura condivisa con Dorino Serafini (punteggio dimezzato).
  • Gran Premio di Francia 1951: ritirato con una vettura e secondo classificato con altra vettura condivisa con José Froilán González (punteggio dimezzato).
  • Gran Premio di Germania 1953: ritirato con una vettura e ottavo classificato con altra vettura, entrambe condivise con Gigi Villoresi .
  • Gran Premio di Gran Bretagna 1954: giro veloce ad ex aequo con Mike Hawthorn , Onofre Marimon , Juan Manuel Fangio , Stirling Moss e Jean Behra (punteggio ridotto ad un quinto).

Riepilogo della carriera

Grandi Prove / Gran Premi 1940 1947 1948 1949 1950 1951 1952 1953 1954 1955
Gran Premio d'Argentina Rit
Gran Premio del Belgio
Gran Premio di Francia Rit Rit/2° Rit
Gran Premio di Germania Rit /
Gran Premio di Gran Bretagna Rit Rit /Rit
Gran Premio d'Italia Rit/2° Rit Rit
Gran Premio di Monaco Rit/5° Rit
Gran Premio d'Olanda
Gran Premio di Spagna Rit
Gran Premio di Svizzera Rit
500 Miglia di Indianapolis Rit
Classiche di durata 1940 1947 1948 1949 1950 1951 1952 1953 1954 1955
Carrera Panamericana Rit
Mille Miglia Rit Rit Rit Rit
1000 km del Nürburgring
12 Ore di Sebring Rit
24 Ore di Le Mans Rit Rit
24 Ore di Spa Rit
Campionati 1940 1947 1948 1949 1950 1951 1952 1953 1954 1955
Campionato mondiale di Formula 1 25°
Campionato italiano assoluto di velocità
Campionato italiano di Formula 2
Gran Premio di Francia di Formula 2
Legenda - Rit: ritirato. SQ: squalificato. Corsivo : giro veloce in gara. Grassetto : pole position.

Record personali

Riconoscimenti

Francobollo emesso nel 2005 che ne commemora il cinquantesimo della morte
La piazzola nel Parco del Valentino a Torino

Dopo la scomparsa, sono state numerose nel corso degli anni le iniziative promosse in ricordo del pilota italiano. A seguito del tragico incidente la Curva del Vialone dell' Autodromo di Monza , venne rinominata in onore del corridore milanese Curva Ascari e, dopo le modifiche effettuate al tracciato, Variante Ascari . Una Curva Ascari è anche presente sia sul Circuito di Jarama , in Spagna, che su quello di Buenos Aires in Argentina. Sul finire del 1955 venne incisa nel Parco del Valentino , a Torino , una lastra sull'asfalto in ricordo del pilota [75] sebbene la scritta sia stata rovinata dall'incuria e dall'incedere del tempo. Nel 1993 il comune di Milano , sua città natia, gli dedicò una targa; essa è visibile al civico numero 60 di Corso Sempione dove il pilota abitava. Nel 2003 poi il Parco Enzo Ferrari di Modena venne adornato da una serie di busti in bronzo creati dall'artista Alessandro Rasponi e tra questi figurano anche quelli di Ascari e dell'amico Villoresi. [76] Una targa con il nome di Ascari è presente lungo il percorso intitolato Le Leggende dello Sport Italiano - Walk of fame , realizzato nel 2015 all'interno del Foro Italico di Roma per celebrare cento grandi sportivi italiani. [77] Nel 2017 è stato inserito nella FIA Hall of Fame di Parigi .

Anche a livello internazionale non sono mancati i riconoscimenti, infatti nel 1992 venne inserito nella prestigiosa International Motorsports Hall of Fame di Talladega . [78] Per celebrare, poi, i cinquant'anni dalla scomparsa, nel 2005 le Poste italiane decisero di emettere un francobollo commemorativo in onore del pilota. [79] Disegnato da Antonio Ciaburro , ritraeva Ascari in primo piano, con al fianco una vettura dell'epoca idealmente guidata dal corridore italiano e sullo sfondo il pubblico festante; [79] le Poste sammarinesi gli dedicarono, invece, un francobollo all'interno di una serie di 6 valori raffiguranti 5 campioni del mondo della Ferrari . [80] Il comune di Roma gli intitolò, nel quartiere dell' EUR , una via che corre vicina a quella in onore di un'altra icona dell'automobilismo, Tazio Nuvolari , unendo così simbolicamente i due piloti italiani più vincenti del '900. Anche nella città di Sabaudia gli è dedicata una via, in una zona dove vi si trovano strade dedicate ai volti più importanti della Ferrari.

Note

  1. ^ Nel 1952 solamente i quattro migliori risultati erano valevoli per la classifica finale.
  2. ^ a b c d e ( EN ) Alberto Ascari , su formula1.com . URL consultato il 25 giugno 2019 .
  3. ^ Casamassima , pag. 683 .
  4. ^ Biografia di Alberto Ascari , su f1web.it . URL consultato il 25 giugno 2019 .
  5. ^ Lamberto Artioli, Ascari , in I campioni del giorno , n. 1-2, 26 gennaio 1952, pp. 10.
  6. ^ a b Il campione scomparso , in Stampa Sera , 26 maggio 1955, p. 1. URL consultato il 18 marzo 2012 .
  7. ^ Cassano , pag. 14 .
  8. ^ Enzo Biagi, Ecco il nostro traguardo , in Stampa Sera , 13 maggio 1954, p. 5. URL consultato il 18 marzo 2012 .
  9. ^ ic, Villoresi:"un mistero la tragica fine di Alberto" , in Stampa Sera , 27 maggio 1955, p. 4. URL consultato il 14 marzo 2012 .
  10. ^ Massaro , p. 37 .
  11. ^ Cassano , p. 17 .
  12. ^ a b Lamberto Artioli, Ascari , in I campioni del giorno , n. 1-2, 26 gennaio 1952, pp. 14.
  13. ^ Alberto Ascari, Da Antonio a Alberto Ascari , in Il Littoriale della domenica , 23 agosto 1942, p. 4. URL consultato il 4 giugno 2012 .
  14. ^ Cassano , pag. 18 .
  15. ^ De Agostini 2005 , p. 185 .
  16. ^ ( EN ) Drivers: Alberto Ascari , su grandprix.com . URL consultato il 25 giugno 2019 .
  17. ^ De Agostini 2005 , pp. 62-63 .
  18. ^ De Agostini 2005 , p. 65 .
  19. ^ Gianni Cancellieri, Tutto Maserati , Giorgio Nada Editore, 2015, ISBN 978-88-7911-620-6 .
  20. ^ a b De Agostini 2005 , p. 71 .
  21. ^ Gurian , p. 85 .
  22. ^ Mario Ciriachi, Sorprendente vittoria di Ascari dopo spettacoloso duello con i piloti della Ferrari , in Corriere dello Sport , 17 agosto 1948, p. 1.
  23. ^ De Agostini 2005 , p. 73 .
  24. ^ Gurian , pp. 85-88 .
  25. ^ Manlio Bordi, Perché i piloti italiani affrontano Fangio in America , in Nuova Stampa Sera , 27 ottobre 1949, p. 4.
  26. ^ De Agostini 2005 , p. 188 .
  27. ^ José Saavedra, Mar del Plata: Ascari, Farina, Taruffi , in Nuova Stampa Sera , 16 gennaio 1950, p. 5.
  28. ^ Mario Ciriachi, Lo squadrone dell'Alfa torna al Gran Premio d'Europa , in Corriere dello Sport , 13 maggio 1950, p. 3.
  29. ^ Sul circuito di Reims 1º Fangio, 2º Fagioli , in Nuova Stampa Sera , 3 luglio 1950, p. 4.
  30. ^ Aldo Farinelli, Ascari strappa a Brignone il primato , in Nuova Stampa Sera , 27 febbraio 1951, p. 4. URL consultato il 18 marzo 2012 .
  31. ^ Gurian , p. 89 .
  32. ^ De Agostini 2005 , p. 89 .
  33. ^ Dino Zannoni, Ad Ascari in gara s'incendia la macchina , in Nuova Stampa Sera , 21 maggio 1951, p. 5. URL consultato l'8 marzo 2012 .
  34. ^ Dino Zannoni, Fangio, Anderson, Frigerio tre affermazioni ieri a Berna , in Nuova Stampa Sera , 28 maggio 1951, p. 5. URL consultato l'8 marzo 2012 .
  35. ^ Emanuele Farbi, Sempre in testa dopo il terzo giro , in Nuova Stampa Sera , 18 giugno 1951, p. 4. URL consultato l'8 marzo 2012 .
  36. ^ A quel tempo era possibile la condivisione della vettura da parte di due piloti. In caso di conquista di punti, i due piloti conquistavano equamente la metà del punteggio conseguito.
  37. ^ Sul difficile e tortuoso circuito del Nurburgring Ascari su "Ferrari" coglie l'alloro della vittoria , in Corriere dello Sport , 30 luglio 1951, p. 4.
  38. ^ De Agostini 2005 , p. 93 .
  39. ^ Un sombrero al figlio di Ascari , in Nuova Stampa Sera , 7 dicembre 1951, p. 5. URL consultato il 18 marzo 2012 .
  40. ^ Atleta 1951 , in Nuova Stampa Sera , 18 gennaio 1952, p. 5.
  41. ^ Dal Monte, Zappelloni , p.26 .
  42. ^ Dal Monte, Zappelloni , p.27 .
  43. ^ hj, Fangio esce di strada e si ferisce mentre Ascari saetta prima sul traguardo , in Nuova Stampa Sera , 22 giugno 1953, p. 7. URL consultato l'8 marzo 2012 .
  44. ^ Battuto otto volte il primato del circuito , in La Nuova Stampa , 5 luglio 1953, p. 4. URL consultato l'8 marzo 2012 .
  45. ^ lf, Ascari a 200 all'ora ha perso una ruota , in Nuova Stampa Sera , 3 agosto 1953, p. 4. URL consultato l'8 marzo 2012 .
  46. ^ lf, Ascari pilota n. 1 al mondo , in Nuova Stampa Sera , 24 agosto 1953, p. 4. URL consultato l'8 marzo 2012 .
  47. ^ a b lf, Ascari e Farina vincono la <1000km.> , in Nuova Stampa Sera , 31 agosto 1953, p. 4. URL consultato il 21 marzo 2012 .
  48. ^ lf, Il divorzio tra Ascari e la Ferrari , in Nuova Stampa Sera , 31 dicembre 1953, p. 4. URL consultato l'8 marzo 2012 .
  49. ^ a b Dal Monte, Zappelloni , pag.32 .
  50. ^ De Agostini 2005 , pp. 150-151 .
  51. ^ fp, Fangio ed Ascari ritirati , in Nuova Stampa Sera , 8 marzo 1954, p. 4. URL consultato l'8 marzo 2012 .
  52. ^ mb, Reims: 1º Fangio; 2º Kling , in Stampa Sera , 5 luglio 1954, p. 4. URL consultato il 9 marzo 2012 .
  53. ^ mf, Ascari a 200 all'ora esce di pista a Monza , in La Nuova Stampa , 9 luglio 1954, p. 4. URL consultato il 9 marzo 2012 .
  54. ^ Fangio ha concluso l'accordo con la Lancia , in La Nuova Stampa , 28 agosto 1954, p. 4. URL consultato il 9 marzo 2012 .
  55. ^ bc, Fangio Si rinnova il duello Fangio e Ascari , in Stampa Sera , 2 settembre 1954, p. 5. URL consultato il 9 marzo 2012 .
  56. ^ Due volte l'incendio nell'albergo di Ascari , in La Nuova Stampa , 8 settembre 1954, p. 4. URL consultato il 9 marzo 2012 .
  57. ^ st, A Belfast molti ritiri , in La Nuova Stampa , 12 settembre 1954, p. 4. URL consultato il 9 marzo 2012 .
  58. ^ Probabile la partecipazione della Lancia a Barcellona , in La Nuova Stampa , 6 ottobre 1954, p. 4. URL consultato il 9 marzo 2012 .
  59. ^ Leo Cattini, Ascari, Villoresi e Castellotti raccontano l'avventura argentina , in La Nuova Stampa , 23 gennaio 1955, p. 4. URL consultato il 9 marzo 2012 .
  60. ^ Mario Ciriachi, Una beffa della fortuna , in Corriere dello sport , 23 maggio 1955, p. 1. URL consultato il 16 marzo 2012 .
  61. ^ be, Ascari descrive il suo tuffo , in Stampa Sera , 23 maggio 1955, p. 4. URL consultato il 9 marzo 2012 .
  62. ^ a b mc, La tragica morte di Alberto Ascari ha gettato nel lutto lo sport mondiale , in Corriere dello Sport , 27 maggio 1955, p. 1. URL consultato il 9 marzo 2012 .
  63. ^ be, Ascari muore sulla pista di Monza , in La Nuova Stampa , 27 maggio 1955, p. 5. URL consultato il 9 marzo 2012 .
  64. ^ mc, Domani i funerali , in Corriere dello Sport , 27 mese 1955, p. 2. URL consultato il 9 marzo 2012 .
  65. ^ Dal Monte, Zappelloni , pag.42 .
  66. ^ Mario Donnini, Il manico di Monza , in Autosprint , n. 35/2014, 2 settembre 2014, p. 30.
  67. ^ mc, Il dolore di Fangio , in Corriere dello Sport , 27 maggio 1955, p. 2. URL consultato il 9 marzo 2012 .
  68. ^ be, Sei Lancia "formula 1" consegnate alla Ferrari , in Stampa Sera , 26 luglio 1955, p. 5. URL consultato il 9 marzo 2012 .
  69. ^ Cassano , pag. 27 .
  70. ^ Paola D'Amico, Monumentale, spariti i bronzi di Ascari: 28 i furti già accertati , Corriere della Sera, 20 marzo 2016
  71. ^ Nelle prove libere del Gran Premio d'Italia 1953 .
  72. ^ Al Gran Premio d'Italia 1954
  73. ^ Al Gran Premio di Spagna 1954
  74. ^ Le Ferrari sbancano Montecarlo , in Corriere della Sera , 17 maggio 1999, p. 38 (archiviato dall' url originale il 1º gennaio 2016) .
  75. ^ Di qui è partito Ascari , in Stampa Sera , 6 dicembre 1955, p. 5. URL consultato il 14 marzo 2012 .
  76. ^ Parco Ferrari Modena , 24 febbraio 2012. URL consultato il 23 marzo 2012 .
  77. ^ Inaugurata la Walk of Fame: 100 targhe per celebrare le leggende dello sport italiano , in coni.it , 7 maggio 2015. URL consultato il 16 settembre 2017 .
  78. ^ Alberto Ascari . URL consultato il 13 Aprile 2020 (archiviato dall' url originale l'8 agosto 2020) .
  79. ^ a b Alberto Ascari , su e-filatelia.poste.it , Poste italiane. URL consultato il 21 marzo 2012 (archiviato dall' url originale il 12 maggio 2015) .
  80. ^ Alessandro Di Tucci, Sfrecciante come un'auto disegnata , in L'arte del francobollo , n. 61, settembre 2016, pp. 15.

Bibliografia

  • ( EN ) Karl Ludvigsen, Alberto Ascari: Ferrari's First Double Champion , Haynes Publishing, 2001, ISBN 1-85960-680-6 .
  • Cesare De Agostini , Ascari. Un mito italiano , Giorgio Nada Editore, 2005, ISBN 88-7911-360-7 .
  • Sergio Massaro, Ferrari, un mito: la storia, lo sport, gli uomini, le macchine , Colognola ai Colli, Demetra, 2000, SBN IT\ICCU\FER\0179417 .
  • Enrico Mapelli, I dati della Formula 1 , Giorgio Nada Editore, 1999, ISBN 88-7911-217-1 .
  • Luca Dal Monte, Umberto Zapelloni, La Rossa e le altre , Baldini&Castoldi, 2000, ISBN 88-8089-864-7 .
  • Sergio Cassano, Piloti e Gentiluomini. Gli eroi italiani della Ferrari. , Giorgio Nada Editore, 2005, ISBN 88-7911-370-4 .
  • Pino Casamassima, Storia della Formula 1 , Bologna, Calderini Edagricole, 1996, ISBN 88-8219-394-2 .
  • Roberto Gurian, Dall'eroico Nuvolari all'elegante Hawthorn. I ferraristi 1947-1970 , in Ferrari Opera Omnia , vol. 3, RCS Quotidiani, 2007, ISBN non esistente.

Voci correlate

Altri progetti

Collegamenti esterni

Controllo di autorità VIAF ( EN ) 28154696 · ISNI ( EN ) 0000 0000 3302 8115 · LCCN ( EN ) n2001086841 · GND ( DE ) 129600172 · BNF ( FR ) cb150434297 (data) · WorldCat Identities ( EN )lccn-n2001086841
Wikimedaglia
Questa è una voce in vetrina , identificata come una delle migliori voci prodotte dalla comunità .
È stata riconosciuta come tale il giorno 7 luglio 2012 — vai alla segnalazione .
Naturalmente sono ben accetti suggerimenti e modifiche che migliorino ulteriormente il lavoro svolto.

Segnalazioni · Criteri di ammissione · Voci in vetrina in altre lingue · Voci in vetrina in altre lingue senza equivalente su it.wiki